Pacientes renais crônicos podem ingerir água à vontade?

A água é um elemento essencial para o ser humano, já que 70% do nosso corpo é formado por ela. Nosso organismo consegue ficar muito tempo sem alimento, mas não sem água. Há estudos apontando que no máximo entre três a cinco dias uma pessoa pode morrer, portanto, é fundamental uma hidratação adequada. Entretanto, o paciente renal crônico deve ter cuidado, até com a ingestão de água.

O acúmulo de líquidos é um dos principais problemas enfrentados pelos pacientes renais crônicos , muitas vezes provocando aumento da pressão arterial e até edemas no corpo. “Por isso, é muito importante que o paciente esteja sempre em acompanhamento com um médico nefrologista, que especificará as quantidades corretas de consumo de líquido para cada caso”, observa a nefrologista Ângela Santos.

Até as pessoas saudáveis devem controlar o consumo de líquidos. Segundo Ângela Santos, a recomendação de ingerir mais de dois litros de água por dia para não prejudicar a funcionalidade dos rins é um mito. “Apesar de necessitarmos de adequada ingesta hídrica para um bom metabolismo, o nosso rim controla sua função de acordo com a ingestão de líquidos: se hidratarmos demais, teremos maior eliminação de urina mais diluída. Caso contrário, o rim concentrará e diminuirá o volume de diurese. Orientamos a ingesta de 30 ml de líquidos por quilo de peso. Desse total, 50% devem ser na forma de água pura; o restante, através dos outros líquidos ingeridos e proveniente dos alimentos, por exemplo uma hidratação adequada para um paciente que pesa 70kg, deve ser de dois litros, sendo um litro de água pura”, ressalta.

Outra dificuldade para pacientes renais é o acúmulo de toxinas, que passam a não ser eliminadas pelos rins. “Quando há o mau funcionamento dos rins, substâncias como potássio, fósforo, ureia, sódio e água passam a ficar acumuladas no sangue. Então, a dieta passa a ser responsável por fornecer tais nutrientes em quantidades adequadas para manter um bom estado nutricional”, explica a nefrologista Ângela Santos da Uninefron.

Na contramão da crise, farmácias devem continuar a crescer

As farmácias diferente de outros setores, não estão sendo afetadas pela crise financeira, passando por um momento de contínuo crescimento. Exemplo são as loja filiadas à Federação Brasileira das Redes Associativas de Farmácias (Febrafar) que festejam neste fim de 2016 números de elevação de vendas maiores do que o mercado em geral em relação as demais farmácias.

Em relação às vendas, o número varia em cada rede associada à Febrafar. Entretanto, segundo o presidente da Febrafar, Edison Tamascia, as projeções são muito animadoras para a finalização do ano. “Posso afirmar que fecharemos 2016 de forma positiva, com o crescimento acima da inflação. Para se ter ideia, o número de medicamentos a serem vendidos deverá ter uma alta de cerca de 5% em média, considerando o número de unidades, o que é muito bom”, explica.

Em número de lojas, essas redes já somam cerca de 9.700 em todo país, representado 12% de todo o mercado. A principal lição que a Febrafar tem divulgado aos associados em relação a 2016 é da necessidade de modernização das farmácias e capacitação dos gestores. Para tanto, a associação priorizou o fornecimento de novas ferramentas e de cursos para capacitação dos parceiros.

Projeções para 2017

Para 2017, Tamascia projeta a continuidade do crescimento, mesmo perante o cenário de crise que o país passa. “Com base em dados de análises de mercado, vemos que o setor farmacêutico tem ainda muito o que crescer no país. E como é um produto de primeira importância, ele é pouco afetado pelos ânimos da economia. Assim, para as farmácias que possuem planejamento, os números positivos são praticamente certos”, explica.

Esse fato faz com que a expectativa seja de que as redes e farmácias ligadas à Febrafar também cresçam. O ritmo de adesão ao associativismo é grande, além disso, boa parte dos donos de farmácias ligadas à Febrafar estão abrindo novas lojas. “Observo que a grande maioria das redes possuem projetos de expansão. Cito o exemplo das redes ligadas à administradora Farmarcas, que possuem atualmente pouco menos de 600 lojas e pretendem atingir 1.000 em meados de 2018. São muitos os diferenciais das lojas ligadas ao associativismo, sendo que a junção de várias empresas em torno de um objetivo comum aumenta a possiblidade de êxito”, complementa o presidente da Febrafar.

Dentre os benefícios de se ligar ao associativismo, ele cita o fato de esses empresários passarem a conviver de uma forma mais efetiva e afetiva entre si, uma vez que eram, até então, concorrentes, o que faz com que sejam mais empreendedores.

Outro ponto importante é que essas empresas unem forças para comprar em conjunto, possuem ações de marketing compartilhadas e administração profissionalizada, dentre outros aspectos que só são possíveis de realizar de forma coletiva. “Ao participar de uma associação, a empresa se torna mais competitiva”, conta Tamascia.

Desafios existem

Há também riscos para o mercado farmacêutico. Edison conta que, por muito tempo, um dos principais desafios das farmácias eram questões regulatórias; contudo, ele observa que essa preocupação, nos próximos anos, será mais para indústrias.

