ARTIGO — Fechamento de agências bancárias

Por Maurício Assuero

O recente anúncio do Banco do Brasil em reduzir o número de agências, seguido imediatamente pelo Caixa Econômica, não é fruto apenas de uma conscientização operacional na qual se chegou a conclusão de que algumas agências são deficitárias e que para tais casos basta apenas um posto bancário. Na verdade, os bancos entendem que qualquer ameaça a redução dos seus lucros deve ser combatida com medidas de contingenciamento. Falo baseado na minha experiência de ex-bancário quando vi, durante um dos planos de estabilização da moeda, aproximadamente 50 funcionários de um setor inteiro convocadas para uma reunião num auditório, apenas para serem comunicados que estavam demitidos, a partir daquela data. A terceirização do setor era uma solução mais econômica do que a manutenção dos empregos.

O problema do Banco do Brasil e da CEF é maior do que se deixa transparecer. Como bancos estatais, ambos, foram usados pelo governo Dilma para reduzir taxa de juros e isto afetou o preço de suas ações no mercado financeiro. Ambos estão com problemas graves nas suas entidades de previdência privada (Previ e Funcef) com déficit financeiro expressivo por conta de administrações equivocadas na gestão desses recursos e isso compromete, por exemplo, a política de aposentadorias dos funcionários. Então, ao invés de promover a aposentadoria tornar mais factível implantar um programa de demissão voluntária. Vejam do que é capaz a ingerência: estamos falando de duas entidades são autônomos em suas atividades, ou seja, ambas operam independentemente dos recursos do Tesouro Nacional.

O que mais preocupa é que tal movimento será incorporado pelos bancos privados como já sinalizou o Bradesco que seguirá as medidas adotadas pela CEF e o pelo BB. Então, a consequência será aumento na taxa de desempregoe uma senhora dor de cabeça para a população das cidades que terão agências fechadas que necessitarão se deslocar para cidades circunvizinhas e que serão alvo fácil de bandidos e aproveitadores. Note que estamos falando, no caso do Branco do Brasil, do fechamento de 402 agências e a demissão de 18 mil pessoas. Nitidamente, isso vai causar impacto no sistema econômico em proporções não analisadas. Por exemplo: como uma cidade pode atrair investimentos se não tiver uma agência bancária? Como será feito o transporte de valores? Comerciantes contratarão escolta armada? Lógico que qualquer ação repercute nos custos.

Um componente fundamental para essa opção dos bancos tem sido a falta de segurança. Bandidos fazem a família do gerente refém enquanto este se dirige à agência em companhia de parte da gang para abrir os cofres. Quando não é assim, as agências são explodidas com dinamite sem que o governo adote uma política de contenção e de proteção. Estranho que, apesar do controle de vendas de explosivos, ter tantos por aí em mãos equivocadas. Estranho que o governo não tenha se mobilizado para negociar com os bancos a manutenção das agências, afinal, isso também vai impactar na arrecadação. Então, se tiver que se fazer alguma coisa que seja rápido porque depois da agência fechado é muito mais complicado.

Horário sem alteração na Feira da Sulanca

A Feira da Sulanca de Caruaru funcionará normalmente neste fim de ano. De acordo com o Departamento de Feiras e Mercados, apesar do aumento de compradores, está mantido o horário inicial de 5h da manhã. A expectativa é que estas feiras de dezembro tenham uma movimentação de 70 a 100 mil pessoas de acordo com as proximidades das datas festivas.

Em caso de descumprimento dessa determinação, serão tomadas sanções administrativas em caso de descumprimento por parte dos lojistas – multas, interdição do estabelecimento e suspensão de alvará de funcionamento ou em caso de descumprimento por parte de feirantes – recolhimento da mercadoria, multa e suspensão do contrato de concessão.

A Secretaria de Gestão e Serviços Públicos recomenda ainda que os horários destinados ao abastecimento dos pontos de venda, sejam obedecidos, caso contrário as sanções citadas acima também poderão ser aplicadas.

Comando Presente inaugura sinalização na Feira da Sulanca

O Comando Presente inaugurou oficialmente na última sexta-feira (2) o projeto de sinalização das ruas e avenidas da Feira da Sulanca de Caruaru e contou com a presença de autoridades e ainda com representantes dos órgãos de segurança, do setor empresarial e associativismo da cidade e da população em geral.

