ARTIGO – Mais do que automatizar, é necessário ter a tecnologia como core business

Por Rafael Bueno e Fernando Zendron

No caminho para a transformação digital, muitas empresas tratam a tecnologia como um serviço agregado: mantêm a operação normal de seus setores e, quando precisam de soluções para automatizar tarefas, passam o projeto para a área de TI. Em geral, essa forma de trabalhar não tira o potencial máximo dos resultados a serem atingidos para a companhia, uma vez que, ao trabalhar com prazos exíguos, profissionais não têm a possibilidade de realizar um volume considerável de testes e nem de aplicar novas ideias ao longo do processo de desenvolvimento.

Para solucionar esses problemas, é necessário ir além das necessidades do dia a dia para analisar a organização sob um espectro mais amplo, sugerindo questionamentos como: e se, em vez de pedidos pontuais, houvesse a participação ativa de pessoas com diferentes tipos de conhecimento? E se fosse possível gerar metas de negócio a esse grupo multidisciplinar?

Com base nessa análise, chegamos ao Mindset Core IT como resposta. Mas o que esse termo significa? Na prática, deixar de ter um “departamento de TI” para dar espaço a uma empresa menos hierarquizada e mais produtiva, reunindo os profissionais de negócios com os de tecnologia no mesmo ambiente e proporcionando um conhecimento conjunto a respeito das metas e planos da companhia.

Não é tarefa fácil promover essa integração. Além de revolucionar o modelo consolidado de “mundo corporativo” que temos hoje, exige um profundo envolvimento dos business owners e sua dedicação a esse movimento: é a partir da decisão deles que esse processo se inicia na empresa e cabe a eles decidir o rumo dessa profunda reestruturação organizacional.

Nesse processo, uma das primeiras decisões a serem tomadas é a ressignificação do papel do CIO, passando a atuar como Chief Digital Officer (CDO). Mais do que a mudança de nome, é necessário que esses profissionais passem a atuar como coach para os demais departamentos, aumentando o conhecimento de cada um a respeito de tecnologia.

Outro passo a ser tomado é a redução de hierarquias, impantando o que chamamos de fluxo de valor de negócio. Basicamente, essa estratégia consiste em garantir a entrega contínua de soluções de qualidade e valor, elaboradas a partir de equipes multidisciplinares e conscientes do propósito para o qual estão direcionadas.

Falando em propósito, uma consequência natural desse modelo é a mudança imposta aos próprios business owners. Nesse modelo, não cabe a eles explicar exatamente o que deve ser feito em cada etapa para atender aos colaboradores, mas sim promover um trabalho em que a equipe passa a entender as necessidades do cliente, entregando resultados e identificando oportunidades. Dessa forma, o senso de responsabilidade e compromisso passa a ser difundido por toda a empresa.

Aos líderes, por outro lado, cabe o papel de agir como investidores, coordenando os fluxos de entrega de valor e mantendo estruturas mais enxutas. Nesse novo cenário, nossa ideia é promover o empreendedorismo, dando a oportunidade para as pessoas agirem como donas dos projetos em que atuam, com maior controle e visão global acerca da missão que desempenham.

Essa é uma proposta nova e que exige métodos variados para sua manutenção constante. Com o conhecimento de metodologias “ágeis” e “lean”, por exemplo, empresas podem garantir a sobrevivência dessa nova estrutura organizacional, atingindo resultados duradouros com o uso eficaz de tecnologia e aumentando a motivação de seus colaboradores.

*Rafael Bueno é VP da Sciensa e Fernando Zendron é Diretor da Sciensa Digital Labs

Sobre a Sciensa

Fundada em 2010, a Sciensa é uma consultoria especializada em inovação e transformação digital. Sob a missão de trazer resultados aos negócios por meio da tecnologia, a companhia atua desde a análise de processos até à implantação de soluções personalizadas. Com 140 colaboradores no Brasil, o principal compromisso da Sciensa é entregar uma estratégia diferenciada e ser parceira de seus clientes na co-criação de projetos.

