Mercado reduz de 4,94% para 3,89% estimativa de inflação para 2018

A estimativa de instituições financeiras para a inflação este ano caiu pela sexta vez seguida. De acordo com pesquisa do Banco Central (BC), divulgada todas as segundas-feiras, em Brasília, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ficar em 3,89%. Na semana passada, a projeção estava em 4,94%.

Para 2019, a projeção da inflação passou de 4,12% para 4,11%. Não houve alteração na estimativa para 2020: 4%. Para 2021, passou de 3,86% para 3,78%.

A meta de inflação, que deve ser perseguida pelo BC, é 4,5% este ano. Essa meta tem limite inferior de 3% e superior de 6%.

Para 2019, a meta é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Já para 2020, a meta é 4%, e, para 2021, 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos (2,5% a 5,5% e 2,25% a 5,25%, respectivamente).

Taxa básica de juros
Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,5% ao ano.

Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer em 6,5% ao ano na última reunião de 2018 do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para os dias 11 e 12 deste mês.

Em 2019, a expectativa é de aumento da taxa básica, terminando o período em 7,75% ao ano, a mesma previsão da semana passada. Para o término de 2020 e 2021, a expectativa segue em 8% ao ano.

Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Quando o Copom diminui a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação.

A manutenção da taxa básica de juros, como prevê o mercado financeiro este ano, indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação.

Crescimento econômico
As instituições financeiras ajustaram a estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, de 1,39% para 1,32% em 2018.

Para o próximo ano, a estimativa de crescimento do PIB passou de 2,50 para 2,53%. Em 2020 e 2021, a estimativa segue em 2,50%.

Dólar
A expectativa para a cotação do dólar subiu de R$ 3,70 para R$ 3,75, no fim deste ano, e passou R$ 3,78 para R$ 3,80, no término de 2019.

Agência Brasil

Gestores de beleza recebem workshop sobre liderança em Caruaru

Terminam na próxima quarta as inscrições para o “Beauty Business. Workshop de liderança para gestores de beleza”, um treinamento sobre liderança voltado especificamente para os negócios da beleza. Ele será realizado no dia 10 de dezembro no WA Hotel, em Caruaru, das 9h às 17h. O treinamento é uma realização do Sebrae, em parceria com a Acic e Senac. A inscrição pode ser feita no link https://loja.pe.sebrae.com.br/loja/evento/10104589

Duas consultoras empresariais e coachs vão conduzir o treinamento, Vilani Batista e Ana Carla Oliveira. Serão seis horas, divididas em dois momentos de três horas cada um. A proposta é que os participantes possam aprender como manter um estado de bem-estar diante das adversidades do dia a dia.

Para o analista do Sebrae, Laudemiro Ferreira, o setor de beleza é um tipo de serviço que requer preocupação constante com a qualidade dos serviços, do atendimento e dos produtos utilizados, mesmo o mercado sinalizando um movimento positivo. Segundo dados do Panorama do Setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, pesquisa realizada pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), em 2017 o setor teve crescimento de 2,8 % . Foi maior que a indústria em geral que teve aumento de 0,2%. Ainda de acordo com o levantamento, o Brasil está em quarto lugar no consumo mundial de produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos

/**/

Carga tributária sobe para 32,43% do PIB, diz Receita Federal

A carga tributária atingiu 32,43% de tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB), em 2017. A informação foi divulgada hoje (3) pela Receita Federal. É o maior índice em quatro anos.

Em relação a 2016 (32,29%), a carga tributária aumentou 0,14 ponto percentual. De acordo com a Receita, a variação resultou da combinação dos acréscimos em termos reais (descontada a inflação) de 0,99% do PIB e de 1,4% da arrecadação tributária nos três níveis de governo.

O PIB no ano de 2017 apresentou aumento em relação ao ano anterior, alcançando aproximadamente R$ 6,56 trilhões. E a arrecadação chegou a R$ 2,13 trilhões.

Dentre os tributos federais, os que mais contribuíram para o aumento da carga tributária foram os programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), responsáveis pelo crescimento de 0,21 ponto percentual. Segundo a Receita, o acréscimo decorreu principalmente da elevação das alíquotas sobre combustíveis (gasolina e diesel).

