Cheque se consolida como pagamento de produtos de maior valor

Levantamento mensal da MultiCrédito mostra aumento na utilização do cheque para aquisição de produtos de maior valor agregado, como materiais de construção e automotivos. De acordo com a pesquisa realizada pelo TeleCheque, serviço oferecido pela MultiCrédito, no setor de material para construção, o uso do cheque cresceu três pontos percentuais em um ano: em janeiro de 2017, representava 19%, e neste ano, já chega a 22%. Destaque também para o segmento automotivo, cuja participação no primeiro mês de 2017 era de 20%, e este ano já alcança 21%.

“Mesmo com a leve retomada da economia, um cenário de juros elevados e pouca oferta de crédito por parte de bancos e financeiras tem levado os consumidores a buscar alternativas de crédito. O cheque tem sido uma excelente alternativa, tanto para o consumidor quanto para o varejista, que garante mais vendas e estabilidade no seu fluxo de caixa”, ressalta Walter Alfieri, diretor de Crédito, Risco e Business Intelligence da MultiCrédito.

Índices mensais por região

Centro-Oeste
O índice da região mostra queda no nível de inadimplência de 0,6 p.p. e elevação do tíquete médio em 4,6%, chegando a R$ 1.682,00. Os setores automotivo e material de construção representaram 83% do uso nos Estados do Centro-Oeste.

Nordeste
As instituições de ensino representam 11% da utilização do cheque, incremento de nove pontos percentuais na comparação com o mesmo período do ano anterior. De maneira geral, a inadimplência recuou 1% no Nordeste, e o não pagamento por parte das mulheres também teve queda, de 1,3%.

Norte
Assim como no Nordeste, na Região Norte as instituições de ensino tiveram aumento significativo no pagamento com cheque: 17% em janeiro, ante 2% no mesmo mês do ano anterior. Destaque para o aumento da participação da geração Y, que passou de 9% para 15% nos usuários do talão de cheque.

Sudeste
Na Região Sudeste, o destaque da utilização são os setores de turismo e joalheria, que, apesar de menor participação no uso total de cheques – 6% em cada segmento –, tiveram tíquete médio de R$ 9.370,00 e R$ 6.365,00, respectivamente. Os cheques honrados tiveram estabilidade em relação ao mesmo período do ano anterior.

Sul
No Sul, o consumo em geral segue com baixo nível de inadimplência, com tíquete médio de R$ 756. Parte dos consumidores desse meio de pagamento utilizou-o para o setor de saúde, que teve 19% de participação, aumento de 2 p.p., na comparação com janeiro de 2017.

ARTIGO — A queda da Selic é boa para as PMEs? P

Por Alexandre Góes

No início do mês, o Comitê de Política Monetária (Copom) reuniu-se e, pela 11ª vez consecutiva, decidiu baixar a taxa Selic, que agora opera em 6,75% ao ano. O índice, que chegou ao menor nível da história, não surpreendeu os analistas financeiros, mas para alguns empresários –especialmente os que têm pequenos e médios negócios – trouxe uma dúvida: o que isso muda?

Em tese, a redução da taxa básica estimula a economia, pois os juros menores barateiam o crédito e, como consequência, incentivam a produção e o consumo em um cenário de movimentação econômica fraca. Assim, para os empreendedores que passam por dificuldades financeiras ou têm projetos entravados por falta de investimento, a situação tende a melhorar, já que as taxas para conseguir crédito caem.

Mas, na realidade, as pequenas e médias empresas não têm sentido os efeitos da baixa da Selic. Os juros do cheque especial e do cartão de crédito, por exemplo, ainda alcançam níveis absurdos; e, ao que parece, o cenário não mudará a curto prazo.

Felizmente, essa situação propicia o crescimento de outras instituições financeiras que oferecem verdadeiros benefícios aos empreendedores: as fintechs. Além da possibilidade de juros mais baixos, essas startups diferenciam-se por proporcionar praticidade e agilidade – qualidades fundamentais àqueles que procuram crédito para aperfeiçoar ou, em muitos casos, garantir a sobrevivência do negócio no mercado.