LEVA realiza cadastro para novos pontos de recarga

O LEVA, responsável pelo Sistema de Bilhetagem Eletrônica de Caruaru (SIBE), está recrutando proprietários de pontos comerciais que queriam ser representantes LEVA, realizando as recargas dos cartões COMUM, ESTUDANTE e SERVIDOR.

O objetivo é oferecer mais pontos de recargas no município, principalmente, nos bairros mais afastados do centro, facilitando o acesso a recarga a população. O estabelecimento que tiver interesse em disponibilizar o serviço deve entrar em contato com a AETPC através do telefone ‭0800 087-6680‬ e solicitar a visita de um consultor que irá verificar a viabilidade de implantação. Os estabelecimentos comerciais que realizam a venda dos créditos recebem uma bonificação, de acordo com o percentual de vendas.

O diretor institucional da Associação das Empresas de Transporte de Passageiros de Caruaru (AETPC), Ricardo Henrique, reforça a importância do uso da bilhetagem eletrônica no município. “É por oferecer segurança e agilidade para o passageiro que o sistema investe cada vez mais em tecnologia e estimula o cliente a fazer uso do cartão eletrônico no seu dia-a-dia”, disse.

Lembramos que para comodidade dos usuários, a AETPC também disponibiliza outros pontos de recarga do cartão espalhados em Caruaru, que podem ser conferidos no site www.cartaoleva.com.br ou na nossa página no Facebook.

Ilumina Caruaru avança nos bairros locais

O Ilumina Caruaru tem trazido mais qualidade de vida para os caruaruenses. A emoção toma conta dos moradores que agora podem ver suas ruas iluminadas e mais seguras. Veja como está o Loteamento Moura Brasil, onde a população vivia na escuridão #IluminaCaruaru #PrefeituraQueFaz

PMC dá início ao calendário natalino

As comemorações natalinas, que este ano trazem como tema “Caruaru, terra Natal 2018”, tiveram início na última sexta-feira (30). Uma realização da Prefeitura, através da Fundação de Cultura e Turismo (FCTC), o evento conta com decoração temática, inspirada nos folguedos e brincantes da cultura nordestina, com ocupações dos espaços da cidade e apresentações artísticas/culturais com direção musical do maestro Mozart Vieira, direção de criação do multiartista Gabriel Sá e coreografias do bailarino Marcos Mercury.

“O calendário tem como objetivo proporcionar aos caruaruenses, turistas e visitantes um Natal temático, baseado nos valores cristãos, de forma descentralizada, incluindo os locais símbolos de Caruaru”, explicou a presidente da FCTC, Maria Alves.
A abertura das comemorações ocorreu no Alto do Moura, com o tema “Brincantes da Nossa Terra Natal”. Em frente à Casa-Museu Mestre Vitalino, duas exposições podem ser conferidas até o dia 6 de dezembro: a Árvore de Natal de Flor de Barro e uma mostra sobre a época.

No domingo (2), o Espaço Cultural Tancredo Neves será palco da segunda edição do Encontro de Corais. A partir das 18h, apresentam-se Coral Madrigal, Coral do Colégio Diocesano, Coral do Colégio Adventista, Coral de Libras, Coral da Secretaria da Mulher e Canthus Corais.

E as festividades não param. No dia 14 de dezembro, às 19h30, o Alto do Moura recebe a Seresta Natalina, acompanhada por uma violinista. Com concentração em frente à Casa-Museu, a seresta percorrerá as ruas do bairro.

No dia 16 de dezembro, às 19h, no Palácio Episcopal, na Avenida Rio Branco, ocorre a tradicional Cantata Natalina, que contará com uma banda base, seis solistas e dois corais com intervenções coreográficas nas janelas do palácio.

Já no dia 22 de dezembro, às 17h, na Praça do Rosário, haverá apresentação de pastoril com a participação de 16 idosas assistidas pelo Centro de Convivência da Prefeitura de Caruaru.

