Ministério lança ações para reduzir 20% mortes de bebês e crianças indígenas até 2019

O Ministério da Saúde lançou nesta quarta-feira (23) em Manaus, uma série de ações para reduzir em 20% mortes de bebês e crianças indígenas com até cinco anos de idade. A meta deve ser atingida em 2019. Objetivo é fortalecer e ampliar a assistência impactando nos óbitos evitáveis, causados, por exemplo, por doenças respiratórias, parasitárias e nutricionais. Isso porque, ao contrário do que acontece no restante do país, metade das mortes de bebês indígenas acontece após o primeiro mês de vida. Outra ação que ampliará a assistência para essa população é a entrega de Unidades Básicas de Saúde Fluviais que atenderão ribeirinhos de municípios nos estados do Amazonas e Pará.

A Agenda lançada nesta quarta-feira tem cinco metas: garantir que 85% das crianças menores de cinco anos tenham esquema vacinal completo; ampliar para 90% as gestantes com acesso ao pré-natal; implementar as consultas de crescimento e desenvolvimento para crianças indígenas menores de 1 ano, chegando a 70%; ampliar para 90% o acompanhamento pela vigilância alimentar e nutricional as crianças indígenas menores de 5 anos e investigar, ao menos, 80% dos óbitos materno-infantil fetal.

O foco será no reforço do acompanhamento de gestantes e crianças indígenas e na qualificação de profissionais de saúde em doenças prevalentes na infância, respeitando a diversidade cultural. O objetivo é impactar na diminuição de mortes consideradas evitáveis, já que 65% dos óbitos desses bebês são provocados por doenças respiratórias, parasitárias e nutricionais. Apesar de nos últimos 15 anos o índice de mortalidade infantil indígena registrar queda de 58% – em 2000 era 74,61 mortes por mil nascidos vivos e atualmente é 31,28 – a mortalidade ainda é quase três vezes maior do que a média nacional, de 13,8 óbitos a cada mil nascidos vivos.

“O modelo de assistência indígena é diferente, pela própria característica de distância que as aldeias estão das estruturas de saúde. Por isso, estamos buscando mais resolutividade nas ações de saúde para que possamos melhorar os índices que, lamentavelmente, não são os mesmos da média dos demais brasileiros”, enfatizou o Ministro da Saúde, Ricardo Barros.

A prioridade na implantação das ações é nos 15 Distritos Sanitários Especiais Indígenas, cujo índice de mortalidade está acima da média ponderada/ano, são eles: Maranhão; Yanomami; Xavante; Caiapó do Pará; Alto Rio Juruá; Alto Rio Purus; Altamira; Amapá e Norte do Pará; Médio Rio Purus; Rio Tapajós; Mato Grosso do Sul; Alto Rio Solimões; Tocantins; Porto Velho e Vale do Javari.

AÇÕES – Para o maior acompanhamento de gestantes e crianças, a pasta vai elaborar protocolos de atenção à saúde integral da criança indígena; adaptar e ofertar a caderneta de Saúde da Criança; elaborar metodologia para distribuição dos kits de Crescimento e Desenvolvimento Infantil (suplementos, medicamentos e equipamentos de monitoramento nutricional); promover o estímulo à amamentação; elaborar “Guia Alimentar dos povos Indígenas Brasileiros” e estruturar rede de frios nos DSEI prioritários (armazenamento das vacinas e outros insumos).

Ainda com foco no reforço da assistência, o Ministério da Saúde vai incentivar o aumento de consultas de retorno e/ou visitas domiciliares para acompanhamento da criança doente; articular a rede de saúde para o atendimento em média e alta complexidade; capacitar profissionais para aprimorar os trabalhos nos Distritos Sanitários Especiais Indígenas; implantar e implementar a triagem neonatal com enfoque no teste no pezinho e ampliar a imunização indígena. “Encontramos, com o Mais Médicos, um modelo que possibilitou o atendimento básico, mas, no caso dos indígenas, para média e alta complexidade, temos que construir outra solução, porque não é só construir Hospitais. Por isso, estamos buscando mais resolutividade e otimização das ações”, afirmou Ricardo Barros.

