ARTIGO — Síndrome do impostor: por que tantas mulheres de sucesso se sentem uma fraude?

Por Marina Brandão

Vivemos num mundo de muita desigualdade de gênero, marcado pelo machismo e preconceito. Pouco a pouco, o mercado de trabalho está se transformando para alcançar mais igualdade e diversidade dentro das empresas. Mas, a verdade é que temos um longo caminho a ser trilhado e as consequências dessa segregação causam inseguranças profundas, fazendo muitos profissionais duvidarem de suas capacidades e conquistas.

A síndrome do impostor é um distúrbio psicológico no qual a pessoa desconfia de suas próprias competências e não consegue aceitar e admitir suas conquistas. Descrita pela primeira vez em 1978, pelas psicólogas norte-americanas Pauline Clance e Suzanne Imes, ambas pesquisadoras da Universidade Estadual da Georgia, o trabalho é resultado de cinco anos de pesquisas com 150 mulheres altamente bem-sucedidas. Hoje, sabemos que a síndrome não é um “privilegio” do mundo feminino, mas o contexto de preconceito que a mulher vive no mercado de trabalho explica, e muito, sobre o porquê da desordem ter sido descoberta na observação de profissionais mulheres.

Se pararmos para analisar o mercado de tecnologia, iremos perceber como um ambiente tóxico faz as profissionais duvidarem de suas capacidades. Sem a inteligência e o trabalho de mulheres, a tecnologia e a internet como conhecemos hoje, não existiriam. O primeiro algoritmo da história foi desenvolvido por uma mulher, chamada Ada Lovelace. O protocolo STP, um procedimento que auxilia na melhor performance da rede, é invenção de outra mulher, Radia Perlman.

Ainda que o papel das mulheres seja de extrema relevância para o desenvolvimento desse setor, nossa sociedade insiste em afastá-las das áreas de tecnologia. Segundo dados apresentados no evento Women in Tech, realizado em 2017, na cidade de São Paulo, pela CA Technologies, 74% das meninas demonstram interesse pelas áreas de STEM (sigla em inglês para ciência, tecnologia, engenharia e matemática), mas só 0,4% delas escolhem estudar ciências da computação. O número de cursos de computação cresceu 586% no Brasil nos últimos 24 anos, enquanto o índice de mulheres matriculadas neles caiu de 34,89% para 15,53%.

A baixa representatividade feminina no mercado de TI, infelizmente, é uma consequência residual do preconceito vivido pela mulher na sociedade. Ainda vivemos em uma sociedade que diferencia tratamentos na criação de meninos e meninas, impondo condutas diferentes para cada gênero. Os estereótipos sociais nos colocam em caixinhas e, em algum momento, a tecnologia entrou na caixinha dos homens, possivelmente porque a computação nasce muito relacionada com a matemática, outra característica “tida como masculina”.

Mesmo tendo que conviver desde a infância com a constante provação de suas capacidades, é no banco das universidades que o preconceito de gênero deixa claro que “tecnologia não é lugar para mulheres”. De acordo com o INEP/MEC, as mulheres representam apenas 15% do corpo discente nos cursos relacionados à computação. Constantemente atacadas por colegas, e até mesmo por professores, as mulheres sofrem preconceito e poucas alunas chegam a concluir o ensino superior na área. Outra pesquisa indica ainda que 79% das alunas dos cursos relacionados à TI desistem já no primeiro ano.

Diante de tantos obstáculos e precisando provar constantemente suas competências, não é de se admirar que elas cheguem ao mercado de trabalho inseguras quanto ao que são capazes de realizar. É nesse cenário que a síndrome do impostor se instaura na carreira. Sem confiar na capacidade que tem, a pessoa acredita ser uma fraude, comumente atribuindo seu sucesso à sorte que teve ou à ajuda que recebeu de outras pessoas.

No caso da pesquisa realizada em 1978, e citada no início do texto, as 150 participantes eram de áreas diversas, detentoras de títulos de doutorado, profissionais ou estudantes reconhecidas pelo bom desempenho acadêmico. Apesar das notas máximas, títulos e prêmios recebidos, essas mulheres não se consideram inteligentes ou capazes. Na verdade, de acordo com o estudo, elas acreditavam que todo o sucesso é fruto do acaso, da sorte ou de algum erro no processo.

