ARTIGO — Como fazer um planejamento eficiente nas vendas?

Carlos Cruz

O ano de 2017 foi marcado por uma leve retomada na economia do país e, consequentemente, nas vendas. Segundo o Indicador Movimento do Comércio, apurado pela Boa Vista SCPC, o setor cresceu 1,5% no ano passado, na comparação com 2016, o que representa a primeira expansão desde 2014. Seguindo esses dados, podemos esperar que 2018 seja um período ainda melhor para as vendas.

Mas será que você, gestor, está preparado para vender mais? Fazer o planejamento de todo o ano é fundamental, levando em conta todas as estratégias e táticas – sim, elas têm significados diferentes: a estratégia mostra a posição atual e traça a trajetória para se chegar à posição desejada; já a tática é a implementação dessa estratégia, é o colocar em prática as ações pré-definidas. Enquanto a estratégia é abstrata e baseada em objetivos de longo prazo, a tática é concreta e baseada na descoberta das melhores ações imediatas.

Para definir o plano e tirá-lo do papel, é necessário reservar um tempo para estudar o seu negócio, para avaliar o potencial de cada proposta, para conhecer o perfil dos seus clientes, para identificar as oportunidades e os gaps. Confira algumas ações fundamentais para potencializar as vendas neste ano:

1. Defina objetivos – Para planejar as atitudes que serão tomadas durante o ano, determine o que deseja alcançar. É impossível optar por uma tática, sem ter um norte para seguir. Por exemplo, busque aumentar a carteira de clientes, com o intuito de melhorar as vendas e expandir seu networking;

2. Saiba analisar- Após definir quais são as metas, é importante analisar se o que está sendo feito atualmente é eficiente. Se a resposta for “não” ou “não o suficiente”, está na hora de mudar as táticas de vendas. O vendedor que não consegue realizar uma negociação de forma assertiva, por exemplo, deve investir na quantidade de contatos realizados;

3. Estude o mercado e a clientela – O vendedor deve conhecer bem o seu setor e os responsáveis pela tomada de decisão. Isso ajuda a enxergar os problemas e a oferecer as soluções corretas, porém exige que o profissional reserve um tempo para estudo e planejamento;

4. Coloque em prática – Depois da fase de análise, existem as ações táticas. Avalie quais atitudes serão tomadas, por qual motivo e o que é preciso fazer para atingir os objetivos propostos. Para aumentar o ticket-médio, por exemplo, uma estratégia é estimular o time de vendas com workshops e comissões diferenciadas, com o intuito de oferecer aos profissionais novas técnicas de abordagem e ainda mantê-los concentrados;

5. Estipule prazos – Para o período tático, faça cronogramas com os passos que deverão ser dados dentro do período estipulado. Possuir todo o planejamento em um documento permite ter uma noção de prioridades e urgências. Monte o seu Plano Tático de Vendas e bons negócios!

Fisioterapia é fundamental para diminuir dor nas costas

Nunca teve dor na coluna? Então fique atento, pois esse problema comum ainda pode fazer parte da sua vida. É que, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), 85% da população sofre ou ainda vai sofrer desse mal. Prova disso é que, de acordo com o ranking de auxílios-doença do INSS, essa doença é a que mais afasta os trabalhadores do emprego.

As dores podem aparecer em três partes diferentes da coluna: lombar (acima do quadril), dorsal (parte central das costas) e cervical (entre a cabeça e o pescoço). E elas aparecem por vários motivos: má postura, obesidade, falta ou excesso de atividade física, desgaste natural do envelhecimento e devido à temida hérnia de disco.

Mas, a boa notícia é que apenas 5% dos casos de hérnia de disco precisam de cirurgia. Tanto as herniações, quanto as outras causas de dor da coluna demandam, na maioria dos casos, um tratamento conservador, ou seja, medicamentos para aliviar a dor e a inflamação e, claro, sessões de fisioterapia.

Fortalecimento da musculatura é crucial

De acordo com a fisioterapeuta e especialista em Pilates, Walkiria Brunetti, o primeiro objetivo da fisioterapia em crises de dor na coluna é aliviar o quadro doloroso e diminuir a inflamação. “Depois que o paciente sai da crise, vamos trabalhar para alongar e fortalecer a musculatura responsável pela sustentação da coluna. E isso pode ser feito de diversas maneiras”.

