Maia cobra respeito de Moro após mensagem por tramitação de projeto anticrime

Entre recados, entrevistas e mensagens, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia(DEM-RJ), e o ministro da Justiça, Sérgio Moro, protagonizaram um bate-boca em torno do pacote de segurança enviado ao Congresso. De início, sobre a tramitação do texto, que deve ficar só para depois da reforma da Previdência. No fim, o debate quase tocou questões pessoais.

O embate teve início com a decisão de Rodrigo Maia de formar um grupo de trabalho, com prazo de 90 dias, para analisar o projeto de lei anticrime que Sérgio Moro enviou ao Congresso. Lá serão debatidas também outras duas propostas já existentes na Casa. O ministro da Justiça cobrou o presidente da Câmara da decisão em mensagem enviada ao próprio na madrugada terça (19) para quarta (20). E foi respondido com rispidez: Maia exigiu respeito pelo cargo que ocupa

A discussão tomou proporções públicas na manhã dessa quarta (20), quando Moro afirmou, em recado a Maia, não ver problemas em o pacote anticrime tramitar ao lado da PEC da Previdência. “Na minha avaliação, isso pode tramitar em conjunto. Não vemos maiores problemas. O desejo do governo é que isso desde logo fosse encaminhado às comissões para debate”, afirmou ao participar da abertura dos trabalhos da Frente Parlamentar de Segurança Pública da Câmara.

A resposta veio quando Maia retornou de um compromisso à Câmara, no início da noite: “O funcionário do presidente [Jair] Bolsonaro? Ele conversa com o presidente Bolsonaro e se o presidente Bolsonaro quiser ele conversar comigo”, disse Maia, referindo-se a Mouro, e continuou: “Eu fiz aquilo que eu acho correto. O projeto é importante, aliás, ele está copiando o projeto direto do ministro Alexandre de Moraes. É um copia e cola. Não tem nenhuma novidade, poucas novidades no projeto dele”.

Por mais de uma vez quando questionado sobre o assunto ao longo do dia, Maia afirmou que Moro “não sabe fazer política”. Ao deixar a Câmara, na noite de quarta, disparou em tom irônico: “É novo na política, estou tentando ajudá-lo”.

“Eu sou presidente da Câmara, ele é ministro funcionário do presidente Bolsonaro. O presidente Bolsonaro é quem tem que dialogar comigo. Ele está confundindo as bolas, ele não é presidente da República, ele não foi eleito para isso. Está ficando uma situação ruim para ele. Ele está passando daquilo que é a responsabilidade dele. Ele nunca me convidou para perguntar se eu achava que a estrutura do ministério estava correta, se os nomes que ele estava indicando estavam corretos”, afirmou Maia em um dos momentos do dia ao ser abordado por jornalistas.

Em resposta às declarações de Maia, o ministro Sérgio Moro falou em “respeito e cordialidade” e disse, por meio de sua assessoria de imprensa, que “talvez alguns entendam que o projeto pode ser adiado indefinidamente, mas o povo brasileiro não aguenta mais”.

Natural do Rio de Janeiro, é jornalista formado pela Favip. Desde 1990 é repórter do Jornal VANGUARDA, onde atua na editoria de política. Já foi correspondente do Jornal do Commercio, Jornal do Brasil, Folha de S. Paulo e Portal Terra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.