A insegurança é fruto de um ambiente social opressor. O primeiro passo para mudarmos esse quadro é empoderar as meninas, devolvendo a elas o protagonismo de suas carreiras e incentivando que comemorem suas vitórias. Pode parecer pouco, mas dar apoio, elogiar bons resultados, dar feedback sobre pontos de melhoria e reconhecer o mérito, são grandes propulsores para fortalecer a confiança de nossas profissionais e isso, reforço, precisa vir da educação de base.

Ações de longo prazo, que reconheçam a desigualdade de gênero e o machismo são indispensáveis. Mas, mais importante ainda, é fortalecermos a sororidade, termo que significa a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo. Precisamos, de maneira urgente, desconstruir a ideia de que mulheres são inimigas. A partir disso, criar redes de apoio e incentivar que as meninas, desde cedo, troquem ideias entre si para que elas se fortaleçam no mercado.

Já existem algumas iniciativas que dão força a essa ideia de rede de apoio, como por exemplo, o programa Meninas Digitais. Um projeto da Sociedade Brasileira de Computação (SBC) que tem como objetivo acentuar a inclusão e fomento de mulheres na área de tecnologia da informação. Ainda no mercado de TI, existe o Reprograma.com.br, que busca empoderar e ensinar mulheres por meio de conhecimentos de computação e ferramentas de capacitação profissional. É nosso dever participar e dar força aos movimentos que já existem com o fundamento de aumentar a representatividade das mulheres em todos os setores.

Ainda não é possível dizer quando e se seremos capazes de diminuir o preconceito, mas é nosso dever, enquanto sociedade, lutar para criar ambientes de trabalho menos agressivos para com as mulheres. Enquanto recrutadora, espero ver muitas profissionais sendo protagonistas de suas carreiras, assumindo e se orgulhando de suas conquistas. Nos vemos por aí, desbravando as antigas e novas áreas de tecnologia que surgem todos os dias e aumentando a nossa voz como mulheres e ótimas profissionais que sabemos que somos.

ARTIGO — Incentivos

Maurício Assuero

Precisamos reconhecer que o governo Temer teve um momento de lucidez: a liberação de recursos presos do FGTS, recursos do PIS-PASEP, que só era permitido sacar aposentados acima de 60 anos e a antecipação de uma parcela do 13º salário para os aposentados agora em agosto. Fora isso, foi um desastre total.

Tais medidas deveriam favorecer, de alguma forma, a economia porque representam recursos novos que poderiam ser aplicados no consumo e, com isso, dinamizar a economia. O fato é que parte da população beneficiada usará tais recursos para pagamento de dívidas e com isso, provavelmente, a moeda não circulará na velocidade desejada. Daí, uma medida tão salutar acaba sendo engolida pela realidade dolorida da economia cambaleante. Um detalhe angustiante é que a população de aposentados, beneficiados diretos com a liberação desses recursos, está com nível de endividamento crescente. Mais ainda: registra-se que o número de pessoas com 60 anos ou mais que estão inadimplentes com suas obrigações cresceu, 15%, entre 2017 e 2018.

Isso preocupa bastante porque em algumas famílias é a renda da aposentadoria a base de sustentação da família. Cidades interioranas vivem em função das transferências governamentais. Mas, o que tem se observado é que a renda da aposentadoria não tem acompanhado as necessidades básicas e sobrevivência. O que reforça esta questão é o fato da inflação nessa faixa de idade que no 2º trimestre que teve uma alta de 1,41% em relação ao 1º trimestre fechando o semestre em 2,3%. Persistindo essa tendência fecharia o ano em 4,65%. Uma das explicações mais imediatas para isso é o gasto com remédios.

Estamos agora no início do segundo semestre com as perspectivas mais acentuadas na direção do sufoco econômico. Os maiores incentivos que temos neste período são as festas do final de ano e até que o cenário político se desenhe de forma mais definitiva, a economia vai continuar no compasso de espera. Note-se, por exemplo, que o COPOM – Conselho de Política Monetária tende a manter a taxa de juros em 6,5% ao ano, todavia, mesmo que houvesse redução em 0,5 ponto percentual, o impacto na economia seria ínfimo. A conta do governo é simples: se a taxa de juro cair, então não faz sentido aplicar em títulos. Seria coerente aumentar o consumo, mas tal transferência não se faz porque os 13 milhões de desempregados continuam fazendo a grande diferença nesse país. Pena que o governo não perceba essa dor. Passado a euforia dos saques, voltaremos a nos cobrir de esperanças para fecharmos nossas contas.

