Vaticano discute nesta semana abusos cometidos por religiosos

O Vaticano reúne, a partir do dia 21 até domingo (24), representantes das conferências episcopais, da Igreja Católica Romana, de 130 países para discutir as denúncias de abusos sexuais cometidos por religiosos contra crianças e adolescentes. No encontro, estarão presentes integrantes de grupos de vítimas de abusos.
Ontem (17), durante a celebração pública, o papa Francisco pediu orações a todos. Segundo ele, todos devem assumir suas responsabilidades diante de “um desafio urgente do nosso tempo”.

De acordo com o Vaticano, o encontro pretende adotar ações concretas e decisões em nome da justiça e verdade. Em recente discurso ao Corpo Diplomático na Santa Sé, o papa ressaltou que “abusos contra menores” constituem um dos piores e mais vis crimes possíveis.

O presidente da Pontifícia Comissão para a Proteção de Menores, cardeal Seán O’Malley, disse que a reunião marcará o momento de desenvolvimento de um caminho claro para a Igreja, baseado em verdade, justiça e maior transparência.

Segundo O’Malley, a conferência “é dirigida principalmente aos bispos”, que “têm grande responsabilidade” sobre a questão, mas, ao mesmo tempo, leigos e mulheres “especialistas no campo do abuso darão sua contribuição e ajudarão a entender o que precisa ser feito para garantir transparência e responsabilidade”.

Os quatro dias de reuniões serão marcados por temas específicos: deveres e atitudes pessoais dos bispos; a comunidade dos bispos e da sua solidariedade; na terceira etapa, o papa Francisco participa e ao final, uma espécie de balanço do encontro.

Expulsão

No sábado (16), o Vaticano anunciou que a Congregação para a Doutrina da Fé expulsou do sacerdócio o ex-cardeal e arcebispo emérito de Washington (EUA) Theodore McCarrick, de 88 anos.

O religioso foi acusado de abusos sexuais a menores e seminaristas, informou a assessoria de imprensa da Santa Sé, em comunicado.

Reforma da Previdência será enviada ao Congresso na quarta

A partir desta quarta-feira (20), o governo enfrentará o primeiro grande desafio na área econômica. A proposta de emenda à Constituição (PEC) que reforma o regime de Previdência dos trabalhadores dos setores público e privado será enviada ao Congresso Nacional, onde começará a tramitar na Câmara dos Deputados.

Logo depois de assinar o texto, o presidente Jair Bolsonaro fará um pronunciamento. Ele explicará a necessidade de mudar as regras de aposentadoria e de que forma a proposta será discutida no Congresso.

Na última quinta-feira (14), o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, adiantou alguns detalhes do texto, fechado em reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e os ministros da Economia, Paulo Guedes, da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz.

Os pontos revelados até agora são a idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com um cronograma de transição de 12 anos para quem está próximo dessas idades. O acordo foi resultado de uma negociação entre a equipe econômica e o presidente Bolsonaro.

Originalmente, a equipe econômica tinha pedido idade mínima unificada de 65 anos para homens e mulheres, para os trabalhadores dos setores público e privado. O presidente gostaria de uma idade mínima de 65 anos para homens e 60 para mulheres. A área econômica defendia dez anos de transição, o presidente pedia 20 anos.

Detalhes

Somente na quarta-feira serão revelados detalhes ainda não divulgados, como a proposta para aposentadorias especiais de professores, policiais, bombeiros, trabalhadores rurais e profissionais que trabalham em ambientes insalubres. Também serão informadas as propostas para regras como o acúmulo de pensões e de aposentadorias e possíveis mudanças nas renúncias fiscais para entidades filantrópicas.

Falta saber ainda como ficarão o fator previdenciário, usado para calcular o valor dos benefícios dos trabalhadores do setor privado com base na expectativa de vida, e o sistema de pontuação 86/96, soma dos anos de contribuição e idade, atualmente usado para definir o momento da aposentadoria para os trabalhadores do setor privado. Em relação aos servidores públicos, ainda não se sabe qual será a proposta para a regra de transição.

