Peritos acreditam que flaps podem elucidar queda

Do Blog da Folha

As análises iniciais dos restos das peças do jatinho que caiu vitimando o ex-governador de Pernambuco e presidenciável Eduardo Campos (PSB), assessores e pilotos, na última quarta-feira (13), apontaram que os flaps da aeronave estavam recolhidos. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o dado sobre o instrumento é considerado fundamental para a avaliação das causas do acidente.

Quando vai aterrissar, o piloto precisa “baixar os flaps”, equipamentos que ajudam na sustentação e frenagem do avião no solo.

De acordo com a instrução do jato, se os flaps forem recolhidos como avião a mais de 370 km/h, ocorre um baque muito forte, movimento que puxa a aeronave para baixo, tirando a estabilidade do avião.

Para os investigadores, se os flaps estão recolhidos é porque há duas opções: o procedimento pode ter sido realizado no tempo certo, com velocidade certa, ou o flap foi recolhido após a arremetida, em alta velocidade.

A análise dos peritos se volta para a possibilidade de um eventual baque, “put down” como é chamado, tendo sido motivado por um suposto recolhimento do equipamento acima dos 370 km/h, contribuindo, desta forma, para o acidente.

Alguns fatores ainda são vistos como motivos que teriam dificultado as investigações. O jato não tinha como equipamento de série um gravador de dados, não foram gravadas as conversas mantidas pelo piloto e copiloto na cabine e, além disso, os investigadores ainda consideram um problema o fato de não existir torre de controle em Santos (SP), mas apenas uma estação de rádio.

Negado pedido da família sobre uso de imagem de Eduardo

Do Estadão Conteúdo

A Justiça Eleitoral, em Pernambuco, negou o pedido feito pela coligação Frente Popular, encabeçada pelo candidato ao governo do Estado pelo PSB, Paulo Câmara, de impedimento de uso da imagem de Eduardo Campos na campanha do adversário Armando Monteiro (PTB) – líder na disputa.

A Frente Popular informou que vai recorrer em segunda instância no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Pernambuco. “Horário eleitoral não é lugar de fazer homenagem. Quem quer fazer homenagem, paga anúncio no jornal, escreve um artigo”, afirmou Seleno Guedes, presidente do PSB estadual.

A ação cautelar foi enviada pela Frente Popular, em nome da viúva, Renata Campos, e dos cinco filhos do ex-governador morto. O objetivo era evitar que Monteiro tente se apropriar da popularidade de Eduardo (reeleito governador do Estado em 2010 com 83% dos votos) usando sua aliança do PTB com o PSB durante os dois mandatos (2006-2010 e 2011-2014).

Monteiro vai veicular em seu primeiro programa eleitoral uma homenagem a Eduardo; só falta definir qual será o formato da peça. O PTB foi base do governo Eduardo em Pernambuco e deixou a aliança nesta eleição.

Ex-vereador diz que Eduardo foi vítima de atentado

Clóvis Correia lembrou a alta movimentação de aeronaves durante o Mundial (Foto: Blog do Magno)

Do Blog do Magno

O ex-vereador Clóvis Correia chegou à reunião convocada por Renata Campos, há pouco, no Recife, afirmando não ter a menor dúvida de que o acidente que tirou a vida do ex-governador Eduardo Campos foi um atentado.

“O Brasil viveu, há pouco, a maior movimentação no espaço aéreo com a Copa do Mundo, aterrissando em vários Estados mais de mil aeronaves deste porte e não ocorreu um só acidente. Como isso pode ocorrer com Eduardo em um avião tão moderno e sem nenhuma indicação de falha técnica ou mecânica?”, perguntou indignado o ex-vereador.

