Humberto vê risco de mais cortes na saúde e na educação‏

O senador Humberto Costa (PT-PE) avalia que a aprovação da Desvinculação de Receitas da União (DRU) na Câmara dos Deputados pode resultar em cortes de investimentos nas áreas de saúde e educação. Segundo o senador, o projeto, que sempre foi uma das prioridades do presidente interino de Michel Temer (PMDB) permite ao governo gastar livremente parte de sua arrecadação, tirando recursos de setores essenciais aos quais antes era obrigado a investir.

“O presidente sem voto levou um cheque em branco do Congresso Nacional. Primeiro, aumentou em mais de 50% a expectativa do rombo nas contas públicas, passando de R$ 96,7 bilhões para R$ 170 bilhões. Agora, aprova a desvinculação de receitas para gastar dinheiro como bem entender. A saúde e a educação estão em risco porque esse é o primeiro passo para Temer dar fim às garantias de recursos mínimos para áreas sensíveis, onde não podemos ter retrocessos”, explicou Humberto.

Segundo Humberto, com a aprovação da DRU, Temer deve, agora, alterar a regra de recursos mínimos em áreas fundamentais para o desenvolvimento do País. “O ministro da Saúde já falou em diminuir o SUS e defendeu os planos de saúde. O ministro da Educação ameaça o Prouni, o Fies, o Ciência Sem Fronteiras. Está muito clara a lógica do governo golpista. É um governo de homens brancos e ricos feito para atender os interesses dessa mesma casta”, acrescentou.

O senador disse ainda ser “um absurdo” o governo Temer falar em “cortes de gastos” e defender uma “pauta bomba” também aprovada na Câmara, que amplia gastos em R$ 58 bilhões até 2019. “Quando fala em cortar gastos, o presidente sem voto só fala em cortar no bolso do povo. Mas tende a privilegiar outras setores não estratégicos. Não que algumas das reivindicações, especialmente do funcionalismo público, não sejam legítimas. Elas são, mas é um contra-senso dizer que não tem dinheiro para garantir a saúde da população e cortar o mínimo de investimentos desta área, e defender um pacote que vai impactar imensamente as contas públicas”, afirmou o senador.

Ao todo, foram aprovados, nesta semana, 15 projetos de lei que estabelecem reajustes e benefícios a algumas categorias do funcionalismo. Entre as matérias apreciadas, está a do aumento do salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). O rendimento, que delimita o teto do funcionalismo federal, subiu de R$ 33.763 para R$ 39.293.

Secretaria de Educação prepara alunos para ingressar no IFPE

A Secretaria de Educação começa a preparar, gratuitamente, os estudantes dos 9°s anos, do Ensino Fundamental, que já pleiteiam uma vaga no IFPE – Instituto Federal de Pernambuco.

A aula será realizada para cerca de 300 alunos e acontecerá neste sábado, 30, no auditório da Fafica – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Caruaru, das 8h às 12h.

Neste primeiro momento, os estudantes aprenderão mais sobre as disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemática. Os professores Lourdes e Edson Júnior ficarão responsáveis para tirar dúvidas e trocar experiências com o alunado.

Miguel debate com prefeitos projeto para aumentar recursos em saúde e educação

O deputado estadual Miguel Coelho se reuniu, na manhã desta segunda-feira (29), com prefeitos do estado para discutir o projeto de lei que destina 25% dos recursos do FEM para educação e saúde dos municípios. A proposta, que ainda conta com um item para assegurar 10% do fundo para recursos hídricos nas cidades do semiárido, está em tramitação na Assembleia Legislativa e deve ser votada ainda neste semestre.

Na defesa pelo projeto, o deputado argumentou que os recursos podem alavancar a qualidade dos índices de saúde e educação dos municípios. “Pernambuco saiu das últimas para as primeiras posições nos rankings de educação por conta de investimentos a médio e longo prazo.

Além disso, a gente sabe que as redes públicas de saúde e educação dos municípios contam com poucos recursos, por isso, esse projeto seria a garantia de um aporte extra para setores fundamentais”, defendeu Miguel Coelho no encontro ocorrido na sede da Associação Municipalista de Pernambuco (AMUPE).

