Sancionada lei que fixa ordem dos cargos na urna eletrônica

Da Agência Brasil

A presidente Dilma Rousseff sancionou lei que determina que a urna eletrônica exibirá para o eleitor os painéis na seguinte ordem: deputado federal, deputado estadual ou distrital, senador, governador e vice-governador de estado ou do Distrito Federal, presidente e vice-presidente da República. Para as eleições municipais, a ordem será vereador, prefeito e vice-prefeito. A lei foi publicada na edição de hoje do “Diário Oficial da União”.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) anunciou aumento de 6 milhões de eleitores aptos a votar nas eleições de outubro. De acordo com balanço parcial divulgado pelo TSE, 141,8 milhões de eleitores estão aptos a participar das eleições de 2014, um crescimento de 4,43% em relação ao pleito de 2010. Nas próximas eleições, mais de 22 milhões de eleitores serão identificados por meio da biometria.

Fernando Bezerra Coelho participa da festa de emancipação de Quipapá

O pré-candidato ao Senado pela Frente Popular, Fernando Bezerra Coelho (PSB), participou da festa de emancipação política de Quipapá, na Mata Sul. Fernando jantou na casa do prefeito Cristiano Martins (PSDB), ao lado de outros cinco prefeitos da região e do deputado estadual Claudiano Martins (PSDB). O deputado federal e presidente da legenda tucana em Pernambuco, Bruno Araújo, também compareceu ao jantar.

“Recebi o convite do prefeito e fiquei muito honrado em poder participar da festa. Cristiano, assim como várias lideranças políticas do nosso Estado, compreendeu que este é o momento de unir Pernambuco. Precisamos garantir o legado do ex-governador Eduardo Campos e avançar mais, levando Paulo Câmara e Raul Henry ao governo do Estado”, afirmou Fernando Bezerra. Por volta das 22h, Fernando seguiu com a comitiva para o centro da cidade, onde foram realizados grandes shows populares. O pré-candidato ao Senado acompanhou parte da festa, que reuniu mais de 15 mil pessoas.

Fernando Bezerra fez questão de visitar também o grupo político do ex-prefeito Reginaldo Machado Dias, que está em tratamento de saúde. Fernando foi recebido pelo vereador Marcelo de Gilda (PT), para um encontro com lideranças do grupo. “Esse é um momento único em nossa história, porque Pernambuco está tomando a decisão de liderar o Brasil, com a candidatura de Eduardo Campos à presidência. Então precisamos da força e da colaboração de todos os pernambucanos e pernambucanas para mostrar ao país o quanto este projeto é bom”.

CNT: Intenção de votos em Dilma cai

Do Site da Band

A presidente Dilma Rousseff caiu na preferência do eleitorado brasileiro. De acordo com a pesquisa da CNT (Confederação Nacional do Transporte), divulgada nesta terça, a intenção de voto na presidente, que estava em 43,7% em fevereiro, caiu para 37% em abril.

Já a preferência pelo pré-candidato do PSDB, Aécio Neves, cresceu de 17% para 21,6% nesse período. Eduardo Campos, do PSB, subiu de 9,9% para 11,8% das intenções de voto.

Brancos, nulos, não sabem ou não responderam somaram 29% dos 2002 entrevistados.

Pré-candidatos empatam entre eleitores que os conhecem, mostra Datafolha

Por FERNANDO RODRIGUES
Da Folha de S. Paulo

Os candidatos a cargos públicos costumam repetir que agora ainda é cedo para analisar o cenário eleitoral, pois a maioria dos brasileiros ainda não está conectada à disputa de outubro e poucos eleitores conhecem neste momento todos os principais nomes na corrida pelo Palácio do Planalto.

É tudo verdade. Segundo a mais recente pesquisa Datafolha, realizada nos dias 2 e 3 deste mês, apenas 17% dos eleitores afirmam conhecer “bem” ou “um pouco” os três principais pré-candidatos a presidente: Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB).

Nesse universo, embora a margem de erro do levantamento se torne bem maior por causa do número pequeno de entrevistados, o resultado final é muito diferente daquele apurado quando é considerado o total da amostra do instituto.

