Júlio Lóssio propõe “presídios do trabalho” e guarda municipal armada

Em entrevista ao Programa Folha Política, da Rádio Folha (96,7 FM), na manhã desta terça-feira (21), o ex-prefeito de Petrolina e candidato ao Governo de Pernambuco, Júlio Lóssio (REDE) apresentou algumas ideias para o setor da segurança pública. E aproveitou para criticar a política do Pacto Pela Vida. “Esse nome é bonito, mas hoje deveria chamar Pacto Pela Morte”, disparou Lóssio, se referindo ao programa de segurança que teve sucesso no governo de Eduardo Campos (PSB) mas tem sido alvo de críticas na gestão com Paulo Câmara (PSB).

“Temos que mudar o formato dos presídios, que viraram escolas do crime. Vamos fazer os presídios do trabalho, para trabalhar na limpeza pública ou na construção de praças”, Outras ideias apresentadas foi a criação Polícia Rodoviária Militar com foco nas fronteiras para evitar a entrada de armas e drogas. Além disso, sugeriu a criação de três grandes presídios, com vocação de acordo com a região. Um no Vale do São Francisco, um no Agreste (presídio da confecção) e outro na Zona da Mata e Região Metropolitana, aproveitando o polo industrial, com perfil voltado para a construção civil. Além disso, disse que vai destinar, caso eleito, 10% dos recursos do FEM para armar as guardas municipais”. Sou contra armar o cidadão comum, mas a favor de armar as guardas”, disse.

Folhape

Governo de Pernambuco abre novo concurso

Mantendo o compromisso em reforçar as escalas de plantões das unidades de saúde estaduais para, assim, qualificar o atendimento à população, o Governo de Pernambuco publicou, nesta terça-feira (21.08), no Diário Oficial do Estado, edital para um novo concurso público com 1 mil vagas, com cargos de nível médio e superior que serão lotados em diversas unidades de saúde espalhadas por todo o Estado. As inscrições devem ser realizadas já a partir desta quarta-feira (22.08) e seguem até o dia 20 de setembro, exclusivamente pelo www.institutoaocp.org.br. Do total de vagas, 5% são reservadas para pessoas com deficiência.

Das 1 mil vagas, 970 são para o grupo ocupacional saúde pública, sendo 260 para o cargo de médico, 250 para analista em saúde (diversas profissões de nível superior) e 460 assistente em saúde (diversas profissões de nível médio). As outras 30 vagas são do grupo ocupacional de fiscalização sanitária da saúde, todas para fiscal de vigilância sanitária. No edital, são especificados os requisitos para cada cargo/especialidade, além das atribuições. Importante frisar que as vagas são para cargos e lotação em Gerências Regionais de Saúde (Geres) que a Secretaria não possui mais banco do último concurso realizado em 2014, que ainda está vigente até dezembro de 2018. Os cargos beneficiados com o concurso público de 2014 que ainda possuem banco continuam válidos.

“Desde 2015, por determinação do governador Paulo Câmara, mais de 6,1 mil profissionais concursados foram convocados para reforçar as escalas dos serviços sob gestão estadual. Isso comprova o compromisso deste Governo em qualificar a saúde ofertada a todos os pernambucanos, do Litoral ao Sertão. Agora, damos mais um passo para convocar profissionais de cargos que a SES não possui mais banco, ratificando a importância dessa mão de obra concursada para o fortalecimento da Saúde Pública”, afirma o secretário estadual de Saúde, Iran Costa.

O concurso público será dividido em duas etapas para os profissionais de nível superior (médicos, analistas em saúde e fiscais de vigilância sanitária), sendo uma prova objetiva e, para os aprovados nessa etapa, avaliação de título. Já para os assistentes em saúde (nível médio), o certame será em uma fase (prova objetiva). A prova objetiva será realizada de acordo com conhecimentos da língua portuguesa, conhecimentos gerais do Sistema Único de Saúde (SUS) e conhecimentos específicos relacionados diretamente à natureza de cada cargo/especialidade, como descrito no edital.

A prova objetiva será realizada em 21 de outubro, com divulgação do resultado final dessa etapa em 26.11. Já a convocação dos candidatos classificados para a avaliação de títulos será entre 26 e 30 de novembro. O resultado final do concurso, após o período de recurso, será em 15 de janeiro.

O concurso, realizado pelo Instituto AOCP, terá validade de dois anos após a homologação, podendo ser prorrogado pelo mesmo período.