Natal e Réveillon

No dia 23 de dezembro, às 17h, o Monte do Bom Jesus recebe o Brincantes do Boi Estrelado. O espetáculo mostrará a destreza de Mateus e Catirina numa noite de Natal. O texto e a direção são de Benício Jr.

No dia 31 de dezembro, a partir das 22h, o tradicional réveillon no Marco Zero encerra o calendário natalino, com a participação da Banda Versátil, regida pelo maestro Bitonho, seguido pelo show de Adilson Ramos.

Dezembro é sinônimo de festa no Shopping Difusora

Para quem estava esperando a programação natalina do Shopping Difusora, eis que chegou a hora de juntar a família e aproveitar o espírito natalino. Durante todo o mês, o Shopping vai oferecer uma programação variada, com atrações musicais, corais e muito mais. Quanto ao Papai Noel, ele vai atender o público diariamente, posando para fotos e escutando os pedidos das crianças. Confira a programação completa!

A festa já começa no sábado (1º de dezembro). Por lá se apresentam Joanatan Richard Trio e Paulo Holanda. Eles prepararam um repertório especial para fazer todos entrarem no clima do Natal. As apresentações começam às 13h, nas Praças de Alimentação do segundo e terceiro piso. Os mesmos dois artistas também se revezarão no palco nos dias 02 e 08 de dezembro.

Já no dia 09, às 15h, na Arena Subsolo, grupos religiosos comandarão a programação. São eles: ADNAC – Débora Roseane, Grupo do Amor de Cristo e Crescendo na Fé. A programação segue no dia 14, com uma cantata natalina especial preparada pelos alunos do English Way. O momento acontece no terceiro piso do Shopping Difusora, às 18h30. Vale lembrar que todas as apresentações são gratuitas.

Nos dias 15, 16, 22, 23 e 25, os músicos Joanatan Richard Trio e Paulo Holanda voltam a comandar a festa no Shopping Difusora. Quanto aos horários, será sempre às 13h, nas Praças de Alimentação do segundo e terceiro piso. “Esses serão momentos de confraternização e diversão entre as famílias. Você não vai querer ficar de fora, certo?”, convida o gerente de Marketing do Shopping Difusora, Welter Duarte.

Papai Noel

Este ano o Shopping Difusora resolveu evidenciar a magia que o Natal traz para o coração das pessoas na forma de luz, com o “Natal Iluminado”. Além de se encantar com a decoração, o público também pode contar com o Papai Noel. O Bom Velhinho estará recebendo o público no primeiro piso do mall, próximo a entrada principal, das 15h às 19h em todos os dias do mês de dezembro.

Horário especial

Para que o público tenha mais comodidade para programar as compras, no mês de dezembro, o Shopping Difusora funciona em horário especial. Dessa forma, lojas e quiosques, incluindo também as Praças de Alimentação, vão funcionar com horário estendido. Para não perder nenhum detalhe, confira todos os horário e programe as suas compras ou diversão em família.

Entre os dias 1º e 15 de dezembro, o Shopping abre as portas das 9h às 22h. Já nos domingos que estão entre o período (02 e 09), as lojas e quiosques abrem das 11h às 21h. Para o período de 16 a 23 de dezembro, todas as operações funcionam das 9h às 23h. No dia 24, véspera de Natal, o funcionamento fica das 9h às 19h. Esse também será o mesmo horário vigente para o dia 31 de dezembro, véspera do réveillon.

No dia 25, data que se comemora o Natal, as lojas e quiosques estarão fechadas. Porém, as Praças de Alimentação, o Mercado do Shopping e os equipamentos de entretenimento (Play Toy e Cinema), funcionarão das 11h às 21h. Entre os dias 26 e 30 de dezembro, o Shopping Difusora funciona em horário normal, das 10h às 22h e no domingo, das 11h às 21h.