No cenário testado apenas com eleitores que conhecem os três principais candidatos, Campos fica com 28%. É seguido por Dilma, com 26%. Aécio pontua 24%.

Os três estão tecnicamente empatados. É que a margem de erro sobe para cinco pontos percentuais, para mais ou para menos. No âmbito geral da pesquisa, essa margem chega a apenas dois pontos percentuais.

O diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, faz um alerta: “Os eleitores que conhecem os três candidatos são os que mais acessam o noticiário, ou seja, são os mais escolarizados, de renda mais alta etc. Nada indica que o eleitor típico de Dilma, ao conhecer Aécio e Campos, deixará de votar nela”.

Ou seja, a oposição não terá certeza de sucesso se garimpar apoio apenas entre os que já conhecem e votam em Dilma sem saber direito quem são Aécio e Campos.

A jazida inexplorada de votos à disposição de adversários do PT –e também aberta para a própria presidente Dilma– está no vasto grupo de eleitores que não vota na candidata governista e ainda não conhece muito bem as opções em jogo para pensar em fazer uma mudança.

Em todos os cenários pesquisados pelo Datafolha, no levantamento completo, a petista pontua de 38% a 43% e aparece à frente dos demais candidatos. O restante dos eleitores prefere outros nomes, está indefinido ou vota em branco, nulo ou em nenhum candidato.

Ainda dentro do universo dos que dizem conhecer bem Dilma, Aécio e Campos, desaparece o amplo favoritismo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, registrado em todas as pesquisas até agora.

Quando é ele, e não Dilma, o candidato, seu percentual chega a 32%. Aécio e Campos pontuam 23% cada um.

Se Campos é substituído pela ex-ministra e ex-senadora Marina Silva como candidata do PSB a presidente, ela fica com 34% e lidera numericamente a pesquisa contra 23% de Dilma e 25% de Aécio –tudo no universo dos que dizem conhecer os três principais nomes na disputa.

Marina Silva também permanece competitiva se disputar nesse nicho eleitoral contra Lula e Aécio. Nesse cenário, a ex-senadora pontua 32%. O ex-presidente registra 29% e o tucano tem 24%.

Nessa semana, no entanto, o PSB confirmou que a chapa da legenda terá Campos como candidato e Marina na vaga de vice.

SEGUNDO TURNO

Nas simulações de segundo turno feitas pelo Datafolha com esse grupo de 17% dos eleitores que conhece Dilma, Aécio e Campos, os vitoriosos são sempre de oposição –com uma vantagem fora da margem de erro.

Numa eventual disputa entre Dilma e Aécio, a petista seria derrotada porque sua marca é de 31% contra 47% do tucano. Na hipótese de embate com Campos, o socialista registra 48% contra 31% da atual ocupante do Palácio do Planalto.

Marina lança Eduardo Campos para Presidência e se apresenta como vice

Do Blog de Jamildo

Coube à ex-senadora Marina Silva anunciar oficialmente a candidatura presidencial do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) no evento que ocorre no Hotel Nacional, em Brasília, na tarde desta segunda-feira (14).

“Estamos aqui para anunciar a nossa pré-candidatura. Eduardo para presidente da República Federativa do Brasil e eu, vice”, disse.

Em 2010, Marina teve quase 20 milhões de votos nas eleições presidenciais e a expectativa é que ela intensifique a campanha de Campos.

“Me sinto feliz em estar aqui para dar um passo tão importante em nossa história”, afirmou a ex-senadora.

“Quando negaram o direito da Rede de participar das eleições, nos abençoaram com a possibilidade de caminharmos juntos”, lembrou Marina.

A ex-senadora se filiou ao PSB em outubro do ano passado depois de ter o seu partido, a Rede Sustentabilidade, negado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Os deputados Laura Gomes e Waldemar Borges são citados como representantes dos parlamentares pernambucanos

O presidente do PPL, Sérgio Rubens, pegou pesado ao falar na abertura do evento do PSB, em Brasília.