Apuração de acidente aéreo deve ser concluída em até um ano

Do Diario de Pernambuco

Os peritos norte-americanos que acompanham as investigações sobre o acidente que matou o ex-governador Eduardo Campos na semana passada, em Santos (SP), preveem que o trabalho de apuração levará cerca de um ano para ser concluído. Ontem, três técnicos dos Estados Unidos, integrantes da Federação Americana de Aviação (FAA), e peritos do Centro de Prevenção e Investigação de Acidentes Aéreos (Cenipa) da Aeronáutica passaram três horas buscando peças do avião no local do desastre. No final da manhã, o grupo foi para a Base Aérea do Guarujá, onde técnicos da Força Aérea Brasileira (FAB) estão remontando partes do avião para apurar as razões da queda.

“Vamos ficar aqui em Santos por uma semana, para colher todos os materiais possíveis. E só depois iniciar os trabalhos de investigação nos Estados Unidos. É muito cedo para falar em qualquer possibilidade ou suposição”, avaliou um dos peritos norte-americanos. Eles conversaram com a imprensa para explicar o trabalho que estão realizando, mas não quiseram fornecer os nomes completos ou gravar entrevistas.

Com o grupo estão representantes da empresa Cessna Aircraft Company, fabricante da aeronave que caiu, e da Pratt & Whitney, fabricante do motor. Na parte da tarde, eles voltaram ao local do acidente e fizeram novas buscas por peças do avião. Os peritos pediram à Polícia Militar que quatro imóveis de um prédio e a academia atingida pela aeronave permaneçam interditados por, pelo menos, mais uma semana.

Ontem, o chefe do Cenipa, brigadeiro Dilton Schuck, afirmou que ainda não é possível confirmar se o avião pegou fogo antes de cair. Várias pessoas que moram próximo ao local do acidente contaram em depoimentos que viram a aeronave em chamas ainda no ar, o que pode indicar falhas mecânicas no avião antes do acidente. “Não podemos confirmar que o avião pegou fogo ainda no ar, porque não há nenhuma evidência disso, só testemunhas leigas. As pessoas são muito sugestionáveis. A gente acha que viu algo que não é o que a gente efetivamente viu”, disse Schuck, que comanda as investigações.

Complexidade
Segundo o brigadeiro, a complexidade do acidente impede a definição de um prazo para a conclusão das investigações. Os diálogos entre os pilotos e a torre de comando, que ajudariam na apuração para identificar o que aconteceu nos momentos que antecederam a queda, já foram descartados da investigação, uma vez que os gravadores não registraram as conversas. “Há acidentes que, de cara, nós, que somos da área, já podemos traçar desde o início as causas plausíveis. Não é o caso. Esse acidente é muito mais complexo, reverstido num clima de mistério”, afirmou Schuck.

Ele mencionou “várias incógnitas” ligadas à queda do jato e explicou que todas as possibilidades continuam sendo investigadas. O desafio será levantar, por meio dos destroços recolhidos no local, até que ponto as condições meteorológicas atrapalharam a manobra após o avião arremeter.

O comando aéreo autorizou o pouso do jato Cessna na Base Aérea de Santos ressaltando que o procedimento fosse feito por meio de instrumentos e não visualmente. A possibilidade de que os pilotos tenham sofrido “desorientação espacial”, o que pode ocorrer quando o avião faz uma curva dentro de nuvens, também está sendo levada em conta, mas Schuck ponderou que os pilotos eram muito experientes.

/**/

Caruaru também terá missa em homenagem a Campos

A Prefeitura de Caruaru informou hoje, por meio de nota, que está organizando junto à Diocese uma missa de sétimo dia em homenagem ao ex-governador Eduardo Campos (PSB), que morreu no último dia 13.

A celebração será realizada às 18h desta terça-feira (19) pelo bispo dom Bernardino Marchió, na Igreja do Rosário.

Gravatá presta homenagem ao ex-governador Eduardo Campos

Uma missa de sétimo dia será celebrada nesta terça-feira (19), a partir das 17h, na Igreja Matriz de Sant’Ana, em Gravatá, em homenagem ao ex-governador Eduardo Campos (PSB). O socialista morreu no último dia 13, vítima de acidente aéreo na cidade de Santos (SP).