Em outro eixo de ações, o Ministério da Saúde vai estimular a utilização de tecnologia e pesquisa para qualificar a assistência indígena. Para isso, vai capacitar profissionais de saúde e comunidade indígena na identificação das doenças mais prevalentes na infância com apoio do Instituto Materno-Infantil Professor Fernando Figueira (IMIP), em Recife/PE – AIDPI; implantar o telessaúde nos Pólo Base prioritários e realizar conferências regionais, cursos à distância de cuidado integral e interculturalidade. Ainda tem medidas para qualificar os dados sobre nascimento, óbitos, imunização e de segurança alimentar e nutricional em crianças menores de 05 anos e discutir critérios e parâmetros para a integração com outros benefícios sociais, como Bolsa Família e Assistência Social.

RECURSOS – O orçamento da saúde indígena, nos últimos cinco anos, cresceu 221%, passando de R$ 431 mil em 2011 para R$ 1,4 bilhão neste ano. Atualmente, existe no país 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas que contam com 510 médicos, sendo que 65% são do Programa Mais Médicos. “Tenho feito uma gestão austera, reduzindo custos, economizando recursos, ampliando os atendimentos. Espero que as parcerias com municípios e estados, possibilitem a construção do Brasil melhor, como todos precisamos”, ressaltou o Ministro da Saúde.

Para o atendimento direito aos diversos povos e etnias, são 1.286 UBSI (unidade básica de saúde de indígena), 354 Polos Bases (unidade de referência) e 68 CASAI (tratamento e acompanhamento). Ao todo, são 22 mil trabalhadores em saúde, sendo 50% indígenas.

Em 2015, mais de 99 mil crianças foram vacinadas, 78,9% das crianças indígenas menores de sete anos. Em 2014, mais de 62 mil crianças de até cinco anos (67,9%) receberam acompanhamento nutricional. Em 2013, 80% das gestantes passaram pelo pré-natal.

UBS FLUVIAIS – Ainda para ampliar a assistência à saúde, o Ministro da Saúde, Ricardo Barros, também entregou para a população ribeirinha e indígena da região do Amazonas e Pará, cinco Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSF) e anunciou a construção de outras duas unidades. Juntas, elas darão assistência às populações de sete municípios: Melgaço e Paratinins, no Pará e Anamã, Barreirinha, Beruri, Itacoatiara e São Paulo de Olivença, no Amazonas. “A saúde é feita com união de esforços. Por isso quero parabenizar aos gestores que tem a coragem de assumir o custo e gerenciamento dessas estruturas fluviais, junto com a União. Que possamos, de fato, melhorar a qualidade da saúde que prestamos a população ribeirinha”, enfatizou o ministro.

O investimento total na construção dessas unidades foi de R$12,2 milhões, que vão receber custeio mensal do governo federal entre R$ 80 mil e R$ 90 mil assim que iniciarem o funcionamento.

As embarcações estão equipadas para realizar todos os procedimentos que uma Unidade Básica de Saúde tradicional realiza, como curativos, inalações, drenagem de abcessos, suturas, retiradas de pontos, injetáveis, retiradas de corpos estranhos, pré-natal, planejamento familiar e preventivo, saúde do homem, do idoso e do adolescente, teste do pezinho e puericultura, imunização, controle de hipertensão, diabetes, hanseníase e tuberculose, consultas de enfermagem, médicas e odontológicas, além de ações de promoção e prevenção de saúde e visitas domiciliares.

Cada UBSF conta com um médico generalista, um enfermeiro, dois técnicos de enfermagem, um dentista, um técnico de higiene bucal, um biomédico, um técnico em análises clínicas e agentes comunitários de saúde.