ISENÇÃO – O candidato que tiver inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) poderá solicitar a isenção da taxa de inscrição entre esta quarta (22.08) e a sexta-feira (24.08), mediante preenchimento do formulário de solicitação de isenção da taxa de inscrição, disponível no www.institutoaocp.org.br. Para os demais, a taxa de inscrição é de R$ 40 (nível médio) ou R$ 60 (nível superior).

ÚLTIMOS CONCURSOS – O Governo de Pernambuco tem se empenhado para reforçar as escalas das unidades da rede. De 2015 até o momento, já houve a convocação de 6.176 mil profissionais concursados, sendo 843 médicos e 5.062 não médicos. Desta forma, o governador Paulo Câmara já entrou para a história da Saúde em Pernambuco com a maior contratação de profissionais concursados para a área.

Além disso, também houve a contratação de profissionais por meio de seleções públicas simplificadas. Somando os profissionais concursados e os contratados por meio de seleção pública, o governo contratou, desde 2015, um total de 6,9 mil profissionais para a saúde, sendo 1.071 médicos e 5.880 não médicos.

CARGOS DO CONCURSO

Assistente em saúde (nível médio): assistente técnico de administração, técnico de enfermagem, técnico de imobilização ortopédica, técnico de laboratório, técnico de necrópsia, técnico de radiologia, técnico em saúde bucal, técnico em farmácia.

Analista em saúde (nível superior): assistente social, biomédico, enfermeiro, enfermeiro cardiologista, enfermeiro obstetra, enfermeiro oncologista, enfermeiro uteista, farmacêutico, fisioterapeuta, fisioterapeuta em terapia intensiva, fisioterapeuta respiratório, nutricionista, psicólogo, sanitarista, médico veterinário, administrador, contador e analista em educação na saúde.

Fiscal de vigilância sanitária (nível superior): enfermeiro, farmacêutico e nutricionista.

Médico (nível superior): anatomopatologista, anestesiologista, cardiologista, cirurgião de cabeça e pescoço, cirurgião geral, cirurgião oncológico, cirurgião pediátrico, cirurgião toráxico, cirurgião vascular, cirurgião geral, coloproctologista, endoscopista, infectologista, intensivista adultio, intensivista pediátrico, neonatologista, neurocirurgião, neuropediatra, oncologista, otorrinolaringologista, pediatra, pneumologista, psiquiatra, tocoginecologista, traumato-ortopedista, urologista e médico em radiologia e diagnóstico por imagem.

Prefeito Meira de Camaragibe decide Silvio Costa como primeiro senador

O deputado federal e candidato ao Senado pela coligação Pernambuco que Você Quer, Silvio Costa (Avante), recebeu, nesta terça-feira (21), a declaração de apoio do prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira, do PTB. Sexto município mais populoso da Região Metropolitana do Recife e o oitavo de Pernambuco, o advogado Demóstenes Meira foi eleito prefeito em 2016 com 56% dos votos dos camaragibenses.

Em encontro com o candidato a senador Sílvio Costa, o prefeito de Camaragibe revelou que a sua primeira opção ao Senado representa um reconhecimento à luta do deputado do Avante contra o impeachment da presidente Dilma (PT) e em defesa do ex-presidente Lula. “Vou votar em Silvio Costa por sua lealdade e coerência. Silvio esteve o tempo todo com Dilma contra o impeachment e está até hoje com Lula. Nunca mudou de lado, não abandonou o barco nas dificuldades do PT, e é um ficha limpa”, assinalou Meira.

Com 154 mil habitantes (IBGE, 2015), a história de Camaragibe está ligada ao começo do Brasil. Suas terras foram originalmente utilizadas para a exploração do pau-brasil, posteriormente servindo à produção da cana-de-açúcar. O município surgiu com os antigos engenhos da região, como o Camaragibe, fundado em 1549. Camaragibe foi elevado à categoria de município em 1982, desmembrando-se de São Lourenço da Mata. “Recebo o apoio de Demóstenes Meira com grande satisfação. Ele tem sido um prefeito de destaque na Região Metropolitana e uma emergente liderança política”, destaca Silvio Costa.