Também na quarta-feira, o governo informará como incluirá na proposta a mudança para o regime de capitalização, no qual cada trabalhador terá uma conta própria na qual contribuirá para a aposentadoria. Atualmente, a Previdência dos setores público e privado é estruturada com base no sistema de repartição, onde o trabalhador na ativa e o empregador pagam os benefícios dos aposentados e pensionistas.

Para viabilizar a migração de regime, o governo tem de incluir um dispositivo na Constituição que autoriza o envio de um projeto de lei – complementar ou ordinária – para introduzir o novo modelo depois da aprovação da reforma. Será revelado ainda se o governo enviará o projeto para reformular a Previdência dos militares junto da PEC ou em outro momento.

Guaidó diz que ajuda humanitária “está nas mãos” dos militares

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, afirmou hoje (16), através de uma rede social, que “está nas mãos” dos militares a entrada de ajuda humanitária dos Estados Unidos na Venezuela.

A entrada da ajuda está prevista para o dia 23 próximo. As redes sociais têm grande importância no país, uma vez que os venezuelanos estão impedidos de realizar chamadas telefônicas para o exterior.

Juan Guaidó
Juan Guaidó disse que ajuda humanitária americana depende dos militares da Venezuela  (Juan Guaidó/Redes Sociais/Direitos Reservados)

Militares reforçam uma espécie de bloqueio na ponte fronteiriça entre Venezuela e Colômbia.

A ação ocorre no momento do impasse entre o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e o interino, Juan Guaidó. O interino promove uma campanha internacional para angariar ajuda humanitária.

Porém, com o bloqueio, a dificuldade para o ingresso de doações aumenta. De acordo com informações da Andina, agência pública de notícias do Peru, há contentores na ponte Tienditas, que liga os locais de Cúcuta (Colômbia) e Urena (Venezuela).

Demitido por Bolsonaro, Bebianno publica post valorizando a lealdade

Com a demissão da Secretaria-geral da Presidência já decidida pelo presidente Jair Bolsonaro, o ministro Gustavo Bebianno usou sua conta no aplicativo Instagram, na noite da última sexta-feira (15), para publicar um texto destacando a importância da lealdade. De autoria do escritor Edgard Abbehusen, a passagem destaca que “quando perdemos por ser leal, mantemos viva a honra”.

Após idas e vindas nas discussões no Palácio do Planalto nos últimos dias, a demissão de Bebianno foi selada por Bolsonaro na última sexta e deve ser publicada no Diário Oficial da próxima segunda (18). O motivo que determinou a saída foi quebra de confiança: o presidente não gostou de saber que o ministro mostrou, a jornalistas, trechos de conversas entre os dois.

O Congresso em Foco apurou que o governo ainda cogitou dar a Bebianno, como compensação por deixar o ministério, a diretoria da Itaipu Binacional ou até de uma embaixada à escolha dele, o que foi recusado pelo próprio ministro, que não admite ter feito nada de errado. O texto reproduzido por ele no Instagram encerra afirmando que “uma pessoa leal sempre será leal”.

A alternativa de colocar Bebianno na Itaipu seria, de toda forma, vedada por lei: diretores de estatal não podem ter atuado, nos 36 meses anteriores à nomeação, “como participante de estrutura decisória de partido político ou em trabalho vinculado a organização, estruturação e realização de campanha eleitoral”. Bebianno presidiu o PSL e coordenou a campanha de Bolsonaro à Presidência no ano passado.

No Congresso

Para o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO), a crise no Planalto não afetará o andamento das reformas de interesse do governo, que devem começar a chegar ao Legislativo na semana que vem.

“Não tem nada a ver. Governo é governo, Congresso é Congresso. Nós vamos continuar o trabalho, para construir a base para aprovação da reforma do mesmo jeito”, garante o parlamentar. O deputado avalia que a questão da confiança foi determinante na decisão de demitir o ministro.

