Artigo: SINIAV mostra indícios que deverá ser postergado

Por Ricardo Simões

O Sistema Nacional de Identificação Automática de Veículos (SINIAV) promete monitorar a frota veicular circulante no Brasil, através de um chip de identificação por radiofrequência. O dispositivo deve conter informações sobre o veículo – número serial do chip, placa, chassi, código RENAVAM e também dados privados, para veículos de empresas. A implantação do sistema foi proposta na resolução do Contran 212, de 13 de novembro de 2006, e tem data de conclusão em 30 de junho.

O funcionamento é simples, o chip, deve ficar posicionado no para-brisa e é semelhante aos dispositivos de cobrança automática utilizados nos pedágios, envia informações por radiofrequência para antenas instaladas ao longo das vias que direcionarão as informações para as centrais de processamento, onde será verificada a situação do veículo rastreado.

Depois de implementado, o sistema deve trazer inúmeras vantagens para a gestão de trânsito. Entre elas, o perfil de deslocamento de veículos em uma determinada região, informações sobre a regularidade de taxas e impostos, cobrança de pedágio por quilômetro percorrido ou mesmo a fiscalização através do cálculo de velocidade média entre pontos.

O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) delegou a instalação do SINIAV aos Detrans de cada estado, responsáveis pelas informações de licenciamento dos veículos. As resoluções do Contran 412/2012 (que revogou a resolução nº 212/06) e433/2013 definem os procedimentos do sistema. Existem iniciativas e projetos pilotos em andamento no país, mas as infraestruturas, tanto por parte de cada estado quanto ao que compete ao Denatran, ainda carecem de preparativos para serem introduzidas na rotina dos motoristas.

Os Detrans precisam de orientações mais detalhadas em relação aos procedimentos de instalação e também sentem insegurança quanto ao padrão do sistema. A maior preocupação é o fato de não terem orçamento específico para o SINIAV, já que a resolução 412 do Contran não determina quem irá arcar com os custos de instalação e demais equipamentos.

De acordo com o Denatran, o sistema central, que reunirá os dados vindos de todos os estados, já está pronto para operar, o que falta é a integração dos Detrans ao sistema. O prazo está próximo, se os Detrans não têm orçamento e ainda não estruturaram uma rede de dados capaz de dialogar com o sistema central, tudo leva a crer que o prazo será novamente postergado.

OPINIÃO: Uma vontade basta

Por JANIO DE FREITAS*

Previsto para hoje e tido como início do processo de votação da reforma política, seja o que for que se passe na Câmara será o ponto culminante, por ora, do período mais desrespeitoso da maioria dos deputados com o país nos anos sem ditadura.

O que está para ser votado são escolhas tão importantes como o sistema eleitoral para compor a própria Câmara. De onde e como deve vir o dinheiro para financiar as campanhas eleitorais. A validade ou extinção das coligações de partidos. A duração do mandato de senador. O número de eleitores necessários para apresentação de um projeto de iniciativa popular, e ainda mais. Questões todas muito importantes para melhoria ou maior degradação da política e da democracia por aqui.

Foi feito um relatório a ser votado, como resultado de mais de três meses de discussões em uma comissão especial. Algumas conclusões não coincidiram com o desejo pessoal do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. O relator Marcelo Castro fez alterações obedientes, mas sobrou alguma coisa inalterada.

Eduardo Cunha não admitiu que a comissão votasse o relatório, levando-a a adiar a decisão. Já que o relator se recusava aos gestos finais de servidão, Eduardo Cunha fez saber que iria substituí-lo. Logo, porém, optou por outra exorbitância: levaria o projeto para votação direta do plenário, com a já conhecida manipulação de sua tropa, desprezando o relatório e a opção final da comissão sobre os temas nela discutidos.

Nada do que tenha sido negociado ontem, sobre o encaminhamento a prevalecer, merece confiança até hoje. A vontade de Eduardo Cunha, já se viu bastante, não tem admitido concessões mais do que aparentes.

O PT, boquiaberto, tem dois ou três deputados em luta contra o presidente da Câmara, e o restante com participação, no máximo, pela distante periferia. O PSDB, com indigestão de impeachment, não se mexe, mas, como em expectativas anteriores, dirige a Eduardo Cunha acenos de simpatia significativa. A divergência começou entre peemedebistas, e peemedebistas vão fazer o número para decidi-la. Nele, Eduardo Cunha não opina: manda na maioria. Como se dá com quase todas as bancadas pequenas.