O projeto consiste na sinalização horizontal e vertical da área feira, através da pintura dos pisos das avenidas, nas cores vermelha, azul, amarela, rosa, verde, laranja, roxa e marrom, e também da colocação de placas de identificação nas esquinas de cada avenida e rua, contendo nome da rua e a identificação de banheiros e lanchonetes mais próximos.

Para um dos responsáveis pelo projeto, o diretor do Sindloja Robson Ferreira, a iniciativa vai facilitar a localização dos bancos e boxes, beneficiando especialmente feirantes quem vêm de outras cidades, e ainda tornar eficiente a ação dos órgãos de segurança e de fiscalização no interior da feira, através do Comando Presente. “Foi um projeto complexo, mas que resultou numa ação objetiva e de baixo custo, que terá um alcance sistêmico para todos os usuários da Feira da Sulanca”, explicou.

Elaborado a partir do Comando Presente, o projeto mapeou 39 ruas e nove avenidas, que foram contempladas entre as avenidas José Lourival da Silva e Rui Limeira Rosal, no Parque 18 de Maio. Estrategicamente, o setor da Brasilit foi o primeiro local a receber o projeto, que poderá, futuramente, se estender para todo território da feira. Todo o projeto está sendo custeado por patrocinadores, por meio da comercialização das placas.

O Comando Presente foi criado em novembro de ano passado a partir da parceria entre entidades e associações representativas de classes, órgãos de segurança, poder público e sociedade civil, com a proposta de colaborar com as Polícias Civil, Militar e Rodoviária Federal no combate à criminalidade no Parque 18 de Maio e no centro da cidade e também na promoção de sensação de segurança para vendedores e compradores, o que afeta diretamente o desenvolvimento econômico do município.

Lojas do 18 de Maio também comemoram

Feira da Sulanca (82)

Instaladas nos entornos dos setores da feira, as lojas que compõem o Parque 18 de Maio também estão contabilizando crescimento nos faturamentos neste fim de ano. A empresa do comerciante José Silva, por exemplo, que é especializada na comercialização de aviamentos, vem conseguindo igualar com o número de vendas que foi computado em novembro do ano passado. “Se não fosse essa crise financeira que tem afetado todos os setores do nosso comércio, acredito que iríamos superar o faturamento de 2015, porém se conseguirmos ao menos igualar com o do último fim de ano já estará de bom tamanho. Até agora a demanda tem sido muito grande”, destacou José.

Numa loja de vestuários, que fica próxima à Fábrica da Moda, a expectativa é de superar as vendas do último bimestre de 2015 em aproximadamente 20%. “Apesar de todos esses problemas de segurança e de mobilidade do Parque, milhares de consumidores fazem questão de vir comprar por aqui e as lojas do entorno aproveitam o embalo para comercializar bastante. Investimos em novidades em termos de produtos, estamos trabalhando com preços atrativos, então, deveremos vender mais, sim, em relação ao ano passado. Até o presente momento, a demanda tem se concentrado um pouco mais no atacado, porém o varejo deverá se sobressair nas proximidades do Natal”, comentou o gerente César Silva.

Os tecidos, segundo a comerciante Valéria Marques, também estão sendo bastante procurados. “Nossa loja é especializada neste tipo de produto e já vem sentindo o impacto positivo que o fim de ano costuma proporcionar para as empresas do 18 de Maio. Se o movimento ainda não chegou até a algumas lojas, por aqui, na nossa unidade, o fluxo de clientes e o registro de vendas têm sido altos.”

Chegou a época que todos os sulanqueiros aguardavam

Feira da Sulanca (63)

Pedro Augusto

Carros estacionados com placas de várias cidades e estados, pessoas trafegando com sacolas abarrotadas pelas ruas, lojas repletas de consumidores. O cenário descrito ao lado define bem a realidade do Parque 18 de Maio, no centro de Caruaru, a cada fim de ano, e em 2016 não está sendo diferente. Na última Feira da Sulanca, antes do repasse da primeira parcela do 13º salário, um extenso fluxo de compradores foi contabilizado em todos os segmentos do espaço, proporcionando lucratividade em dobro para grande parte dos feirantes. De acordo com o presidente da Associação dos Sulanqueiros de Caruaru, Pedro Moura, apesar da crise, pelo menos até agora, a força motriz da economia caruaruense está obtendo desempenho satisfatório em termos de vendas.