Apesar de concordar que saúde e educação devem ser prioridades para todas as gestões, os prefeitos se colocaram contra a iniciativa do deputado, alegando que isso engessaria e dificultaria a administração das cidades que possuem poucos recursos. “Nós já estamos engessados, inclusive, pela Lei de responsabilidade Fiscal. O FEM é o único recurso que nos dá possibilidade de conversar com a população, o que deve ser feito em saneamento, calçamento, na construção de praças, escolas”, justificou o prefeito de Palmares, João Bezerra.

Miguel afirmou que, em virtude da discordância dos prefeitos, vai ajustar a proposta e procurar um caminho de entendimento com os prefeitos. Contudo, o deputado adiantou que não pretende tirar o projeto da pauta da Assembleia por considerar que a medida não vai travar os municípios.

“O projeto destina 25% para dois setores fundamentais e urgentes e, nas cidades do semiárido, desse percentual, 10% vai para segurança hídrica. Os 75% restantes ficam totalmente livres para os prefeitos investirem onde quiserem. Portanto, não existe engessamento, mas sim uma proposta de um pacto para fazer a saúde e a educação de nossos municípios avançarem. Com mais investimentos nessas áreas, o desenvolvimento dessas cidades a longo prazo será uma consequência”, concluiu o deputado.

Educação municipal ganha mais 600 vagas em Caruaru

O prefeito José Queiroz inaugura nesta sexta-feira, 26, às 17h30, uma nova escola, para mais de 600 alunos, do 6º ao 9º do Ensino Fundamental. Denominada Escola Professora Mariana Lima, a unidade de ensino fica localizada no bairro Maurício de Nassau, na rua Nossa Senhora de Fátima, 18, e funcionará nos turnos da manhã e da tarde.

Serão contempladas 22 turmas, que contarão com biblioteca, cozinha, refeitório, auditório dimensionado para atividades pedagógicas complementares, sala de secretaria, banheiros e área de lazer.

Com a entrega de mais essa escola, a rede municipal de ensino alcança o total de 133 unidades, que acolhem cerca de 40 mil estudantes da cidade e da área rural. A expansão da rede, em 2016, se tornou obrigatória tendo em vista a migração de alunos da educação privada e o aumento normal da demanda.

Para a Secretária Graça Rosal, “a expansão das escolas não se dá apenas do lado quantitativo. Estamos também promovendo reformas e instalação de equipamentos em toda a rede, cumprindo a nossa filosofia de contemplar a qualidade de vida”.

A denominação da nova unidade de ensino homenageia a educadora, poetisa, escritora, pesquisadora e compositora do Hino do Centenário de Caruaru, Mariana de Lourdes Lima, falecida em 2004. A Professora Mariana Lima, como era conhecida, ocupou cargos de vice-diretora e diretora nas escolas: Antonia Cavalcante, Maria Celestina Ramos, Dom Miguel de Lima Valverde e Mário Sette.

Rede Pública do Estado inicia Ano Letivo

O governador Paulo Câmara abriu, nesta quarta-feira (03.02), o Ano Letivo da Rede Pública Estadual, com uma cerimônia na Escola de Referência em Ensino Médio (EREM) Santa Ana, localizada no bairro de Rio Doce, em Olinda. Ao lado de alunos e professores da unidade, o chefe do Executivo aproveitou para desejar um bom início das aulas aos demais 650 mil estudantes do Estado e reiterou o seu compromisso com a melhoria contínua da educação pernambucana. Das 1.049 escolas da rede, 300 são de Referência, 29 são Técnicas e 136 estão em áreas indígenas.

“O nosso intuito, em 2016, é continuar fortalecendo a educação do nosso Estado, melhorando a infraestrutura, e buscando no amplo processo de dialogo com os professores, e encontrarmos cada vez mais formas de valorizá-los. Além de realizar as entregas já programadas para este ano e manter prédios funcionando, como este da Escola Santa Ana, que está bem conservado”, afirmou o governador, indicando que o Governo de Pernambuco entregará seis novas escolas técnicas à população até março.

Antes da solenidade oficial no pátio da instituição, Paulo Câmara e o secretário de Educação, Fred Amancio, visitaram os espaços da escola, observando a qualidade do equipamento. Acompanhados do prefeito Renildo Calheiros e da gestora da escola, Kátia Andrade, o governador e titular da pasta descerraram a placa que marca a construção da Erem, que hoje funciona na modalidade integral. A unidade, que é um das mais procuradas do município, atende 680 alunos. O prédio possui 18 salas de aula, auditório, biblioteca e laboratórios, além de uma quadra poliesportiva coberta e um refeitório.