Com fundo partidário, Bivar contratou empresa do filho por R$ 250 mil na campanha eleitoral

Despesa de R$ 250 mil está na mira da Procuradoria Eleitoral de Pernambuco. Foto: Leo Malafaia/Esp. DP
Despesa de R$ 250 mil está na mira da Procuradoria Eleitoral de Pernambuco. Foto: Leo Malafaia/Esp. DP
Diário de Pernambuco
O deputado federal Luciano Bivar (PE), presidente nacional do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, gastou R$ 250 mil provenientes do fundo eleitoral para contratar a empresa de um dos seus filhos durante a eleição de 2018. Sediada em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, a Nox Entretenimentos está registrada em nome de Cristiano de Petribu Bivar. Foi o segundo maior gasto da campanha dele, segundo o sistema Divulga Contas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A contratação está na mira da Procuradoria Eleitoral de Pernambuco, de acordo com o jornal O Estado de S. Paulo. Em parecer sobre a prestação de contas de Bivar, o procurador eleitoral Francisco Machado Teixeira se posicionou pela aprovação com ressalvas das contas e citou a necessidade de se investigar o possível “desvio de finalidade” no gasto destinado à empresa do filho do deputado.

“Foram realizadas despesas com fornecedores de campanha que possuem relação de parentesco com o prestador de contas, o que pode indicar desvio de finalidade. O Ministério Público Eleitoral informa que extrairá cópia dos autos para investigação dos fatos”, afirma o documento da Procuradoria Eleitoral sobre a prestação de contas de Bivar ao qual o Blog do Fausto Macedo teve acesso.

À época da contratação, a distribuição dos valores recebidos via fundo eleitoral para os candidatos do PSL, conforme ata do partido registrada na Justiça Eleitoral, era de responsabilidade do atual ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno. Ele presidiu o PSL durante a campanha eleitoral a pedido do então candidato à Presidência Jair Bolsonaro.

O ministro trava uma disputa com o vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, e há dúvidas sobre sua permanência no cargo. A crise esquentou depois de suspeitas de irregularidades no uso do dinheiro do Fundo Partidário e de Carlos chamá-lo de mentiroso por Bebianno ter afirmado que conversou com o presidente sobre o tema. O vereador do Rio chegou a divulgar, inclusive, um áudio de conversa de Whatsapp do presidente dizendo que não estava podendo tratar do assunto. No dia da gravação (12/02), o presidente estava ainda internado no Hospital Albert Einstein, em recuperação de cirurgia.

De acordo com as notas fiscais, a Nox Entretenimentos teria prestado serviços de produção de vídeo para a campanha de Bivar. O telefone registrado pela empresa na Receita Federal é o mesmo do escritório de advocacia Rueda e Rueda, no Recife, que não explicou se divide o espaço com a Nox nem qual sua ligação com a família Bivar. Um dos sócios do escritório de advocacia é Antonio Rueda, presidente do diretório do PSL de Pernambuco no período eleitoral. Outra empresa em que Cristiano Bivar é sócio, a Mitra Participações, aluga salas para o diretório do PSL no Recife.

Campanha 

Luciano Bivar é presidente do PSL desde 1998 e, atualmente, ocupa o cargo de segundo-vice-presidente da Câmara. Bivar foi um dos parlamentares que mais receberam valores do fundo eleitoral. Dos R$ 9,2 milhões recebidos pelo PSL, a campanha do deputado amealhou R$ 1,8 milhão, o que representa 19,5% do total.

Na prestação de contas de campanha, a empresa do filho de Bivar aparece na segunda colocação entre as empresas que mais receberam. Em primeiro lugar está a Vidal Assessoria e Gráfica Ltda., de Luis Alfredo Vidal Nunes da Silva, que é vogal (dirigente com direito a voto) do PSL de Pernambuco. A gráfica fica em Amaraji, na Zona da Mata de Pernambuco.