Uma delas é por meio do RPG (Reeducação Postural Global), um dos métodos fisioterapêuticos mais indicados para tratar a dor nas costas. “A principal diferença do RPG para os outros é que este recurso é focado na função estática dos músculos. Isso porque quando solicitada em permanência, a musculatura pode encurtar e perder a flexibilidade. Assim, nosso objetivo é identificar isso e alongar os músculos responsáveis pela alteração postural”, conta.

Além disso, o fisioterapeuta reeduca a postura e ensina o paciente a fazer exercícios e alongamentos de fácil execução –que podem ser realizados em casa. “Também ensinamos como executar corretamente algumas atividades diárias, como a postura adequada para trabalhar, sentar, carregar peso, dormir e até a maneira ideal para se exercitar”, diz Walkiria.

Pilates após as crises?

Sim. O Pilates também é um método eficaz no combate a problemas na coluna, já que fortalece os músculos responsáveis pela sustentação da coluna, chamados de core. O Pilates conta com 500 movimentos precisos e controlados para isso. “Na nossa prática clínica é muito comum que o paciente comece com a fisioterapia e, quando sai da fase aguda, opta pelo Pilates para prevenir novas crises”, comenta Walkiria.

Prevenção

Mas Walkiria alerta que o melhor mesmo é prevenir do que remediar. “É preciso prestar muita atenção na postura no dia a dia, adotar um estilo de vida saudável para evitar o sobrepeso, praticar atividade física regularmente e fazer alongamentos diários. Quase sempre as doenças que acometem a coluna vertebral têm suas raízes nos hábitos de vida durante a infância e adolescência, mas como os sintomas demoram para aparecer, a pessoa só percebe quando já possui um problema instalado”, finaliza Walkiria.

Cresce número de empresas abertas em Caruaru

Apesar de algumas pessoas não perceberem e nem sentirem no bolso, os números mostram que está acontecendo uma reação, embora lenta, da economia no país. No estado de Pernambuco, por exemplo, no ano de 2017 o total de empresas abertas foi de 69.405, contra 60.122 em 2016, o que representa um crescimento de 15,4%, segundo dados da Jucepe (Junta Comercial de Pernambuco).

Excluindo os Microempreendedores Individuais (MEIs), o número de empresas foi de 17.658, 11% maior do que as 15.910 registradas em 2016. Já a quantidade de MEIs durante o ano passou de 44.212 em 2016, para 51.747 em 2017, uma alta de 17%.

Os municípios que mais abriram empresas foram Recife (18.993), Jaboatão dos Guararapes (5.726), Petrolina (3.988), Olinda (3.944) e Caruaru (3.885). O levantamento também fez as amostragens das atividades empresariais mais registradas que, na ordem, ficou o comércio de vestuário em primeiro lugar, seguido dos segmentos de mercearias, comércio de cosméticos, lanchonetes, restaurantes, construção de edifícios e comércio de bebidas. No geral, Pernambuco terminou 2017 com um total 527.508 empresas em atividade. No final de 2016, esse número era de 459.521. A variação foi de + 14,7%.

“Estes números mostram que a economia do Estado está em recuperação. Isso também pode ser verificado no número de fechamento de empresas, que teve uma queda significativa, passando de 24.083 em 2016, para 18.471 em 2017, o que representa uma redução de -23,3% no número de baixas”, afirmou a presidente da Jucepe, Taciana Bravo.

Tecnicamente, a recessão ficou para trás. Mas, por que a recuperação da atividade é tão lenta e a sensação de crise ainda é predominante para muitos brasileiros? A explicação é que com a profundidade da recessão e suas particularidades em relação a outros ciclos de retração, como o endividamento de empresas e famílias, ajudam a explicar o ritmo. Em quase três anos, a economia encolheu mais de 8% e retrocedeu ao nível de 2010.

Para atender a demanda do público que vê no desemprego uma oportunidade para abrir seu próprio negócio, a Jucepe precisou se adaptar e reduzir o tempo necessário do processo para se concretizar a abertura da nova empresa com Alvará de funcionamento, levando em consideração a natureza de risco de cada negócio. Pode-se citar a implantação da Redesim/PE, aplicativo disponível no portal do órgão que proporcionou aos municípios passarem a ter importantes benefícios, como aumento de receita, gerenciamento das atividades e atualização constante do cadastro das empresas.