Fred Amancio frisou que o novo prédio da escola foi entregue em 2012, na gestão do ex-governador Eduardo Campos, e que há uma dedicação da comunidade em manter a estrutura funcionando plenamente. “Quando a gente atravessa o portão, percebemos que há um ambiente especial, com muita dedicação de alunos e professores dessa unidade. Talvez, por isso, essa seja a escola mais procurada de Olinda”, colocou .

Vitória Ferreira, de 14 anos, comemorou a sua matrícula na tão disputada Erem Santa Ana. A estudante, que está no 1° ano do Ensino Médio, disse que vai se envolver nas atividades e aproveitar todas as oportunidades da rede. “Quando estive aqui para conhecer o local, fui bem recebida pelos gestores. Eu gostei muito da estrutura e tenho certeza que será um diferencial para o meu futuro”, afirmou a aluna, que mora em Rio Doce.

O relato de Vitória foi destacado pelo governador Paulo Câmara como um exemplo de que o investimento em educação pode ajudar a transformar a vida das pessoas. “É uma área que, com certeza, faz a diferença na vida das pessoas. A educação de Pernambuco avançou nos últimos anos, mas sabemos que ainda temos muito o que fazer. Tenham a certeza de que vamos continuar com a mesma perseverança dos últimos anos”, sublinhou.

INOVAÇÃO – Além de ter um bom desempenho no Índice de Desenvolvimento da Educação de Pernambuco (Idepe), a Erem Santa Ana também é conhecida pelas suas experiências pedagógicas no campo do empreendedorismo. O tema é explorado por professores e alunos, que, juntos, mantêm uma empresa na escola. O projeto educacional visa preparar os estudantes da unidade para a realidade corporativa, revelando ainda muitos os talentos.

Gestora da instituição há oito anos, Kátia Andrade contou que as atividades implantadas envolvem a comunidade, contribuindo para o aumento do desempenho dos alunos. “Todos os anos, nós convocamos os estudantes para participar desses projetos e sempre temos que fazer uma peneira na seleção, pois a procura é grande. Tudo o que produzimos aqui tem uma ótima aceitação na comunidade escolar”, ressaltou Kátia, completando ainda: “Abrir as portas de uma escola não é simplesmente encher a sala de aula de alunos. Significa resgatar a cidadania de um povo”.

Últimos dias para realizar matrícula de alunos novatos

Os alunos novatos que ainda não efetivaram a matrícula na rede municipal de ensino devem procurar a Secretaria de Educação entre os dias 18 e 22 de janeiro para que seja verificada a disponibilidade de vagas e possível localização. Este é o último prazo.

A Secretaria de Educação fica na Avenida José Marques Fontes, 21, bairro Indianópolis, e funciona das 7h às 13h.

Prazo de inscrição para Secretaria Estadual de Educação termina nesta quarta

O prazo de inscrição para três mil vagas na educação básica, profissional e especial da Secretaria Estadual de Educação encerra às 23h59min desta quarta-feira (13/01). No total, serão 3.000 vagas para todo o estado de Pernambuco. Informações e edital do concurso – que será realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) – podem ser conferidos nowww.fgv.br/fgvprojetos/concursos/see-pe.

As inscrições podem ser feitas no site e custam R$ 50,00(nível médio) e R$ 68,00 (nível superior) e os salários – a depender da carga horária – variam entre R$ 1,4 mil e R$ 1,9 mil. O local de realização das provas será divulgado no site no dia 22 de fevereiro e as provas acontecerão no dia 28 daquele mês.

Os exames acontecem em 13 cidades, a saber: Nazaré da Mata, Vitória de Santo Antão, Palmares, Limoeiro, Caruaru, Garanhuns, Arcoverde, Afogados da Ingazeira, Floresta, Petrolina, Salgueiro, Araripina e Recife. O resultado final – que também implica na avaliação de títulos dos candidatos – será publicado também no site no dia 8 de abril

Na área de educação básica, são 2.458 vagas para profissionais das disciplinas matemática, física, química, biologia, educação física e língua portuguesa.  Na educação especial , serão 342 vagas para Professor Intérprete de Língua Brasileira de Sinais, Professor Instrutor de Língua Brasileira de Sinais e Professor Brailista(níveis médio e superior). No ensino profissional, serão 200 vagas em eixos diversificados como ambiente e saúde, gestão de negócios e segurança do trabalho, entre outros.