“É sempre importante ressaltar que a Sulanca possui uma gama diferenciada de produtos em relação às outras feiras com atuação na região Agreste, sendo assim, costuma comportar um quantitativo redobrado de clientes nesta época do ano. Neste último bimestre, mesmo com todos esses problemas provenientes das intensificações da crise e da seca, estamos projetando ao menos igualar com os faturamentos que foram contabilizados no mesmo período de 2015. Até o presente momento, tanto o fluxo de consumidores como o registro de vendas têm sido animadores e a tendência é de colhermos resultados ainda mais positivos com o repasse do 13º e a chegada consequentemente do mês de dezembro”, analisou Moura.

É o que também espera o sulanqueiro Carlos Clayton. Dono de dois bancos no antigo terreno da Fundac, ele está reforçando o estoque de vestuários para as próximas feiras. “Tivemos um movimento bom nesta última, mas é claro que deveremos vender ainda mais nestas próximas com o pagamento do 13º salário. Vários clientes que costumam revender as mercadorias adquiridas em suas cidades aproveitaram esta e as feiras anteriores para preencher as sacolas já de olho no repasse da gratificação anual. Além disso, a expectativa também é de comercialização redobrada no sistema varejo em relação àqueles compradores que querem já se preparar para as festas. Desta forma, não poderia fazer outra coisa a não ser reforçar o meu estoque de produtos.”

Segundo as estimativas do Departamento Municipal de Feiras e Mercados, neste mês de dezembro entre 70 e 100 mil pessoas deverão estar circulando pelos setores do Parque 18 de Maio à procura das mercadorias ideais. Para a sulanqueira Rosilene Maria, que atua no setor da Brasilit, o movimento redobrado do último bimestre servirá como um alento para a difícil temporada em que todos os feirantes tiveram de enfrentar. “Não posso nem comparar com o mesmo período do ano passado, haja vista que já nele estávamos tendo de encarar a crise. Porém, em relação aos últimos meses deste ano, é claro que hoje temos registrado, sim, volumes de vendas superiores no que diz respeito às passadas. Esperamos lucrar ainda mais a partir desta segunda-feira (5).”

A data citada pela sulanqueira marcará o início das atividades da Feira da Sulanca no mês dezembro. Quem deverá estar presente no período e no local será o autônomo Manoel Cassiano. Morador do Recife, ele vem aproveitando esta época do ano para adquirir bastante vestuários para a loja da sua esposa. “Temos de aproveitar que os consumidores irão receber o 13º salário e vender ainda mais. Apesar de todos os problemas de infraestrutura, faço questão de vir até a Sulanca devido à qualidade dos produtos e aos preços praticados. Já vim nesta última e até a véspera do Natal estarei me deslocando para cá à procura de boas oportunidades de compras.”

De acordo com o novo presidente da Acic, Pedro Miranda, as ações que estão sendo empregadas através do Comando Presente também vêm contribuindo para com o bom desempenho da Sulanca. “Elas têm sido positivas, haja vista que vêm beneficiando não só os compradores, mas também os próprios comerciantes que atuam tanto no Parque 18 de Maio como nos demais empreendimentos do Centro. De forma conjunta, as polícias, a Prefeitura de Caruaru e as entidades ligadas ao Comando Presente estão proporcionando uma maior segurança e mobilidade a todos que frequentam o nosso comércio e os bons resultados estão sendo contabilizados. A Sulanca está vendendo bem num fim de ano de crise.”

/**/

Governo inicia reformas no SVO de Caruaru

IML (55)

Pedro Augusto

Representantes das secretarias estaduais de Saúde e de Defesa Social estiveram promovendo coletiva de imprensa na manhã da última quarta-feira (30), na sede da Delegacia Regional de Caruaru, entre os bairros Boa Vista I e II. Em pauta, o anúncio do início das reformas na estrutura física do Serviço de Verificação de Óbito (SVO), que também integra as atividades do Instituto de Medicina Legal da Capital do Agreste.
O complexo fica integrado ao Hospital Regional do Agreste, no Bairro Indianópolis, e acabou sendo interditado pela Defesa Civil no dia 25 do mês passado, após a queda de parte de seu teto em decorrência de ventos fortes. De acordo com o diretor do IML de Caruaru, Marcos Gomes, mesmo com o procedimento da Defesa, os serviços oferecidos pelo instituto não deixaram de atender a demanda local.