Especialistas em direito eleitoral ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo disseram não haver proibição legal na contratação de empresas de familiares com dinheiro do Fundo Partidário, mas afirmaram que a citação a um possível “desvio de finalidade” significa que a Procuradoria Eleitoral vai investigar se os serviços foram efetivamente prestados e a preços de acordo com o mercado.

Procurado, o deputado Luciano Bivar afirmou, por intermédio da assessoria, que a contratação da Nox Entretenimentos se “deveu ao fato de ela ter oferecido o menor preço para produzir os vídeos da campanha” e que “há contrato, notas fiscais, tudo perfeitamente legalizado”. Sobre as salas em que fica a sede do PSL em Pernambuco, o deputado disse que “o aluguel é em forma de comodato e que, na verdade, ele empresta a sala para o partido, sem custo”.

O filho do presidente do PSL, Cristiano Bivar, também por meio da assessoria do deputado, declarou que sua empresa foi contratada por vários candidatos e que, no caso de seu pai, prestou serviços de produção de vídeos, jingles e decoração do comitê. Cristiano Bivar declarou ainda que, para desempenhar essa função, também pagou “o projeto arquitetônico, som, palco, projetor, gerador de energia, diesel, mobiliário e as gravações para o programa gratuito de TV”.

A Nox Entretenimentos, por e-mail, afirmou que o serviço foi efetivamente prestado e a preço de mercado. “Inexiste impeditivo legal na contratação. Tendo inclusive as contas do candidato sido aprovadas sem ressalva pelos órgãos competentes”, pontuou a empresa.

Rivalidade move um Clássico das Multidões

Diário de Pernambuco

O primeiro Clássico das Multidões do ano pouco vai mudar o futuro de Santa Cruz e Sport na temporada. Virtualmente classificados às quartas de final do Campeonato Pernambucano, tricolores e rubro-negros disputarão, neste domingo, a partir das 17h, uma partida que, na prática, não vale nada. Mas as arquibancadas do Arruda deverão estar cheias. De um lado e do outro. Não apenas por ser o primeiro jogo no estádio nesta temporada. Sobretudo porque o único tempero deste jogo tem um peso grande: a rivalidade.

Em especial, quando o jogo é no Arruda. Os confrontos entre Santa Cruz e Sport no José do Rego Maciel revelam equilíbrio e vantagem do Leão. Em 166 jogos, houve 62 empates, resultado mais comum. O Rubro-negro ganhou 52 vezes na casa do adversário, contra 50 triunfos dos tricolores.

O Santa Cruz não vence o Sport no Arruda há três jogos. O último confronto aconteceu em 2017. Valendo vaga na final do Nordestão, o Leão venceu por 2 a 0 e eliminou o rival, que havia ganhado na Ilha por 2 a 1. O duelo anterior aconteceu na primeira fase do Pernambucano daquele ano, e o jogo terminou empatado em 1 a 1.

Em 2016, no primeiro turno da Série A, o Rubro-negro ganhou por 1 a 0. O último triunfo coral no Arruda foi no primeiro jogo da final do Pernambucano de 2016. Gol solitário de Lelê que daria o título ao Santa Cruz (no segundo jogo, na Ilha, os times empataram em 0 a 0 e o Tricolor levantou a taça na casa do adversário).

O pequeno jejum coral, entretanto, não se restringe ao Arruda. O Rubro-negro não perde do Tricolor há três jogos. No ano passado, empatou em 1 a 1 com o rival na primeira fase do Pernambucano e, em seguida, nas quartas de final do Estadual, venceu o duelo único na Ilha do Retiro valendo vaga na semifinal por 3 a 0. Antes desses dois duelos,em 2017, ocorreu o duelo pela semifinal do Nordestão.