Já as maiores reduções se devem ao Imposto de Renda sobre a Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), responsáveis por um decréscimo de 0,35 ponto percentual. Isso ocorreu porque, em 2016, houve aumento da arrecadação com o Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária, conhecido como Lei da Repatriação. Esse regime permitiu a regularização de recursos, bens ou direitos remetidos ou mantidos no exterior ou repatriados por residentes ou domiciliados no país, que não tinham sido declarados ou que tinham sido declarados incorretamente. No total, em 2016 foram arrecadados R$ 23,5 bilhões.

Quanto aos tributos estaduais, houve acréscimo de arrecadação em relação ao ano anterior do Imposto sobre a Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS) de 0,12 ponto percentual.

Edição: Maria Claudia/Agência Brasil

Ministério do Trabalho será extinto e dividido em três pastas, diz Onyx

O futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), afirmou, em entrevista nesta segunda-feira (3), que o governo de Jair Bolsonaro (PSL) vai extinguir o Ministério do Trabalho. Segundo Onyx, as atribuições da pasta serão divididas entre Economia, Cidadania e Justiça.

“O atual Ministério do Trabalho como é conhecido ficará uma parte no ministério do doutor [Sergio] Moro, outra parte com Osmar Terra e outra parte com o Paulo Guedes, lá no ministério da Economia, para poder tanto a parte do trabalhador e do empresário dentro do mesmo organograma”, afirmou.

Trata-se de uma mudança em relação ao que foi afirmado pelo presidente eleito em novembro, que disse que a pasta seguiria com status de ministério. “O Ministério do Trabalho vai continuar com status de ministério, não vai ser secretaria. Vai ser Ministério ‘Disso, Disso e do Trabalho’, como [cita como exemplo] Ministério da Indústria e Comércio”, afirmou Bolsonaro em 13 de novembro, uma semana depois de dizer que extinguiria a pasta.

O novo desenho envolvendo Trabalho foi apresentado por Onyx em entrevista à rádio Gaúcha. Segundo ele, ficará sob a gestão de Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) a secretaria que trata de concessão sindical.

“A face mais visível, e que a imprensa brasileira registrou por inúmeras vezes os problemas que ocorriam naquela pasta, de desvios, problemas graves de corrupção, então aquele departamento ou secretaria do ministério do Trabalho que cuida disso, vai lá pro doutor Moro, vai ficar no ministério da Justiça e da Segurança”, disse.
Ele acrescentou ainda que o combate ao trabalho escravo também deve ficar com o Ministério da Justiça.

“A parte de fiscalização vai lá junto para o Moro, se não me falha a memória. A princípio deve ficar também com doutor Moro.”

Ainda de acordo com o ministro, as políticas públicas que tratam de emprego serão divididas entre o Ministério da Economia, para o qual foi escolhido Paulo Guedes, e Cidadania, que será assumido pelo deputado federal Osmar Terra (MDB-RS).

Onyx explicou que o desenho do primeiro escalão está quase concluído. A previsão é de que a estrutura seja anunciada ainda esta semana, durante visita de Bolsonaro a Brasília.

“Nós vamos ter 20 ministérios funcionais. E tem dois que são eventuais, caso do Banco Central, que quando vier a independência deixa de ter status, e o segundo AGU (Advocacia-Geral da União), pretendemos fazer ajuste constitucional, e quando tiver definido.”

Bolsonaro já anunciou 20 ministros e deve escolher esta semana o chefe de Meio Ambiente. Ainda falta definir se a pasta de Direitos Humanos terá status de ministério. Segundo Onyx, Damares Alvez é a mais cotada para o posto.

Damares é advogada e trabalha como assessora no gabinete do senador Magno Malta (PR-ES), um dos políticos mais próximos de Bolsonaro na campanha e que foi derrotado nas eleições de outubro, quando disputou a reeleição.

Folhapress

Artigo – Você tornou-se um Consultor? Então reinvente-se!

Seja lá qual foi o motivo que o fez mudar e se atualmente você se intitula como consultor em alguma matéria, vão aqui alguns pensamentos que já passaram por minha cabeça (e alguns continuam sempre ativos).

Escolher a hora certa.