TOP Marcas premia as mais lembradas pelos consumidores

Pedro Augusto

Um dos prêmios mais aguardados da região Agreste será realizado nesta terça-feira (4), a partir das 19h, no Maria José Recepções I, no Bairro Indianópolis, em Caruaru. Trata-se do TOP Marcas, do Jornal VANGUARDA, que em 2018 encontra-se na sua 13ª edição. O evento, que tradicionalmente conta com a presença de centenas de destaques da sociedade pernambucana, entre empresários, políticos, especialistas, jornalistas e publicitários, neste ano tem como tema a “Tecnologia”. Promovido anualmente pelo semanário, o TOP Marcas tem como objetivo premiar os produtos e serviços que os consumidores caruaruenses mais gostam e simpatizam.

Assim como ocorreu nas edições anteriores, a pesquisa de campo para identificar as marcas que são mais lembradas na Capital do Agreste ficou a cargo da JM Consultoria & Pesquisa. O levantamento ocorreu nos últimos dias 3 e 4 de novembro, na zona urbana da cidade. Ao todo, 455 pessoas dos mais variados bairros foram consultadas. Cinquenta e um itens foram analisados, divididos nas categorias: Alimentos e Insumos, Bebidas, Construção e Reforma, Educação e Material de Limpeza, bem como Restaurantes, Saúde, Telecomunicações, Transporte e Veículos, além de Serviços e Varejo.

De acordo com o técnico responsável pelo levantamento, o economista José Augusto Netto de Mendonça, para garantir a espontaneidade das respostas, os questionários não continham listas de marcas, fazendo com que o consumidor respondesse baseado tão somente nas suas experiências. “Vale salientar que, no início da abordagem, foi esclarecido que as respostas poderiam ser dadas independente dos consumos dos produtos e serviços a serem apresentados”, explicou. Do universo de consumidores consultados, exatamente 52,17% foram do sexo feminino e 47,83% do sexo masculino.

A maioria dos abordados tinha de 35 a 49 anos, com 2º grau completo e a renda familiar de um a cinco salários mínimos. A grandeza da amostra assegura um grau de confiança nas respostas de 95% e uma margem de erro, máxima, de 4,75%. “Os pesquisadores, de posse de um mapa do bairro, procuraram pessoas residentes que atendessem aos requisitos da pesquisa nos quesitos de sexo e idade. As entrevistas foram distribuídas por todas as ruas da localidade e a cota da renda familiar foi cumprida naturalmente de acordo com a realidade socioeconômica de cada região”, destacou o coordenador do estudo, Célio Henrique.

Novidades

Sempre inovando a cada edição, neste ano o prêmio do VANGUARDA também identificou as marcas mais lembradas nos segmentos de Lojas de Tintas e Hamburgueria. As empresas vencedoras foram, respectivamente, a Dragão das Tintas e a Insano’s.

Em paralelo, os três primeiros lugares gerais nesta edição ficaram por conta da Baterias Moura, Minhoto e Pitú. A primeira marca obteve 73,04%; a segunda, 70,00%, e a terceira; 65,65%. Em relação ao TOP Marcas de 2017, a Baterias Moura se manteve em primeiro lugar, a exemplo da Minhoto, que continuou na segunda colocação. A mudança veio na terceira posição, que era da Unimed e agora passou a ser da Pitú.

Evento

Durante a noite do evento, os convidados poderão conferir o show do cantor Barthô, com o buffet de Maria José Recepções. Nele, ainda haverá a distribuição da revista do prêmio, que, tradicionalmente, é bastante demandada por todos os participantes. O TOP Marcas terá como apresentadores os jornalistas do VANGUARDA, Wagner Gil e Jaciara Fernandes.

Na ocasião também será apresentada a nova repaginação, para assinantes, da edição digital do Jornal VANGUARDA, que agora vem com mais facilidade para o leitor acessar no próprio celular. A tecnologia foi desenvolvida pela empresa Wsmart. “Como não poderia deixar de ser, o jornal também vem acompanhando toda essa tecnologia. Além do impresso, contamos com blog, site, bem como estamos presentes na redes sociais Facebook e Instagram,” afirmou a chefe de reportagem, Léa Renata.