Festa de Nossa Senhora da Assunção acontece até 19 de agosto

A Igreja Católica está celebrando, até o dia 19 de agosto, a Festa da Assunção de Maria. O evento acontece desde a última quinta-feira (9), na Paróquia Nossa Senhora da Assunção, no Bairro Indianópolis, em Caruaru. Celebração eucarística, quermesse e shows com atrações musicais religiosas e populares fazem parte da programação.

Com o tema “Maria, discípula missionária do Mestre, ensina-nos a ser sal da terra e luz do mundo”, a festa reúne fiéis da comunidade e de toda a Diocese de Caruaru. Entre os artistas que irão se apresentar, estão a dupla Larissa e Laura, a cantora Rosimar Lemos, Banda Nós Três, Elias e Banda e Banda Geração Missionária.

Para o administrador paroquial, padre Augusto Fagnê, o evento é uma forma de louvar a Deus e promover a devoção à mãe de Jesus. “É sempre uma alegria celebrar a Assunção de Maria. A cada ano nossa festa aumenta e é sempre uma oportunidade para reunir a comunidade e agradecer à Nossa Senhora pelo seu cuidado e intercessão”, afirmou.

“Caruaru só tende a avançar com a Via Parque”

O projeto da Prefeitura de Caruaru, Via Parque, que promete oferecer uma nova realidade aos moradores caruaruenses no tocante a atividades esportivas e de lazer, está prestes a ser posto em prática com o repasse do empréstimo em dinheiro junto à Caixa Econômica Federal. Em entrevista esta semana ao programa Jornal VANGUARDA, na Rádio Caruaru FM, o secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, Rubén Pecchio, deu todos os detalhes a respeito da execução do projeto.

Pedro Augusto

Jornal VANGUARDA – A Via Parque será construída no trecho da linha férrea que corta o município de Caruaru. De que forma surgiu a ideia de implantar uma obra tão importante para o aspecto da mobilidade local?

Rubén Pecchio – Antes de destacarmos os investimentos que serão feitos através da Via Parque, gostaríamos de lembrar que, em meados de 2015, a até então deputada estadual Raquel Lyra havia solicitado a elaboração de projetos a serem implantados na região Agreste, com o objetivo de qualificar as ações de políticas públicas. Em Caruaru, tivemos oportunidade de conhecer o arquiteto Suame Lima, que foi um dos responsáveis por nos apresentar a importância não só da linha férrea como também da própria Estação Ferroviária, que faz parte da história da cidade. A partir daí, pensamos e elaboramos o projeto da Via Parque, que foi prontamente aprovado por Raquel – eleita, posteriormente, como prefeita da Capital do Agreste.

JV – Que benefícios poderão ser vistos com a implantação do projeto neste extenso trecho da linha férrea, que, até então, encontrava-se abandonado pelas gestões anteriores?

RP – A Via Parque irá ocupar o ramal da linha férrea, ou seja, estará disponível do setor leste a oeste. Ela terá uma extensão de sete quilômetros, contemplará 14 bairros, como o João Mota, Divinópolis, Caiucá, Centenário, Boa Vista, Centro, Riachão, Salgado, Cedro, dentre outros, beneficiando, também, de forma direta, cerca de 150 mil pessoas. Esse projeto é muito bonito. Além de contemplar as comunidades, integrará ainda mais os caruaruenses, que vêm necessitando, já não de hoje, de espaços de convivência de qualidade. Nela, eles poderão andar de bicicleta, fazer caminhadas, contemplar a natureza, dentre outras atividades. Sem falar nos ganhos econômicos, haja vista que novos comércios deverão funcionar ao redor da Via. Caruaru só tende a avançar com a Via Parque.

JV – A primeira etapa da obra está prevista para iniciar ainda neste segundo semestre?

RP – Já estamos concluindo a etapa das documentações licitatórias e a tendência é de iniciarmos as obras no próximo mês de setembro ou de outubro. Deveremos terminar esta primeira etapa no prazo máximo de 12 meses.

JV – E em relação aos demais projetos que deverão ser postos em prática pela PMC… Está confirmada a revitalização do Parque de Evento Luiz ‘Lua’ Gonzaga?