E pronto. Temos um instantâneo da republiqueta que, desse modo, define a cara de sua democracia.

PALOCCI

Joaquim Levy acrescentou, ao seu diga ao povo que fico, a informação de que considera estar o corte de R$ 69,9 bilhões do Orçamento “na medida adequada” e “sem risco para o crescimento econômico”.

Se essa é a medida adequada, por que batalhou pelo corte de R$ 80 bilhões, no início, e “entre R$ 70 e R$ 80 bilhões”, depois? E que crescimento econômico? Só se não tem risco porque não existe, nem em perspectiva.

No Brasil, a hipocrisia é uma forma de governar a economia. Joaquim Levy: uma saudade de Palocci.

QUE JUSTIÇA

O ministro Luiz Fux reivindica, para si e para seus pares no Supremo Tribunal Federal, vencimentos (no funcionalismo não se chamam salários) e benefícios que restauram um multissecular: nababesco. Mas os acompanha de uma razão solene: “a necessidade de valorização institucional da magistratura”. Não, é mesmo e só de valorização financeira e patrimonial.

Institucional talvez seja esta outra reivindicação: se condenados por improbidade, magistrados não perderiam o cargo. Ou seja, continuariam magistrados para condenar também acusados de improbidade.

*Janio de Freitas é colunista e membro do Conselho Editorial da Folha de S. Paulo

Artigo: A crise atual

 Por Tiê Felix

Um dos projetos da modernidade, resultante das revoluções burguesas é a educação universal. Há quem pense que há uma predisposição natural ao homem em aprender e desenvolver aptidões. Quem pensa assim desconhece que naturalmente ninguém quer se dispor a realizar alguma atividade se não tiver um retorno mínimo, inclusive financeiro.

Ninguém, nem mesmo as crianças, se disporão a aprender seja lá o que for se não houver o mínimo de disciplina e imposição: a educação só é possível se é imposta. Os estudiosos da pedagogia não fazem pesquisas tentando entender o problema da educação no Brasil não somente como um problema de método e didática, mas também de ordem social e, sobretudo, individual. A educação pressupõe responsabilização, já que o aprendizado é condicionado por aquele que aprende principalmente. Como chamar atenção dos alunos quando eles não conseguem ver um horizonte para além da alegria de terminar a penúria dos seus estudos? Como provar que vale a pena estudar onde só vemos ignorância, como no Brasil? Onde foi que a educação deu provas de valor em nosso país?

Numa sociedade desigual e injusta não faz sentido estudar. Numa sociedade em que os interesses mesquinhos e das indicações políticas predominam, de que adianta estudar se não tiver um pistolão que lhe encaixe em uma posição de conforto social? Nosso problema é que não há uma percepção clara da fraqueza que cerca as posições tomadas pelos agentes públicos. Quando há uma grande gama de pessoas que apenas estão ali ocupando aquele espaço por ordem política pouco há que se fazer na prática. Sabem todos os indicados que somente ocupam aquele espaço provisoriamente e que não pode fazer muita coisa já que o seu candidato daqui há alguns anos vai sair do poder. Enfim, não há durabilidade nas ações; longo prazo nem pensar, tudo é provisório.

Uma sociedade que não calcula suas possibilidades e que não se planeja não realiza nada, vive no marasmo do atraso. O Brasil é assim em todas as partes. Pela falta de organização daqueles que governam pouco se pode fazer no que diz respeito as grandes questões de longo prazo. Toda a desesperança política que ronda a opinião coletiva não é mais do que a falta de percepção do que está sendo feito agora com o fim de amenizar os problemas do futuro.

A crise que atinge nosso país atualmente não foi prevista e nem sequer foi vista. Não pensem que durante as campanhas políticas o Partido dos Trabalhadores estava mentindo quando as pioras subsequentes. Eles nem sequer sabiam disso, não tinham domínio sob aquilo que faziam, assim como agora também não tem. Tampouco outros grupos políticos hoje fariam diferente. Nosso problema é de outra ordem, é da ordem da honestidade e realismo que nos falta em todas as esferas. A hipocrisia do faz-de-conta-que-faz mantém a aparência de funcionamento numa sociedade que tudo está falido, da educação à política.