Ficou para gerente geral, Virgínia Rabelo, resumir a expectativa dos que fazem o semanário em relação a mais uma edição do TOP Marcas e as novidades que estão por vir. “Estamos na 13ª edição do TOP Marcas e muito nos honra realizar a premiação por mais um ano, divulgando o resultado das marcas mais lembradas pelos caruaruenses. Todos os anos escolhemos um tema para assinar o evento e todo o projeto desenvolvido, desde a revista até a premiação. Em 2018, estamos enfocando a tecnologia, que é um tema relevante e atual, destacando também que o tradicional com a credibilidade podem, sim, andar de mãos dadas com a era da informação digital. As marcas vencedoras são um exemplo, pois são lembradas pela satisfação e credibilidade que asseguram aos seus consumidores”, afirmou.

Banda pernambucana Jorge Cabeleira se une a Tagore para novo single

O ano está quase terminando, mas a banda pernambucana Jorge Cabeleira e o dia em que seremos todos inúteis já se prepara para o que está por vir e apresenta o primeiro single do seu terceiro disco, a música “Talismã”. Ela é uma releitura da dupla de conterrâneos Geraldo Azevedo e Alceu Valença, que lançaram a canção em 1972 no primeiro disco da carreira, “Quadrafônico”, no meio da efervescência psicodélica da época. Para a nova versão, Jorge Cabeleira convidou o também pernambucano Tagore, da banda de mesmo nome.

Segundo o vocalista e guitarrista, Dirceu Melo, a união foi muito natural e a versão influenciada pelo canadense Neil Young e a australiana Tame Impala, com ares experimentais foi uma desculpa perfeita para tal, já que a versão original é um dueto.

“Tagore é um artista da nova geração que admiro muito e há tempos que temos um contato próximo. Nossas músicas também são bastante influenciadas pelo baião e por essa cena da música psicodélica pernambucana de onde surgiram artistas como Alceu, Geraldo, Zé Ramalho, Lula Côrtes, Ave Sangria e outros”, conta Dirceu.

A união também faz sentido musicalmente, porque o grupo Tagore seguiu seu frontman na sofisticação de sem som, trazendo a nordestinidade para o contemporâneo, elemento que mostra em seu eleogiado último disco “Pineal” (2016).

Para a música, Dirceu explica que “bolou as primeiras frases e levadas de guitarra” e levou as ideias para Tagore no Casona Estúdio, em Candeias, onde a faixa foi gravada e no mesmo dia já registraram a base da canção.

“É uma música muito bacana! Um clássico do disco ‘Quadrafônico’. Curto essa música há muito tempo e sempre tive vontade de fazer uma versão para ela”, revela Dirceu.

“Talismã” é, portanto, uma pérola do cancioneiro nacional e fará parte do álbum “Jorge Cabeleira III” previsto para sair em janeiro de 2019. O disco é um marco para a banda, que se separou após o lançamento de seu segundo álbum “Alugam-se Asas Para o Carnaval” (2001), retomando a carreira no carnaval de 2013 em convite do famoso festival Recbeat que acontece durante o carnaval recifense.

Jorge Cabeleira é hoje Dirceu Melo (vocal e guitarra), Rodrigo Coelho (baixo) e Pedro Mesel (percussão e vocal) remanescentes da formação original, Everton Belisca (bateria) e Ricardo Leão (guitarra).

Mais sobre Jorge Cabeleira

Surgida no Recife, em 1994, no auge do movimento manguebeat, a banda pernambucana Jorge Cabeleira e o dia em que seremos todos inúteis mistura rock, blues, baião e piscodelia à música nordestina. O primeiro disco homônimo saiu em 1995 pela Sony Music e lá já mostraram versões como “O cheiro da Carolina” (Zé Gonzaga e Amorim Roxo), lançada por Luiz Gonzaga (em 1956), que virou hit na MTV Brasil e “Os Segredos de Sumé” (Lula Côrtes/Zé Ramalho), presente no clássico álbum “Paêbirú: Caminho da Montanha do Sol”. O segundo disco saiu em 2001, “Alugam-se asas para o Carnaval” e acabou culminando na parada da carreira. Em 2013 a banda retornou aos palcos no festival Recbeat e não parou, tendo no currículo duas turnês pelo Sudeste e inúmeros eventos no Nordeste. O terceiro disco sai 18 anos depois e mostra a banda pronta para novos desafios.