/**/

Educação realiza Encontro com foco no BNCC 2015

Educadores trocaram de lugar hoje e ocuparam a sala de aula, desta vez, no papel de aprendizes. Durante toda a quinta-feira (26), a Secretaria de Educação e Esportes de Agrestina promove o Encontro Municipal da Base Nacional Comum Curricular. Eles estão reunidos na Escola Municipal Leonila de Sousa Ribeiro pela manhã e continuarão no mesmo local das 13h às 17h30. O objetivo é debater os elementos fundamentais que precisam ser ensinados nas Áreas de Conhecimento na Matemática, nas Linguagens e nas Ciências da Natureza e Humanas. O Dia da Base Nacional Comum Curricular será comemorado em 2 de dezembro.

A Base Nacional Comum Curricular possibilita que os sistemas educacionais, as escolas e os professores tenham um importante instrumento de gestão pedagógica e as famílias possam participar e acompanhar mais de perto a vida escolar de seus filhos. A Base é parte do Currículo e orienta a formulação do projeto Político-Pedagógico das escolas, permitindo que os professores continuem escolhendo os melhores caminhos de como ensinar.

Ensino médio tem que fazer sentido para o jovem, diz presidente do Consed

Da Agência Brasil

O ensino médio é considerado um dos grandes gargalos da educação brasileira. A etapa, que tem três anos de duração, concentra altos índices de evasão escolar e baixo desempenho nas avaliações nacionais. Neste final de semana, o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) reuniu-se, em Manaus, para debater mudanças.

O presidente do Consed, Eduardo Deschamps, que é secretário de Educação de Santa Catarina, conversou com a Agência Brasil. Segundo ele, um dos problemas é que os alunos são preparados para o ensino superior, mesmo que a maioria nunca ingresse em uma universidade. Ele defende menos conteúdo obrigatório no ensino médio e mais tempo para que o aluno escolha o que quer aprender. Com isso, o próprio Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deve ser reformulado.

Ele aposta na Base Nacional Comum Curricular, que está em fase de consulta pública, para a definição do conteúdo básico a ser aprendido. As novas tecnologias também devem ajudar no ensino. “Vai ter uma grande revolução por conta do smartphone”, diz.

Leia abaixo os principais trechos da entrevista.

Agência Brasil: No que é preciso focar para de fato transformar o ensino médio

Eduardo Deschamps: O ensino médio no Brasil é tratado quase como uma etapa de passagem do ensino básico para a universidade, a gente tem praticamente um currículo único no Brasil que é ditado hoje pelo Enem. Quando olhamos os dados estatísticos, você vê que menos de 30% dos jovens entre 18 e 24 anos estão na universidade. Significa dizer que mais de 70% não vão seguir esse caminho. O Brasil precisa alinhar o ensino médio com o que é feito no mundo. O mundo não tem um [currículo] padrão. Por isso que a gente fala muito da flexibilização, da diversificação do ensino médio, permitindo percursos formativos diferentes. Tem que fazer mais sentido para o jovem.

Agência Brasil: As redes de ensino hoje têm condição de oferecer aos jovens essa diversificação?

Deschamps: Acho que tem que ter um processo de adaptação das redes, quer sob o ponto de vista administrativo, quer sob o ponto de vista de formação dos professores. Mas essa adaptação só vai acontecer quando a gente tiver o conceito de ensino médio que a gente quer preparar. Há várias maneiras que o ensino médio é tratado no mundo. Tem modelos que estão sendo focados na educação profissional, já com uma integração, inclusive com o sistema de trabalho, têm sistemas que vocacionam escolas, com escolas muito boas na área de artes, ou na área de educação profissional, têm sistemas que permitem vários percursos dentro de uma mesma escola. Há experiências de todos os tipos no Brasil nas redes estaduais, mas essas experiências são muito fragmentadas e pequenas.

Agência Brasil: De que forma a tecnologia deve ser usada no ensino médio?

Deschamps: Estávamos discutindo com o governo federal a questão da conectividade. Eles diziam: “Digam o que vocês querem que a gente leva a banda larga de acordo com a demanda que vocês têm”. Não é assim que vai funcionar. Eu falei o contrário: “Entregue a melhor banda larga que puder entregar na porta da escola que a escola vai se organizar para isso”. Vai ter uma grande revolução por conta do smartphone. A maioria dos alunos já tem alguma conectividade de rede, mesmo que seja um pacote barato no smartphone mesmo em áreas de vulnerabilidade social maior. A partir daí, você começa a mudar a lógica de que é necessariamente a escola que deve entregar o equipamento para o aluno. A escola deve se preparar para o equipamento que o aluno tem e pensar de que maneira vai utilizar isso na sala de aula.