Por meio de sua assessoria, o prefeito Bruno Martiniano (PTB) convidou toda a população. “Nossas homenagens são ao pai de família, ao homem de fibra, o guerreiro Eduardo Campos. À família dele e das demais vítimas, os nossos sinceros sentimentos de pesar e solidariedade. Que Deus conforte a todos. O que nos cabe neste momento é orar a Deus pelo conforto de todos”, afirmou.

Sob gritos de ‘guerreiro do povo brasileiro’, Campos é enterrado no Recife

Por IVAN RICHARD
Da Agência Brasil

Mais de cem horas após o acidente aéreo que resultou na morte de Eduardo Campos e de mais seis pessoas, o corpo do ex-governador de Pernambuco foi enterrado há pouco ao lado do avô, Miguel Arraes, no Cemitério de Santo Amaro, em uma sepultura simples, sem luxo, rodeada apenas de flores e placas de mármore com identificação. Fogos de artifício e gritos de “Eduardo, guerreiro do povo brasileiro” marcaram o momento em que o túmulo foi fechado.

Nas ruas, nos bancos, nas calçadas em cima dos jazigos – alguns seculares de mármore –, cada metro do Cemitério Santo Amaro foi disputado pelos admiradores do ex-governador na chegada do caixão com os restos mortais do político ao local. As vias próximas ao cemitério estavam cheias de ônibus com caravanas de várias cidades do estado.

“Viemos prestar nossa solidariedade e agradecer tudo de bom que ele fez pela gente” , disse Mikaela Kalina, de 26 anos, que saiu da cidade de Ribeirão, a aproximadamente 100 quilômetros do Recife. Com ela, mais 300 pessoas foram ao Recife na caravana de oito ônibus.

Próximo à cova, apenas a familia e amigos. Houve chuva de flores. O último adeus ao pai, irmão, filho, tio, neto, sobrinho foi observado atentamente pela multidão, que gritava pedindo justiça e que as causas do acidente sejam esclarecidas. A esposa, Renata Campos, quatro dos cinco filhos do casal, a mãe, Ana Arraes, que estiveram ao lado do caixão desde a madruga quando foi trazido de São Paulo, e o irmão, Antônio Campos, estavam entre os mais emocionados.

O auxiliar de serviços gerais José Fernando de Souza, que há mais de 40 anos trabalha no cemitério, disse que nunca tinha presenciado movimentação tão intensa em um sepultamento.

Desde a última quarta-feira, dia do acidente, o cemitério passou por reparos para abrigar o ex-governador. Ao longo do percurso feito pelo cortejo fúnebre, centenas de coroas de flores enfeitaram as calçadas e ajudavam a confortar a dor da família pela perda inesperada.

Com o sepultamento do maior nome do partido, o PSB agora buscará unidade em torno do nome de Marina Silva para prosseguir a disputa pela Presidência da República.

Segundo a Polícia Militar, 150 mil pessoas passaram pelo velório de Campos, na sede do governo de Pernambuco.

Muita emoção na missa campal para Eduardo

missa

Do Blog do Magno

A missa campal em homenagem a Eduardo Campos, Carlos Percol e Alexandre Severo começou, há pouco, no Palácio do Campo das Princesas. A celebração teve início de uma forma emocionante, com cânticos do grupo musical Êxodo e do coral do conservatório pernambucano de música.

Enquanto a missa ocorre, a população se mantem na fila para se despedir de Eduardo. As pessoas choram quando chegam próximo ao caixão. A missa é celebrada por Dom Fernando Saburido, arcebispo de Olinda e Recife e mais 12 bispos do Nordeste.

Nas manifestações, o povo grita “Eduardo guerreiro do povo brasileiro”, acenam bandeiras, trazem fotos e frases do ex-governador. É impossível conter a emoção durante a missa.