“A palavra de Dilma já não vale um níquel”, criticou. Ele falou antes de Marina e depois da leitura da carta de João Lyra.

O governador João Lyra Neto, na carta que enviou para ser lida no evento do PSB, disse que Eduardo Campos era reconhecido nacionalmente na sua capacidade de gestão.

“O nosso estado oferece (Eduardo) ao Brasil”, em documento lido pela deputada Raquel Lyra.

Mais empregos e qualificação unem Armando e Força Sindical

asasasa

O pré-candidato petebista abraça sindicalistas em ato de apoio (Foto: Alexandre Albuquerque/Divulgação)

O pré-candidato ao Governo de Pernambuco, senador Armando Monteiro (PTB), e o pré-candidato ao Senado, deputado federal João Paulo (PT), foram recebidos na manhã desta segunda-feira (14) por representantes de 130 sindicatos que reúnem cerca de 1 milhão de trabalhadores associados à Força Sindical no Estado. O evento aconteceu em um hotel no Recife.

Em seus discursos, Armando e João Paulo ressaltaram que a aliança foi firmada em torno, principalmente, de temas como a geração de empregos no Estado e a ampliação dos programas de qualificação profissional, como o Pronatec.

“Se há uma bandeira que nós reúne, que faz com que possamos hoje celebrar esta convergência e esta parceria, é uma aliança pró-emprego. Nós queremos gerar empregos para os pernambucanos. Porque, infelizmente, ainda assistimos a um processo em que muitos empregos estão sendo gerados para pessoas de fora de Pernambuco”, discursou Armando.

PDT

Presente ao encontro, o deputado federal Paulo Rubem voltou a reforçar que o PDT vai caminhar com Armando e João Paulo em Pernambuco e com a reeleição da presidente Dilma no plano nacional. Rubem falou sobre a última reunião do partido, realizada em Brasília (DF), onde os apoios foram debatidos.

“Na última quarta-feira o PDT se reuniu em Brasília e, durante mais de seis horas, fizemos um profundo debate sobre nossa participação nesta eleição. A partir daí tiramos a decisão de apoiar a reeleição de Dilma. Quanto a Pernambuco, discutimos a importância de termos uma aliança única que possa, em Pernambuco, assim como nos demais estados, onde o PDT não terá candidato próprio a governador, usar de uma única expressão da matemática, que é a soma. Nós entendemos que a campanha nacional deve ser acompanhada pelos palanques estaduais”, recordou.

Em situação de empate técnico, Campos tem 38% e Dilma 35%, diz IPMN

Do Blog de Jamildo

A primeira rodada de pesquisas de intenção de voto para presidente em Pernambuco mostra uma situação de equilíbrio na disputa.

O Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau aponta que Eduardo Campos tem 38% das intenções de voto. Dilma aparece logo depois, com 35%. A situação é de empate técnico entre os dois.

O mineiro Aécio Neves tem apenas 3%, apesar de já ter anunciado desde o ano passado a pré-candidatura nestas eleições. Outros, 1%. Brancos, nulos ou nenhum destes soma 16% das intenções, enquanto outros 8% não souberam ou não responderam.

Briga por regiões

A situação de equilíbrio reflete-se nas seis regiões do Estado pesquisadas pelo instituto. Eduardo Campos vence em três e Dilma vence em outras três. A vantagem da petista ocorre nos rincões, possivelmente em função da política assistencialista do governo Federal.

O socialista vence no Recife (39% a 36%), Região Metropolitana (46% a 23%) e Agreste (45% a 33%).

A petista bate Eduardo na Zona da Mata (38% a 32%), no Sertão (53% a 19%) e São Francisco (47% a 22%)

Pesquisa espontânea

Na espontânea, a pesquisa também registra empate técnico. Eduardo tem 28%, Dilma tem 27% e Aécio 2%, derrotado até por Lula (5%), que até aqui não é candidato. Outros, 6%. Brancos, nulos ou nenhum destes somam 12%, enquanto 20% não sabe ou não respondeu.