Agência Brasil: E que espaço tem o Enem nessa conjuntura?

Deschamps: Tem muita gente tratando o Enem de maneira diferente, para vários objetivos. Eu acho isso muito preocupante. Utiliza-se o Enem para ingresso no ensino superior, para avaliação da escola – quando se começa a divulgar o Enem por escola – e para certificação de alunos que eventualmente não tenham terminado o ensino médio. Coloca-se no Enem uma carga que eu não sei se a prova está preparada para isso. Eu acho que o Enem precisa de reformulação, não da mais para tratar o Enem da forma que vem sendo tratado e para os fins que é utilizado. Nesse aspecto, fortalecer muito a Base Nacional Comum Curricular e trabalhar com um projeto de lei do ensino médio na lógica da flexibilização, certamente vai levar a mudanças do Enem também.

Cerca de 7,7 milhões fazem o Enem neste fim de semana

Da Agência Brasil

As provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) começam a ser aplicadas hoje (24) em todo o país. Neste primeiro dia, os 7,7 milhões de inscritos terão 4h30 para resolver as 90 questões de Ciências Humanas e suas Tecnologias e Ciências da Natureza e suas Tecnologias.

O professor de química Paulo Santos sugere que os candidatos fiquem atentos ao tempo dedicado às questões. “A estratégia tem de estar voltada para ganhar tempo. No primeiro dia, ele vai ter 90 questões e tem quatro horas e meia para isso. Uma média de três minutos por questão”, lembra o professor.

Coordenador de um curso pré-vestibular em Brasília, Paulo Perez sugere que o aluno preste atenção nos enunciados das questões. “Primeiro comece pelo comando, pela situação problema. Depois de ler o enunciado você vai fazer uma leitura do texto com mais foco, mais objetivo. Tempo no Enem é crucial”, alerta.

Os candidatos precisam ficar atentos ao horário de fechamento dos portões. Nos dois dias, o candidato poderá entrar no local de prova a partir das 12h (horário oficial de Brasília). Os portões serão fechados às 13h (horário de Brasília) e as provas começam a ser aplicadas meia hora depois. Até ontem (23), cerca de 1 milhão de candidatos ainda não tinham acessado o cartão de confirmação do Enem na internet.

Para fazer o exame, é obrigatória a apresentação de um documento de identificação original com foto. Outro item obrigatório é a caneta esferográfica de tinta preta, fabricada em material transparente.

Apesar de não ser obrigatório, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) recomenda que o candidato leve o cartão de confirmação da inscrição já que nele estão informações importantes como local de prova, o número de inscrição e a opção de língua estrangeira.

Durante a prova, não é permitido portar materiais como lápis, caneta de material não transparente, lapiseira, borrachas, livros, manuais, impressos, anotações, assim como qualquer tipo de dispositivos eletrônicos. Também não é autorizado o uso óculos escuros, boné, chapéu, viseira, gorro ou similares. Esses itens devem ser guardados – no caso de eletrônicos, desligados – antes do início do exame, em embalagem porta-objetos fornecida pelos aplicadores.

O candidato só pode deixar o local de prova depois de duas horas do início do exame. Quem quiser levar o caderno de questões para casa, terá que aguardar até 30 minutos antes do término do exame.

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) transmite ao vivo, a partir das 20h30, o programa “Caiu no Enem”, com comentários de professores e especialistas sobre as provas aplicadas no fim de semana.

O candidato pode acompanhar o programa pelo Portal EBC e pelas rádios MEC AM Rio de Janeiro, Nacional FM Brasília, Nacional da Amazônia e Nacional do Alto Solimões no sábado e no domingo, às 20h30. Na Rádio Nacional AM Brasília, o programa será transmitido apenas no domingo.

Os estudantes poderão participar e enviar perguntas aos professores usando a hashtag #EnemDia1 (no sábado) e #EnemDia2 (no domingo). Também é possível enviar comentários diretamente nos perfis da EBC nas redes sociais, pelo Facebook ou pelo Twitter.

O “Caiu no Enem” será veiculado pela TV Brasil, à meia-noite do dia 25 e à meia-noite e meia do dia 26.