EXPEDICIONÁRIOS DA SAÚDE – Ainda no estado do Amazonas, o Ministro da Saúde, Ricardo Barros, visitou a Ação Expedicionários da Saúde, realizada na aldeia Assunção do Içana – Distrito Sanitário Especial Indígena do Alto do Rio Negro, localizado no município São Gabriel da Cachoeira/AM.

Voltada a 36 mil índios aldeados na região do Alto Rio Negro, no Amazonas, a ação conta com 45 médicos voluntários, que atuam em hospitais de referência como Albert Einstein e Sírio Libanês, em São Paulo. A previsão é que sejam realizadas, até 24 de novembro, 400 cirurgias de tracoma/triquíase, catarata, hérnia, e outros procedimentos nas áreas de ginecologia, pediatria e cirurgia geral, além de 3 mil atendimentos.

Para possibilitar a realização desses procedimentos, o Ministério da Saúde destinou recursos para instalação adequada dos equipamentos em um hospital na cidade de São Gabriel e contou com o apoio do Ministério da Defesa no transporte de 15 toneladas de equipamentos que permanecem no município até abril de 2017. Além disso, foram enviados os medicamentos necessários para o atendimento da atenção primária, e mais de 70 profissionais, entre enfermeiros e técnicos do Distrito Sanitário Especial Indígena do Alto Rio Negro (DSEI), realizaram a triagem dos indígenas para os procedimentos.

Em 35 edições, desde 2004, as equipes dos Expedicionários da Saúde já realizaram mais de 6 mil cirurgias e mais de 35 mil atendimentos especializados. A área coberta pelas ações dos voluntários é equivalente ao território da França, sendo a grande maioria de terras indígenas demarcadas.

Em Gravatá, Programa Mais Educação oferece ensino integral para crianças e adolescentes

O Programa Mais Educação, voltado para o Ensino Fundamental, consiste no desenvolvimento de atividades de educação integral que expandem o tempo diário na escola para, no mínimo, sete horas. A ação, que amplia as oportunidades educativas dos estudantes garantindo, assim, a alimentação necessária (almoço e lanches nos intervalos) e acompanhamento educacional,  em Gravatá, é oferecido pela Prefeitura, através da Secretaria de Educação. Por meio dele, são oferecidas oficinas distribuídas nos seguintes macrocampos: Acompanhamento Pedagógico, Educação Ambiental, Esporte e Lazer, Cultura e Artes.

A ampliação do cenário educativo e das oportunidades formativas, promovidas pelo programa, remete a uma educação diferenciada e cativante que compreende o ser humano em todas as suas dimensões.  Para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social, o programa é uma forma de fortalecer o aprendizado e desenvolvimento, além de oferecer tranquilidade aos pais que, com a ação, podem trabalhar sabendo que os seus filhos estão bem cuidados e protegidos na escola.

Este ano, em Gravatá, o número de escolas atendidas foi ampliado. Passando de 06 unidades escolares para 26, em funcionando regular.

A secretária de Educação, Maria Ângela Andrade, vê no programa a oportunidade de melhoria no ensino escolar. “O convívio escolar é transformador, capaz de direcionar o aluno para outros horizontes. Com o Mais Educação, eles terão a oportunidade de buscar melhorias para suas vidas através da educação. O programa é muito eficaz e contribui ativamente para essa mudança na vida do estudante garantindo, assim, um futuro melhor para todos”, avaliou ela.

Crianças e adolescentes do Recife recebem aulas de música gratuitas na LBV

Crianças na Oficina de Música da LBV

Legião da Boa Vontade (LBV) realiza, diariamente, uma série de atividades lúdicas, culturais, recreativas e esportivas que auxiliam no desenvolvimento socioeducacional e afetivo de crianças e adolescentes. Uma dessas iniciativas é a Oficina de Musicalização, que trabalha a disciplina, a prática de hábitos saudáveis e a vivência de bons valores, por meio de conhecimentos teóricos e práticos do universo musical.