Pessoas lotam Praça da República para último adeus a Eduardo Campos

Por IVAN RICHARD
Da Agência Brasil

Já eram mais de 2h quando o cortejo fúnebre com os restos mortais do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos e de três assessores dele, mortos na última quarta-feira (13) em um acidente aéreo em Santos, litoral de São Paulo, chegou ao Palácio do Campo das Princesas, local do velório, sob palmas de milhares de pessoas.

Por cerca de três horas, o desfile em carro aberto do Corpo de Bombeiros passou por várias ruas do Recife acompanhado por centenas de pessoas e de carros. Ao lado do caixão, três dos cinco filhos de Eduardo Campos comandam as saudações ao ex-governador. Renata Campos, viúva de Eduardo, levou Miguel, filho mais novo do casal dentro da cabine da viatura, ao lado de Cecília Ramos, viúva de Carlos Percol.

A chegada dos restos mortais ao largo da Praça da República, no Centro da capital, foi marcada por uma enorme comoção. Desde o início da manhã de ontem (16), pernambucanos de vários lugares do estado se concentravam no local à espera do último adeus. Alguns chegaram a dormir sentados encostados na cerca montada pelo governo do pernambucano paraorganizar a passagem pelos caixões.

Pessoas enroladas a bandeiras do Brasil, de Pernambuco, do Náutico – time de coração do ex-governador – acompanharam com palmas o transporte da urna com os restos mortais do ex-presidenciável da viatura do Corpo de Bombeiro até o local do velório. Muitos não contiveram o choro.

Ana Arraes, mães de Eduardo e ministra do Tribunal de Constas da União, demonstrava-se inconsolada. Por diversas vezes, abraçou o caixão aos prantos. Renata Campos, visivelmente abatida, manteve-se serena e foi abraçada pelos filhos diversas vezes. Ela passou toda a madrugada ao lado do corpo do marido. Familiares, amigos, políticos, correligionários também prestaram reverência. Marina Silva, vice de Campos na chapa do PSB à Presidência, ficou alguns instantes ao lado do caixão (coberto pelas bandeiras do Brasil, de Pernambuco e do PSB) e acompanhou os gritos dos pernambucanos.

Será celebrada, pela manhã, a missa de corpo presente pelo arcebispo de Recife e Olinda, dom Fernando Saburido em frente à sedo do governo de Pernambuco. A previsão é que mais de 100 mil pessoas participem da cerimônia do último adeus a Eduardo Campos e também ao assessor de imprensa Carlos Percol, do fotógrafo Alexandre Severo e do cinegrafista Marcelo Lyra, que estão sendo velados no local.

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, deixou Brasília por volta das 7h rumo a Recife. Além dela, também são esperados o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidenciável pelo PSDB, Aécio Neves, ministros, parlamentares, prefeitos, vereadores, empresários e embaixadores. Dezenas de governadores já confirmaram presença nas cerimônias.

O enterro do ex-governador está marcado para as 17h, no Cemitério de Santo Amaro. A família de Percol decidiu que o corpo do jornalista será sepultado logo após a missa de corpo presente.

Dilma e Lula chegam para velório de Campos

Do Blog da Folha

A presidente Dilma Rousseff (PT) chegou há pouco ao velório do ex-governador de Pernambuco e presidenciável Eduardo Campos (PSB), acompanhada do ex-presidente Lula (PT), amigo do socialista. Junto com eles, o ministro Aloízio Mercadante (Casa Civil), o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), além do ex-ministro da Saúde e candidato a governador por São Paulo, Alexandre Padilha (PT).

A comitiva deve participar da missa de corpo presente do ex-governador, que será celebrada pelo arcebispo de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido. Para a cerimônia está programada a participação do coral do Conservatório Pernambucano de Música e a banda Êxodo, da Igreja de Cajueiro. Um maracatu também presta homenagem ao socialista.

É a segunda vez em menos de um mês que Dilma Rousseff vem a Pernambuco. Ela esteve presente no velório do escritor e dramaturgo Ariano Suassuna, em julho.Dilma-velório-Campos