Aécio luta contra o desconhecimento. De acordo com os dados da pesquisa, 40% dos entrevistados pernambucanos nunca ouviu falar do mineiro. Só 1% nunca ouviu falar de Dilma, enquanto 4% nunca ouviu falar no socialista, depois de oito anos de governo.

Em 2010, quando foi apoiada por Eduardo Campos, Dilma alcançou 61% dos votos pernambucanos no primeiro turno – vantagem que, com a dupla em lados opostos, fica claramente ameaçada neste ano.

Marina assumirá posto de vice para ’empurrar’ Campos

Por BERNARDO MELLO FRANCO
Da Folha de S. Paulo

Ao formalizar que Marina Silva será candidata a vice-presidente, o PSB dará início amanhã a um esforço para tentar acelerar a transferência de votos da ex-senadora para Eduardo Campos.

O ato em Brasília abrirá uma nova etapa na trajetória da dupla, que agora lutará para se aproximar de Aécio Neves (PSDB) na disputa pelo segundo lugar na corrida ao Palácio do Planalto.

A prioridade é deixar claro que Campos será o cabeça de chapa e sinalizar aos financiadores de campanha que ele tem chance de ultrapassar o tucano e chegar ao segundo turno contra a presidente Dilma Rousseff (PT).

Se fosse candidata a presidente, Marina teria hoje quase o dobro dos votos do aliado. Ela chega a 27% no cenário com Dilma e Aécio. Quando Campos aparece como candidato, alcança apenas 10% no cenário com os nanicos, aponta o Datafolha.

A diferença mostra que a ex-senadora ainda é muito mais conhecida e popular que o aliado. A união dos dois foi selada há seis meses, mas a migração de votos não ocorreu no ritmo esperado.

Políticos próximos a Campos reclamam, nos bastidores, que o programa de TV do partido teria contribuído para o problema, ao não deixar claro que ele é o candidato à Presidência. A propaganda foi ao ar no último dia 27.

Com o anúncio de amanhã, Campos pretende sepultar de vez as especulações sobre a possibilidade de uma inversão de chapa, com Marina à frente e o ex-governador assumindo a vice-presidência.

A ideia sempre foi rechaçada pelos dois, mas ainda acalentava esperanças de “marineiros” e empresários que se aproximaram da ex-senadora na eleição de 2010, quando ela ficou em terceiro lugar na corrida presidencial.

“Em nenhum momento essa hipótese foi cogitada. Nem pela Rede, nem por nós”, afirma o secretário-geral do PSB, Carlos Siqueira.

Campos e Marina iniciam agora uma maratona de viagens pelo Brasil, com a meta de dar a maior visibilidade possível à chapa. Devem visitar 150 cidades até junho, mês das convenções partidárias.

Como a campanha oficial ainda não começou, eles terão que marcar palestras e visitas a entidades como universidades, sindicatos e associações comerciais.

“Vamos marcar o máximo de agendas com os dois juntos. A prioridade é mostrar ao país todo que eles estão unidos pelo mesmo programa de desenvolvimento sustentável”, diz Pedro Ivo Batista, da coordenação da Rede, o futuro partido de Marina.

Depois da Copa do Mundo, os dois devem cortar o “cordão umbilical” e passar a fazer viagens separados, numa estratégia para visitar mais regiões e compensar o pouco tempo que terão na TV.

Eles ainda apostam no apoio de intelectuais e artistas e convidaram o escritor Ariano Suassuna, 86, para estrelar o ato de amanhã.

O grupo de Marina retardava o anúncio da chapa numa tentativa de obter mais concessões do PSB na montagem dos palanques estaduais. Ainda há impasses em ao menos nove Estados, incluindo os mais populosos do país: São Paulo e Minas Gerais.

A Rede quer lançar mais candidaturas próprias, mesmo que nanicas, para se registrar como partido independente em 2015.

Em Pernambuco, Armando sai na frente com 39%; Câmara já tem 12%

Do Blog de Jamildo

O Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau acaba de concluir a primeira pesquisa de intenções de voto sobre as eleições estaduais de 2014.

O levantamento mostra que o senador Armando Monteiro Neto, do PTB, saiu na frente na corrida eleitoral deste ano em Pernambuco. O petebista tem 39% das intenções de voto, nas pesquisas estimuladas.