Os números refletem o fortalecimento dessa tendência que, ao que tudo indica, veio para ficar. Entre 2016 e 2017, o número de fintechs no país cresceu 140%, de acordo com a Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs).

Os reflexos da crise, aliados à falta de tempo que atinge a rotina dos empresários, faz com que, cada vez mais, os processos precisem ser desburocratizados para atender às necessidades de quem empreende. Às instituições financeiras, portanto, cabe aprimorar constantemente os serviços para conquistar esse público. Mas, afinal, quem ganha em meio a essa competição? Quem souber inovar mais e, principalmente, as PMEs, que desfrutarão do aperfeiçoamento dos serviços disponíveis.

Pacientes de Parkinson relatam desassistência em Pernambuco

Folhape

Pacientes de Parkinson no Estado denunciam a desassistência que sofrem há pelo menos dois meses. Segundo a presidente da Associação de Parkinson de Pernambuco, Maria José Santos, o afastamento de dois médicos nos principais serviços públicos, o Hospital da Restauração (HR) e no Hospital Geral de Areias (HGA), no Recife, tem complicado o retorno dos pacientes para avaliação. Além disso, a instituição, que atende cerca de 300 pessoas com a doença, também aponta a falta de drogas importantes para o controle dos sintomas e da progressão da enfermidade.

“Há falta dos medicamentos Biperrideno, Levodopa, Cardidopa e Prolopa 200/50mg. O Biperrideno está faltando há seis meses para alguns dos associados. O Prolopa, há dois meses. Esses são remédios caros, principalmente para quem sobrevive apenas com um salário mínimo. Tanto os medicamentos quanto os médicos são imprescindíveis para quem vive com mal de Parkinson”, destacou Maria José. Ela afirmou que muitos dos pacientes têm reclamado de perder viagem indo ao HR e HGR, porque dois neurologistas dessas unidades foram exonerados e não houve substituição até o momento.

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) confirmou que o neurologista do Hospital Geral de Areias pediu exoneração do cargo, mas informou que a substituição do profissional está em curso. A pasta destacou que a nomeação de profissionais concursados precisa seguir os trâmites exigidos pela legislação pública. Até lá, disse, os pacientes estão sendo acompanhados por uma equipe multiprofissional que conta com geriatras, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos e serviço social, e, caso os pacientes necessitem de um neurologista, serão encaminhados para serviços de referência do Estado. A SES, negou exoneração da médica neurologista do HR.

Em relação às medicações, o governo afirma que há estoque de dois meses e meio do Biperideno (cloridrato de biperideno), além de um processo de compra já em curso. Em relação ao Levodopa e Carbidopa, das quatro apresentações, duas estão com entrega atrasada pelo fornecedor, que já foi notificado. As outras duas tiveram a licitação fracassada, ou seja, não aparecerem empresas interessadas. Um novo processo de aquisição estaria em curso.

TCU poupa ex-dirigentes do Senado de julgamento por suposto desvio

Folhapress

O Tribunal de Contas da União (TCU) livrou mais uma vez ex-dirigentes do Senado ligados ao MDB de julgamento por supostos desvios em contrato de terceirização. Por cinco votos a três, a corte decidiu na quarta-feira (21) que processo que pede punições ao ex-senador e ex-primeiro-secretário da Casa Efraim Morais (DEM-PB) e ao ex-diretor-geral Agaciel Maia (PR-DF), hoje deputado distrital em Brasília, por superfaturamento de um contrato deve voltar para avaliação da área de auditoria.

A decisão foi tomada após o processo ficar quase cinco anos parado no tribunal, sem apreciação. Não há prazo agora para que o caso volte a ser analisado pelo plenário. O próprio tribunal admitiu nesta quarta, por meio de sua assessoria, que parte das irregularidades já está prescrita, tendo em vista que algumas delas foram cometidas há mais de dez anos.