Frente do Biesp vira palco de confusão entre advogados e populares

Foto: Rita Araújo

Pedro Augusto

Há ainda quem duvide da influência das redes sociais na vida das pessoas, porém alguns casos costumam vir à tona para modificar esta opinião. Durante o último fim de semana, circulou pelos grupos de whatsapp, a informação de que um grupo de advogados estaria tentando fechar o 1º Batalhão Integrado Especializado, com sede em Caruaru, em repúdio a confusão envolvendo o advogado Sávio Delano e policiais militares, no último dia 5 de julho, durante uma tentativa de realização de assembléia do Sindicato dos Vigilantes de Pernambuco. Suposta intenção foi logo desmentida pela OAB de Caruaru, que justificou através de nota também pela rede, o objetivo de realizar apenas um ato de desagravo em repulsa aos “atos cometidos por alguns policiais do Biesp”.

Pois bem! Na manhã da última terça-feira (21), o entorno da sede do Biesp, no Bairro Caiucá, foi tomado por grupos de advogados e populares. Com carros de som às alturas e xingamentos a torto e a direita, em sua minoria, ambos acabaram trocando murros e empurrões, sendo contidos rapidamente por policiais da unidade. Divididos, agora, como num campo de batalha, as duas categorias trocaram ofensas verbais, sendo ridicularizadas tão logo alguém usava da palavra.

O servidor da Saúde, Williams Henrique, que estava em meio aos populares que questionavam o ato da classe de advogados, defendeu a suposta legimititude das críticas. “Só porque eles acham que são advogados, acreditam que podem fazer o que quiserem! Ou seja, um advogado desacatou um tenente da Polícia Militar em julho passado e na época acabou sendo preso, e agora eles vêm fazer manifestação criando confusão com o povo. Eles não são maiores do que a lei. Estamos aqui para defender a PM. Eles disseram que não querem o fim do Biesp, mas não foi o que vimos por aqui!”.

Do outro lado do “ringue”, ou melhor, da rua, em meio ao agrupamento de seus colegas de profissão, o presidente da OAB de Pernambuco, Ronnie Duarte, rechaçou o boato de tentativa de fechamento do batalhão. “Estamos aqui com o objetivo de demonstrar a irresignação de toda a advocacia da sociedade pernambucana, em razão da prisão arbitrária, ilegítima e violenta que foi interpretada por alguns policiais do Biesp contra um membro da nossa profissão. Pessoas de maneira leviana e irresponsável quiseram transmitir uma notícia, através da redes sociais, de que éramos contra o batalhão, mas isso não é verdade. Esse ato não foi contra a instituição tampouco contra valorosos profissionais que atuam por aqui, mas sim, em desfavor de alguns policiais que não usaram a farda que vestem”.

Ocupados em ter de manter a ordem no local, os policiais do Biesp não quiserem comentar a respeito da confusão.

Relembre o caso

A confusão, que resultou na prisão do advogado Sávio Delano, ocorreu numa tentativa de assembleia do Sindicato dos Vigilantes de Pernambuco, na tarde do dia 5, na Rua Benjamin Lorena, no centro de Caruaru. De acordo com informações repassadas pela Polícia Civil, durante o conflito, a PM entendeu que Sávio teria desacatado a corporação e o prendeu. Encaminhado até a Delegacia de Plantão, na ocasião, contra ele foi lavrado um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência). O advogado foi liberado logo em seguida.

Em nota, a OAB afirmou, na época, estar “adotando as medidas criminais cabíveis e entrará com uma representação na Corregedoria da Secretaria de Defesa Social para que os responsáveis por atos tão arbitrários, abusivos e violadores das prerrogativas da categoria sejam devida e exemplarmente punidos”.

/**/

Transformações digitais: o que são e como impactam a contratação de pessoas?

A tão falada ‘transformação digital’ é a nova onda que busca adaptar as estruturas corporativas, aperfeiçoar desempenho e aumentar os resultados dentro das organizações, colocando a tecnologia como a grande protagonista destas transformações.

Não é novidade que temos sido inundados por novas tecnologias que buscam trazer facilidades e velocidade. Elas têm alterado até as nossas relações e proporcionando enormes oportunidades de crescimento. Dentro das organizações essas mudanças e ganhos não são diferentes e aproveitar essas oportunidades é praticamente uma obrigação, uma vez que sem inovação é muito difícil uma organização sobreviver no mercado atual e nas grandes alterações que especialistas têm previsto para um futuro próximo.

