IR2018: veja quem é obrigado a entregar

A Receita Federal deve liberar nos próximos dias para download o programa gerador do Imposto de Renda 2018, referente ao ano-base 2017. Com isso os contribuintes já podem preencher suas declarações, contudo essas só poderão ser entregues a partir de março. Para o diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos, é interessante que as pessoas se preparem com antecedência para declarar, já procurando e separando os documentos necessários.

“Quanto mais preparado o contribuinte estiver melhor, já que os primeiros dias são os mais interessantes para o envio e isso por dois motivos: quem entrega o material com antecedência receberá sua restituição antes, além disso, em caso de problemas, o contribuinte terá tempo para resolvê-los, evitando a necessidade de realizar uma declaração retificadora, depois do prazo de entrega”, alerta.

Com base nas informações passadas até o momento pela Receita Federal, estão obrigados a declarar:

Quem recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste na declaração, cuja soma foi superior a R$ 28.559,70;
Quem recebeu Rendimentos isentos, não tributáveis ou tributáveis exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00;
Quem obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
Relativamente à atividade rural, quem:
obteve receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50;
Pretenda compensar, no ano – calendário de 2017 ou posteriores, prejuízos de anos-calendário anteriores ou do próprio ano-calendário de 2016;
Quem teve, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300.000,00;
Quem passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nesta condição se encontrava em 31 de dezembro; ou
Quem optou pela isenção do imposto sobre a renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, cujo produto da venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no País, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias contados da celebração do contrato de venda, nos termos do art. 39 da Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005.
Esses dados podem ser alterados após a disponibilização do programa oficial pela Receita Federal.

Penalidade pela não entrega

Multa de 1% ao mês de atraso, calculado sobre o valor do imposto devido na declaração, sendo essa multa limitada a 20%;
Multa mínima de R$ 165,74 (apenas para quem estava “obrigado a declarar”, mesmo sem imposto a pagar).

Começou o ano: dicas para sair da crise e melhorar o negócio

Alguns dizem que o ano começou agora, mas do ponto de vista da economia real não é verdade, já que 2018 deu-se início há exatos 50 dias. Mas sob o viés do brasileiro, há um forte conceito cultural de que o ano se inicia na segunda-feira (19), após o fim do carnaval, já que uma grande maioria emenda a festa até o final de semana seguinte.

O ano de 2016 encerrou economicamente mais forte que o esperado, mas isto não deve fazer diferença para algumas centenas de milhares de negócios que estavam em crise no final de 2017 e entraram 2018 na mesma situação. Para evitar contratempos, Flávio Ítavo destaca abaixo três dicas infalíveis. Confira.

1 – Planeje o fluxo de caixa. Não importa quão ruim ele possa estar neste momento ou quantos protestos estão em andamento. O negócio não sairá da crise quando souber tudo sobre o fluxo de caixa, mas permitirá controlá-lo e fazer escolhas certas. A solução é planejar um fluxo de caixa e investir tempo, todos os dias, direcionando e priorizando as escolhas para aquilo que é mais urgente e fundamental. Também é preciso ser assertivo, pois tudo o que pode ser postergado sem danos a curtíssimo prazo, deve ser realizado.

2 – Alinhe sua comunicação. O “peso” da má comunicação na maioria das crises muitas vezes só está lá pela falta de inabilidade no ato de comunicar. Flávio defende que a comunicação deve ser feita de forma global e pode ser direcionada entre fornecedores, clientes, funcionários e bancos. Para cada um destes grupos deve haver uma linha de comunicação clara, concisa e coerente. O especialista explica que uma solução pode ser conversada de uma maneira com os funcionários, mas de forma diferente com os bancos, por exemplo. Esses desalinhamentos, quando existentes, tendem a diminuir a credibilidade das empresas que, via de regra, já estão com sua credibilidade parcialmente afetada.