O pequeno Denison, de 12 anos, integra o Programa Criança: futuro no presente!, da LBV, e é umas das crianças que participam da Oficina. Para ele, além do conhecimento, os momentos lhe proporcionam paz e tranquilidade. “Eu me emociono com as letras das músicas. Quando eu canto eu sinto uma paz dentro de mim. Aqui na LBV eu aprendo muitas músicas que falam de respeito, união e amor”, disse o garoto.

Marlon Vinícius, de 13 anos, ainda não sabia qual carreira seguir no futuro. “Quando entrei na LBV escutei o som do violão e gostei. Hoje eu tenho certeza que quando eu crescer vou ser um músico profissional ou um professor de música”, ressaltou.

“A música é transformadora e ajuda no vocabulário da criança, na atenção, na criatividade, coordenação motora e no comportamento. Tenho visto muitas transformações nas crianças”, afirmou o educador social Everson Lima, responsável pela Oficina de Musicalização.

O projeto é voltado para crianças de 06 a 15 anos, oriundas de comunidades em situação de vulnerabilidade social do Recife. No Centro Comunitário de Assistência Social, da LBV, os atendidos participam também de Oficinas de Dança, Esporte, Informática, Cidadania Ecumênica, dentre outras. Todas as atividades são oferecidas de forma gratuita, além da alimentação e fardamento, que recebem no local.

Visite e ajude! Dirija-se a Rua dos Coelhos, 219 – Coelhos. Para outras informações, ligue: (81) 3413-8600 ou acesse www.lbv.org.

Adaptação da criança na escola: Será que fiz a escola certa?

Antes de decidir em qual escola matricular seus filhos, os pais fazem um intenso trabalho de pesquisa e conhecimento. Depois de pensar, refletir, conversar e ponderar, enfim vem a definição.

“Mesmo assim, é comum que no momento da adaptação da criança surja a desconfortável dúvida: Será que fiz a escolha certa? Isso faz parte desse processo e o importante é se manter seguro e confiar em sua intuição, afinal foi ela que o ajudou na hora da escolha. O processo de adaptação requer cuidados especiais da escola e dos pais. As crianças ainda não possuem recursos internos suficientes para lidar com situações que não experimentaram anteriormente. Cabe aos pais e a escola, facilitar o ingresso da criança nesse novo mundo”, diz Deyse Ford Racy Haddad, diretora da Tiny People Bilingual School.

1- Na mão dos pais:
-Muito do sucesso de uma adaptação sem traumas pode estar nas mãos dos pais. Desde a maneira como conduzirão o relacionamento com a escola, até a segurança que será transmitida, tudo se reflete na maneira como ela vai lidar com essa situação.

2- Despedidas:

-Despedidas duradouras e às vezes dramáticas ou carregadas de emoção, farão com que soe um alerta de perigo na cabeça da criança, uma vez que seus pais estão preocupados e ansiosos. Independentemente do comportamento delas, os pais devem procurar dar um tom leve e prático às despedidas. Difícil, não é? Mas é fundamental para que a criança perceba que não existe a opção de seu choro prolongar a permanência do pai ou da mãe na escola, o que só aumentaria a ansiedade da criança.

3- Permanência:

– Inicialmente, os períodos de permanência na escola devem ser curtos, aumentando gradativamente de acordo com a aceitação da criança. É importante ressaltar que neste p eríodo, a participação dos pais (ou outro responsável) junto a ela, facilita a exploração e a sua integração com o espaço físico e social da escola.

4- Confiança:
– É fundamental confiar na experiência da escola e de seus profissionais. Essa confiança é o primeiro passo para que a criança também se sinta segura no novo local.