O que vemos hoje é o reajuste dos lucros desmesurados que devem ser ressarcidos as classes que dominam. Quem paga a conta são os despossuídos, os que nada tem e nada terão porque não tem governo para eles.

Tiê Felix é professor

/**/

Artigo: Sete ações para potencializar os negócios em tempos difíceis

Por Erik Penna

Tenho escutado muita gente falando de crise e reclamando dos resultados, mas quando eu pergunto o que elas têm feito de novo e diferente para superar esse momento negativo da economia, muitas vezes fico sem resposta.

Um grande risco é ficar parado esperando a crise passar. É hora de se mexer, de sair da zona de conforto e buscar novos caminhos não trilhados durante os momentos de vaca gorda.

Se seguirmos os mesmos caminhos, colheremos não os mesmos números, mas sim, piores. Em tempos difíceis, é preciso fazer mais, ir além para conseguir um desempenho satisfatório.

Mas o que fazer? Enumero a seguir 7 ações para incrementar seus resultados:

1 – Otimismo

Diversas pesquisas apontam que o bom humor e o otimismo são fatores determinantes numa alta performance. Mas será que o otimista vende realmente mais que um pessimista? A resposta é SIM.

Vi recentemente, um case muito interessante de uma grande seguradora. Na contratação dos vendedores fizeram um teste e, assim, puderam dividir o grupo. Após um ano de trabalho, os otimistas venderam 37% a mais e 75% dos pessimistas desistiram do trabalho.

2 – Atrair novos clientes

É hora de ampliar possibilidades, ou seja, vender para novos clientes. Mas como atraí-los? Um caminho poderoso é a ferramenta tecnológica chamada “Link Patrocinado”, presente nos principais sites de busca. Pagando uma pequena quantia mensal (que você mesmo delimita a região a ser atendida e o valor que deseja investir), quando algum internauta pesquisar o segmento, seu site aparecerá no topo da lista. Saiba que num único dia são feitas aproximadamente 88 bilhões de buscas na internet. Isso significará mais contatos e orçamentos e novas oportunidades para vender mais.

3 – Aumentando o ticket médio

Há empresários que dizem estar assustados, pois a circulação de clientes na loja reduziu em 20%. Então se entra menos gente na loja, utilize o tempo que sobra para fazer uma venda consultiva, aquela que você primeiro precisa escutar, entender seu cliente para só depois atender. Treine sua equipe para criar uma verdadeira experiência de compra com seu cliente, assim conseguirá vender mais para o mesmo cliente.

4 – Diferenciação

Uma pesquisa da Nielsen aponta que, na hora de comprar, o cliente prioriza alguns requisitos em relação ao preço do produto. Um deles é a conveniência. Certa vez, precisei comprar uma peça para o automóvel da minha esposa e liguei para 2 lojas. O vendedor da primeira atendeu de forma regular e limitou-se a responder o preço. Já o segundo profissional foi muito cordial, escutou atentamente minha necessidade, apresentou as possibilidades para resolver meu problema e disse que, por uma pequena quantia a mais, a loja entregaria a peça em minha casa e instalaria no carro da minha esposa. Adivinhe em qual loja eu comprei?
Isso é diferenciação, conveniência para o cliente e qualidade no atendimento que  agrega valor e potencializa as vendas.

5 – Parcerias com não concorrentes

Que tal dobrar as possibilidades de vendas sem gastar um real? Já pensou em somar os clientes de outra empresa em seu banco de dados? Outro dia um restaurante e uma agência de viagem fizeram uma parceria interessante. O restaurante tinha cinco mil clientes cadastrados e a agência algo em torno disso também. Uma empresa divulgou o seu produto na base de dados da outra e novos clientes apareceram.

6 – Promova um evento

Mexa-se! Ficar parado reclamando não aumentará as vendas. Crie uma oportunidade e chame seu cliente! O que acha de fazer um evento e oferecer para ele? Outro dia, minha esposa recebeu um convite de uma concessionária de veículos para um coquetel de lançamento de um automóvel. Lá foram 200 pessoas e, com elas, muitas oportunidades de se fechar um negócio.

7 – Esforço extra

Reúna sua equipe, explique o momento atual e motive a todos para fazer um esforço extra. Peça para que cada profissional pense e se comprometa a dar um algo a mais nesse período. Anote no papel e cobre isso na próxima reunião de equipe.