Muitos profissionais acham na carreira de consultoria uma forma de fugir da vida corporativa, com estruturas rígidas, chefes, job descriptions e outras chatices que compõe a vida de um profissional nessa estrutura. Concordo plenamente, mas o importante é avaliar a hora correta de ter a coragem de tomar essa decisão. Deve-se fazer um balanço frio e racional de todos os prós e contras em cada uma das situações, pois sempre existes os dois lados da moeda: de um lado a liberdade de ser seu próprio patrão e terá a certeza absoluta que méritos e deméritos só serão imputados a você, mas de outro aprender a conviver com a interminável incerteza do dia de amanhã e que novamente só depende de você. A decisão de se tornar um consultor deve ser uma evolução na sua carreira!

Sair da zona de conforto.

Os piores inimigos da evolução profissional são: os hábitos e a acomodação! É preciso ter a coragem e a vontade muito forte para romper essas duas forças muito forte que nos prende à rotina.

Vivência acumulada.

Para que você possa ser efetivamente um consultor, na minha opinião, a experiência acumulada deve ser seu principal item de sua bagagem. É com ela que você se diferenciará dos outros profissionais que ainda não experimentaram algumas situações e a sua orientação nesses casos tem um enorme valor.

Inquietação.

Um consultor, além da experiencia, deve ser um inquieto por natureza, ter uma curiosidade infantil e sempre estar avido a aprender em todas as áreas possíveis. O resultado dessa inquietação e do acumulo de conhecimento mais veloz do que a maioria dos profissionais (que estão em corporações e que tem rotinas muito estressantes e exigentes) acaba por alimentar a bagagem citada anteriormente, ou seja a experiência.

Saber seu real valor.

A psique humana é um “bicho” muito complexo e que confunde nossos pensamentos. Existem aqueles com egos muito exacerbados e que se supervalorizam, bem como aqueles com autocrítica demasiadamente alta se tornando inseguros. A real noção de suas qualidades e defeitos (obviamente) o tornarão um profissional mais seguro. Venda apenas aquilo que você conhece e tem experiência. Alem de transmitir segurança aos clientes ou consumidores, as pessoas percebem rapidamente quando você vende algo que não domina.

O que se espera de um consultor

Os profissionais ou empresas vão até um consultor quando tem a consciência que não conseguem resolver sozinhos uma determinada situação ou até tem a certeza que poderiam resolvê-la, mas à custas de muito esforço, muitos erros e principalmente muito tempo e dinheiro. Nestas situações a expectativa do contratante é que a experiencia anterior em casos semelhantes, o conhecimento do novo e sua capacidade de inovar justifique o investimento em seus serviços. Passado (experiencia) e futuro (inovação) devem representar cada um deles 50% de sua bagagem!

Esteja preparado

Nem todos os seus conselhos ou experiências anteriores são universais. Sempre irá existir uma situação nova à qual usa bagagem não será suficiente para aconselhar corretamente ou resolver um determinado problema. Seja humilde o suficiente para admitir que apesar de todas qualidades anteriores (que você as tem) você não sabe tudo e não vivenciou tudo, então use essas situações (que com certeza ocorrerão) e enriqueça sus experiência, ou seja, faça do limão uma limonada!

Reinvente-se!

José Paulo Graciotti é consultor, autor do livro “Governança Estratégica para escritórios de Advocacia”, sócio da GRACIOTTI Assessoria Empresarial, há mais de 30 anos implanta e gerencia escritórios de advocacia -www.graciotti.com.br

Porto Digital recebe certificação internacional de soft landing

O Porto Digital é um dos primeiros ambientes de inovação e tecnologia do Brasil a receber a certificação da ENRICH como hub de soft landing voltado para empresas europeias. Com o certificado, o parque tecnológico amplia a possibilidade de atração de empresas da União Europeia para entrar no time de companhias com atividades no polo.

A acreditação da ENRICH – Rede Europeia de Centros e Polos de Pesquisa e Inovação – reconhece o Porto Digital como provedor de serviços especializados de soft landing para companhias que queiram entrar ou testar o mercado brasileiro. “Esse selo é uma validação dos nossos parceiros internacionais da excelência dos serviços oferecidos pelo parque não apenas para o Recife, mas para o ambiente de empreendedorismo e inovação brasileiro. Com o selo, teremos ainda mais visibilidade no mercado europeu”, informa a gerente de cooperação do Porto Digital, Joana Sampaio.