5- Ambiente novo:
-O início da vida escolar é um acontecimento significativo para toda a família, que terá dois grandes desafios pela frente: o ambiente desconhecido e a separação da mãe. Na maioria das vezes, é com a entrada na escola que a criança começa a lidar com outros adultos que não seus pais nem familiares, por isso, ela deve sentir que o ambiente lhe oferece carinho, afeto e segurança, semelhante ao que sente em casa. O mundo da criança com sua família está apoiado em bases sólidas e confiáveis. Um mundo mais amplo a espera para acrescentar sua parte ao que ela já construiu como mode lo de vida.

“ É fundamental que os pais estejam tranquilos com a decisão tomada e a escola feita. Tenham paciência e respeitem o ritmo da criança, pois cada uma tem seu tempo para se adaptar à nova rotina. Qualquer dúvida, perguntem e sigam a orientação da coordenação e direção da escola. Boa sorte!”
, finaliza Deyse.

Shopping Costa Dourada promove bailinho de Carnaval para as crianças

IMG-20160111-WA0043
Já em clima de Carnaval, o Shopping Costa Dourada promoverá, nos dias 30 e 31 de janeiro, duas animadas festas infantis com desfiles de fantasias, muita música e brincadeiras. Os bailinhos fazem parte do circuito ‘Diversão de Verdade Treloso’, desenvolvido em parceria com a Vitarella e a Playtoy. O folião-mirim melhor caracterizado e mais animado será premiado com kit Treloso + cartão PlayToy. A avaliação será feita pela plateia e os três primeiros colocados vão receber brindes.

A festa será animada pelos grupos musicais Barca Maluka (dia 30) formada por bichos de pelúcia que tocam de verdade e Cordelândia (dia 31) trazendo muito cordel e maracatu. Os shows acontecem sempre a partir das 17h.

O espaço ‘Diversão de Verdade Treloso’, montado na Praça de Eventos, conta com atividades de arvorismo e uma casa na árvore que garantem a diversão da garotada. O equipamento de arvorismo representa uma floresta e conta com vários desafios que devem ser enfrentados pelas crianças. A brincadeira envolve travessia suspensa, parede de escalada, quatro pontes e escorrego. Já a Casa na Árvore conta com a área de casinha, escorrego, piscina de bolinha, cama elástica e fliperama.
Para participar das brincadeiras, basta adquirir o ingresso no valor de R$ 10 e escolher uma das atividades para recreação. Os pais ou responsáveis que levarem uma embalagem de qualquer produto Treloso, ainda ganham 50% de desconto no valor do ingresso.

Conheça mais sobre o centro de compras através do site www.shoppingcostadourada.com.br

Rede socioassistencial conta com centros de acolhimento para crianças e adolescentes

_MG_0754

Reordenada em maio de 2010, a Fundação Mansão da Vida, que funcionava no Sítio Brejo Novo, área rural de Caruaru, deu origem a duas casas de acolhimento para crianças  e adolescentes de acordo com a faixa etária.

O Centro da Criança e do Adolescente I, que é voltado para crianças com idade de 0 aos 9 anos, e o segundo acolhe crianças  e adolescente dos 9 anos completos aos 18 anos em situação de risco  pessoal e social, com perda de vínculo familiar provisório ou com vínculos familiares já rompidos, promovendo e garantindo  proteção integral aos que se encontram temporariamente afastados de suas famílias e comunidade, até que se restabeleça o direito a convivência familiar e comunitária.

Cada unidade tem capacidade para acolher até 20 crianças e adolescentes. Os espaços contam com quartos, banheiros, lavanderia, brinquedoteca, espaço recreativo e enfermaria, contando também com um corpo funcional composto por coordenadora, assistente social, psicóloga, pedagoga, cuidadores sociais,  cozinheiras,  lavadeiras, motoristas, técnica em enfermagem e nutricionista.