Por isso, é fundamental que as empresas e, principalmente, áreas de gestão de pessoas estejam de olho nessas mudanças e como elas influenciam os diferentes ambientes de trabalho e os distintos segmentos do mercado. Mais importante do que isso, acredito que as empresas precisam observar como essas novas tecnologias podem alterar e contribuir para mudanças na cultura interna de cada organização.

É preciso ainda criar condições para que elas permeiem o ambiente, redefinindo as estruturas organizacionais, bem como novas configurações de hierarquias e ainda revise e adote novos processos e metodologias para a gestão de pessoas e das suas relações com as máquinas.

É impossível prever todas as mudanças causadas pelas transformações digitais, mas ao observarmos atentamente o comportamento das pessoas, podemos dizer que o dinamismo e a velocidade dos acontecimentos são, sem sombra de dúvida, as alterações mais impactantes. Esse dinamismo foi descrito pelo sociólogo e filósofo polonês, Zygmunt Bauman, como modernidade líquida. De acordo com Bauman, vivemos em uma época histórica de liquidez, fluidez, volatilidade, intangibilidade, incerteza e insegurança, onde pequenas mudanças podem desencadear grandes quebras de paradigmas.

A solidez não existe, a transformação é inerente, as relações são líquidas e o comportamento dos indivíduos acaba por modificar também as relações entre empresa, colaboradores e clientes. Dentro dos ambientes profissionais, tudo está mais rápido e ágil. Do ponto de vista das empresas, os ambientes estão mais abertos e flexíveis, adotando modelos como ‘open space’ em que as paredes entre as pessoas são literalmente derrubadas e em que diferentes profissionais de diferentes áreas se mesclam e colaboram juntos em projetos.

Olhando para o relacionamento entre empresa e sociedade/clientes, a forma de se comunicar está mais dinâmica, menos formal e mais próxima. Se antes as organizações eram entidades intocáveis e distantes, hoje existe um movimento muito forte que as tornam mais acessíveis, permitindo um fluxo de informação muito mais direto, profundo e de verdadeira conexão.

Se as transformações digitais abriram portas para relacionamentos mais dinâmicos, elas também derrubaram inúmeras barreiras de entrada, fazendo com que o mercado recebesse novos players e, aumentando assim, a concorrência entre as empresas. Como a oferta de produtos e serviço se tornou maior, conquistar o consumidor passou a ser a ordem do dia – todos os dias. Esses, por sua vez, estão mais exigentes e com menor tolerância ao erro.

Se as nossas relações com as marcas estão nesse nível de exigência, por que seria diferente dentro das empresas onde trabalhamos? Nosso comportamento enquanto colaborador está diretamente ligado ao nosso comportamento enquanto consumidor. Queremos que esse dinamismo nos acompanhe em nosso local de trabalho e, é assim que a modernidade líquida impulsiona a conquista de mais liberdade dentro das empresas e proporciona, por exemplo, o crescimento das políticas de home office.

Algumas empresas consideram assustador dar esse tipo de autonomia para o funcionário. Essa flexibilidade de horário, trabalho remoto e engajamento por projeto são conceitos novos que assustam os modelos tradicionais de relação de trabalho, onde o microgerenciamento das ações é o processo mais comum para a gestão de pessoas. A única possibilidade é criar bases sólidas de confiança e criar programas fortes de gestão de pessoas para mantê-los engajados e conectados, de onde quer que eles trabalhem.

Mas você pode me perguntar: e o que tudo isso tem a ver com recrutamento e seleção? E eu posso dizer que: tudo. Essa necessidade de engajamento já nasce no processo seletivo, com a identificação entre o funcionário e a cultura organizacional. Nesse contexto, surge um novo desafio especificamente aplicado ao recrutamento e seleção de profissionais. O recrutador precisa encontrar as pessoas com perfil técnico para ocupar as vagas disponíveis, levando em consideração os valores, as características e, principalmente, as motivações de cada candidato e, tudo isso, precisa estar coerente com os valores da cultura empresarial. Isso quer dizer que o nosso papel nessa era vai muito além de analisar currículos e fazer entrevistas. É necessário desbravar e reconhecer nas pessoas o seu estilo de vida, o que acreditam, seus propósitos e os objetivos de vida tanto profissionais quanto pessoais e, descobrir, o quanto esses profissionais são adaptáveis a mudanças tecnológicas e até culturais.