3 – Ajuste a gestão. A crise diminui o tempo de resposta da gestão. Antes um problema poderia ser analisado, preparado, acordado, reanalisado e finalmente surgia uma proposta de solução. Porém, durante uma crise, a disponibilidade de tempo para oferecer soluções é dramaticamente reduzida. “Se antes você fazia uma reunião mensal com a diretoria, o prazo agora deve ser semanal ou menor. Se as reuniões tinham duração de algumas horas, agora elas devem ser feitas em pé, em 15 minutos”, aponta Flávio Ítavo. O especialista defende que reuniões diárias devem ser rápidas e reunir todos que fazem parte do nível de liderança. Dessa as soluções do dia-a-dia passam a ser acompanhadas e os fatos começam a acontecer.

E por último, o especialista defende uma ação que costuma trazer bons resultados em crises graves, como reduzir os níveis hierárquicos. Achatar a pirâmide hierárquica costuma “acelerar” a tomada de decisões e faz com que as decisões top down sejam implantadas facilmente.

/**/

Produção siderúrgica brasileira tem expansão em janeiro

Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil

A produção brasileira de aço bruto totalizou 2,9 milhões de toneladas em janeiro deste ano, com expansão de 1,3% em relação a igual mês de 2017, com destaque para Rio de Janeiro e Minas Gerais, que responderam por 910 mil toneladas e 909 mil toneladas produzidas, respectivamente. Já a produção de laminados somou 1,9 milhão de toneladas, aumento de 6,3% comparativamente ao mesmo período do ano passado. Os números foram divulgados ontem (20) pelo Instituto Aço Brasil (IABr).

O consumo aparente nacional de produtos siderúrgicos em janeiro de 2018 foi de 1,6 milhão de toneladas, crescimento de 12,7% sobre o mesmo mês de 2017. As vendas no mercado doméstico alcançaram 1,4 milhão de toneladas, com incremento de 14,2% sobre janeiro de 2017.

As exportações siderúrgicas brasileiras atingiram 1,4 milhão de toneladas e valor de US$ 795 milhões em janeiro de 2018, revelando ampliação de 6,9% em volume e de 41,2% em valor, na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Já as importações totalizaram 217 mil toneladas, evolução de 3,8% frente a janeiro de 2018. Em termos de valor, as compras no exterior alcançaram total de US$ 241 milhões, alta de 39,3% na mesma base de comparação.

Siderurgia mundial

Em todo o ano passado, o Brasil produziu 34,365 milhões de toneladas de aço bruto, aumento de 9,9% sobre 2016, liderando o ‘ranking’ de produtores siderúrgicos da América Latina. Em segundo lugar, aparece o México, com 19,947 milhões de toneladas e expansão de 6% sobre o ano anterior. Em termos globais, entretanto, a liderança absoluta continua sendo exercida pela China, que produziu 831,730 milhões de toneladas em 2017, revelando incremento de 5,7% sobre 2016.

Dobram pedidos de empréstimo para custos com educação

Entre dezembro do ano passado e janeiro deste ano dobraram os pedidos de empréstimo pessoal para custos com educação na Lendico, fintech que atua há quase três anos no país. No último mês de 2017 este motivo representava 4,04% dos pedidos de empréstimo pelo site, mas em janeiro ele representou 5,13% dos pedidos.

A Lendico teve uma variação superior a 60% no número de pedidos de empréstimo de janeiro em relação a dezembro, sendo o motivo educação uma das razões para tal crescimento de demanda.

A demanda de maior pedidos por empréstimo para custos com educação é esperada nesta época do ano, mas ainda podemos observar que em relação a janeiro de 2017, a busca por este tipo de empréstimo cresceu 46%. No período, este motivo representava 4,91% dos pedidos de empréstimo online na Lendico.

Acreditamos que parte deste aumento pode estar relacionado com o aumento do custo com educação em 2017, que foi de 7,15%, quase três vezes mais do que a inflação média do país. As mensalidades subiram até 8% e isso pode pesar no bolso dos consumidores, que acabam buscando o crédito como alternativa para continuar investindo em educação. Além disso, o desemprego movimenta muitos trabalhadores de volta para as salas de aula.