“Na verdade, a nossa unidade ficou interditada por apenas quatro dias. Durante este curto período, os exames sexológicos e traumatológicos que são feitos em pessoas vivas foram realizados no setor de fisioterapia do HRA, bem como as perícias promovidas em vítimas de homicídios, suicídios e acidentes foram realizados no IML do Recife. Para isso, deslocamos equipes de peritos daqui para auxiliar nos trabalhos feitos na capital pernambucana. Com exceções dos deslocamentos de corpos que precisaram ser promovidos, os serviços desempenhados pelo IML local seguiram o mesmo ritmo sem causar maiores prejuízos para a população”, informou Gomes.

De acordo com o coordenador médico do SVO de Caruaru, Túlio Araújo, desde a última terça-feira (29) – data em que a Defesa Civil fez a liberação da unidade – que foram iniciadas as obras em sua estrutura física. O conjunto de intervenções no complexo local tem como objetivos ampliar os alojamentos, construir uma antessala com a instalação de uma câmara fria, qualificar a sala de autópsia, bem como oferecer melhores meios de acessibilidade. “Acredito que esse pequeno contratempo com a queda do teto veio a calhar, haja vista que o Governo do Estado acabou agilizando as reformas no prédio local. Estas últimas estavam autorizadas desde o primeiro semestre deste ano após a licitação da empresa para promover os reparos ter sido publicada no Diário Oficial do Estado.”

Para colocar em prática as reformas, o Governo de Pernambuco realizou um investimento financeiro na ordem de R$ 226 mil. A estimativa é de que todas as melhorias sejam finalizadas no prazo máximo de 90 dias. Até lá, as atividades administrativas e os exames sexológicos e traumatológicos do IML estarão sendo feitos em contêneires instalados próximos ao prédio do Serviço de Verificação de Óbito. “Já as perícias e os demais serviços de necropsia ocorrerão normalmente na estrutura do SVO, apesar de todas as reformas”, informou o diretor-adjunto da Polícia Científica do Estado, José César Ferreira.

Ainda na coletiva, este último comentou a respeito das obras do Complexo da Polícia Científica, que já vêm se arrastando há vários anos e ainda não foram finalizadas na cidade. “Infelizmente, tivemos um problema com a empresa que estava tocando a obra. Ela simplesmente abandonou os trabalhos. Hoje nos encontramos com 60% das implantações feitas e a tendência é que até o próximo trimestre consigamos obter a nova licença ambiental para darmos sequência aos investimentos. Estimamos um prazo máximo de um ano e seis meses para termos finalizado o complexo. Quando estiver pronto, ele proporcionará uma qualificação ainda maior para o oferecimento dos nossos serviços”, acrescentou José César.

Mesmo com a aplicação das reformas, segundo a diretora do SVO, Paula Jácome, a demanda não sofrerá nenhum prejuízo em relação ao atendimento atual da unidade. “Neste intervalo de obra, estaremos recebendo os cadáveres no mesmo período da unidade do Recife, ou seja, das 7h até as 17h. As pessoas que tiverem por ventura familiares falecidos à noite não terão nenhum prejuízo, haja vista que poderão velá-los e levá-los posteriormente para o nosso complexo. Todos esses investimentos estão sendo necessários para melhorarmos as condições não só do SVO, mas também do IML”, ressaltou.

Para quem ainda desconhece, o SVO é vinculado à Secretaria Estadual de Saúde. Ele é um serviço de avaliação da causa da morte desconhecida ou duvidosa com o objetivo de fornecer elucidação diagnóstica e informações complementares para o serviço de epidemiologia e políticas de saúde pública em geral, o que para a sociedade é de suma importância, pois pode colocar em evidência os possíveis riscos à saúde que estão em emergência, tanto os já conhecidos quanto os que não são comuns, ou ainda casos de uma doença nova em um determinado local.

Ou seja, se houve uma morte cuja causa ainda não foi esclarecida por ter evoluído muito rápida ou se ainda houver dúvidas quanto ao real motivo do óbito, o SVO tem a finalidade de ‘estudar’ o corpo através da necrópsia por profissionais qualificados, tais como médicos patologistas, técnicos em necrópsias e laboratoristas que realizam diversas análises no próprio corpo, exames laboratoriais (hematológicos, sorológicos e bioquímicos, toxicológicos e imuno-histoquímicos), anátomo e histo patológicos.

