Sem “gordura”, empresas exigem mais de candidatos em entrevistas de emprego

Participar de uma entrevista de emprego sempre exigiu preparação, mas, para as oportunidades que surgirem neste ano, os candidatos serão ainda mais cobrados. De acordo com o coach de Maurício Sampaio, o principal motivo está relacionado à crise: as empresas estão redobrando os cuidados para evitar o erro de uma contratação.

“As companhias estão trabalhando sem gordura e, por isso, serão mais seletivas em 2016. O nível de exigência será maior no que diz respeito às habilidades e competências técnicas e emocionais”, afirma o especialista. “As empresas querem profissionais com capacidade de entender a sua complexidade organizacional e que promovam resultados imediatos.”

Para ter sucesso e atender às expectativas dos contratantes, Sampaio reforça que o primeiro passo é ser honesto consigo.

“Analise se a vaga para a qual estão lhe convocando realmente tem a ver com suas perspectivas profissionais e pessoais. Se você está indo para uma entrevista que não tem nada a ver com você, com o que almeja para seu futuro profissional, e que, principalmente, não atenderá aos seus talentos, está perdendo o seu tempo e o do entrevistador.”

O coach recomenda que o candidato deixe claro, no currículo e na carta de apresentação, suas habilidades, competências e realizações. “Não adianta basta ter várias formações e certificações. Isso é muito bom, mas não resolve.”

Uma dica é fazer uma espécie de inventário profissional e pessoal. “Escreva em um caderno suas competências, qualidades, os resultados que já obteve, o que deseja para os próximos 5 anos. Faça uma espécie de portfólio profissional. Você descobrirá quantas coisa já realizou, o quanto se desenvolveu e descobrirá aonde estão seus pontos fortes”, ensina.

Está desempregado há muito tempo? Veja o que fazer

Para Sampaio, o tempo parado pode ser uma forma de repensar a sua carreira e verificar se ainda quer atuar na área que pretendia em seu currículo anterior. Por isso, é fundamental revisar seu currículo, atualizar dados cadastrais, cursos, capacitações, certificações e outros.

“Verifique o objetivo do seu currículo, se ele está claro para quem vai ler. Ou seja, se você deseja vaga de vendedor interno, está colocando isso no seu currículo? E analise a coerência dos dados. Algumas pessoas informam que desejam atuar em uma determinada área e inserem no currículo cursos e experiências que não têm nada a ver.”

O coach também chama a atenção para a apresentação: “Apresentar currículos amassados, que estão guardados há muito tempo, com o grampo enferrujado, com papel de péssima qualidade e colorido… Nada disso pega bem”.

Pedro Augusto é jornalista e repórter do Jornal VANGUARDA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.