P&G recruta profissionais em Pernambuco

A P&G, uma das maiores empresas de bens de consumo do mundo, busca fortalecer seu time de profissionais no Brasil e aumentar sua distribuição no País e, por isso, está com vagas abertas para assistente técnico de logística júnior em Recife, e para supervisor de vendas em Caruaru.

A principal responsabilidade do contratado para o cargo de técnico de logística será de garantir o controle e os padrões de operação da P&G. Além disso, será responsável por executar avaliações internas, revisões mensais de indicadores e metas, implementar procedimentos, entre outros. Os candidatos precisam possuir graduação completa em Engenharia, Química, Farmácia e cursos similares, com CRF ou CRQ, conhecimento da língua inglesa e em Qualidade. Experiência com sistemas, como SAP e PriME, é um diferencial.

Já a vaga de supervisor de vendas exige que os contratados sejam responsáveis por desenvolver os negócios da empresa na região, onde o vendedor será o principal ponto de contato entre a marca e o cliente, ao mesmo tempo que gere o time local. Além de garantir pontos de venda bem executados e abastecidos, será está no escopo do trabalho a implementação de planos e plataformas desenhados pela companhia. Como requisito, o candidato deve possuir ao menos um ano de experiência em vendas.

Mais informações

Vaga: assistente técnico de logística júnior

Local: Escritório Regional da P&G em Recife (PE)
Link para candidatar-se: https://jobs.pgcareers.com/job/recife/junior-logistic-technical-assistant-for-dc-in-recife/936/6811828

Vaga: Supervisor de vendas

Local: Caruaru (PE)

Link para candidatar-se: https://jobs.pgcareers.com/job/pernambuco/sales-supervisor-northeast-region-caruaru/936/7001370

Comércio de Caruaru tem novo piso salarial

O piso salarial do comércio de Caruaru sofrerá reajuste em 2018. O novo valor de R$ 1.050 foi aprovado em negociação entre o Sindicato dos Lojistas do Comércio de Caruaru (Sindloja) e o Sindicato dos Empregados no Comércio de Caruaru (Sindecc). O acordo teve mediação do chefe de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego em Caruaru, Francisco Reginaldo, e foi acompanhada pela presidente da Accape, Aldeni Ribeiro.

O reajuste de 2,1,% no piso salarial do comércio de Caruaru vem atender o acordo firmado entre os sindicatos na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) 2017/2018, que garante alteração nas clausulas econômicas, que têm vigência de um ano, ou seja, o piso anterior foi válido até o dia 31 de dezembro de 2017.

O novo acordo institui que o piso da categoria é retroativo a janeiro de 2018 e estará em vigor até o dia 31 de dezembro de 2018, ficando mantidas as cláusulas sociais da CCT com vigência também até o dia 31 de dezembro deste ano.

A comissão de negociação do Sindloja foi composta pelos diretores Michel Jean, Luciano Justino, Robson Ferreira e Glerison Gomes, com orientação da assessora jurídica do Sindloja, Kilma Galindo. Vale destacar que a negociação ocorreu de forma cordial, com o apoio da nova direção do Sindecc.

Artigo: Inovação não é só Tecnologia

*José Paulo Graciotti

Muito se tem falado ultimamente sobre os impactos das novas tecnologias em todas as áreas e no Direito não seria diferente. Vários autores têm preconizado até o termino da profissão, que a meu ver é um pouco de sensacionalismo para chamar a atenção como grandes gurus futurólogos.

Não se pode negar que a evolução tecnológica está sendo brutal e que vai mudar tudo ao nosso redor, desde o simples fato de usarmos a internet (com todos aqueles softwares que descobrem nosso padrão de navegação e sugerem automaticamente coisas que possam nos interessar em qualquer navegador que utilizemos, como se fizessem parte da página original) até nos mais novos robots que chegam a cozinhar (www.moley.com).

Sou apaixonado pelo futuro e tudo que se refere a novas tecnologias e tenho certeza que essa nova revolução vai nos impactar de maneira que nunca havíamos sentido, mas o ponto que quero abordar é que ultimamente confunde-se inovação com tecnologia (que é um tipo de inovação) e esses conceitos são bastante diferentes.