Para a coordenadora de um dos centros, Lylian Freire, a mudança para a zona urbana oferece uma maior proximidade  com a rede de atendimento, facilitando o acesso às unidades de ensino, praças, parques e demais equipamentos comunitários, já que continuam frequentando creches e escolas da rede municipal de ensino. “A mudança para a zona urbana foi de suma importância para a reorganização do espaço físico, melhorando o atendimento individual o que proporcionou a divisão por idade e respeitando-se o grupo de irmãos, como preconiza o Estatuto da Criança e do Adolescente”, enfatizou a coordenadora.

O Centro I fica localizado no bairro Maurício de Nassau, e a segunda casa, que acolhe crianças  e adolescente dos nove aos 18 anos, fica situada  no bairro Rosanópolis. A visitação aos centros é restrita, só podendo ter acesso pessoas autorizadas pela Vara da Infância e Juventude do município.

No local onde se localizava a Mansão da Vida, no Sítio Brejo Novo, agora funciona o Centro de Atendimento aos Usuários de Drogas-Caud, criado para acolher, proteger e atender dependentes químicos dos 12 aos 17 anos, através dos serviços de acolhimento institucional. O trabalho que é feito em parceria com o Governo Estadual tem por objetivo a proteção integral de indivíduos que se encontram com os vínculos familiares fragilizados ou rompidos e necessitem ser afastados de seu  núcleo familiar ou que estão em estado de abandono.

Crianças carentes da Vila do Pará receberão presentes de Natal

Quinze crianças com idades entre 10 e 15 anos e que moram na Vila do Pará, distrito do município de Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste de Pernambuco, terão a oportunidade de escolher, na manhã desta quarta-feira (23), que roupas vão vestir no Natal deste ano. Isso porque o piloto pernambucano de bicicross Mattheus Henning, patrocinado pela Rota do Mar, vai presenteá-las com as peças de roupa e acessórios que receberia da grife pernambucana nos quase quatro meses deste ano em que ficou afastado das pistas. A ação será realizada na megaloja da Rota do Mar, a partir das 10h, no Rota do Mar Complex.

A ação beneficente foi ideia do próprio Mattheus. “Conversei com o meu pai e ele gostou muito da ideia. Dar as roupas para esses meninos que precisam tanto é uma forma de agradecer pela minha recuperação e pelas conquistas desse ano”, comentou. Mattheus sofreu um grave acidente em abril, na final da segunda etapa do Campeonato Paulista Bicicross. Ele, que é natural da cidade, anualmente realiza ações beneficentes.

Com o patrocínio da Rota do Mar, o piloto recebe mensalmente vários produtos da grife. Na ação beneficente, além proporcionar aos meninos a possibilidade de escolherem as roupas na loja da empresa, também vai exibir vídeos de sua performance como piloto, apresentar o bicicross às crianças, distribuir calendários autografados e também disponibilizar suas bikes para os meninos ‘darem uma voltinha’. “O esporte pode mudar a vida das pessoas”, acrescenta.

Mattheus Henning, que também é patrocinado pelo Moda Center Santa Cruz, está cheio de planos para 2016. Em janeiro, parte para São Paulo onde passará um mês treinando forte para o Pan-americano de Bicicross, que acontecerá em março, em Santiago del Estero, na Argentina.

/**/

Brasil reduz em 36% o número de mortes de crianças no trânsito

O Brasil reduziu em 36% o número de mortes de crianças (0 a 10 anos) no trânsito na última década. Entre os anos de 2003 e 2013, esse número caiu de 1.621 para 1.054 vítimas. Cerca de 560 crianças foram salvas, sejam as ocupantes de veículos motorizados, sejam as que se deslocam a pé ou de bicicleta. Quinhentas crianças são diariamente vítimas fatais do trânsito em todo o mundo, segundo estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS). Como forma de chamar a atenção dos líderes mundiais, 500 crianças de escolas do Distrito Federal realizaram na manhã de ontem (16) uma mobilização na área externa do Congresso Nacional em Brasília.