Recentemente, criei uma palestra cheia dessas ações simples, fáceis e baratas, mas que, às vezes, na correria do dia a dia, não identificamos e não praticamos. Fique atento justamente a detalhes como esses, afinal, costumamos tropeçar nas pedras pequenas, pois as grandes vemos de longe.

Para se ter uma ideia da importância de inovar para não sucumbir, em 1973 a Exame/FGV elaborou um ranking com as 500 maiores empresas do Brasil. Atualmente, 77% dessas organizações simplesmente desapareceram conforme aponta um estudo da Fundação Dom Cabral.

Portanto, agora é a hora, inove, seja ainda mais proativo e saiba que, daqui a algum tempo, será muito motivador lembrar que o sacrifício foi momentâneo, mas a vitória ficará para sempre!

Erik Penna é especialista em vendas, consultor, palestrante e autor dos livros “A Divertida Arte de Vender” e “Motivação Nota 10”. Site:www.erikpenna.com.br

Opinião: Mais política menos ódio

Por Daniel Finizola 

Após eleger o congresso mais conservador desde os tempos da ditadura, o Brasil vive uma das piores ondas conservadoras de sua história. Hoje observamos nas ruas e nas redes sociais a propagação de um discurso odioso, machista, racista, que prega a intolerância e fere princípios democráticos e constitucionais.

Basta consultar a história pra perceber que o discurso de ódio ajudou a gerar figuras como Benito Mussolini e Adolf Hitler, governos marcados pela imposição de um modelo de sociedade sem nenhum respeito à diversidade cultural e política. Apesar de mais de sessenta anos da queda dos governos totalitários na Alemanha e na Itália as práticas fascistas estão vivas e com representações institucionais.

Nos últimos anos os governos do PT criou várias políticas de inclusão social que deram visibilidade e possibilidade de maior participação a negros e negras, LGBTs, mulheres e vários grupos que se encontram em situação de vulnerabilidade social. Não há dúvidas que isso vem mudando as relações de poder na sociedade, despertando uma reação conservadora de diversos setores.

É nesse contexto que o Brasil vem sendo tomado por pautas que não apontam para a solução dos problemas do país, mas para o acirramento das diferenças sociais e manutenção de velhas estruturas políticas e econômicas. Redução da maioridade penal, terceirização do trabalho, retirada do marcador de transgênico dos produtos, são algumas das pautas conservadores que tomaram a agenda política nos últimos dias. Mas como fazer uma disputa com a sociedade de forma qualificada, com o debate sadio, sem ódio, com mais política e participação?

Foi pensado nesse contexto e indagação que o coletivo MAIS, tendência local do Partido dos Trabalhadores, decidiu realizar uma roda de diálogo com o tema “Mais Política, Menos Ódio”. Participarão do debate a Dep. Estadual e Presidenta do PT/PE Teresa Leitão e o Professor da UFPE Marcos Pedrosa. A atividade é aberta ao pública e vai acolher novas filiadas e filiados. O encontro será no SINPRO (Sindicado do Professores de Pernambuco) R. João Tupinambá, 42 B – 1° Andar – Nossa Sra. das Dores – CARUARU – a partir das 14h.

Daniel Finizola é professor, artista e vice-presidente do PT/ Caruaru.

Artigo: Você usa o WhatsApp? Eu não!

Por Dolores Affonso 

Há algum tempo, logo que o WhatsApp virou uma “febre”, um amigo me perguntou: “Você não usa o WhatsApp?” E eu respondi: “Não, meu celular não é acessível.” Bom, ele não entendeu muito bem o que eu queria dizer, já que todo mundo usa o “zap”. Quero deixar claro que, atualmente, eu também uso! Mas não usava antes e não era pelo fato de não gostar ou de não conhecer, mas pela falta de acessibilidade dos celulares e smartphones.