RP – O Parque de Eventos também possui uma conexão com a linha férrea. Sendo assim, ele será contemplado com a implantação de pista de cooper, área da terceira idade, bem como outros investimentos que servirão a toda população.Vale ressaltar que a prefeitura também se encontra engajada para qualificar vários outros espaços que fazem parte da história de Caruaru e são bastante procurados pelos caruaruenses, como o Alto do Moura, o Monte Bom Jesus, a Feira da Sulanca, dentre outros.

JV – Como estão caminhando as obras das creches que estão sendo reformadas e instaladas em Caruaru?

RP – A educação é fundamental para o desenvolvimento cognitivo da criança. A prefeita Raquel Lyra sabe muito bem disso, tanto é que tem investido bastante na requalificação e construção de vários espaços voltados para a área. Em relação às obras, elas estão seguindo firmemente, apesar do desafio ser grande. Inclusive, estamos procurando alternativas para realizá-las o mais rápido possível de forma correta, qualitativa e responsável.

Sport tenta reabilitação após sequência de derrotas

Pedro Augusto

Desde que os jogos da Série A foram retomados após a realização da Copa do Mundo da Rússia, o Sport não sabe o que é outro resultado a não a ser a derrota. Perdeu para o Ceará por 1 a 0; foi derrotado pelo Fluminense por 2 a 1, caiu diante do Vitória por 1 a 0, bem como foi goleado recentemente pelo Flamengo por 4 a 1. Os quatro tropeços consecutivos não só fizeram com o que Leão caísse na tabela – agora se encontra na 13ª posição com 19 pontos – como também aumentou a pressão diante de Claudinei Oliveira, que, pelo menos até agora, segue como técnico do rubro-negro pernambucano.

Buscando a reação, o Sport enfrenta a Chapecoense, neste domingo (5), a partir das 19h, no Estádio da Ilha do Retiro. Para este confronto, Claudinei Oliveira não poderá contar com o atacante Rogério, que ainda se encontra entregue ao departamento médico. Em compensação, o zagueiro Durval, que se recuperou de uma lesão na coxa esquerda, voltou a ficar à disposição. A Chape, a equipe adversária da vez, está na 16ª posição, com 17 pontos. Na última rodada, o time catarinense empatou com o Grêmio por 1 a 1.

Série C

Em situações diferentes na tabela, Náutico, Santa Cruz e Salgueiro terão jogos decisivos, neste fim de semana, pela 17ª rodada da Série C. Atualmente na vice-liderança do grupo A, com 27 pontos, o Timbu mede forças com o ABC, neste sábado (4), a partir das 16h, na Arena de Pernambuco. Qualquer resultado positivo garantirá o time de Rosa e Silva na fase mata-mata da competição.

Quem também está bastante próximo de avançar na Terceirona é o Santa Cruz, que se encontra hoje na terceira posição, com 24 pontos. O Mais Querido visita a Juazeirense, neste domingo (5), a partir das 19h, no Estádio Adauto Moraes. Já o Salgueiro, que está ameaçado de cair para a 4ª Divisão, não pode pensar em outro resultado a não ser na vitória diante do Remo, nesta segunda-feira (6), a partir das 21h15, no Estádio Cornélio de Barros.

O Carcará está na lanterna da chave, com apenas 17 pontos. Já a equipe paraense ocupa a oitava posição, com 18. Na rodada passada, o time sertanejo empatou sem gols com a Juazeirense, no Adauto Moraes, e o Remo venceu o ABC por 1 a 0, no Estádio Mangueirão.

Produção de plástico cresce 2,6%

A indústria de transformados plásticos cresceu 2,6% no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST). Os resultados foram influenciados positivamente pelo aquecimento de alguns setores, tais como automotivo (18,3%) e eletrônicos (18,2%), que fizeram o consumo aparente do material plástico crescer 3,7% ante ao acumulado de 2017. Para o ano, a ABIPLAST espera um crescimento de 2,5% na produção física, 2% dos empregos e de 4% no consumo aparente.

Em junho, a produção física chegou a 10,7% maior que maio, quando sofreu queda de 8% em razão da greve dos caminhoneiros. Já na comparação com o mesmo mês de 2017, o setor registrou o resultado positivo de 1%. Já no que se refere à geração de empregos, apesar da criação de 2,7 mil novas vagas no acumulado do ano, o segmento teve queda de 8% ante ao mesmo período do ano anterior.

Apesar dos números positivos a indústria plástica ainda não retomou o crescimento, assim como demais setores da economia. As incertezas do ambiente de negócios – tais como a volatilidade cambial e as eleições 2018 – e o alto custo de produção prejudicam a recuperação da indústria de transformados plásticos. Somente a matéria-prima registrou aumento que varia entre 10% a 20% dependendo do tipo de resina.