A auditoria do TCU diz que Morais e Maia autorizaram a licitação e a contratação superfaturada. Como revelou a Folha de S.Paulo no sábado (17), a auditoria do TCU sobre o caso foi concluída em novembro de 2012 e responsabiliza os dois ex-dirigentes pela contratação, a valores exorbitantes, de serviços terceirizados de auxiliar técnico de informática entre 2006 e 2009, embora tenham sido alertados pela área técnica da Casa sobre os preços altos.

O prejuízo apurado (sem atualização) é de R$ 14 milhões. O último parecer necessário ao julgamento ficou pronto em maio de 2013. O caso foi finalmente pautado agora, pois o MPF (Ministério Público Federal) cobrou o tribunal pela inércia.

Vista
O relator do caso, ministro substituto André Luís de Carvalho, propôs no fim de janeiro que os dois ex-dirigentes tivessem as contas consideradas irregulares, fossem obrigados a devolver os recursos e a pagar multas, além de proibidos de ocupar cargos em comissão e funções de confiança. Mas o ministro Vital do Rêgo pediu vista do caso.

Eventual condenação poderia dificultar os planos políticos de Maia e Morais, pois a rejeição de contas pode resultar em inelegibilidade. Nesta quarta, Vital apresentou voto divergente, defendendo que o caso volte para análise da área técnica do tribunal. Ele argumentou que outros gestores do Senado, que teriam participado da licitação e da contratação supostamente irregulares, não foram chamados pelo tribunal a se explicar.

O ministro propôs que outros eventuais responsáveis sejam identificados e ouvidos. Defendeu ainda que Morais e Maia, que já se manifestaram no processo, apresentem de novo suas defesas. Vital foi senador pelo MDB da Paraíba e aliado de Morais no Estado. Recentemente, Morais convidou o irmão do ministro, o deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB), a se filiar ao seu partido.

Na sessão, Vital argumentou ainda que o “alerta” sobre os preços na licitação não era claro sobre a existência de sobrepreço e sugeriu que os dois implicados podem não ter responsabilidade. “Não seria razoável que o diretor-geral e o primeiro secretário tivessem conhecimento, tendo em vista o caráter essencialmente técnico [do assunto]”, declarou. “Os elementos existentes nos autos indicam que os seus atos foram respaldados em pareceres técnicos que fundamentam suas decisões”, acrescentou.

O ministro foi acompanhado em seu voto por Bruno Dantas, Walton Alencar, Augusto Nardes e Aroldo Cedraz. Manifestaram-se contrariamente Benjamin Zymler e Ana Arraes, além do próprio André Luís. O relator alegou que a auditoria delimita claramente a responsabilidade dos dois ex-dirigentes e que a jurisprudência da corte não prevê, em casos assim, que dois responsáveis sejam poupados de julgamento para que outros eventuais culpados sejam ouvidos antes.

Ele classificou a decisão de “rebobinar” o processo de “perda de tempo”, que não atende ao interesse público. “Voltar à estaca zero para ouvir parecerista é, no mínimo, estranho”, protestou. Na sessão, nenhum ministro falou sobre a prescrição. Walton Alencar pediu “urgência” na nova análise.

As últimas semanas foram marcadas por intensa pressão das defesas de Morais e Maia no TCU. Elas pleiteavam justamente que a auditoria fosse refeita, passados cinco anos. A reportagem apurou que até o presidente da corte, Raimundo Carreiro, que só vota em casos excepcionais, interferiu no caso e pediu que fosse solicitada vista em janeiro. Ele nega.

Ligado ao ex-presidente do Senado José Sarney (MDB-AP), Carreiro foi secretário-geral da Mesa da Casa até 2007 (época dos fatos apurados no TCU).

Auditoria
Conforme o relatório do TCU, o Senado decidiu interromper contrato com a empresa de terceirização Spot Representações e abrir uma nova concorrência, cujos preços de referência eram mais altos que os da contratada. O processo teve o aval de Morais e Maia.

A licitação foi suspensa devido a questionamentos de um sindicato, o que levou a mudanças no edital. Para não interromper o serviço, o Senado contratou emergencialmente uma nova empresa para fornecer a mão de obra, embora pudesse prorrogar o contrato com a Spot.