Até alguns anos atrás, somente poucos aparelhos como o Nokia tinham um leitor de telas muito rústico que realizavas algumas tarefas, como ler informações dos contatos da agenda etc. E até pouco tempo, a acessibilidade em celulares era mínima e apenas alguns aparelhos como Moto X e Moto G da Motorola, Nexus da Google e Iphone da Apple tinham opções melhores de acessibilidade. Atualmente, o Android e o IOS estão com inúmeras opções de acessibilidade, e até o Windows Phone já começou a incluir recursos de acessibilidade como leitor de telas, ampliador, audiodescrição, legendas, opções de áudio diversas, conversão em texto do áudio do sistema, facilidade de navegação, entre outros aplicativos que podem ser baixados e configurados para realizar diversas outras tarefas.

Mas o grande problema ainda é o fato de a maioria desses recursos não vir habilitado ou instalado, o que dificulta para a pessoa com alguma deficiência ou necessidade especial, tendo em vista as dificuldades em mexer no dispositivo sem o auxílio  dos recursos de acessibilidade. No meu caso, como deficiente visual (baixa visão), não consigo habilitar os recursos sozinha. Primeiro pelo fato de muitos fabricantes já terem realizado alterações, como no caso de aparelhos com sistema operacional Android, e terem desabilitado o Talkback (leitor de telas nativo), o que impede sua inicialização automática na primeira vez em que se liga o aparelho.  E, por fim, a pessoa com deficiência visual, por exemplo, acaba dependendo de terceiros para instalar e/ou ativar o Talkback, quando é possível, pois muitas empresas excluem, desabilitam esta funcionalidade e fica muito difícil fazê-lo funcionar.

No caso do IOS, é mais simples habilitar o leitor de telas Voice Over, assim como os diversos recursos de acessibilidade existentes na aba acessibilidade nas configurações gerais do aparelho. Lá é possível habilitar fontes grandes, negrito, contraste etc., além do leitor de telas e audiodescrição para deficientes visuais. Também podemos mudar o áudio para mono ou habilitar recursos para aparelhos auditivos e legendas para surdos e deficientes auditivos. Outra possibilidade é habilitar o assistive touch e controle assistivo que auxiliam pessoas com mobilidade reduzida no controle e navegação.

Mas, como falei antes, nada disso vem habilitado e a pessoa com deficiência precisa pesquisar o dispositivo ou a internet para descobrir como deixar seu celular acessível.

Recentemente, encontrei a marca de celulares Doogee, uma empresa chinesa que está se instalando no Brasil e, durante o Congresso de Acessibilidade, enviei uma proposta sobre acessibilidade. Eles gostaram da ideia de tornar seus aparelhos acessíveis e, com isso, se dispuseram a oferecer dispositivos já configurados e habilitados com aplicativos e recursos de acessibilidade nativos do Android, como o Talkback, e instalados, como aplicativos de lupa, Libras, Braille, GPS etc., ou seja, o celular já vai pronto para o usuário. Fui convidada a testar seus aparelhos e tenho gostado bastante. Sempre há alguns pontos a serem relatados e melhorados, mas, no geral, estão conseguindo um bom trabalho e facilitando a vida das pessoas com deficiência.

Existem muitos aplicativos e recursos que ajudam as pessoas com deficiência, como por exemplo:

Escaner que converte texto em áudio; conversor de fala em texto (e-mail, SMS, texto etc.); GPS, que ajuda na localização, no direcionamento etc.; para chamar taxi, aumentar fontes, mudar teclado, melhorar visibilidade; navegação assistida; lupa; binóculos; leitores de tela; sintetizadores de voz; atendimento automático de chamadas; comando de voz para automatizar tarefas; ativar viva voz; leitor de livros; reconhecimento de cores, objetos, notas de dinheiro; pesquisa por voz; alarmes; aplicativos de Braille, Libras, aprendizado e muito mais.

Se você tem alguma sugestão de aplicativo, mande para nós, pois estamos enviando diversos relatórios, solicitações e indicações para a Doogee Brasil configurar os aparelhos já com o que há de melhor.

No futuro, estamos propondo que criem aparelhos diferentes, segmentando os recursos de acessibilidade por tipo de deficiência e necessidade especial, ou seja, celulares para deficientes visuais, auditivos, físicos, intelectuais etc.

Nenhuma empresa antes havia se preocupado com as pessoas com deficiência especificamente, então, o Congresso de Acessibilidade decidiu apoiar a iniciativa.

E, vale lembrar, que dá para usar o WhatsApp!