Mais de 544 mil devem ser imunizados contra pólio e sarampo em PE

Pernambuco completa 30 anos sem a circulação da poliomielite em seu território, além de 4 anos sem ocorrências de sarampo. Para
continuar sem registros das doenças, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) chama a atenção da população para a Campanha de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo, que ocorre a partir desta segunda-feira (6.08) até 31 de agosto, com o Dia D em 18 de agosto. A campanha é voltada para crianças entre 1 ano e menores de 5 anos (4 anos, 11 meses e 29 dias), independente da situação vacinal. No Estado, o objetivo é imunizar, no mínimo, 95% dos 544.180 meninos e meninas pernambucanos inclusos na estratégia. Importante destacar que o Dia D da Campanha é voltado exclusivamente para as crianças da faixa etária atendida pela iniciativa.

No Brasil, há surtos de sarampo confirmados em Estados do Norte, além de casos isolados em localidades do Sul e do Sudeste. Em outros países das Américas e da Europa também se observa a ativa circulação da doença. Já em relação à poliomielite, Afeganistão e Paquistão já confirmaram casos neste ano.

“O trânsito de pessoas entre Estados e países intensifica o risco da reintrodução desses vírus em Pernambuco. Além disso, estamos vivenciando um período de baixa cobertura vacinal em todo o Brasil. Precisamos chamar a atenção do público para a vacinação, que é a melhor maneira de proteger nossa população contra essas e outras enfermidades, muitas delas potencialmente graves. Essa campanha é importante para ampliarmos nossas coberturas e continuarmos sem a circulação do sarampo e da poliomielite em nossas cidades”, afirma a coordenadora do Programa Estadual de Imunização, Ana Catarina de Melo. A coordenadora lembra também que diversas reuniões foram realizadas com os municípios para treiná-los e para tirar as dúvidas sobre a campanha. As cidades ainda foram incentivadas a criarem estratégias para chegar até o público da iniciativa.

Durante a campanha, poderão ser aplicadas a vacina inativada da poliomielite (VIP – injetável) ou a vacina oral da poliomielite (VOP). A injetável deve ser feita em criança sem histórico vacinal. Com uma ou mais doses de qualquer tipo de vacina contra poliomielite, deve ser feita a dose oral. “É importante levar a caderneta de vacinação para avaliação pelo profissional de saúde e registro da nova dose”, frisa a coordenadora do Programa Estadual de Imunização.

No caso do sarampo, o imunizante é a vacina tríplice viral, que também protege contra caxumba e rubéola. “A tríplice deve ser aplicada em todas as crianças com ou sem histórico vacinal, exceto se a última dose tenha sido há menos de 30 dias”, pontua Ana Catarina.

Se a criança tomou a tríplice viral recentemente, a dose da campanha só deve ser feita 30 dias após esta aplicação. No momento da campanha, de acordo com as informações contidas nas cadernetas de vacinação, o profissional do serviço de saúde informará aos pais ou responsáveis da necessidade de reforço dessa vacina.

POLIOMIELITE – Doença infectocontagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro de paralisia flácida, de início súbito. Acomete em geral os membros inferiores, de forma assimétrica, tendo como principais características a flacidez muscular, com sensibilidade preservada, e falta de reflexo no segmento atingido. A transmissão ocorre por contato direto pessoa a pessoa, pela via fecal-oral (mais frequentemente), por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou portadores, ou pela via oral-oral, através de gotículas de secreções da orofaringe (ao falar, tossir ou espirrar).

As campanhas de vacinação contra a poliomielite começaram no país em 1980. Em Pernambuco, o último caso foi em 1988, enquanto que no Brasil foi no ano seguinte, na Paraíba. A doença permanece endêmica em três países: Nigéria, Afeganistão e Paquistão, com casos confirmados em 2018 apenas nos dois últimos.

O esquema vacinal do Calendário Nacional de Vacinação é composto por três doses da vacina inativada da poliomielite (VIP), administradas aos dois, quatro e seis meses, sendo necessários dois reforços com a vacina oral da poliomielite (VOP) aos 15 meses e aos 4 anos de idade, além das doses ministradas durante as campanhas.