Foi escolhida a Aval Serviços, que, diz o TCU, cobrava R$ 1 milhão mensais, ante R$ 334,4 mil praticados antes. O Senado retomou a licitação e passou a adotar como preços de referência os vigentes no contrato emergencial, mais caro. Segundo a auditoria, foram também impostas exigências supostamente abusivas, que tiraram indevidamente empresas da disputa. A Aval, por fim, venceu a concorrência. Ao todo, a empresa recebeu R$ 49 milhões.

Outro lado
O TCU alega que o processo “ficou parado por cerca de três anos, mais tempo que o habitual, em decorrência de falha no controle de prazos na assessoria” do gabinete do ministro José Múcio e do “incessante surgimento de matérias mais urgentes”.

A defesa de Morais sustenta que os argumentos apresentados ao TCU “configuram a sua não implicação no caso”. Agaciel Maia argumenta que não tem responsabilidade sobre os atos que o TCU lhe imputa. A reportagem não localizou representantes da Aval.

Brasil cai 17 posições em ranking de percepção da corrupção

Diario de Pernambuco

No ano em que a Câmara dos Deputados barrou duas denúncias formais contra o presidente Michel Temer, o Brasil caiu 17 posições em ranking internacional que mede a percepção da sociedade com o combate à corrupção. Em 2017, o País ficou na 96ª colocação no Índice de Percepção da Corrupção (IPC), medido pela Transparência Internacional, ante a posição de número 79 que ocupava no ano anterior. Quanto pior um país está situado no ranking, maior é a percepção da corrupção por seus cidadãos. Em uma escala que vai de 0 a 100, em que zero significa altamente corrupto e cem, altamente íntegro, o indicador brasileiro recuou três pontos, de 40 para 37.

As denúncias envolvendo Temer e sua conversa com o empresário Joesley Batista influenciaram a piora no indicador no ano passado, afirmou ao Broadcast Político o representante da Transparência Internacional no Brasil, Bruno Brandão. “Influenciou ainda mais a sensação de impunidade, o fato de ministros com acusações gravíssimas permanecerem no governo, o próprio presidente sendo acusado de corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa e o Congresso Nacional, certamente condescendente, impedindo que fosse adiante o processo e a verificação desses fatos”, disse.

Para a organização, o recuo sinaliza que o combate à corrupção no Brasil pode estar em risco. Em relatório, a Transparência Internacional observa que o agravamento no índice é comumente observando em países que começaram a confrontar a corrupção de maneira eficaz, pois traz luz ao problema, mas que o efeito negativo já começaria a ser revertido se o país persistisse no enfrentamento.

No ano passado, além das denúncias contra Temer, outros fatos mereceram atenção, como a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato.

Operações

A Lava Jato e “outras grandes operações” são citadas como justificativa para a queda no índice. Em 2016, quando o Brasil subiu dois pontos no ranking, o País havia demonstrado uma estabilidade que poderia sinalizar uma fase positiva, destaca a organização. A tendência, no entanto, foi revertida no resultado de 2017. “O resultado negativo deste ano acende o alerta de que a luta da sociedade brasileira contra a corrupção pode, de fato, estar em risco”, diz o relatório.

Os fatores estruturais da corrupção nacional continuam “inabalados”, segundo a organização. “Não houve uma reposta à altura para o problema da corrupção, esta palavra não aparece nos discursos oficias do presidente da República ou em qualquer projeto de lei ou agenda do Congresso. É como se o problema não existisse”, declarou Bruno Brandão.

Outros países

Com a nota atual, o País se encontra na pior situação dos últimos cinco anos. Antes da eclosão da Lava Jato, em 2013, o Brasil estava em 72º lugar no ranking, com 42 pontos, ou seja, 24 posições acima do último ano. Segundo a Transparência Internacional, o Brasil está empatado com Colômbia, Indonésia, Panamá, Peru, Tailândia e Zâmbia, e fica atrás de Timor Leste, Sri Lanka, Burkina Faso, Ruanda e Arábia Saudita. De um ano para outro, a percepção da corrupção entre os brasileiros só não cresceu mais que na Libéria e no Bahrein.

