Quarenta pessoas em tratamento após surto de doença de chagas em Pernambuco

Materia sobre Doenca de chagas provocadas pelo barbeiro.

O número de pessoas em tratamento por Doença de Chagas em Pernambuco, em função do surto de doença aguda registrado no mês passado, subiu para 40 pessoas. Das 77 pessoas que participaram de um evento religioso na cidade de Ibimirim, no Sertão do Estado, onde teria acontecido a contaminação, 30 tiveram resultado laboratorial positivo para a doença. Outras 10 apresentaram os sintomas. Os dados foram atualizados nesta sexta-feira (28), pela Secretaria Estadual de Saúde (SES).

Do total de participantes, 16 foram internados no Hospital Oswaldo Cruz (Huoc). Todos receberam alta. Um paciente foi atendido em uma unidade privada de saúde e também já recebeu alta. A SES informou que continua a investigação sobre o surto de doença de Chagas aguda ocorrido após um evento religioso, em abril.

Estão sendo realizadas busca ativa dos participantes do evento e organizado o fluxo de atendimento deles. Todos os envolvidos no episódio estão inseridos na investigação. A notificação ao Estado ocorreu em 20 de maio, quando os primeiros pacientes deram entrada no Huoc. De acordo com pessoas que estavam no evento, o grupo teria se reunido para uma missão religiosa no Sertão e era composto por crianças e adultos.

Desde então, a SES investiga o que pode ter causado o surto. Foi realizada visita ao local do ocorrido e às casas do entorno (raio de 150 metros), não sendo encontrado nem o barbeiro nem vestígio do inseto. Também estão sendo visitados os locais que forneceram alimentação para o evento. A provável forma de transmissão da doença, que ainda está sendo investigada. A principal suspeita é de que o tripanossoma cruzi, protozoário causador da Doença de Chagas, tenha sido transmitido por via oral, por meio de algum alimento consumido durante o evento.

Diario de Pernambuco

Pedro Augusto é jornalista e repórter do Jornal VANGUARDA.

One thought on “Quarenta pessoas em tratamento após surto de doença de chagas em Pernambuco

  1. José Marcolino da Silva diz:

    A Doença de Chagas, quando transmitida pelo natural vetor,o popular “Barbeiro “, em contato com o ser humano, não mata, a médio e curto prazos. Nessas fases, há tratamento. Na fase crônica, poderá se passar décadas á pessoa ir a óbito. Portanto, sem dúvida alguma, esse contágio ou transmissão , somente existiu, pela ingestão de alimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.