Opinião: “Quando não é queda… é coice!”

Por Maurício Assuero

A expressão acima é usada quando atravessamos um período de dificuldades, de qualquer ordem. É usada para mostrar que tudo está saindo errado. É o que acontece agora na cenário da economia brasileira: ou cai ou apanha.

Na semana passada, fomos avisados – formalmente – pelo Banco Central de que a estimativa de inflação para 2105 era 9% ao ano. A meta para 2016/2017 seria 4,5% com uma margem 1,5% e o que mais me chamou a atenção nos inúmeros noticiários foi a forma como isso foi dito: “o Banco Central aceita uma inflação de 6% ao ano em 2017.” Eu deixei o termo em negrito para dar uma oportunidade do leitor não deixar despercebido. Seria muito bom se a inflação fosse um produto venal e alguém batesse às portas do Banco Central anunciando o preço. Não é assim. O Banco Central não pode aceitar uma inflação… ele tem que trabalhar, e muito, para a inflação não destrua moeda, emprego, renda, crescimento econômico e tudo mais.

O que se tem, de fato, é a constatação de que o período de recuperação da economia pode ser um pouco mais curto ou pode ser mais demorado. O primeiro caminho trilha pelo aumento, de forma simples e direta, dos impostos. O equilíbrio das contas, a manutenção do ajuste fiscal, etc. serviriam como um instrumento de correção de rumos, mas não se pode apenas definir dessa forma, ou seja, é preciso que haja outras políticas associadas. Por exemplo, o governo não pode ficar pensando apenas em salvar os programas sociais – eleitoreiros – em detrimento a políticas voltadas para a sustentabilidade da economia e isso só vai ocorrer através da recuperação dos empregos, do aumento do índice de confiança do consumidor e do empresário, etc..

Estamos no fim do primeiro semestre e não temos nem perspectiva do quão será ruim o segundo. Então, se isso for a queda, o coice vem com as tenebrosas revelações da Operação Lava Jato. Agora, o dinheiro desviado da Petrobras entrou na campanha política dos presidentes Lula e Dilma. Temos um governo com o mais baixo nível de popularidade da história do país (comparando-se ao governo Collor de Mello em 1992), que é apático para estancar a crise. O Brasil, não está no fundo do poço, ainda, porque ele continua caindo. O pior em tudo isso é que as pessoas que comandam não estão percebendo que isso pode desaguar numa situação social complicada, com consequências drásticas, inimagináveis.

O que devemos fazer? A impressão é que quanto mais pessimistas formos, mais estaremos contribuindo para intensificação da crise e não bem isso. Estamos pessimistas porque vimos nossos sonhos se transformarem em fumaça, tanto quanto estamos vendo nossos empregos sumirem. Isso é motivo para preocupação? Claro que é! Não há perspectiva de aumento de emprego para este ano e o início de 2016 deve trazer mais desemprego. Quanto ao fundo do poço, a gente espera para saber se o governo fica no ajuste fiscal ou se vai aumentar os impostos.

Pedro Augusto é jornalista e repórter do Jornal VANGUARDA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.