Consequências
Se o Santa Cruz vencer o Clássico das Multidões deste domingo, mais do que encerrar os pequenos tabus e diminuir a desvantagem que tem para o rival dentro de casa, o Tricolor ganha motivação para seu próximo desafio. Quarta-feira, disputa contra o Náutico uma vaga na terceira fase da Copa do Brasil, que
vale R$ 1,45 milhão. É a partida mais importante para o clube no ano até o momento.

Para o Sport, um triunfo contra o Santa Cruz ameniza o clima ruim na Ilha do Retiro causado pela eliminação na Copa do Brasil para o Tombense. Como o Estadual foi a única competição que restou ao Leão antes da Série B, estar bem no Pernambucano tornou-se obrigação. Dever absolutamente igual de evitar um tropeço diante de um rival que vai a campo com o time reserva.

Senac com curso para explorar novas deias

O Senac Caruaru estará realizando, de 18 a 22 de fevereiro, o curso ‘Bootcamp. Empreendedorismo em ação’. As aulas acontecerão das 8h às 17h, na instituição que fica localizada na Avenida Maria José Lyra, 140, Indianópolis. O investimento é de R$ 150 e a inscrição pode ser feita no link https:// loja.pe.sebrae.com.br/loja/evento/10105758

Um curso é destinado a todas as pessoas que estão dispostas a explorar novas possibilidades, inovar em seus negócios e colocar seus projetos em prática. Os participantes terão três dias intensos, com atividades que abordam da criação até a execução de uma ideia, todas com acompanhamento de especialistas em negócios. Eles vão ajudar a colocar os projetos dos participantes em prática, colaborando para o desenvolvimento do negócio.

“Nesse curso, trabalho com o conceito de construção na percepção do cliente. Ele vai ajudar aquele que tem uma ideia, mas não sabe como colocar em prática, aquele que quer mudar algo no negócio e não sabe por onde começar”, explicou o analista do Sebrae, Laudemiro Ferreira, ao falar que o treinamento estimula o empreendedorismo inteligente e proporciona a criação de projetos e negócios de sucesso.

Na programação, alguns tópicos sobre mercado, como cliente, problemas e solução, e sobre comportamento empreendedor, que será abordado por meio do tema Mindset Empreendedor, mostrando como mudar a configuração da mente conforme a cabeça de um empreendedor, rompendo pensamentos antigos e mudando em direção a uma mentalidade empreendedora.

Também serão apresentados no curso alguns instrumentos como o Lean Canvas, ferramenta visual que ilustra o modelo de negócio de forma rápida e fácil, ressaltando os pontos que realmente importam, bem como o pitch, que é uma apresentação rápida e direta, em geral até 5 minutos, com o objetivo de despertar o interesse pelo assunto apresentado. Storytelling é outro tema do curso e é a capacidade de contar histórias de maneira que desperte a atenção.

Rua Duque de Caxias em crise

Considerada uma das vias mais valorizadas, a Duque vem perdendo uma série de estabelecimentos

Wagner Gil

Nos últimos três anos o Brasil mergulhou numa crise econômica que foi potencializada com uma crise ética, que atingiu os principais nomes da política, levando, inclusive, o ex-presidente Lula à prisão e alguns dos seus principais assessores. Esse fato acabou gerando uma série de fatores que paralisaram o país, nos fazendo, literalmente, andar para trás, com mais de 13 milhões de desempregados nos últimos anos. Isso fez fechar muitos estabelecimentos país afora e, em Caruaru, a situação não foi diferente. O desemprego cresceu e muitas pessoas foram para a informalidade, mas uma rua chama a atenção: a Duque de Caxias, no centro da cidade.

Considerada uma das ruas mais valorizadas e pujantes do comércio caruaruense, a Duque de Caxias vem perdendo uma série de estabelecimentos e, hoje, mais de 60 estão fechados, desses pelos menos 15 são lojas e o restante escritórios que foram deixando o centro da cidade.