“Os 90 dias de antes foram reduzidos para apenas 15 dias e trabalhamos obedecendo prazos legais em parcerias com a Receita Federal, Sefaz Estadual e Municipal e Bombeiros”, explicou Augusto Heitor Tabosa Pereira, chefe do Núcleo Regional da Jucepe, em Caruaru.
Um bom exemplo da afirmação de que é na crise que se inova e cresce é Claudiane Vasconcelos, que estreou como empresária há dez meses e até agora não tem do que se queixar. “Quando fui mandada embora do trabalho, senti um buraco profundo se abrir bem embaixo dos meus pés. Depois, já com a cabeça fria, vi uma luz no fim do túnel ao lembrar que tinha feito, há algum tempo, um curso de cabeleireira. Acertei e hoje já emprego três pessoas no meu salão”, comemorou a ex-gerente de rede de supermercado. “É preciso confiar em nós mesmos, firmar parcerias e ter a certeza de que a nova vida está apenas começando e saber que, no meu caso, ainda tenho a oportunidade de devolver a autoestima às minhas clientes”, aconselha a agora cabeleireira.

Ainda segundo Augusto Heitor, as novas empresas não só formalizam muitos empregos, como também aumentam a arrecadação através dos tributos recolhidos que retornaram para a população em obras, saúde, educação e segurança. “Sem contar que, quanto mais empresas abertas, mais há uma maior geração de emprego e, consequentemente, redução do desemprego”, comentou o chefe.

A Jucepe funciona no prédio da Associação Comercial e Empresarial de Caruaru (Acic), bem como o Expresso Empreendedor, com atendimento ao público de segunda a sexta-feira, no horário das 8h às 13h.

Fonte: Jornal Vanguarda (Jaciara Fernandes)

Prêmio Ibramem/AMATA contempla projetos de arquitetura em madeira do Brasil

Estão abertas as inscrições para o Prêmio Ibramem/AMATA de Arquitetura em Madeira nas modalidades profissional e estudante. O prêmio é patrocinado pela AMATA, empresa florestal brasileira que acredita na construção civil em madeira engenheirada como uma alternativa viável e sustentável para descarbonização da economia brasileira e estímulo ao reflorestamento, apoiando o Brasil em seus desafios ambientais. O Ibramem/AMATA tem objetivo de incentivar a utilização da madeira na construção civil, respeitando sua linguagem e enquadramento dentro dos princípios da construção sustentável, além de contribuir para o desenvolvimento sustentável do mercado, abrangendo toda a cadeia produtiva da madeira.

Poderão inscrever-se ao prêmio estudantes dos cursos de Engenharia e de Arquitetura e Urbanismo, e profissionais das áreas de Arquitetura e Urbanismo e de Engenharia de todos os países da América Latina. As inscrições e entregas dos trabalhos poderão ser feitas até dia 18 de março no site do evento (http://www.set.eesc.usp.br/ebramem2018/?page_id=490). Os finalistas serão conhecidos na noite de 22 de março e os vencedores serão divulgados no evento de premiação, dentro do XVI EBRAMEM, marcado para o dia 28 de março na cidade de São Carlos, interior de São Paulo.

Categorias

O júri é formado por profissionais de todo o mundo dos segmentos de Arquitetura e Engenharia. O Prêmio Ibramem/AMATA de Arquitetura em Madeira possui duas modalidades de participação, com premiações e julgamentos independentes: profissional e estudantes. A “profissional” é aberta à participação de profissionais de arquitetura e urbanismo e engenharia, residentes em países da América Latina, desde que em situação regular para o exercício profissional no seu país. A “estudante” contempla a participação de estudantes de cursos de engenharia e de arquitetura e urbanismo, em conjunto com um professor-orientador pertencente à mesma instituição, vinculados a instituições de ensino de países da América Latina. A premiação na modalidade profissional garante uma viagem com estadia e inscrição ao WCTE- World Conferenceon Timber Engineering, em Agosto de 2018, em Seul, Coreia do Sul. Já a modalidade estudante garante uma viagem à Santiago, Chile, para conhecer a indústria de madeira para construção civil.

Os temas dos projetos apresentados são livres, contemplando para profissionais obras executadas e projetos no período de janeiro de 2016 a dezembro de 2017, e para estudantes, o tema é “Uso da madeira como sistema preponderante, para equipamentos públicos em pequena escala”, como abrigos para ônibus, quiosques de informações, bancas de serviços e produtos e similares.

/**/