Dificuldade na recuperação de crédito reflete fraca atividade econômica, segundo SPC

O indicador de recuperação de crédito do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) aponta que a quantidade de dívidas regularizadas em janeiro recuou 5,15% na comparação com dezembro do ano passado. Em dezembro, a recuperação de crédito havia apresentado alta de 3,04%, impulsionada pela injeção de dinheiro típica deste período por conta de pagamento de abono de Natal e contratação de temporários Com o fim destes efeitos, de acordo com o SPC Brasil, o consumidor brasileiro não encontra no começo de 2015 um ambiente favorável para quitar dívidas, regularizar as pendências financeiras e sair dos cadastros de inadimplência.

De acordo com os dados, a queda repete o comportamento de janeiro de 2014, quando a retração na base mensal atingiu 9,89%. Para o SPC Brasil, a retração analisada no começo do ano é historicamente influenciada pela alta concentração de gastos com impostos (IPTU e IPVA), material escolar e parcelas das compras de final de ano, dificultando, assim, a quitação das dívidas

Na comparação anual, o indicador mostrou alta de 1,56% ante janeiro de 2014. Porém, os economistas ponderam que o dado não pode ser considerado positivo. Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, os números refletem a conjuntura econômica adversa do Brasil. “Esta melhora em relação ao ano anterior é o primeiro crescimento anual do indicador em cinco meses, o que indica ainda reflete a dificuldade do consumidor em pagar as dívidas em atraso” diz Marcela. “A piora no nível de criação de empregos renda, aliado com a alta de juros e inflação, encarecem as parcelas das compras a prazo e diminuem o poder de compra do consumidor e das empresas. Todos esses fatores tornam ainda mais difícil quitar ou renegociar as dívidas”, explica a economista.

Pedro Augusto é jornalista e repórter do Jornal VANGUARDA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.