Para o corretor Jaime Anselmo (Anselmo Imóveis), a crise pesou bastante para que alguns estabelecimentos fechassem na cidade, mas, no caso da Rua Duque de Caxias, o corretor faz uma análise mais profunda. “A questão da Rua Duque de Caxias tem que ser observada de forma diferente, pois vários fatores contribuem para a grande quantidade de estabelecimentos fechados, entre eles, a mudança no perfil de imóveis na cidade. As pessoas estão mais exigentes. Para você ter uma ideia, no Bairro Maurício de Nassau, onde tinha uma casa, hoje tem uma média de quatro estabelecimentos. Muitas pessoas estão buscando conforto e comodidade em tudo”, ressaltou Jaime Anselmo.

Ele lembra que a Rua Duque de Caxias teve seu auge comercial nos anos 70, 80 e 90, mas a realidade da cidade vai mudando. “Hoje Caruaru tem quatro grandes centros de compras (Caruaru Shopping, Shopping Difusora, Polo Comercial e Fábrica da Moda) e alguns dos comerciantes da Duque migraram para a Feira (Parque 18 de Maio) ou para a Rua São Sebastião”, argumentou. “Outro detalhe é a falta de estacionamento e ponto de ônibus que aglomera muitas pessoas em frente às lojas e, com isso, elas acabam perdendo clientes”, completou.

Jaime Anselmo ainda lembrou a questão da Livraria Estudantil. “Muitas lojas de rede nacional estão invadindo nosso comércio em locais que eram administrados por famílias tradicionais. A Estudantil fechou e lá vai abrir uma rede de farmácia”, exemplificou.

Para Ramiro Spíndola, da Banca de Revistas Terceiro Mundo, muitos consumidores preferem os shoppings, mas o cliente do centro da cidade tem outro perfil. “São pessoas simples, de cidades vizinhas, que fazem

compras no comércio de Caruaru e o comércio de Caruaru é o Centro. Nos shoppings, o custo é maior para o consumidor e o lojista”, disse Ramiro. “Na minha opinião, precisa melhorar as calçadas e diminuir o fluxo de ônibus. São muitos ônibus em uma rua tão estreita”, completou.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Caruaru (CDL), Adjar Soares, disse que a entidade chegou a conversar com a prefeitura e iniciar um debate sobre a possibilidade de transformar a Rua Duque de Caxias em um calçadão. “Alguns lojistas da Duque têm esse sonho. Nós chegamos a conversar na gestão anterior, mas não vingou. Com essa administração atual também tivemos reuniões e estamos aguardando uma requalificação. Inclusive quando a prefeitura adquiriu o empréstimo do Finisa, o Centro e a Rua Duque estavam contemplados com melhorias.”

Manoel Santos, presidente do Sindicato dos Dirigentes Lojistas de Caruaru (Sindloja), disse que vários fatores estão contribuindo para ‘uma mudança de perfil’ na Rua Duque. Ele lembrou que a via já teve uma grande importância para o comércio, mas, atualmente, um fator chama a atenção: o alto valor do metro quadrado.

“O aluguel na Rua Duque atingiu um preço diferenciado e não atende as expectativas de alguns comerciantes que migraram para outras ruas, inclusive a Agamenon Magalhães. Na minha opinião, não houve perda de empregos. O comércio se acomodou em outras áreas e os empregos foram juntos”, disse.

Manoel Santos falou ainda que é fundamental criar uma comissão de comerciantes e tentar, junto à prefeitura, uma saída para o local. “Algumas pessoas dizem que ali pode ser um calçadão, já as empresas de ônibus são contra. O que fizer ali vai agradar uns e outros não. Por isso acho que deveria ser criada uma comissão especial para debater os problemas e o futuro dessa importante rua”, ressaltou Manoel Santos.