A pole position do senador do PTB, eleito em 2010 na chapa majoritária do socialista Eduardo Campos, já era esperada.

O economista Maurício Romão, um dos coordenadores do levantamento, observa que Armando Monteiro saiu na frente porque há pelo menos um ano é pré-candidato, além de ser um parlamentar bastante efetivo e atuante. “Como já conta com uma visibilidade midiática muito forte, a dianteira já era esperada. Armando Monteiro Neto ainda pode crescer mais, pois no levantamento mostra uma força no Recife, com 38% das intenções de voto”.

A grande surpresa deste primeiro levantamento da Nassau, entretanto, é o desempenho do candidato socialista Paulo Câmara, ex-secretário da Fazenda de Eduardo Campos. O socialista, que nunca disputou uma eleição, aparece com 12% das intenções de voto, nas pesquisas estimuladas.

34% dos entrevistados disseram que vão votar, branco, nulo ou em ninguém. Outros 15% afirmaram não saber ou não responderam.

“O desempenho surpreendeu a gente. O patamar é elevado e expressivo. Em retrospecto, em 09 e 10 de julho de 2012, a pesquisa IPMN sobre as eleições municipais do Recife Geraldo Júlio tinha 6,8%, Humberto Costa 36%, Mendonça Filho 21% e Daniel Coelho 6%”, compara Maurício Romão.

“Em uma primeira pesquisa de opinião de 2008, da O&M, João da Costa tinha 4,3% e Cadoca 30%. Não quer dizer que todas as eleições seguem um mesmo padrão, mas este desempenho inicial mostra que Paulo Câmara tem grandes possibilidades. Na cidade do Recife, o socialista já tem 23% das intenções de voto”, diz.

SENADO

A primeira pesquisa do Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau também buscou saber a opinião dos pernambucanos sobre a corrida ao Senado. Neste ano, há apenas uma vaga em disputa, uma vez que o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB) desistiu de tentar a renovação do mandato.

De acordo com os dados do levantamento, o ex-prefeito do Recife João Paulo (PT) sai na frente, com 29% das intenções de voto.

Em segundo lugar, aparece o ex-ministro da Integração Nacional do governo Dilma Fernando Bezerra Coelho (PSB), com 17% das intenções de voto.

Há um grande número de eleitores a serem conquistados, entretanto, de acordo com os dados da pesquisa.

Um total de 38% dos entrevistados afirmaram que votariam em branco ou nulo ou mesmo em nenhum dos dois. Outros 17% afirmaram não saber em quem votar ou não quiseram responder.

Um dos cortes interessantes desta disputa mostra a evolução dos números em relação à região. Na região do São Francisco, onde foi prefeito, FBC bate João Paulo por larga vantagem, de 56% a 3%. Na região do sertão, a vantagem cai, mas FBC continua batendo o petista por 34% a 11%. Nas demais regiões, João Paulo leva franca vantagem. Na RMR, excluindo o Recife, João Paulo tem 36% e FBC 9%. Na cidade do Recife, o petista aparece com 35% e o socialista 14%.

PRB adere a Armando e garante apoio de evangélicos e sindicalistas

O pré-candidato ao Governo de Pernambuco, senador Armando Monteiro (PTB), recebeu nesta segunda-feira (7) o apoio de mais um partido. Ligado aos segmentos sindical e evangélico, o PRB passa a integrar a aliança formada até o momento pelo PTB, PT, PSC e Pros.

Acompanhado do deputado federal João Paulo (PT), pré-candidato ao Senado, Armando disse que o apoio do PRB fortalece ainda mais esse conjunto de forças. “Quero destacar o seguinte: o PRB tem características que nos interessam muito e que nos faz valorizar ainda mais essa participação. É que ele tem inserção em dois segmentos importantes da sociedade: na comunidade evangélica e na área sindical”, lembrou Armando, citando a presença no partido de lideranças como as do bispo e ex-deputado estadual Ossesio Silva e do sindicalista Aldo Amaral.