Entre as soluções do hub de soft landing estão orientação para as empresas encontrarem os melhores espaços para operarem em Pernambuco; disponibilização de coworking; suporte administrativo e secretarial – de licenças para operar no País a serviços de tradução; checagem de compliance em leis e regulamentos que envolvam atividades relacionadas a pesquisa, desenvolvimento e inovação; e networking com a comunidade científica e local. “Ser reconhecido como um hub de soft landing abre a possibilidade de estreitar e fortalecer as parcerias internacionais enquanto ambiente de pesquisa e inovação que fornece serviços de qualidade para empresas que queiram internacionalizar suas ações no Brasil”, afirma a gerente.

A rede ENRICH é uma iniciativa da União Europeia, executada no Brasil pelo projeto Centro Brasil-Europa para Cooperação em Inovação e Negócios (CEBRABIC), que recebeu financiamento do Programa de Pesquisa e Inovação da União Europeia, Horizonte 2020. A ideia da rede é ser um centro piloto da iniciativa europeia para ampliar a cooperação empresarial e de inovação.

Dos 20 ministros já indicados por Bolsonaro, 16 são novatos na política

Levantamento do jornal O Globo divulgado nesta segunda-feira (3) mostra que 80% dos ministros do alto escalão escolhidos pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) têm pouca experiência na política. Bolsonaro ainda deve indicar pelo menos outros dois ministros, para as pastas de Meio Ambiente e Direitos Humanos, que deve ser chamada de Ministério da Família.

De acordo com a reportagem, dos 20 escolhidos até agora, 16 nunca ocuparam sequer secretarias estaduais ou municipais e 15 nunca chegaram ao Legislativo.

Porém, dois ministros da futura Esplanada já comandaram pastas no atual governo de Michel Temer: Wagner Rosário, que será mantido na Controladoria-Geral da União (CGU), e Osmar Terra, que foi ministro do Desenvolvimento Social e irá assumir o novo Ministério da Cidadania.

Ainda no Executivo, a futura ministra da Agricultura Tereza Cristina já foi secretária estadual no Mato Grosso do Sul por quatro anos, e o nomeado para a Saúde Luiz Henrique Mandetta já foi secretário municipal de saúde em Campo Grande (MS) por cinco anos.

Já no caso do Legislativo, nenhum dos indicados para o alto escalão passou pelo Senado. Cinco deles são hoje deputados federais: Osmar Terra, Luiz Henrique Mandetta, Tereza Cristina, o futuro ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni e o escolhido para o Turismo Marcelo Álvaro Antonio.

A reportagem cita que, segundo aliados do presidente eleito, a escolha por “novatos” na política está alinhada ao discurso de renovação que elegeu o político.

Eis a equipe já anunciada:

Casa Civil – Onyx Lorenzoni
Gabinete de Segurança Institucional – General Augusto Heleno
Secretaria da Presidência – Gustavo Bebianno
Secretaria de Governo – General Santos Cruz
Economia – Paulo Guedes
Saúde – Luiz Henrique Mandetta
Educação – Ricardo Vélez Rodríguez
Justiça e Segurança Pública – Sérgio Moro
Ciência e Tecnologia – Marcos Pontes
Relações Exteriores – Ernesto Araújo
Agricultura – Tereza Cristina
Minas e Energia – Almirante Bento Costa
Infraestrutura – Tarcísio Gomes
Cidadania – Osmar Terra
Turismo – Marcelo Álvaro Antônio
Defesa – General Fernando Azevedo e Silva
Desenvolvimento Regional – Gustavo Canuto
Controladoria-geral da União – Wagner Rosário
Advocacia-geral da União – André Luiz Mendonça
Banco Central – Roberto Campos Neto
Trabalho – Manutenção pendente
Família – Nome pendente
Meio Ambiente – Nome pendente

Fonte: Congresso em Foco

CESAR anuncia novo CEO

Fred Arruda, que foi superintendente do CESAR da criação do instituto até 2005, assume neste mês de dezembro o comando executivo da organização. Além do CESAR, ele acumula experiências em empresas como Pitang, WPD, DELL EMC e Banco Banorte, e também como Conselheiro no Instituto Eldorado, Parque Tecnológico da UFRJ e IDG (Museu do Amanhã e Museu Paço do Frevo). Arruda substitui Sergio Cavalcante, que se desligou no final de outubro para assumir novos desafios.