Redes Sociais

https://www.facebook.com/jorgecabeleiraeodiaemqueseremostodosinuteis/

Unifavip|Wyden tem cursos entre os melhores de Pernambuco

O Centro Universitário UniFavip|Wyden teve os cursos de Enfermagem, Farmácia e Nutrição reconhecidos pelo Ranking Universitário da Folha de São Paulo (RUF) como os melhores cursos entre as universidades privadas de Pernambuco. Esse levantamento é uma avaliação anual do ensino superior do Brasil feita pela Folha desde 2012. Para fazer o ranqueamento, eles avaliaram todas as 196 instituições de ensino superior brasileiras considerando os seguintes aspectos: pesquisa, internacionalização, inovação, ensino e mercado. Com isso, o RUF classifica quais são as melhores instituições e também os melhores cursos do país.

PE amplia em 389% a oferta de teste rápido de HIV

Na sexta-feira (30.11), a Secretaria Estadual de Saúde (SES) lembrou o Dia Mundial de Luta contra a Aids, celebrado em 1º de dezembro, com o seminário “A história da Aids em Pernambuco: 30 anos de enfrentamento”. A discussão será na sede da SES, no bairro do Bongi, até as 12h. Participaram do evento a médica e pesquisadora Ana Brito, o médico e sanitarista François Figueiroa, a representante do Movimento Nacional das Cidadãs Posithivas (MNCP) Rosângela da Silva, a representante da Gestos Jô Menezes e a psicóloga Bethânia Cunha, além da equipe do Programa Estadual de IST/Aids/Hepatites Virais. Na ocasião, será lançado o novo boletim epidemiológico de HIV/Aids, que já está disponível no https://bit.ly/2rfjVPs.

À tarde, das 14h às 17h, houve um cine-debate com a exibição do filme Fogo nas Veias, documentário sobre o surgimento dos remédios antirretroviriais para combater da Aids. O longa mostra o monopólio e as altas taxas das grandes corporações farmacêuticas, que fizeram com que as drogas fossem inacessíveis à grande parte dos portadores no continente que africano.

DIAGNÓSTICO PRECOCE – Nos últimos quatro anos, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) tem trabalhado para ampliar o acesso à testag rápida das infecções sexualmente transmissíveis (IST), objetivando o diagnóstico precoce e, consequentemente, o tratamento em tempo oportuno. Entre 2015 e 2018, houve uma ampliação de 660% na oferta de testes rápidos para HIV, sífilis e hepatites virais (B e C), saindo de 206.716 no primeiro ano para 1.571.135 até setembro deste ano. Ao todo, no período, foram 4.166.416 testes distribuídos para todos os municípios pernambucanos.

Só de HIV foram 109.675 testes rápidos entregues em 2015, enquanto que em 2018, até setembro, foram 536.825 (crescimento de 389%). “Os testes rápidos estão disponíveis, de rotina, nos postos de saúde, nos Centros de Testagem e Aconselhamento e em outras unidades de saúde, como maternidades e UPAs. Essa melhoria no acesso possibilitou, por exemplo, que 92,4% dos municípios pernambucanos passassem a realizar a testagem rápida nas gestantes, quantitativo que em 2015 era de 38,9%”, afirma a gerente do Programa Estadual de IST/Aids/HV da SES, Camila Dantas. “Precisamos conscientizar a população da importância do teste. Quanto mais rápido o diagnóstico, mais rápido o início do tratamento. Isso é essencial para dar qualidade de vida para a população vivendo com HIV e para tratar a sífilis e as hepatites virais”, reforça.