O Índice de Percepção da Corrupção, segundo a organização, é composto por um combinação de diferentes indicadores, pesquisas e avaliações feitas por várias instituições que pontua e classifica os países com base na percepção da corrupção no setor público.

Entre os 180 países e territórios analisados, a primeira posição, considerada a com maior nível de integridade, é ocupada pela Nova Zelândia, seguida por Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suíça. Os piores países no ranking são Somália, Sudão do Sul, Síria, Afeganistão e Iêmen. De 2016 para 2017, 81 países demonstraram melhora em sua pontuação, enquanto 33 ficaram estáveis. Os que sofreram piora na avaliação são 62, inclusive o Brasil.

Medidas

Para contribuir com uma solução ao problema da corrupção, a Transparência Internacional anunciou um conjunto de medidas denominado “Novas Medidas contra a Corrupção”, um pacote feito em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV) que reúne mais de 80 propostas, entre elas projetos de lei, propostas de emenda constitucional e resoluções administrativas contra a corrupção no País. Fazem parte das medidas fim do foro privilegiado, recuperação de ativos desviados e processos educacionais. O pacote ficará sob consulta pública por 30 dias antes de ser consolidado.

A iniciativa ocorre após a frustração com as 10 medidas propostas pelo Ministério Público Federal (MPF) em 2016 e que não avançaram no Congresso Nacional. Do pacote, a organização internacional excluiu alguns pontos polêmicos que sofreram resistência no Congresso, como o teste de integridade e a limitação ao uso do habeas corpus.

Páscoa – O chocolate e seus benefícios

Querido por muitos, o chocolate além de ser uma delícia proporciona grandes benefícios. Ele é um aliado da beleza – retardando o envelhecimento – colabora com a saúde e proporciona aquela maravilhosa sensação de bem-estar. Por possuir flavonoides – que são antioxidantes – ele ajuda a combater as doenças cardiovasculares.

O chocolate pode reduzir a pressão arterial, diminuir o desenvolvimento de aterosclerose (formação de placas de gorduras nas artérias), endurecimento e espessamento da parede das artérias. “No entanto, estudos indicam que para ter esse efeito cardioprotetor, deve-se consumir o chocolate amargo, que apresenta mais de 70% de cacau em sua composição”, explica a coordenadora de Nutrição do Hospital São Marcos – Rede D´Or São Luiz, Gabriela Tabosa.

Esse mesmo tipo de chocolate também pode combater o câncer. Alguns estudos referem que há uma relação inversa entre uma dieta constituída por chocolate amargo (70% cacau) e incidência de câncer, sendo os flavonoides os responsáveis por essa relação, pois apresentam efeitos quimioprotetores contra o câncer de cólon.

Outra boa notícia é que o chocolate ameniza a TPM. “Isso não é lenda. No período pré-menstrual ocorrem alterações hormonais no organismo feminino, com redução de um neurotransmissor chamado serotonina. Essa redução provoca tristeza, irritabilidade. O chocolate libera esse neurotransmissor e dá sensação de prazer, felicidade e bem-estar”, informa a nutricionista.

Profissionais recebem treinamento para o projeto Baixa Visão

projeto

Foi realizada, nesta quinta-feira (22), no auditório da Secretaria de Saúde de Caruaru, uma capacitação dos profissionais de saúde, educação e desenvolvimento social que irão participar da primeira edição do projeto Baixa Visão, que será realizado em março.

O Baixa Visão é um projeto da Fundação Altino Ventura em parceria com Lions Club e Secretaria Municipal de Saúde, que tem o objetivo de identificar pessoas com baixa visão ou cegueira para participar de um mutirão, onde os casos serão diagnosticados e beneficiados com tratamento cirúrgico, quando necessário, e auxílio ópticos com lupas e bengalas.

O mutirão será realizado na Escola Municipal Álvaro Lins, de 19 a 22 de março. E a previsão é atender 300 pessoas por dia, totalizando 1.200 pacientes.