Dolores Affonso é coach, palestrante, consultora, designer instrucional, professora e idealizadora do Congresso de Acessibilidade (www.congressodeacessibilidade.com)

Artigo: Para ter sucesso em vendas e ganhar fãs, trate todos os clientes como VIPs!

Por José Ricardo Noronha

Vivemos um tempo de aceleradas mudanças. De um lado, clientes mais exigentes e informados, além de concorrentes cada vez melhores e poderosos. De outro, muito poucas empresas e profissionais que conseguem (de fato!) surpreender, oferecendo experiências memoráveis e marcantes a seus clientes. Isso acontece principalmente em virtude da falha na customização e personalização destas experiências às reais necessidades, desejos e sonhos de quem está do outro lado.

Diante desse cenário, clientes são cada vez menos leais e fiéis às marcas e aos produtos e serviços, muito devido ao pouco carinho e cuidado dedicados para atendê-los plenamente em suas individualidades e necessidades.

Para te ajudar no tão fundamental processo de transformação dos seus clientes em “fãs”, compartilho com você mais uma “dica de ouro” das empresas e dos profissionais que têm conseguido se destacar: trate todos os seus clientes como VIP!

É bem possível que, em sua jornada profissional e até mesmo na sua empresa, você já tenha ouvido que todo cliente é VIP (“Very Important Person” – Pessoa muito importante). E tenho certeza de que irá concordar comigo que, de fato, todo cliente é mesmo VIP, pois ele é a pessoa mais importante para toda e qualquer organização. É para ele que vivemos e é por ele que existimos!

E quando falamos em excelência no atendimento ao cliente, uma empresa se destaca como uma das maiores referências: a Disney. Esta companhia mágica, além de nos brindar com seus personagens deliciosos liderados por Mickey Mouse, compartilha conosco também lições que podem e precisam ser implementadas em nossos negócios. E tudo isso sempre com foco absoluto na criação e fortalecimento de diferencial competitivo praticamente imbatível: o atendimento espetacular.

Não sei se você sabe, mas a Disney não tem clientes. Sim, você leu corretamente! A Disney, não tem clientes. Ela tem “convidados”. É assim que ela chama todos os seus milhões de clientes no mundo todo.

Convidados que, de tão encantados, se transformam em verdadeiros embaixadores da Disney pelos quatros cantos do planeta, exatamente como eu faço aqui neste artigo, sem ganhar um tostão sequer deles (até porque eu não tenho qualquer vínculo oficial com a Disney).

Além disso, eles não têm empregados. Eles têm “membros do elenco” (ou “cast members”). Isso deixa claro a todos que de um lado existem milhões de convidados e, do outro, milhares de membros do elenco. Assim, forma-se o cenário para um grande “show”. O show do atendimento, do encantamento e da superação das expectativas de todos os clientes. Repito: todos!

E eles fazem isso ao tratar todo e qualquer convidado como VIP. O VIP que já conhecemos e falamos anteriormente se relaciona à “pessoa muito importante”, mas, na Disney, o conceito é à “pessoa muito individual”. É verdadeiramente cini são todos os nossos clientes e que sempre trazem consigo necessidades, desejos, sonhos e preocupações bastante distintos.

De nada adianta você dizer e propagar pelo mercado que “atendimento ao cliente é prioridade número 1 da sua empresa”. Mais importante que dizer é fazer! Faça com que cada um se sinta verdadeiramente único para você e para a sua companhia.

Antes de falar sobre quão verdadeiramente bons são os excelentes produtos e serviços que você comercializa, busque entender profundamente as necessidades, desejos e sonhos do cliente. Busque de todas as formas que puder não apenas entender o que ele precisa, mas, principalmente, o que ele valoriza.

Faça perguntas claras, como: “O que ou quais são os elementos/atributos/características que o Sr./Sra. mais valoriza neste produto ou serviço?”. Ao entender bem o que ele valoriza, daí, sim, você irá incorporar os pontos que ele mesmo compartilhou com você no seu discurso de vendas. E será tudo customizado e personalizado para cada cliente, fazendo com que ele realmente se sinta único e com seus desejos e individualidades compreendidas. Isso o fará se sentir  realmente VIP!

Entenda as necessidades, atenda com excelência, venda grandes experiências e supere as expectativas dos seus clientes.

Busque de forma incansável transformá-lo em seu “fã”, pois “fãs” são seus maiores defensores e embaixadores no mercado. E, além disso, não cobram um tostão sequer para te “vender” aos seus amigos e familiares.