/**/

Paulo Câmara visita fábrica da Itaipava

Para conferir os avanços e o andamento da produção de uma das maiores indústrias do polo cervejeiro de Pernambuco, o governador Paulo Câmara visitou, neste sábado (16), as instalações da fábrica da Itaipava, localizada no município de Itapissuma, na Região Metropolitana do Recife. Acompanhado da vice-governadora Luciana Santos e do presidente do Grupo Petrópolis, Walter Faria, Paulo vistoriou as linhas de produção do parque fabril, que emprega atualmente cerca de 820 trabalhadores diretamente, oportunizando outros 3.200 postos indiretos na região. Nos últimos quatro anos, o Grupo já investiu cerca de R$ 1,4 bilhão na unidade, sendo R$ 400 milhões na expansão das atividades.

“A gente ver uma fábrica como essa do Grupo Petrópolis crescendo a cada ano, vendendo mais e gerando mais empregos aos pernambucanos, para nós é sempre um motivo de muita satisfação e de responsabilidade. Uma fábrica que já ampliou suas atividades várias vezes, desde a sua inauguração em 2015. Isso mostra que com planejamento, com parceiros sérios e, acima de tudo, com a força do nosso povo trabalhador, é possível avançar, se desenvolver, gerar mais emprego e renda no nosso Estado”, frisou o governador.

Paulo destacou os esforços contínuos que a gestão vem desenvolvendo na atração de novos investimentos. “O Grupo Petrópolis e a consolidação desse polo de bebidas aqui na Região Metropolitana Norte, foi fruto de um planejamento muito bem pensado desde lá atrás, no governo de Eduardo Campos. Tudo que foi pactuado, foi cumprido: os incentivos fiscais, a qualificação da mão de obra; assim como a infraestrutura adequada para o empreendimento ser instalado aqui”, pontuou.

Inaugurada em abril de 2015, a unidade da Itaipava em Pernambuco alcançou importantes avanços desde então. Um deles foi o aumento da capacidade de produção, que saiu de 600 milhões de litros por ano para 850 milhões. “Estamos aqui porque o governo nos deu condições e um bom incentivo fiscal. Então, esse apoio é, sim, importante. Eu queria agradecer ao Governo do Estado, a Eduardo Campos, que começou essa parceria, e a Paulo Câmara, que era o secretário da Fazenda, e hoje é governador. Esse incentivo nos ajuda a expandir, a vender mais e, com isso, o estado arrecada mais”, declarou o presidente Walter Faria.

Para estimular a atração de projetos industriais do segmento de bebidas alcoólicas, o Governo do Estado, entre 2016 e 2017, proporcionou isenção fiscal no valor de R$ 30,2 milhões. Esses incentivos proporcionaram avanços no segmento, como apontou uma Pesquisa Industrial Mensal do IBGE, divulgada em dezembro de 2018. De acordo com o levantamento, de dezembro de 2017 ao mesmo período de 2018, a indústria de bebidas pernambucana cresceu 2,84%.

POLO CERVEJEIRO – Localizado nos municípios de Igarassu e Itapissuma, o consolidado polo cervejeiro de Pernambuco é composto, principalmente, pelas fábricas da Ambev, Schin/Heineken e Itaipava. Nos últimos cinco anos, os investimentos aportados pelas três maiores indústrias do setor no Estado ultrapassam os R$ 2,2 bilhões, gerando cerca de 3,6 mil empregos diretos e mais de 73 mil postos de trabalho indiretos na região.

EMPRESA – O Grupo Petrópolis, dono da Cervejaria Itaipava, é a maior empresa com capital 100% nacional do setor. Fundado em 1994, na cidade de Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, o grupo produz seis marcas de cerveja, destilados, isotônicos, energéticos e água mineral. A companhia distribui seus produtos em 21 estados e no Distrito Federal. Ao todo, o grupo emprega cerca de 26 mil pessoas formalmente em todo o país.