Prazo para desconto na cota única do IPTU encerra nesta sexta-feira

A Secretaria da Fazenda de Caruaru informa que o prazo para pagamento da primeira parcela do IPTU ou a cota única com desconto encerra nesta sexta-feira (23).

A Secretaria reforça que o site para impressão do carnê 2018 é o portaldocontribuinte.caruaru.pe.gov.br. Além disso, os boletos referentes ao IPTU deste ano podem ser adquiridos no Centro Administrativo da Prefeitura, Av. Rio Branco, 315.

SEDEEC lança portal de empregos

Jorge Farias (10)

A Prefeitura de Caruaru lançou, nesta quinta-feira (22), na Associação Comercial e Empresarial de Caruaru (Acic), o portal Conecta Oportunidades, uma ferramenta digital de busca e oferta de vagas de emprego. Esta é uma das únicas iniciativas no Brasil desenvolvida integralmente por uma prefeitura. Além disso, a ferramenta é gratuita, tanto para quem busca uma colocação no mercado de trabalho como para empresas que estão ofertando vagas.

O principal beneficiado com o lançamento do programa são aqueles que estão buscando oportunidades de emprego em Caruaru. Ao se cadastrarem no site conectaoportunidades.caruaru.pe.gov.br, os perfis ficarão disponíveis para as empresas já cadastradas. “Foram três meses de planejamento e, no quarto mês, estamos fazendo o lançamento. É uma ferramenta muito simples de usar. Nosso maior desafio será o aumento da empregabilidade”, pontuou o secretário de Desenvolvimento Econômico e Economia Criativa, João Melo.

Outro segmento beneficiado pelo lançamento do programa são recrutadores, departamentos de recursos humanos e empresas no geral, que podem utilizar esta ferramenta de indicação de profissionais.

O portal, portanto, atua como a primeira etapa no processo de contratação. A partir daí, a empresa terá acesso aos perfis e deverá entrar em contato com os candidatos indicados para dar prosseguimento ao seu processo de contratação.

Para mais detalhes de como cadastrar vagas, basta acessar o link: https://www.youtube.com/watch?v=XLh2nMeTeHM

“O site é uma ferramenta inovadora para nossa cidade e região. Vamos trabalhar para que o próximo passo seja a qualificação dessas pessoas, com cursos técnicos e profissionalizantes”, complementou a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra.

/**/

Instituto NET Claro Embratel leva crianças para curtir jogos do Rio Open

INSTITUTO_RIO OPEN

O Instituto NET Claro Embratel proporcionou uma experiência única crianças das instituições Ser + e AIACOM (Armazém de Ideias e Ações Comunitárias), ambas apoiadas pelos programas de Cidadania, no Rio de Janeiro. A convite do Instituto, elas foram levadas para assistir partidas do Rio Open, o maior torneio de tênis da América do Sul, e que conta com o patrocínio máster da Claro. O Instituto também promoveu um Tour Técnico pelo evento para doze alunos do projeto Dupla Escola, responsável pela capacitação técnica em telecomunicações de estudantes do Ensino Médio em parceria com Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro e a Fundação Xuxa Meneghel.

Além de acompanhar as partidas, os jovens tiveram a oportunidade de interagir com a tecnologia 4.5G e com jogos de Realidade Aumentada, que estavam disponíveis no stand da operadora no Jockey Club Brasileiro, na zona sul do Rio de Janeiro.

Segundo Daniely Gomiero, vice-presidente de projetos do Instituto NET Claro Embratel, a companhia incentiva e apoia iniciativas como essa. “Muitas crianças não têm a oportunidade de estar presentes em eventos como esse, com essa iniciativa, conseguimos levar alegria para cada um deles. O apoio a esse projeto vem em linha com o objetivo do Instituto NET Claro Embratel, que é o de promover acesso à educação, cultura e cidadania, conectando jovens a oportunidade de prestigiar eventos esportivos, contribuindo no crescimento e formação de crianças e jovens brasileiros”, conta Gomiero.