Contribuintes criticam suposta disparidade do IPTU

Os preços referentes ao IPTU deste ano parecem não estar agradando a centenas de contribuintes que possuem imóveis residenciais e comerciais em Caruaru. Desde a semana passada que a redação do Jornal VANGUARDA vem contabilizando reclamações por telefone a respeito da suposta disparidade de valores entre 2015 e 2016. Além de ter colhido alguns depoimentos dos reclamantes pelo canal, o periódico esteve visitando, na manhã da última segunda-feira (1º), o Complexo Administrativo da PMC, onde fica instalada a Secretaria Municipal da Fazenda. O objetivo foi colher novos questionamentos e eles não tardaram a aparecer.

Bastaram apenas poucos minutos para reportagem VANGUARDA contabilizar vários casos. Um deles foi do aposentado Manoel Vidal, que disse ter tomado um susto após ter recebido o boleto do IPTU deste ano. “E não era para menos, afinal houve um aumento de 207%, ou seja, passou de R$ 390 para R$ 1.200. Um verdadeiro absurdo. Ao questionar estes valores no balcão de atendimento, a servidora da prefeitura informou que o preço referente a 2016 iria baixar para a casa dos R$ 600. Mas, mesmo assim, ficou bastante alto haja vista que não realizei nenhuma modificação no imóvel para esperar tal reajuste. Não tenho condições de arcar com esta quantia”, criticou.

A autônoma Helena Tomás foi outra a criticar a suposta disparidade de valores. “O engraçado é que a prefeitura utilizou os meios de comunicação para divulgar que não iria aumentar muito o preço do IPTU. Não sei para os outros, mas pelo menos para mim esse anúncio não passou de conversa fiada. Em vez de pagar pouco mais de R$ 1.200, conforme estava aguardando, vou ter de desembolsar R$ 1.500. O detalhe é que meu imóvel permanece da mesma forma do ano passado, ou seja, sem nenhuma reforma tampouco com qualquer atividade comercial”, reclamou.

O anúncio o qual a autônoma se referiu foi ressaltado na primeira edição deste ano do Jornal VANGUARDA pelo secretário-executivo da Sefaz, Emerson Araújo. Na época, ele destacou que o reajuste do IPTU 2016 tinha sido definido tomando como base o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do último mês de novembro. O valor correspondeu a 9,93%. Em entrevista, já na manhã da segunda, o outro representante da pasta, o diretor de Cadastro Imobiliário, Thiago Oliveira, reiterou o emprego do percentual, bem como explicou o que estaria provocando esta suposta disparidade de valores.

“A prefeitura, através da Sefaz, em via de regra praticou sim o reajuste de 9,93%. Entretanto é preciso esclarecer para todos os reclamantes que o IPTU é calculado tomando como base os valores venais dos imóveis. Como a cada ano observarmos uma atualização natural desses valores, é justificável que alguns impostos tenham sofrido esses aumentos. De qualquer forma, recomendamos a todos eles que se dirigiam até a nossa sede para tirar quaisquer dúvidas. Aqui eles poderão solicitar uma revisão dos valores venais e, caso seja cabível, ocorrerão os ajustes necessários.”

Devido à alta demanda de revisões, a Sefaz decidiu prorrogar para até esta sexta-feira (5), o prazo final para a quitação da cota única ou da primeira parcela do IPTU 2016. Inicialmente, a medida se estenderia até o último dia 31. Os boletos podem ser impressos através do site da prefeitura: www.caruaru.pe.gov.br, no link 2ª Via – IPTU 2016, ou na Secretaria Municipal da Fazenda, tanto na unidade avançada, que fica no Bairro Shopping Leste, na rua Presidente Artur Bernardes, n° 491, bairro do Salgado, como no próprio Complexo Administrativo, na avenida Rio Branco, n° 315, Centro.

Pedro Augusto é jornalista e repórter do Jornal VANGUARDA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.