Táxis passam a operar somente na bandeira 2

Os usuários de táxis terão que desembolsar mais durante o mês de dezembro em Caruaru, Agreste pernambucano. É que os mais de 360 táxis da cidade estarão circulando com bandeira 2 também durante o dia.

A medida é adotada todos os anos e visa garantir o 13º da categoria, como confirma o presidente do Sindicato dos Taxistas, Cícero Moreira, na reportagem de Fernanda Oliveira.

5 cidades brasileiras ideais para passar o Natal

Falta cerca de um mês para o Natal, época que a maioria das pessoas se prepara para viajar com a família. Neste ano, o dólar flutuante e a situação econômica instável fomentarão o turismo dentro do país. De acordo com a última sondagem do consumidor do Ministério do Turismo, 80,3% dos futuros viajantes planejam desbravar os destinos nacionais nos próximos meses. Para ajudar o viajante a escolher a cidade que mais se encaixa com seus gostos para passar esse Natal, o Guichê Virtual – startup líder na venda de passagens de ônibus no país – preparou uma lista com as 5 cidades ideais para curtir essa data.

1) São Paulo
A capital paulista tem uma série de eventos programados para o Natal, desde os jogos de luzes e água do Parque do Ibirapuera à gigante árvore de Natal. No Ibirapuera há centenas de eventos, como corais, concertos e outras atrações. A iluminação de São Paulo também não deixa a desejar, as avenidas Paulista, Rebouças e Vergueiro sempre contam com um show especial de luzes.

2) Curitiba
O Coral do Palácio Avenida, em Curitiba, é um dos eventos mais procurados da cidade. A tradição em ver as crianças cantando pelas janelas do edifício deslumbra todos que acompanham as apresentações noite após noite – sempre com repertórios diferentes. Além do coral, a cidade tem outros eventos em sua agenda de Natal, como feiras, exposições, concertos e outras diversas atrações.

3) Gramado
Gramado, na Serra Gaúcha, oferece aos visitantes o chamado Natal Luz, onde são realizadas mais de 500 apresentações entre shows, peças de teatro, desfiles e paradas, tudo sobre a impactante decoração que ilumina toda a cidade.

4) Petrópolis
Além da belíssima iluminação que conta com mais de um milhão de lâmpadas, a cidade oferece uma programação especial para essa época do ano, com peças de teatros, exposições, orquestras e corais. Próxima ao Rio de Janeiro, Petrópolis pode ser uma ótima opção para aqueles que não dispõem de muito tempo para viajar, sendo perfeitamente possível roteiros do tipo bate e volta.

5) Rio de Janeiro
As festas de fim de ano no Rio de Janeiro são badaladas e, toda a cidade fica bem iluminada com luzes. Mas a grande atração é a árvores de natal iluminada da Lagoa Rodrigo de Freitas. Além disso, quem vai passar o Natal na Cidade Maravilhosa deve com certeza esticar a estadia para o reveillon, um dos mais bonitos do mundo.

Sobre o Guichê Virtual
A plataforma do Guichê Virtual permite que as pessoas comprem passagens de ônibus de diversas empresas para todo oBrasil. A startup foi fundada pelos empreendedores Thiago Carvalho, Rodrigo Barbosa e Halyson Valadão, trio de engenheiros do Instituto Tecnológico Aeronáutico (ITA), em SãoJosé dos Campos (SP). A empresa entrou em operação no início de 2013 com capital próprio dos sócios. Em 2016 recebeu sua primeira rodada de investimentos, liderada pela gestora de capitais Kaszek Ventures – fundo liderado por Hernan Kazah e Nicolas Szekasy, co-fundador e ex-CFO do Mercado Livre, respectivamente. Neste ano, a Guichê Virtual pretende consolidar sua liderança de mercado e superar a marca de 2 milhões de passagens vendidas.

Câmara de Mediação, Conciliação e Arbitragem é instalada em Caruaru

Com solenidade no Centro de Convenções do Senac Caruaru, foi inaugurada nesta semana em Caruaru a Câmara de Mediação, Conciliação e Arbitragem (Conciliaren), que tem o objetivo de atuar na prestação de serviço auxiliar do sistema de justiça, através de mecanismos extrajudiciais de solução de conflitos, pautados na autonomia da vontade e buscando a construção de consensos e a tomada de decisões. A novidade significa para o município uma quebra de paradigma, uma vez que no Brasil, tradicionalmente, não se tem o costume de tentar resolver as questões de forma amigável. Para tudo se utiliza o judiciário. Tanto que foi necessária a instituição de juizados especiais com competência para causas simples, de menor complexidade, que atolavam a justiça comum.

