Garibaldi ganha chance para presidência do Senado

Considerado azarão na disputa para presidente do Senado, que ocorre em fevereiro do próximo ano, Garibaldi Alves (PMDB-RN) desponta com chance após decisão do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que declarou suspeição, por motivo de foro íntimo, para analisar citação feita por um delator da Lava Jato ao senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), favorito na corrida pela sucessão de Renan Calheiros (PMDB-AL).

Dono da maior bancada, com 19 senadores, o PMDB tem a prerrogativa de indicar o candidato à presidência do Senado. Isso é quase garantia de eleição, respeitando a tradição de décadas no Congresso, segundo a qual a maior bancada fica com o comando do Senado.

O pedido de Janot faz referência à delação premiada do ex-diretor da Hypermarcas, Nelson Mello, que afirmou ter pago, por meio de contratos fictícios, R$ 5 milhões em caixa dois para a campanha de Eunício Oliveira ao governo do Ceará em 2014.

Com a decisão de Janot, o vice-procurador-geral da República, José Bonifácio Borges de Andrada, pediu ao Supremo para analisar em separado as implicações feitas pelo delator sobre peemedebistas.

Andrada vai avaliar se há elementos para pedir abertura de inquérito. Aos investigadores, Mello reforçou a relação próxima do lobista Milton Lyra com a cúpula do PMDB no Senado.

Complicou a situação de Eunício.

Natural do Rio de Janeiro, é jornalista formado pela Favip. Desde 1990 é repórter do Jornal VANGUARDA, onde atua na editoria de política. Já foi correspondente do Jornal do Commercio, Jornal do Brasil, Folha de S. Paulo e Portal Terra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.