A gerente lembra, ainda, que ações itinerantes são realizadas para atingir públicos específicos. ”Sob gestão estadual, nós temos o Projeto Quero Fazer, que, duas vezes por semana, além do teste, presta aconselhamento e distribui preservativos e saches de gel lubrificante”, diz.

ASSISTÊNCIA – Além de reforçar o diagnóstico precoce, o Estado também tem estimulado a ampliação dos equipamentos que realizam o acompanhamento do paciente com HIV/Aids. Entre 2015 e 2018, o número de Serviços de Atenção Especializada em HIV/Aids (SAE) saiu de 30 para 37 (crescimento de 23%), distribuídos por todas as 12 Gerências Regionais de Saúde (Geres). Os municípios que abriram esses serviços foram Belo Jardim, Pesqueira, Santa Cruz do Capibaribe, Carpina, Escada, Ipojuca e Araripina, interiorizando a assistência.

No Recife, o SAE do Hospital Correia Picanço, referência estadual para o acompanhamento de adultos vivendo com HIV desde 1986, ganhou, em março de 2018, um ambulatório exclusivo para o acolhimento do público infanto-juvenil exposto ou infectado pelo HIV. O serviço conta com uma equipe multiprofissional, formada por médico, enfermeiro, psicólogo e assistente social. Para ser atendido no local, a criança ou o adolescente deve ser encaminhado de alguma maternidade ou outro serviço de saúde. Filhos de pacientes já acompanhados na unidade de saúde também são acolhidos no ambulatório.

PROFILAXIA – Em março de 2018, o Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc) começou a fazer a profilaxia pré-exposição ao HIV (PrEP), mais uma estratégia de prevenção ao vírus. A profilaxia é voltada para populações consideradas mais vulneráveis e que tenham práticas sexuais de risco (trabalhadores do sexo, pessoas trans, gays e outros homens que fazem sexo com homens e casais sorodiferentes). Atualmente, 124 pessoas estão sendo acompanhadas no ambulatório do Huoc.

A PrEP é a combinação de dois medicamentos (tenofovir + entricitabina), em um único comprimido, que bloqueiam alguns “caminhos” que o HIV usa para infectar o organismo. Para que a medicação possa impedir que o HIV se estabeleça e se espalhe pelo corpo é preciso fazer uso diariamente. Para receber a medicação profilática, o paciente precisa estar cadastrado no serviço do Huoc e comparecer a consultas periódicas para acompanhamento.

Importante ressaltar que essa é uma ferramenta que deve ser utilizada de forma combinada, sem excluir ou substituir as outras opções existentes, como o uso de preservativo, já que existem outras infecções sexualmente transmissíveis que precisam ser evitadas, como a sífilis e as hepatites virais.

AIDS – A síndrome da imunoeficiência adquirida (Aids) é o quadro de enfermidades ocasionadas pela perda das células de defesa no organismo em decorrência da infecção pelo vírus HIV. Um paciente pode ter o HIV, mas demorar de oito a dez anos a desenvolver a Aids.

Em Pernambuco, desde o início das notificações, no ano de 1983, até 1º.10.2018, foram 26.657 casos de Aids, sendo 17.339 no público masculino e 9.318 no feminino. Em 2015 foram 1.263 casos e em 2017, 1.001, uma redução 20,7% no período. Em 2018, até 1º.10, os dados preliminares apontam 445 casos.

Em relação aos óbitos por Aids, Pernambuco vem conseguindo, ano a ano, diminuir a taxa de mortalidade, que é a quantidade de óbitos por 100 mil habitantes. Em 2015, a taxa era de 6,75. Já em 2017, a taxa diminuiu para 6,29. Em números absolutos, foram 631 mortes em 2015, enquanto que em 2017 foram 596.

HIV – Em junho de 2014, o Ministério da Saúde (MS) também instituiu a notificação das pessoas apenas infectadas com HIV, que são aquelas que possuem o vírus, mas ainda não desenvolveram a doença (Aids). Desde então, foram detectados no Estado 9.818 casos, sendo 6.519 no público masculino e 3.299 no feminino.