“Para as farmácias, com certeza, um grande desafio continuará sendo relativo à questão tributária, que é muito complexa e que proporciona um custo muito alto, basta ver os casos de substituição tributária. Infelizmente, a solução para minimizar esse problema seria uma reforma tributária, o que não há perspectivas de ser feito”, finaliza.

ARTIGO — 5 dicas para manter o espírito de start-up e continuar crescendo

por Felipe Almeida*

Começar um negócio, muitas vezes, é o passo mais fácil de ser dado. Muitos se encantam com a ideia, considerando a estabilidade e a segurança que a vida de um funcionário oferece. Ledo engano. O mundo do empreendedorismo trata de tudo, menos de segurança e estabilidade. Lançar-se ao mundo do “meu próprio negócio” é enfrentar muitos monstros. É enfrentar-se. Olhar no espelho e ter auto-consciência de que é preciso muito mais que um sonho. É, no mínimo, ter muita resiliência e perseverança.

No meu caso, a veia empreendedora é genética. Venho de uma família de self-made men e women. Meu pai começou como engraxate. Foi longe. E continua indo. Dentre as lições que aprendi, em casa, e no mundo dos negócios, seleciono 5 dicas para que sua empresa nunca perca o espírito livre e leve de uma start-up, mesmo quando começar a alçar – os tão sonhados – voos mais altos.
1- Descubra o seu talento. Mas seja bom em várias áreas.

Quando começar, você deve perceber que você tem talentos, competências e habilidades ainda muito cruas. Para um empreendedor, considero fundamental ter um talento em uma área específica, mas acredito ser de grande importância que o mesmo conheça outras áreas e tenha capacidade de executar e organizar várias tarefas ao mesmo tempo.

Estou convencido de que empreendedores de sucesso têm uma elevada capacidade de multiprocessamento, pois precisam liderar assuntos organizacionais e de mercado, como montar um time de alta performance e processos bem desenhados, definir qual a melhor estratégia para atrair clientes, além de tratar questões como receita, custos, impostos, emprés- timos, investimentos etc.

Mas você naturalmente não vai conseguir fazer tudo sozinho.

2– Associe-se a pessoas tão talentosas quanto seu negócio merece

É nessa hora que uma sociedade possibilita uma melhor divisão de tarefas e comando dos processos diários. Não tente dar conta de tudo. Você não dará. E o custo será alto.

Existe, no entanto, um aspecto fundamental para o sucesso de uma sociedade: a complementaridade de qualidades e pontos fortes de cada um dos sócios. Mais importante ainda, os sócios precisam ter valores e princípios de vida parecidos.

Você e seus sócios precisarão sonhar juntos. Mas o espírito de equipe morre na praia se não puderem realizar o negócio juntos.

3– Olhe em volta e saia da concha

Não é só a sociedade que será importante para a maturação e crescimento da sua empresa. Você precisará, de fato, respirar outros ares.
Essa foi para mim uma grande lição: em qualquer situação de nossas vidas, seja de trabalho ou pessoal, é fundamental conhecer pessoas. Pessoas que ajudaremos e que também poderão ser nossos aliados quando for necessário.

Mas isso precisa ser natural. Relações de cunho interesseiro são logo percebidas e desmanteladas. Cuidado com esse jogo. Ele nunca vale a pena.

Por isso, crie uma rede verdadeira. Tenha um hobby. Interesse-se legitimamente pelas pessoas. Faça mais amigos e aprenda com todos eles.
Mas não entre em uma zona de conforto de só expandir suas relações com pessoas com quem tenha afinidade. A maior riqueza será aproximar-se daqueles que, num primeiro olhar, pouco têm a ver com você. Seja diverso e, novamente, aprenda com diferentes pontos de vista.

4– Não espere ter certeza para agir

Errar faz parte. E como! Empreender é a arte de encarar o novo, o desconhecido. Por isso, será muito difícil ter sucesso com uma atitude extremamente conservadora, na qual se busca 100% de certeza para se tomar uma decisão.

É claro que pesquisa, números e informações sobre mercados são fundamentais para se montar um plano de negócios com uma chance maior de sucesso, mas o empreendedor precisa ter intuição, paixão e – uma grande dose – de coragem para alcançar os objetivos sonhados.
Infelizmente, por aqui, o fracasso é muito malvisto. Em outros países com altos índices de empreendedorismo como Estados Unidos, Israel e Reino Unido, o fracasso é visto com ótimos olhos, pois certamente irá preparar melhor aquele empreendedor para seu próximo negócio. Não tenha medo de fracassar se estiver convicto de que aquela é a melhor tentativa para o êxito! Uma vez, li que o que tem que ser punido não é o erro e sim a negligência. Isso serve como uma luva para o mundo do empreendedorismo.

5– Seja honesto. E não abra mão disso.

Meu pai sempre repetiu um ditado que diz: “Seu passado é seu futuro”. Ou seja, falta de ética e comportamentos duvidosos serão lembrados e terão grande impacto nas suas chances de sucesso. E isso é igualmente poderoso quando se tem um passado positivo, de alianças, de transparência e de confiança.

Quando você errar, sua reputação perdurará. Cuide dela todos os dias. Ela vai te impulsionar novamente.
Olhe para dentro. Não abra mão de suas verdades. Compartilhe seus sonhos. Crie sua rede. E bons negócios.