José Ricardo Noronha é vendedor, palestrante, professor, escritor e consultor. Formou-se em Direito pela PUC/SP e tem MBA Executivo Internacional pela FIA/USP. Possui especialização em Marketing, Empreendedorismo, Empreendedorismo Social e Vendas pela Owen Graduate School of Management e é Professor dos MBAs da FIA. É autor dos livros “Vendedores Vencedores” e “Vendas. Como eu faço?”. www.paixaoporvendas.com.br

OPINIÃO: Datas, significados e memórias

Por ELAINE VILAR*

Nascido como um dia de luta dos trabalhadores, o 1º de Maio foi inicialmente proposto pela segunda Internacional Socialista, reunida em 1889 na cidade de Paris, para homenagear as lutas sindicais ocorridas nas ruas de Chicago, em 1886, pela redução da jornada de trabalho de 10 para 8 horas diárias. Os primeiros de maio dos anos seguintes se destacaram devido a manifestações trabalhistas convocadas por correntes e partidos comunistas em diversos países.

Em 1891, uma dessas manifestações, no norte da França, foi marcada pela morte de dez manifestantes como consequência da forte repressão policial ao evento. O fato fez com que a Internacional Comunista de Bruxelas adotasse a data como dia internacional de reivindicação de condições de trabalho.

Em 1919, o Senado francês ratificou o dia de 8 horas de trabalho e, para inibir as manifestações “comunistas”, proclamou o dia 1º de Maio como feriado. No ano seguinte, a União Soviética transformou o dia em feriado nacional e diversos outros países lhe seguem o exemplo.

Da história e significado original da data, pouco tem se mantido nos últimos anos. Na contemporaneidade nacional, assistimos centrais sindicais que promovem verdadeiros eventos de “Pão e Circo”, com show de bandas e artistas com cachês bem distanciado do salário dos trabalhadores, premiações e sorteios que nada fazem lembrar as bandeiras e reivindicações ou sacrifícios dos homenageados.

Chegamos ao ponto de nos perguntar: comemorar o que no primeiro de maio? Dia do Trabalho? Dia do Trabalhador? A data deveria nos lembrar que tantos direitos, hoje aparentemente banais, estão na mira das letras aniquiladoras de emendas e projetos de lei, a fim de atender interesses que nem se dão mais ao trabalho de se dizerem ocultos, uma vez que guardam seus espaços legais de poder e decisão nas bancadas da Câmara e do Senado Federal, pública e publicitariamente divulgados como um trunfo.

Mas se a memória falha ou se deixa corromper, a história não abre mão de suas sínteses trágicas e episódios irônicos. Episódio como o vivenciado pelos professores do Paraná parece querer reacender nossa memória e alertar-­nos para o significado original de lutas que não podem ser relegadas às regiões mais obscuras e profundas da memória, pois os ataques contra diretos de toda natureza não cessam.

A truculência do Governo do Paraná contra os trabalhadores da educação demonstra aterradoramente a necessidade de nos manter alerta a certas ressignificações ou, pelo menos, de reavivarmos o significado histórico desta e de outras datas.

*Elaine Vilar é jornalista e servidora do Tribunal de Justiça de Pernambuco

OPINIÃO: Agora está tudo bem….

Por MAURÍCIO ASSUERO*

Devo ter perdido a noção do tempo ou as coisas estão de uma forma bem mais maleável. Refiro-me ao balanço da PETROBRAS divulgado no dia 22.04. De um modo simplista a presidente Dilma colocou que a divulgação do balanço virava a página e pronto: a partir de agora está tudo bem… diga-se, muito bem.

A empresa teve um prejuízo de R$ 21,6 bilhões decorrente da perda de ativos, da defasagem de preço em relação ao mercado internacional e, principalmente, decorrente da corrupção. Então, no entendimento de Dilma parece que a coisa é mais ou menos assim: “agora vocês já sabem o resultado dos exames do paciente, a doença que ele tinha é mais complicada do aquele que fizemos vocês acreditarem, mas vamos fazer uma “vaquinha” para comprar o remédio certo para o doente não morrer”. Em momento algum, a presidente deu uma palavra sobre o “tratamento” que o doente deve ter, ou seja, nenhuma palavra sobre qualquer mecanismo de recuperação de ativos, de modificação na política de preços, sobre as inúmeras dúvidas que pairam sobre os investimentos internacionais, enfim… agora está tudo bem!