Ainda como responsabilidade dos recrutadores, está o papel de se aprofundar verdadeiramente na política da empresa e descobrir dentro do discurso para o mercado quais são as experiências e propostas da marca. Uma contratação bem-feita, à longo prazo, leva em consideração o nível de felicidade do profissional, a liberdade criativa, sua capacidade de entrega, sua resiliência e a sua relação com a empresa que o contratou.

Assim, fica evidente que todo o processo de contratação precisa ser adequado à nova conjuntura de mundo. Não é à toa que muitas empresas começaram a enxergar a necessidade de colocar em prática o conceito de ‘marca empregadora’, que busca atrair e reter os melhores talentos, por meio de valores fortes e valendo-se de tecnologia para transmitir em alto e bom som sua voz no mundo.

Vamos juntos desbravar e repensar essa modernidade, organizações e relações cada vez mais tecnológicas e, por vezes, líquidas.

Felippe Virardi é formado em administração de empresas, executivo com mais de 10 anos de experiência na área de marketing e vendas e headhnter na Trend Recruitment, boutique de recrutamento e seleção para marketing e vendas

Matrícula digital com validade jurídica evita que colégios tenham prejuízos

Com data de início cada vez mais adiantada e longa duração dentro do calendário escolar, a campanha de matrícula e rematrícula se tornou um capítulo à parte na realidade dos colégios particulares de ensino básico em todo o Brasil. Em muitos casos, gera dúvidas, filas e uma batelada de papéis a serem assinados, tornando o processo arrastado e até comprometendo o orçamento da instituição. Para evitar transtornos, proteger-se judicialmente e, principalmente, oferecer aos pais uma maneira mais prática e ágil de garantir a vaga dos filhos, as escolas têm, cada vez mais, optado pelo recurso da matrícula pelo aplicativo escolar do colégio.

É o caso do colégio Gurilândia International School, localizado na cidade de Salvador/BA. Para as matrículas de 2019, os pais e responsáveis de cerca de mil alunos poderão finalizar o processo, com apenas alguns cliques e a qualquer hora, pelo IsCool App, aplicativo de comunicação utilizado pela instituição. “Antes, começava o ano letivo e os pais ainda estavam vindo até o colégio para assinar a matrícula, eles reclamavam, pediam mais praticidade, alguns porque viajam com muita frequência. Nossa ideia é fazer com o que o pai não precise vir até a escola para essa finalidade”, afirma Jardeson Souza, gerente de TI do Gurilândia.

Disponível na primeira tela do aplicativo de comunicação escolar IsCool App, o módulo matrícula pode ser facilmente acessado pelo pai, que já acompanha a vida escolar dos filhos pela tela do celular. “O módulo de assinatura pelo celular encurta o período de campanha de matrícula dos colégios em até 80% e ainda diminui substancialmente o número de matrículas sem assinatura ao final do ano, garantindo um cenário muito mais propício para o planejamento pedagógico e financeiro da instituição”, ressalta Ramin Shams, presidente do Grupo School Picture, detentor do IsCool App.

Por que assinatura digital e não aceite digital?

Diferente do aceite digital, que funciona como um acordo no formato digital, a assinatura digital afere a integridade do documento e é a mais indicada pelos advogados para processos de matrícula on-line.

“No ano passado, nós tentamos implantar a matrícula on-line por meio de aceite em nosso site, mas tivemos diversos problemas porque o processo não capturava todos os dados para validade jurídica. No meio da campanha, tivemos que retomar para o processo tradicional e os pais que já tinham dado o aceite on-line precisaram retornar ao colégio e assinar os papéis manualmente”, diz Souza, justificando a opção do Gurilândia pelo processo de assinatura digital no IsCool App.

Utilizado por empresas de grande porte e de diversos setores, como bancos, seguradoras, prestadores de serviços digitais e até o Consulado Americano, o sistema de assinatura digital é composto por múltiplas chaves criptográficas que se complementam. “A assinatura digital de matrícula é aceita no mundo todo como a substituta da assinatura de punho próprio, por isso é um documento com validade jurídica que pode ser executado na justiça e traz muito mais segurança para pais e colégio”, explica Shams.