Analisando apenas os últimos quatro anos, foram 8.946 casos de HIV. Em 2015 foram 2.223 notificações e em 2017, 2.697, um crescimento de 21%. “A notificação dos casos de HIV é algo recente no Brasil. O aumento apresentado nos últimos anos pode ser analisado como uma melhora no acesso ao diagnóstico e também na notificação dos casos. Isso reflete na diminuição nos casos de Aids, já que o tratamento em tempo oportuno pode diminuir os adoecimentos”, pontua a gerente do Programa Estadual de IST/Aids/HV, Camila Dantas.

HIV/AIDS EM NÚMEROS

AIDS

26.657 casos de 1983 a 1º de outubro de 2018

Aids no público masculino: 17.339

Aids no público feminino: 9.318

Casos de Aids nos últimos quatro anos

2015: 1.263

2016: 1.170

2017: 1.001

2018: 445*

Óbitos por Aids nos últimos quatro anos

2015: 631 (taxa de 6,75 por 100 mil habitantes)

2016: 633 (6,73)

2017: 596 (6,29)

2018: 328* (3,45)

HIV

CASOS

2015: 2.223

2016: 2.334

2017: 2.697

2018: 1.692*

ARTIGO — Eu só queria entender

Maurício Assuero

Nos idos dos anos de 1980 havia um programa humorístico no qual o macaco Sócrates fazia uma pergunta e quando o interlocutor se preparava para responde ele dizia: “Não precisa explicar. Eu só queria entender”. Estou eu, aqui, igual ao macaco Sócrates sem conseguir entender a matemática usada pelo governo do estado para pagar R$ 150,00, como 13º, para os beneficiários do programa Bolsa Família. A primeira proposta era que esse direito seria para aqueles participantes que consumiram o equivalente a R$ 500,00 em produtos da cesta básica. Depois, alguém pode ter percebido que isso obrigado um gasto anual de R$ 6 mil e resolveram reduzir pela metade.

Nós sabemos que a criatividade do povo brasileiro é algo fora do comum. Sabemos o valor que tem um sertanejo que enfrenta seca e fome com esperança e fé, mais em Deus do que nos políticos. O que não sabemos é dessa capacidade que o governo espera que o sertanejo tenha que é fabricar dinheiro, do nada. Muito esquisito essa imposição e, no mínimo, incoerente com a proposta do programa que paga, no máximo, R$ 342,00.

Adicionalmente, o governo submeteu projeto de lei alterando a alíquota do ICMS para aumentar a arrecadação e com isso dispor de recursos para pagar o 13º. Logicamente, este caminho é pior a ser percorrido porque tira a competitividade dos nossos produtos. Veja o caso dos veículos: vai muito mais interessante comprar um carro fora do estado porque o ICMS é mais barato. Isso gera consequências inevitáveis para a economia do estado.

Pernambuco, como demais estados da federação, amarga as consequências da retratação econômica. Alguns estados estão em pior situação que nosso estado, no entanto, a tendência é perdemos o controle das nossas contas e avançar, ainda mais, na fronteira de segurança da Lei de Responsabilidade Fiscal. O pior é que estamos chegando no final de um ciclo, temos mais quatro anos de governo pela frente e não percebemos ações que promovam o desenvolvimento do estado. Está claro que qualquer política adotada precisa passar pelo controle de gastos. Não tem como avançar apenas aumentando impostos, onerando cada vez o sistema produtivo ea sociedade.

O estado precisa de projetos que gerem emprego e renda, mas não consegue atrair investimentos porque não tem como bancar a infraestrutura. Há perspectivas de que a economia cresça em 2019 com as medidas do novo governo, por isso é necessário que o estado se organize para ter acesso a financiamentos. O problema é que quando chega dinheiro a decisão de alocação não é otimizada. Aplica onde? Investimento? Custeio? Na dúvida, acabam aplicando em algo que não tem retorno.

/**/