O Chief Business Officer – CBO Eduardo Peixoto passa a ser o segundo no comando, acumulando este papel com suas atividades à frente do time de negócios. Karla Godoy, Chief Financial Officer – CFO e que ocupava interinamente a cadeira de Superintendente, concentrará todo o back office da instituição, incluindo as atividades administrativas, financeiras e de administração de pessoal.

Empresário supera falência e ensina brasileiros a fazer sucesso nos EUA

As coisas não iam bem para Luis Miranda (luismirandausa.com/o-poder-do-marketing/) no começo dos anos 2010. Após apostar todas as suas fichas em uma franquia de estética, o empreendedor brasiliense viu o negócio morrer antes mesmo de começar, quando as máquinas que encomendou ficaram presas na alfândega. Foi nesse momento que decidiu se mudar para os Estados Unidos e tentar a sorte por lá. Deu certo: hoje Luis fatura R$ 5 milhões com a venda de itens comprados em leilões e virou referência para brasileiros que querem se tornar empresários na América do Norte.

O caminho foi árduo e Luis teve que aprender por conta própria como trilhá-lo. Depois de chegar aos Estados Unidos, em 2013, ele se focou em viabilizar uma maneira de levar a mulher e os filhos para o país – sozinho, sabia que a empreitada teria vida curta. O primeiro passo foi legalizar a situação e ter uma fonte de renda sustentável. Em seis meses em solo norte-americano, o empresário descobriu um nicho ainda pouco explorado: o de leilões com sobras de estoque e produtos com pequenos defeitos vendidos abaixo do preço de mercado. “É um negócio de rápida movimentação, você compra e revende rápido e com até 20% de lucro”, diz.

A aposta no setor possibilitou a ida da família, em 2014, com quem compartilha cada passo da qualidade de vida conquistada devido à estabilidade financeira. O sucesso despertou o interesse dos amigos e conhecidos, que também miravam em empreender no exterior. Por conta disso, Luis gravou um vídeo contando sua experiência e com dicas para aqueles que quisessem seguir o mesmo caminho. A ideia era despretensiosa, mas teve um retorno tão positivo que ele decidiu investir no projeto de oferecer direcionamentos a partir de sua história num manual de como ganhar dinheiro nos Estados Unidos.

“Aos poucos, eu vi que havia muita curiosidade e interesse de pessoas que também queriam começar uma vida nova e ter um negócio próprio aqui fora, por isso criei cursos que as orientam em como fazer isso a partir da minha vivência”, explica o empreendedor, que hoje tem mais de 50 milhões de views no YouTube e quase três milhões de seguidores no Facebook.

Os primeiros cursos surgiram em 2016, voltados a explicar os meandros necessários para conseguir um visto de moradia e trabalho. Aos poucos, foram lançadas opções complementares, com dicas sobre como empreender em áreas como de revenda de itens comprados em leilões, montar pequenas empresas de faxina ou oferecer carros para aluguel. “Claro que não é um mapa da mina. São orientações, que se seguidas com esforço, colocam você no caminho certo para o sucesso”, afirma.

Início no escuro

O motor empreendedor de Luis Miranda foi acionado por orgulho e paixão a Giselle Miranda, com quem veio a se casar. “Não tinha incentivo da família, essa coisa de sonho. Eu queria provar que não era vagabundo e impressionar essa formosa moça, que hoje é minha companheira”, brinca. Autodidata na área de informática e só com o ensino médio completo, ele já trabalhava consertando computadores quando decidiu montar uma loja de peças em 2009.