Sobre o IsCool App

Completa plataforma de comunicação para os colégios, alunos e pais, o IsCool App é o único aplicativo escolar do mercado com o módulo de assinatura digital de matrícula. Apresentado em quatro línguas, está presente nas mais tradicionais escolas particulares do país. Entre as ferramentas que oferece estão: módulo Chegando (que organiza a saída dos alunos), integração com banco de dados e software de gestão da escola, feed de notícias, comunicados personalizados, enquetes, autorizações, calendário de atividades e um completo dashboard para administração de dados. Outro diferencial é seu design flat com interface amigável, elogiado entre os usuários por ser simples e intuitivo.

Sobre a School Picture

Criada há 32 anos por Ramin Shams, a School Picture é a união de 70 anos de tradição familiar em fotografia com a intensa busca por tecnologia de ponta e inovação. Pioneira e líder na América Latina, a empresa conta com uma estrutura consolidada com sede em Americana/SP e escritórios em São Paulo/SP, Rio de Janeiro/RJ e Porto Alegre/RS. Desde a captura, até impressão, toda produção é 100% digital.

Artigo: Indústria e varejo: como uma pode alavancar os negócios da outra?

Por André Romero

Todos querem vender mais. Porém, ao contrário do que se pensa, nem sempre é necessário realizar grandes investimentos para ampliar as vendas. Por vezes, a verdadeira chave para potencializar as negociações é se utilizar de relações e informações que já estão disponíveis. Normalmente, vemos a indústria tratando o varejo como um cliente e não como um parceiro estratégico. O mesmo acontece do lado do varejo, que acha que a indústria é obrigada a lhe dar descontos em função de seu volume de compra.

Na verdade, essa relação pode ser muito mais proveitosa se ambos entenderem que precisam construir suas estratégias de vendas juntos. A indústria, quando desenvolve seus produtos, pesquisa e planeja o seu público alvo. Mas, se não transmitir o seu conhecimento ao varejo, corre o risco de ter seus produtos colocados nas seções inadequadas. O varejista precisa conhecer de perto os planos para cada produto. Da mesma forma, quando estão nas gôndolas do varejo, muitos comportamentos do consumidor podem ser observados. Ali, novas oportunidades são identificadas, gerando informações tão ricas que podem inclusive mudar o posicionamento de marca de alguns produtos.

Um exemplo clássico abordado no livro “O Poder do Hábito” é o dos neutralizadores de ambientes. Originalmente, o produto foi desenvolvido para reduzir os maus odores causados por cigarros, animais de estimação, entre outros. No entanto, ao colocar o produto no varejo, os profissionais identificaram que as pessoas não admitiam tais problemas. Então, o produto foi reposicionado a fim de disseminar aromas agradáveis após a limpeza. Só então as vendas decolaram. O caso demonstra a importância dessa relação e principalmente da troca de informações entre esses dois importantes players.

Posicionar um produto em uma gôndola, não é simples, depende de vários fatores e, talvez o mais importante deles, seja a gestão de categorias. É através dele que se tem a noção de onde colocar um produto que tem maior giro, que tem maior margem de lucro, ou que torne mais agradável a jornada de compra. Pensar esse posicionamento, geralmente, é tarefa do varejo. Mas, deveria ser uma construção conjunta com a indústria, já que ela estuda a fundo seu produto e seus compradores. Quando há troca dessas informações, é possível pensar em um posicionamento, ações promocionais e comunicação que favoreça a venda para todos.

No entanto, as relações costumam ser apenas comerciais. A indústria se preocupa em realizar um bom sell in (venda da indústria para o varejo), quando deveria se preocupar também com o sell out (venda do varejo para o cliente final). Esse olhar amplo permite pensar em melhores características para os produtos (embalagem, formato, quantidade por caixa, etc.) que favoreçam o PDV. Inclusive, aqui cabe destacar também a importância de a indústria buscar agências de comunicação que entendam de varejo. Caso contrário, correm o risco de desperdiçar investimentos em ações que inadequadas.

Outra estratégia interessante que ganha com essa troca informações é o cross merchandising, onde o varejo observa a relação entre produtos no comportamento de compra, fazendo com que uma venda influencie a outra. A famosa venda agregada ocorre assim. Há uma relação natural do pensamento do comprador que faz com que um produto influencie a venda do outro. O varejo passando essa informação à indústria consegue ajudar a criar ações dentro no PDV. A integração deve originar ainda estratégias de divulgação conjuntas, como promoções de determinadas marcas sendo colocadas nos tabloides do varejo.