O mercado jurídico está passando por uma pressão brutal, não causada pela tecnologia e sim pela ameaça da concorrência mais acirrada, pela mudança das responsabilidades atribuídas aos Diretores Jurídicos e seus departamentos, pelo aperto que tais setores estão exercendo nos seus prestadores de serviços jurídicos e tudo isso exigindo adaptações brutais num mercado que sempre esteve numa zona de conforto.

O que mais tem me espantado é a visão endógena que vários gestores de escritórios ainda têm de si mesmos, pois quando questionados sobre seus diferenciais, quase sempre respondem com as frases: “temos os melhores advogados” (falam inglês, têm LLM, trabalharam em escritórios americanos e por aí vai), “atendemos bem nossos clientes” (quase sempre consta uma frase de efeito nos sites), “ temos a melhor expertise”, apenas para citar as principais. Não sei se esta atitude é de autoenganação, “wishfullthinking” ou até a própria visão incorreta de seu negócio.

Por outro lado, os mesmos gestores percebem que têm problemas internos e externos, que aparecem na falta de plano de carreira correto (lembremos das expectativas das novas gerações), na falta de um critério profissional de relativização de sócios, na falta de produtividade e rentabilidade, na falta de um conhecimento mais profundo do mercado que atuam e na falta de um planejamento (mínimo que seja) de suas atividades atuais e movimentos futuros.

Perguntas emblemáticas que evidenciam as dificuldades internas:

Por que não consigo fazer boas contratações de profissionais?

Por que não consigo mais comprometimento da minha equipe?

Por que não consigo melhorar o nível das contratações dos meus serviços?

Por que é tão difícil aumentar a rentabilidade?

A simples adoção das novas tecnologias irá, sem sombra de dúvidas, trazer o aumento de eficiência na operação, mas é apenas um approach evolucionário, no qual tentamos fazer um pouco melhor aquilo que sempre fizemos. O que se espera do mercado jurídico é uma mudança inteira na forma de prestar tais serviços e isso só ocorre quando muda o “mindset” de seus gestores, pulando para um approach revolucionário, ou seja, pensando fora da caixa e principalmente tendo a coragem de experimentar novas soluções.

Pensar à frente não quer dizer fazer melhor e sim fazer diferente, mais ágil, mais barato e melhor!

Essa mudança não virá da implantação de novos sistemas, mas sim de uma nova relação com clientes, mudando da forma tradicional passando de “legal advisor” do cliente, para ser o “business partner” do mesmo.

As perguntas que devem ser feitas são:

O que meu cliente quer efetivamente de mim?

O que o mercado espera dos prestadores de serviços jurídicos no momento econômico atual?

Será que o serviço que ofereço (pelo valor cobrado), o mercado quer consumir?

Sou efetivamente atraente para os profissionais do futuro?

Quais são minhas vantagens e desvantagens competitivas?

Como melhorar minha eficiência e eficácia?

Com certeza, a tecnologia ajudará em muito nas soluções de todos os problemas identificados quando tais perguntas forem feitas e respondidas.

Resumindo: muito mais do que a simples adoção de novas tecnologias, é preciso mudar a forma de encarar o seu negócio, seus clientes, o mercado e oferecer a todos esses elementos, soluções que os surpreendam e os entusiasmem. Isso é Inovação!

José Paulo Graciotti é consultor, autor do livro “Governança Estratégica para escritórios de Advocacia”, sócio da GRACIOTTI Assessoria Empresarial, membro da ILTA– International Legal Technology Association e da ALA – Association of Legal Administrators. Há mais de 30 anos implanta e gerencia escritórios de advocacia – www.graciotti.com.br

Raquel Lyra recebida por FBC em Brasília

Cinco prefeitos de três regiões do estado de Pernambuco e de diferentes partidos foram recebidos por Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), no gabinete do Senado, esta semana. Os gestores solicitaram o apoio do senador na articulação com o governo federal para a garantia de benefícios aos municípios de Caruaru, Itamaracá, Agrestina, Salgueiro e Santa Cruz da Baixa Verde. Fernando Bezerra assegurou trabalhar para o atendimento de todos os pedidos e colocou a estrutura do gabinete de Brasília à disposição dos prefeitos.