A meta de cobertura vacinal maior ou igual a 95% deverá ser alcançada em todos os municípios brasileiros, tanto na rotina quanto nas campanhas. Em Pernambuco, em 2017, 82% das crianças foram vacinadas. “As crianças precisam completar o esquema para estarem imunizadas. Os meninos e meninas vacinados com a dose oral ainda produzem o que chamamos de ‘imunidade de rebanho’, já que eles espalham no ambiente o vírus vacinal, o que ajuda numa imunização coletiva”, frisa Ana Catarina.

Dados da doença – Os últimos registros de poliomielite em Pernambuco foram em 1988 (5 casos e 1 óbito). No ano de 1980 o Estado chegou a ter 111 casos, com 13 óbitos.

SARAMPO – Doença infecciosa exantemática aguda, transmissível e extremamente contagiosa, acomete principalmente crianças com até cinco anos de vida, podendo evoluir com complicações e óbito. A transmissão ocorre de pessoa a pessoa, por meio de secreções respiratórias, no período de quatro a seis dias antes do aparecimento do exantema (mancha avermelhada na pele) até quatro dias após.

Entre os sintomas da doença: febre alta, acima de 38,5°C, manchas avermelhadas (exantema) generalizadas pelo corpo, tosse, coriza, conjuntivite e manchas de Koplik (pequenos pontos brancos que aparecem na mucosa bucal, antecedendo ao exantema). As complicações mais comuns são pneumonia, otite, doenças diarreicas e neurológicas.

Para evitar o sarampo, a indicação, é utilizar a vacina tríplice viral, que ainda protege contra a rubéola e a caxumba. Na rotina, a tríplice deve ser aplicada em crianças com 12 meses, com um reforço aos 15 meses com a tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela). Para crianças acima de 2 anos e jovens e adultos até os 29 anos, não vacinados anteriormente ou que não se lembram, devem ser feitas 2 doses da tríplice viral, com intervalo de 30 dias entre elas. Adultos entre 30 e 49 anos (não imunizados ou que não lembram) devem tomar uma dose da tríplice. Profissionais de saúde não vacinados devem tomar duas doses com a vacina tríplice viral, independente da idade. Essas doses são disponibilizadas durante todo o ano nos postos de vacinação de todos os municípios de PE.

Em Pernambuco, em 2017, 99% das crianças de 1 ano tomaram a primeira dose da vacina tríplice viral. Contudo, apenas 69% fizeram a segunda dose, completando o esquema. A meta mínima para prevenir a circulação da doença é de 95%.

Dados da doença – Em Pernambuco, foram confirmados 199 casos de sarampo em 2013 e 27 em 2014, além de 1 caso importado em 2012. Anteriormente, o último registro tinha sido em 1999, com 240 casos. Em 2018, não há nenhuma confirmação.

OUTRAS DOENÇAS PROTEGIDAS PELA VACINA TRÍPLICE VIRAL

RUBÉOLA – Doença exantemática aguda de curso benigno. Sua transmissão ocorre através de contato com as secreções nasofaríngeas de pessoas infectadas. A transmissão indireta, mesmo sendo pouco frequente, ocorre mediante contato com objetos contaminados com secreções nasofaringeanas, sangue e urina.

O quadro clínico é caracterizado por manchas avermelhadas na pele, iniciando-se na face, couro cabeludo e pescoço, espalhando-se posteriormente para o tronco e membros. Além disso, apresenta febre baixa e linfadenopatia (condição em que os nódulos linfáticos ficam com tamanho, consistência ou número anormais, geralmente inchaço), geralmente antecedendo ao exantema no período de 5 a 10 dias, podendo perdurar por algumas semanas.

A importância epidemiológica da rubéola está relacionada ao risco da doença durante a gestação, o que pode acarretar abortos, natimortos, e malformações congênitas, como cardiopatias, catarata e surdez.

Dados da doença – Os últimos casos de rubéola em Pernambuco foram em 2008 (7 confirmações). Em 2007, foram 51 casos. No ano 2000, foram mais de 1,5 mil.

CAXUMBA – Doença viral aguda caracterizada por febre e aumento das glândulas salivares, podendo ser acompanhada por dor muscular, anorexia, dor de cabeça, mal-estar, dor à mastigação e dificuldade de deglutição. Aproximadamente 1/3 das infecções podem não apresentar aumento, clinicamente aparente, dessas glândulas. O diagnóstico é clínico e não há tratamento específico, indicando-se apenas repouso, analgesia e observação para surgimento de complicações.