É preciso destacar, ou reconhecer, a importância da divulgação do balanço. De fato, sem ele a PETROBRAS estaria definhando numa velocidade maior porque sempre estaria sob a suspeita de que outros danos imorais pudessem, ainda, aflorar. Por outro lado, o número divulgado está bem longe daquele encontrado no balanço do terceiro trimestres de 2014, que foi divulgado por Graça Foster, que estimava “uma baixa contábil” de R$ 88 bilhões. Entre estes dois fatores não se observou nenhum fenômeno que justificasse tamanha diferença, mas é mais simples – embora pouco crível – que a ex-presidente da estatal cometeu um erro de avaliação. No fundo, a análise de balanço acaba sendo uma mera formalidade. É uma consulta ao mercado ou como se diz mais popularmente: você finge que me conta a verdade e eu finjo que acredito. Pronto.

Um segundo ponto que merece destaque é que a PETROBRAS está no mercado em busca de crédito. Conseguiu US$ 3,5 bilhões de investidores chineses; tem proposta de crédito sendo analisada pelo Banco do Brasil, pela Caixa Econômica e pelo Bradesco. Primeiro, a entrada do Banco do Brasil ou da CEF como credor da PETROBRAS deveria ser repensada. Na verdade estes bancos deveriam declinar da análise e passar a bola para agentes privados. Estes bancos pagam as contas do governo e, por isso, ficará esquisito identificar o que dinheiro de crédito e o que é um simples repasse. Se ocorrer o governo estará institucionalizando a “pedalada fiscal”. Então, tudo se resume a transferir o “osso” para bancos privados? Não é isso! Os bancos privados sabem que não possuem a máquina do governo para socorrer e só entrariam numa proposta dessa e enxergassem retornos.

O que precisamos, realmente, é acabar com essa celeuma, mas não na base do “esqueça o que passou e eu lhe prometo…”. É estranho a PETROBRAS recorrer a empréstimos quando poderia se capitalizar via debêntures ou ações. Mas nós sabemos a razão: olha o preço da ação!

*Maurício Assuero é economista e professor da UFPE

Opinião: Seca e racionamento de água

Por Demóstenes Veras

A escassez crônica de água tem atingido moradores de várias cidades do Agreste e do Sertão de Pernambuco. Nas duas regiões, a situação atual está bem pior, em comparação ao mês de janeiro do ano passado. A informação é da Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), que considera complicada a acumulação hídrica em vários municípios do Estado. Nove deles, segundo a agência, possuem reservatórios em estado de colapso – ou seja, secaram totalmente ou estão com baixos níveis de água.

A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) também informa que, no Agreste, outras três cidades vivem a mesma situação. Todas estão sendo abastecidas por carros-pipa.  Qual é a novidade deste quadro? Nenhuma. A seca é cíclica.  E a solução por parte da COMPESA? Racionamento! Em Caruaru, a partir de primeiro  de maio, teremos três dias com água e quatro sem água.

Em dezembro de 2013, tivemos a oportunidade de realizar na Câmara Municipal de Caruaru, uma audiência pública para denunciar e tratar desta questão. Mostramos na oportunidade, que a seca é um fator fundamental que afeta diretamente a economia do Estado, fragiliza as famílias no seu dia-a-dia e proporciona inclusive, fome e doenças. Tenho a clareza de que este problema não será combatido nem resolvido apenas com o  gerenciamento do Governo do Estado, mas com ele também. É necessário que as lideranças de Pernambuco pressionem o Governo Federal, porque a seca é uma questão de ausência de uma política nacional de combate e convivência com a mesma, como é o caso por exemplo, de falta de planejamento a atraso em obras importantes como a transposição do Rio São Francisco.

Na esfera municipal é importante que algumas frentes de luta sejam abertas e coordenadas pelo Poder Executivo Municipal. Os nossos irmão da Zona Rural precisam ser melhor atendidos com mais carros-pipa; que poços artesianos possam ser aberto, e que investimentos que não dependam da água possam ser planejados para propor fontes de emprego e renda enquanto a seca permanece.

Demóstenes Veras é Médico e Vereador em Caruaru.