Acompanharam o governador durante a visita à fábrica da Itaipava os deputados estaduais Eriberto Medeiros (presidente da Alepe), Sivaldo Albino, Guilherme Uchoa Jr. e Clovis Paiva; os secretários estaduais Bruno Schwambach (Desenvolvimento Econômico), Décio Padilha (Fazenda), Alberes Lopes (Trabalho, Emprego e Qualificação), Rodrigo Novaes (Turismo e Lazer) e Ernani Medicis (Procuradoria Geral do Estado), além dos secretários executivos da Casa Civil, José Maurício e Antônio Limeira.

IPTU Verde adotado em Caruaru é destaque em rede nacional

Jaciara Fernandes- Jonrnal Vanguarda

Caruaru foi destaque no Bom Dia Brasil (Rede Globo), da última segunda-feira (11), durante matéria exibida sobre os municípios que incentivam à população a preservar o meio ambiente, através de descontos concedidos no valor do Importo Predial e Territorial Urbano (IPTU), por meio do IPTU Verde. O Projeto de Lei Complementar foi sancionado pela prefeita Raquel Lyra, em dezembro passado, e é um incentivo fiscal, que visa estimular a construção de novos empreendimentos imobiliários a adotarem práticas de sustentabilidade em suas construções.

Desse modo, a novidade tende a minimizar os danos ao meio ambiente, fomentar o desenvolvimento sustentável e, consequentemente, melhorar a qualidade de vida das pessoas. Quanto mais cuidado com a natureza, mais pontos o contribuinte vai somando para ganhar desconto no IPTU de até 10%, por até dez anos.

Somente têm direito a requerer o benefício as construções a partir de janeiro de 2019. Os imóveis precisam ter, por exemplo, projetos de aquecimento de água com energia solar ou eólica, lâmpadas de LED, coleta seletiva, reúso de água, telhado verde, reaproveitamento de luz, além de plantio de vegetação na fachada, entre outros. São medidas que fazem toda a diferença na preservação do planeta e que beneficiam a saúde de todos os cidadãos.

Segundo o secretário municipal da Fazenda, Diogo Bezerra, o IPTU Verde segue uma lógica de prática internacional que certifica edificações que investiram em tecnologias sustentáveis em seus projetos de construção. “A aplicação dessas soluções sustentáveis vai somando pontos para o cidadão. Tal somatório classificará o empreendimento de acordo com essas tecnologias implementadas e será revertido em desconto”, enfatizou.

A lei inclui imóveis residenciais, comerciais e industriais. O proprietário interessado em fazer parte do IPTU Verde precisa dar entrada com um requerimento junto à Secretaria de Sustentabilidade e Desenvolvimento Rural para concessão do benefício no ano seguinte, nesse caso, em 2020.

Para o diretor do Cadastro Imobiliário, Thiago Alves, o IPTU Verde é um ganho que atinge todo o município, sem que seja necessária nenhuma burocracia. “O contribuinte precisa apenas dar entrada com a solicitação e uma equipe irá observar os itens dessa lei, tanto na questão energética quanto hidráulica. A partir da soma desses pontos será estabelecido o seu desconto”, detalhou Thiago.

A matéria jornalística também mostrou exemplo de incentivo de sustentabilidade através do IPTU Verde em Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife, e São José dos Campos (SP).

A prefeita Raquel Lyra não só compartilhou em suas redes sociais, como também expressou a satisfação em ver Caruaru ser exemplo num tema de extrema importância. “Fico feliz em saber que o trabalho que estamos fazendo aqui serve de referência em nosso país”, escreveu a chefe do Executivo municipal..

“O importante é que as pessoas se sintam motivadas a preservar o meio ambiente e olhem para uma planta ou a água das chuvas como uma aliada”, destacou o autor do projeto, o vereador Heleno Oscar.

No Brasil, já são 65 municípios com mais de 200 mil habitantes que adotam o IPTU Verde, uma prática recente que começou em 2008 e veio se espalhando pelo país. Tornou-se mais comum nos estados do Sul e Sudeste e, gradativamente, foi alcançando outras regiões. No entanto, ainda é novidade em algumas partes do Brasil.