Dados – Desde 2015, uma alteração no padrão de circulação da caxumba se apresenta em diferentes regiões do país, observando-se aumento na ocorrência de surtos inicialmente na região Sul e Sudeste e, posteriormente, no Centro-oeste e Nordeste do país. Em Pernambuco, o registro de surtos teve início em 2016. Os surtos significam o surgimento de várias pessoas doentes em uma mesma localidade.

Em 2016, foram notificados 97 surtos, com 855 casos. Em 2017 foram 41 surtos e 467 casos.

Master Instituto realiza ‘Treinamento Agora’ neste sábado

O Master Instituto traz para Caruaru o “Treinamento Agora”, curso montado com base em conhecimentos de várias áreas para despertar no participante o guerreiro que está adormecido. O evento acontece neste sábado, 04 de agosto, às 9h, no Centro de Convenções de Caruaru. Será um dia de muito aprendizado e de conhecimento próprio, já que esse é um dos objetivos do treinamento.

Ministrado pela especialista em coaching Manuela Melo, juntamente com uma equipe de profissionais, o treinamento é voltado para pessoas com posição de liderança ou que querem tomar as rédeas da vida. “Através de ferramentas de coaching, montamos dinâmicas específicas onde o público faz uma análise da própria história, envolvendo o lado emocional, financeiro, relacionamento pessoal e família”, diz Manuela.

Ele trabalha também áreas que interferem positivamente no dia a dia, aumenta a produtividade, favorece o diálogo e melhora a relação com as pessoas. “A mente do ser humano é reprogramável, ou seja, quando se coloca uma coisa na cabeça e acredita nela, com certeza ela vem a se tornar uma realidade. Isso também vale para você quanto agente social”, enfatiza Manuela.

Sobre o Master Instituto

Idealizado por Manuela Melo – Programadora Neurolingúistica, Trainer em PNL, Coaching e Hipnóloga – o Master Instituto tem por objetivo de desenvolver habilidades nas pessoas através de metodologias reconhecidas mundialmente pelos resultados e eficácias comprovadas. “O Master representa o propósito de transformar vidas, para que cada um possa se tornar a sua melhor versão”, completa Manuela Melo.

Para conhecer mais sobre o Master Instituto, basta acessar o endereço www.masterinstituto.com.br

Caruaru Shopping realiza mais uma edição do Salão do Automóvel

O Caruaru Shopping está realizando, desde a quinta-feira (09), o 3º Salão do Automóvel. O evento acontece até 12 de agosto, reunindo as principais novidades da indústria automobilística. Estarão disponíveis dezenas de modelos para venda e em exposição.

Serão várias fábricas que estarão expondo suas novidades, incluindo modelos 2019. Entre elas estão a Honda, Chevrolet, Nissan, Fiat, Toyota, Audi, Land Hover, Hyundai, Volkswagen e a Renault. O Salão do Automóvel acontece no Pavilhão de Eventos e segue o horário do Shopping, ou seja, aberto ao público das 10h às 22h.

Para Walace Carvalho, gerente de Marketing do Caruaru Shopping, promover a terceira edição do Salão do Automóvel é uma satisfação ímpar para o centro de compras e convivência. “Teremos aqui as maiores novidades e lançamentos de montadoras nacionais, além de vários modelos importados. Uma excelente oportunidade para quem pensa em trocar de carro ou até mesmo conhecer os novos lançamentos”, destacou.

Com mais de 200 operações, estacionamento com 3.300 vagas, o Caruaru Shopping é o maior centro de compras do Norte e Nordeste. O local é dotado ainda de um hotel com mais de 145 vagas e um edifício empresarial.

O Caruaru Shopping fica localizado na Avenida Adjar da Silva Casé, 800, no Bairro Indianópolis.

/**/

Sesc Ler Belo Jardim promove ações de lazer

Nada melhor que começar o mês com atividades. Domingo é um bom dia para relaxar, descontrair e colocar o papo em dia. E o Sesc Ler Belo Jardim está com programação repleta de atividades para quem for à Unidade nesse dia, sempre a partir das 10h, nas áreas de lazer.

Já neste domingo (5/8) serão realizadas atividades na piscina, no salão de jogos, brincadeiras e muito mais. A agenda faz parte do Sesc Lazer. Para participar, o público geral paga R$ 6. Trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo têm desconto e pagam R$ 3, mediante a apresentação do cartão atualizado. Os domingos subsequentes também contarão com programação.