Hoje, o cliente tem contatos prévios com o produto, antes mesmo de ir à loja, de forma mais intensa. É preciso construir uma lógica de compra que vá da casa do comprador até a gôndola, e essa interdependência entre indústria e varejo é a chave par explorar o que se tem de informação à disposição. Todas essas ações que ampliam a venda partem do diálogo entre essas duas partes, para entender melhor seu comprador. Só isso já garante resultados melhores, muito mais vendas e relações comerciais mais vantajosas para todos.

André Romero é diretor da Red Lemon Agency, agência especializada em comunicação, field marketing e ações promocionais

34,5% dos acidentes fatais com eletricidade aconteceram no ambiente doméstico

Entre 2013 e 2017, o número de acidentes envolvendo energia elétrica tiveram aumento de 33,6% em todo o país. De acordo com o Anuário Estatístico Brasileiro dos Acidentes de Origem Elétrica, realizado pela Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel), o aumento progressivo revela a falta de informação da população sobre os riscos de movimentar instalações elétricas sem ajuda profissional. Só no ano passado foram registrados 1.387 casos em todo Brasil; destes, mais de 50% foram fatais.

Os dados levantados pelo Anuário mostram outro grave problema: o ambiente doméstico continua sendo o local de maior ocorrência de acidentes fatais, com cerca de 34% dos registros. E, apesar de crianças e adolescentes representarem o principal grupo de risco, mais da metade do número de mortes relacionadas são de adultos na faixa etária entre 21 e 40 anos. Os dados levantados nos últimos cinco anos pela Abracopel sugerem haver maior incidência em época de férias escolares e feriados nacionais, apesar de não haver um padrão consistente.

Para o engenheiro elétrico e coordenador do curso de Engenharia Elétrica do Centro Universitário Internacional Uninter, Juliano de Mello Pedroso, a falsa impressão de que para realizar pequenos consertos em casa não “precisa de mão de obra especializada” é um dos grandes vilões dos acidentes com eletricidade. “São situações que parecem pequenas, como consertar um fio desencapado ou não estar atento à sobrecarga de extensões com diversos eletrodomésticos, mas que geram perdas irreparáveis”, avalia Pedroso.

Reparos domésticos: como proceder e evitar

Nos últimos cinco anos, cerca de 3 mil pessoas morreram em situações de exposição à energia elétrica no Brasil, o que representa 1,64 mortes por dia. Segundo Pedroso, a maioria desses acidentes tem como fator em comum a falta de precaução e cuidado. Fios desencapados, extensões, T’s e tomadas, além de eletrodomésticos com fuga de corrente escondem os principais perigos nas residências. “Fuga de corrente é um tipo de falha na isolação ou defeito no equipamento ou instalação que deixa escapar energia. Além do perigo que isso representa, essa energia é cobrada sem a pessoa ter feito uso do equipamento”, explica.

Para conseguir identificar se algum eletrodoméstico está com o problema de fuga de corrente, explica o especialista, é necessário desconectar todos os aparelhos da casa e ainda desligar a iluminação. “A seguir, verificar no medidor de energia se os valores ainda continuam girando ou incrementando. Se continuar a aumentar ou girar, temos uma fuga de corrente na fiação”, orienta.

Confira entrevista:

1. Como identificar problemas elétricos, como possíveis curtos-circuitos?

Os curtos-circuitos queimam as extremidades de contato. Identificá-los não é difícil: fios derretidos, tomadas derretidas, cheiro de plástico queimado e chaves ou disjuntores que desarmam frequentemente. Isso acontece tanto dentro da instalação quanto nos equipamentos.

2. Como evitar acidentes domésticos com energia elétrica? Quando é recomendado chamar um profissional para fazer uma avaliação da fiação?

Não devemos mexer em fios desencapados ou jogar água quando houver curtos-circuitos. Além disso, devemos evitar ligar muitos aparelhos numa mesma tomada. Na maioria dos casos, recomendamos somente desligar os disjuntores ou chave e chamar um eletricista ou um eletrônico. É uma profissão que requer estudo e esforço, por isso cabe ao usuário apenas identificar ou desconfiar que algo está errado, sem curiosidade ou confiança demais.

3. Quais pontos da casa são os mais problemáticos em relação à fiação elétrica?

Cabos expostos, tomadas com uma quantidade grande de equipamentos, conexões malfeitas como no chuveiro e torneiras elétricas, conexões velhas e enferrujadas, falta de aterramento.