Com o sucesso do estabelecimento, Luis decidiu alçar voos mais altos. Impressionado com uma máquina utilizada em procedimentos estéticos que não estava disponível no Brasil, decidiu importá-la e oferecê-la para parceiros comerciais no modelo de franquia, em 2011. Os interessados apareceram, o dinheiro entrou, a máquina veio. E parou no porto. Ficou presa na alfândega. “Eu era inexperiente, não entendia nada de direito aduaneiro. Foi meu primeiro fracasso”, admite. O caso lhe rendeu processos entre os investidores. Depois de quitar todas as dívidas, ele afirma que o revés ficou no passado.

A trajetória nos Estados Unidos mostrou o potencial dele, que, para o futuro, tem expectativa de ampliar os negócios e diversificar os cursos que oferece para brasileiros. “As oportunidades existem. Elas são difíceis, é natural errar pelo caminho, e eu aproveito a minha experiência de quem acertou e errou para dar uma mãozinha a quem também tem esse sonho”, diz Luis, que já vendeu cerca de sete mil cursos até hoje. Cada um deles custa em torno de R$ 1.000.

Com o objetivo de empregar o que aprendeu nos Estados Unidos para melhorar a máquina pública brasileira, Luis Miranda foi eleito deputado federal no Distrito Federal pelo DEM.

Sobre Luis Miranda
Empreendedor brasileiro. Atua na revenda de produtos comprados em leilão e cria cursos voltados para brasileiros que desejam morar e empreender nos Estados Unidos, onde conta como superou a falência e dá dicas para conquistar o sucesso. luismirandausa.com/o-poder-do-marketing.

Em parceria, Ministério e Correios começam a emitir a carteira de trabalho

As agências dos Correios em São Bernardo do Campo começaram a emitir carteiras de trabalho nesta sexta-feira(30). Nas agências de Presidente Prudente, o início da emissão ocorrerá na segunda-feira (3). A emissão das certeiras não tem custos para o trabalhador. A previsão é de que sejam emitidas mais de 530 carteiras de trabalho por mês nas unidades, até 19 de dezembro. Após a conclusão do projeto-piloto será avaliada a possibilidade de expansão do serviço para todo o Brasil.

A realização do projeto-piloto nas duas cidades foi decidida em comum acordo entre o Ministério do Trabalho e os Correios, dadas as necessidades de apoio técnico e estrutural para comportar a prestação do serviço. O acordo, celebrado pela Superintendência Regional do Trabalho de São Paulo (SRT-SP), tem o objetivo de descentralizar a emissão de carteiras de trabalho e levar o serviço para mais perto da população.

Segundo o superintendente regional do Trabalho em São Paulo, Marco Antonio Melchior, o importante agora é fazer uma boa divulgação, para que os trabalhadores saibam que os Correios estão prestando esse serviço. “Os Correios estão em mais de 7 mil cidades do Brasil. Onde não existe uma unidade de atendimento do Ministério do Trabalho, os Correios chegam. Isso vai facilitar a vida do trabalhador”, destacou.

O superintendente estadual dos Correios de São Paulo, Marcos Venício Barbosa, destaca que essa é a primeira experiência de oferecimento de acesso à carteira de trabalho a cada um dos brasileiros de maneira prática e fácil. “Os Correios têm como responsabilidade entregar à sociedade serviços de qualidade. Essa é a nossa vocação: trazer o cidadão para dentro das nossas agências e, através do nosso atendimento, ampliar e fortalecer a cidadania”, disse.

Documentação – Para solicitar a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) nos Correios, o trabalhador deverá comparecer pessoalmente a uma das agências da instituição nesses dois municípios, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, levando os seguintes documentos:

– Documento oficial de identificação com nome do interessado, data, estado e município de nascimento; filiação; nome e número do documento com órgão emissor e data da emissão (Carteira de Identificação/RG, Carteira de Reservista, Certidão de Nascimento);
– Cadastro de Pessoa Física (CPF);
– Comprovante de residência com CEP (boleto, conta de luz, água, gás, internet, tv a cabo);
– Certidão de nascimento ou casamento para comprovação do estado civil;
– Foto 3×4, com fundo branco, colorida e recente.
Serão realizados também os seguintes serviços na Agência dos Correios:
– 2ª via de CTPS (perda, roubo, furto);
– 2ª via de CTPS (via de continuação, para carteiras com um dos campos de registro totalmente preenchidos).