Nesta quarta-feira (21), o senador dialogou com Raquel Lyra (PSDB), prefeita de Caruaru, no Agreste pernambucano; Mosart Tato (PSB), prefeito de Itamaracá, na Região Metropolitana de Recife; Thiago Nunes (PMDB), prefeito de Agrestina, também no Agreste; e Clebel Cordeiro (PMDB), prefeito de Salgueiro, no Sertão, que estava acompanhado pelo deputado federal Adalberto Cavalcanti (AVANTE-PE). Ontem (20), Fernando Bezerra Coelho recebeu Tassio Bezerra (PTB), prefeito de Santa Cruz da Baixa Verde, no Sertão.

HOMENAGEM – Nesta manhã (21), o senador foi homenageado pela Associação Nacional dos Municípios Sedes de Usinas Hidrelétricas (Amusuh) pela atuação de Fernando Bezerra como autor do Projeto de Lei (PLS) 525/2015. Aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo presidente Michel Temer, o PLS aprimorou a forma de cálculo do coeficiente de participação dos municípios com hidrelétricas no rateio do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Uma placa em agradecimento ao senador foi entregue pelo presidente da Amusuh e prefeito do município de Abdon Batista (SC), Lucimar Salmória.

Deputada Roberta Arraes anuncia boas notícias depois de reunião na Secretaria de Transportes

Roberta Arraes transportes

Na tarde de ontem, (20), a deputada Roberta Arraes esteve em reunião com o secretário de Transportes em exercício, Antônio Júnior e o engenheiro civil, Hélder Rômulo, onde recebeu a notícia da execução do projeto de revitalização da pista do aeroporto do município de Araripina, que é um pleito antigo do ex-prefeito Alexandre Arraes, e em breve terá sua concretização para melhorar a pista de pouso.
A outra notícia que o secretário informou foi sobre a obra da estrada de Lagoa do Barro, que se encontra em processo com todos os trâmites legais, e em um curto prazo o governador Paulo Câmara estará dando a ordem de serviço.

Ainda na ocasião, a parlamentar também reforçou os pedidos de serviço para a operação tapa buraco dos trechos das estradas PE – 615, que liga o distrito de Nascente ao centro do município de Araripina; da PE-545, para favorecer os municípios de Ouricuri, Bodocó e Exú; e o recapeamento da PE-576, que liga Ipubi a Trindade.

“Foi uma reunião bastante proveitosa, a revitalização da pista do aeroporto será muito importante, e a obra da estrada de Lagoa do Barro é um sonho antigo da população e em breve irá se tornar uma realidade”, afirmou a deputada Roberta Arraes.

Ação de Bruno Araújo traz duas mil cisternas para o Agreste

Agreste terá mais duas mil cisternas

O Ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, garantiu durante audiência em Brasília, com o Bispo da Diocese de Caruaru, Dom Bernardino Marchió e o deputado federal pernambucano Bruno Araújo a construção de duas mil cisternas. “Essa é uma notícia esperada por muitas famílias de Caruaru e de outras cidades do Agreste que sofrem com a falta de água. A partir de agora foram iniciadas as articulações técnicas para a formatação dos contratos de construção das cisternas”, destacou o parlamentar que articulou o encontro no gabinete do ministro, na noite desta terça-feira, 20.

As duas mil cisternas serão construídas pela Cáritas Diocesana de Caruaru, que já desenvolve ações neste sentido em Pernambuco. “Ter acesso à água é direito de todos e representa mais saúde e qualidade de vida para o nosso povo”, destaca Dom Dino.

De acordo com o coordenador geral da Cáritas, Otávio Varêda, que também participou da audiência, as cisternas têm capacidade de captar e armazenar 16 mil litros de água da chuva para consumo humano.