Sobre o Grupo Uninter

O Grupo UNINTER é o maior centro universitário do país, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). Sediado em Curitiba – PR, já formou mais de 500 mil alunos e, hoje, tem mais de 200 mil alunos ativos nos mais de 200 cursos ofertados entre graduação, pós-graduação, mestrado e extensão, nas modalidades presencial, semipresencial e a distância. Com mais de 700 polos de apoio presencial, estrategicamente localizados em todo o território brasileiro, mantém quatro campi no coração de Curitiba. São 2 mil funcionários trabalhando todos os dias para transformar a educação brasileira em realidade. Para saber mais acesse uninter.com.

Em Caruaru, socioeducandos dão o primeiro passo para a inclusão digital

Uma iniciativa realizada no Centro de Internação Provisória (Cenip) Caruaru, uma das unidades da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) no Agreste de Pernambuco, se destaca por oportunizar aos adolescentes que passam pela unidade o primeiro passo para a inclusão digital. Trata-se do curso de Informática Básica, que, só em 2018, já contou com dez turmas concluídas e tem a 11ª e a 12ª em andamento. Até agora, 103 socioeducandos foram inscritos, e 73 terminaram as aulas. A turma mais recente teve início nesta semana, no laboratório do centro. Quem conclui a formação é certificado pelo Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), por meio de uma parceria entre a instituição e a Funase.

Os socioeducandos aprendem noções que, apesar de básicas, são essenciais para a inclusão no mercado de trabalho, como as diferenças entre hardware e software e a operação de programas de edição de texto, slides e planilhas. Com 20 horas/aula, o curso de curta duração é adequado para o público do Cenip Caruaru, onde adolescentes só podem ficar por até 45 dias, como em toda unidade de internação provisória da Funase. Vale destacar que, devido a situações de vulnerabilidade social anteriores, parte dos internos não tinha acesso ou tinha um contato muito restrito a computadores, o que torna a oportunidade que estão tendo ainda mais importante para o início de uma transformação em seus projetos de vida.

As turmas de 2018 iniciaram em março, com acompanhamento das coordenações geral e técnica do Cenip Caruaru e do Eixo Profissionalização, Esporte, Cultura e Lazer da Funase. Por conta da grande rotatividade na unidade, o curso é realizado em cinco dias de atividades. A 11ª turma conta com seis adolescentes, e a 12ª, com cinco. “O número só não chega a 100% de inserção porque há adolescentes que possuem baixa escolaridade e não têm condição de participar das aulas. Mas fico muito feliz com o início dessas turmas. Estamos conseguindo atingir o objetivo de contemplar praticamente todos os socioeducandos que entram na unidade”, declara a coordenadora geral do Cenip Caruaru, Maria Clara Amorim.

Programa “Nos Conformes” beneficia empresas em dia com o Fisco

Conhecido como “Nos Conformes”, o Programa de Estímulo à Conformidade Tributária (Lei Complementar 1.320/2018) criado pela Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP) tem o objetivo de proporcionar um ambiente de confiança a fim de reduzir a quantidade de processos fiscais e valorizar empresas em dia com as obrigações tributárias.

Para Márcio Massao Shimomoto, presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado de São Paulo (Sescon-SP), a iniciativa é positiva, incentiva a autorregularização do contribuinte e deve ter bons resultados. “Neste momento é preciso reforço na conscientização dos empresários e contribuintes, pois a novidade traz consigo mudança de paradigma: na prática, quando o Fisco constatar a irregularidade, em lugar do auto de infração, orientará para que a empresa se regularize.”

Prioridade é a orientação

Em 29 de agosto, o Sescon-SP, promoverá em sua sede, em São Paulo, palestra especial sobre o Programa “Nos Conformes”, ministrada por Gustavo de Magalhães Gaudie Ley, coordenador da Administração Tributária e ex- delegado regional tributário de Santos.

A realização da palestra é resultado do pleito ao secretário da Fazenda, Luiz Cláudio Rodrigues de Carvalho, feito pelo Sescon-SP, em conjunto com a Frente Parlamentar do Empreendedorismo, representada pelo deputado estadual Itamar Borges (MDB).

Serviço

Palestra “Lei Complementar 1.320/2018 – Programa de Conformidade Tributária da Secretaria da Fazenda de São Paulo”

Data: 29 de agosto de 2018

Horário: das 10h às 11h30

Local: Avenida Tiradentes, 998 – Luz – São Paulo