O evento Save Kids Lives é uma campanha mundial e oficial, liderada por crianças e coordenada pelo grupo Colaboração Global das Nações Unidas para a Segurança no Trânsito. O objetivo é conclamar autoridades de todo o mundo a assumir compromissos e adotar medidas pela redução das mortes no trânsito. A Declaração das Crianças para a Segurança Viária já atingiu a marca de 1 milhão de assinaturas e será entregue pelos organizadores aos líderes mundiais e demais participantes da 2ª Conferência Global de Alto Nível sobre Segurança no Trânsito – Tempo de Resultados, que acontece nos dias 18 e 19 de novembro, em Brasília.

A mobilização Save Kids Lives, em Brasília, foi organizada pela FIA Foundation em parceria com a Aliança Global de ONGs pela Segurança no Trânsito, a Criança Segura (coordenadora brasileira da campanha) e a Policia Rodoviária Federal, com apoio de diversos órgãos do Governo do Distrito Federal (GDF) e da empresa Michelin.

“Esse é evento importante para chamar a atenção para o problema, e para que os países reforcem as medidas voltadas para proteger as crianças no trânsito, seja as ocupantes de veículos motorizados, seja as que se deslocam a pé ou de bicicleta”, afirmou a coordenadora do projeto Vida no Trânsito no Ministério da Saúde, Marta Silva, lembrando que o Brasil logrou reduzir as mortes de crianças no trânsito, na última década e meia, em cerca de 36%. “Campanhas educativas, aumento da segurança veicular e a lei da cadeirinha contribuíram para a redução”, destacou.

Ação do HMV já arrecadou centenas de brinquedos

O Hospital Mestre Vitalino iniciou nesta terça-feira (13) a entrega de presentes arrecadados às crianças internas na unidade. A ação faz parte da 2ª edição da Campanha Doe Felicidade, que mobilizou Caruaru e cidades vizinhas do Agreste e já arrecadou mais de 200 brinquedos. A campanha segue até o dia 30 de outubro.

Além da entrega dos presentes, a direção do HMV elaborou uma programação especial em que os colaboradores realizaram brincadeiras com as crianças e distribuíram lanches saudáveis nesta terça. A animação ficou por conta da Turma do Chaves e outros personagens do imaginário infantil que percorreram as alas da enfermaria e UTI pediátrica levando um pouco de alegria para os pequeninos que não puderam comparecer ao evento central que ocorreu no hall da enfermaria principal da pediatria.

Para a população continuar ajudando na campanha, basta deixar os brinquedos na recepção do hospital, que fica localizado às margens da BR-104, sentido Toritama. O endereço é rua Amazônia, 171, bairro Luiz Gonzaga. Quem não pode ir até a unidade deve ligar para o telefone 3725-7753, que colaboradores farão o recolhimento.

O HMV, desde a inauguração, realizou 2.584 atendimentos às crianças nos setores de emergência, UTI e enfermaria pediátrica. O serviço é inédito na região e gratuito, ofertado pelo SUS.

Bezerros registra nascimento de mais de 700 crianças em dois anos

Desde que o bloco cirúrgico da Unidade Mista São José foi recuperado em abril de 2013, quase 700 crianças nasceram em Bezerros. Os números são dos partos normais e cesariana até o mês de julho deste ano de acordo com levantamento dos registros na secretaria de Saúde.

Em 2013 nasceram 118 crianças de parto cesária e 109 de parto normal. Já em 2014 os números subiram para 188 cirurgias de cesariana e 73 nascimentos normais. De acordo com o secretário de Saúde de Bezerros, mesmo com a crise no sistema em todo o Estado, a cidade de Bezerros tem mantido os serviços em pleno funcionamento.

Em 2015 os números de partos cesários já chegam a 121 de janeiro a julho e 73 partos normais.  Além disso, outros procedimentos cirúrgicos também aconteceram na Unidade Mista São José, entre eles cirurgias de hérnia umbilical, histerectomia, vesícula e outros que somam 291 procedimentos.