Localizada no Bairro Universitário, a Conciliaren tem à frente às advogadas Teresa Tabosa e Kalyne Oliveira e é composta por um corpo de mediadores e árbitros de formações diversas, reconhecidos em suas áreas de atuação, com experiência na Resolução Adequada de Disputas (ou RADs), realizando ações comunicativas baseadas no consenso, a fim de solucionar os litígios de maneira rápida, eficaz, simples e segura. Dentre as áreas de atuação da Câmara estão: Família, Sucessões, Empresarial, Imobiliária, Condominial, Socioambiental, Coletiva do Trabalho, Escolar, Comunitária e de Práticas Colaborativas.

“Nosso foco é a desjudicialização devido ao grande número de processos em tramitação atualmente. Torna-se necessário encontrar novas alternativas, por isso, entendemos que as pessoas precisam se compor para solucionar conflitos fora do Judiciário, de forma rápida, segura e a um custo acessível”, explica Teresa Tabosa, Presidente da Conciliaren.

O lançamento da nova Câmara contou com a presença do Coordenador Geral do Sistema de Resolução Consensual e Arbitral de Conflitos do Poder Judiciário de Pernambuco, Desembargador Erik de Sousa Dantas Simões; do Desembargador da Primeira Câmara Regional de Caruaru, Waldemir Tavares de Albuquerque Filho; do Juiz Coordenador da Central e das Câmaras de Conciliação Mediação e Arbitragem de Caruaru, Marupiraja Ramos Ribas; e da Diretora de Desenvolvimento do Conselho Nacional de Mediação e Arbitragem e Presidente da Comissão de Conciliação, Mediação e Arbitragem da OAB/PE, Soraia Nunes, entre outras autoridades.

A Conciliaren já está aberta ao público e funciona na Avenida Marijó de Farias, 153, no bairro Universitário. O telefone para agendar atendimento é o (81) 3719.0208 e o e-mail: atendimento@conciliaren.com.br

Fenearc reúne teatro, música e oficinas para todas as idades

Em um espaço montado para atender o público de todas as idades, a 5ª Feira de Negócios do Artesanato de Camaragibe – Fenearc promete movimentar o munícipio até o próximo domingo com uma vasta programação cultural. O evento, que acontece sempre das 16h às 22h, na Praça de Eventos – Vila da Fábrica disponibiliza aos participantes shows, apresentações teatrais, palestras, oficinas, e ainda conta com praça de alimentação e brinquedoteca.

Em meio ao período de crise as pessoas ainda podem aproveitar a oportunidade para comprar o presente do amigo secreto ou a decoração natalina. Estão disponíveis produtos em couro, cerâmica, marchetaria, tecidos, palha, pedraria, entre tantos outros, oriundos das mais diversas cidades do estado, como Recife, Paulista, Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes, São Lourenço da Mata, Olinda, Tracunhaém, Paudalho, Carpina, Salgadinho, Palmares, Passira, etc.

Durante o período da Feira, que começou no último dia 30, 15 atrações culturais realizam apresentações para o público de todas as idades. O evento conta ainda com um espaço voltado a formação técnica e empreendedora, onde todos os dias são realizadas palestras e oficinas, ambas voltadas para a formação individual e coletiva, nas áreas de empreendedorismo, produção artesanal e etc.

Na edição anterior cerca de 20 mil pessoas visitaram os stands em exibição, consagrando a Fenearc como um evento de grande importância para todos os envolvidos. De acordo com o coordenador geral, Daniel Passos, a expectativa para este ano vai além das vendas dos produtos, tendo em vista que o período é próximo ao Natal e Ano Novo e possibilitará fechar outros negócios.

“Durante os cincos dias de evento esperamos um público superior aos 25 mil visitantes, gerando uma movimentação financeira de aproximadamente 200 mil reais. Teremos mais de 200 profissionais envolvidos direta ou indiretamente na organização e comercialização dos produtos e isso vai gerar uma boa movimentação econômica no município”, enfatiza Daniel.

A 5ª Fenearc conta com o patrocínio do Funcultura, através do Fundarpe, Secretaria de Cultura, Governo do Estado de Pernambuco e o apoio da Prefeitura Municipal de Camaragibe.