TSE nega acesso de Dilma a documentos de gráficas

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Herman Benjamin, relator do processo que pode levar à cassação da chapa vitoriosa de Dilma Rousseff e Michel Temer nas eleições de 2014, negou nesta quinta-feira, 17, um pedido da defesa da petista para ter acesso imediato a documentos obtidos com a quebra de sigilo bancário das gráficas Red Seg Gráfica, Focal e Gráfica VTPB e de seus sócios.

Em outubro, Herman determinou a quebra do sigilo bancário das gráficas e de seus sócios. O ministro também pediu que o Banco Central fornecesse as informações bancárias e movimentações das empresas e de seus proprietários ocorridas entre 1º de julho de 2014 e 30 de junho de 2015.

A defesa de Dilma solicitou acesso imediato aos documentos e dados encaminhados pelas instituições financeiras em razão da quebra do sigilo bancário, bem como o acompanhamento de todas as diligências e exames.

O ministro, no entanto, ponderou que a petista terá de aguardar a atuação da força-tarefa criada no âmbito do processo, formada por servidores da Polícia Federal, da Receita Federal, do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e do próprio TSE, que se debruçará sobre o material – formado por planilhas e extratos bancários.

“Todos os dados utilizados pela força-tarefa em sua análise (o nominado ‘material bruto’) estarão disponibilizados às partes quando concluídos os trabalhos daquela e iniciados os trabalhos periciais propriamente ditos”, disse o ministro, em sua decisão.

Segundo Herman, a força-tarefa foi constituída para “a partir da expertise e dos recursos operacionais dos órgãos envolvidos, realizar a profunda análise e classificação dos dados bancários que, em estado bruto, nada contribuem para a elucidação do objeto litigioso”.

Herman destacou que a perícia complementar será feita em um segundo momento, quando já estiverem disponíveis as informações obtidas com a atuação da força-tarefa. “Em tal ocasião, evidentemente, a legislação processual acerca da prova pericial será rigorosamente observada, oportunizando-se às partes o pleno acompanhamento de eventuais diligências e, também, o oferecimento de quesitos adicionais e pedidos de esclarecimento”, ressaltou o ministro.

Audiências

O ministro também agendou dois novos depoimentos de testemunhas de defesa de Dilma, marcados para a próxima segunda-feira, 21, às 10h, na sede do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo. Serão ouvidos Vicente Jordão Jardim e Donisete Fernandes dos Santos.

/**/

Gráficas lucram redobrado com campanhas

Por Pedro Augusto

Se para a maioria dos setores econômicos o segundo semestre não anda lá essas coisas, para as gráficas de Caruaru o período encontra-se bastante rentável. E não era para menos. Afinal com as eleições se aproximando no calendário a demanda por materiais de campanha só vem aumentando. Para dar conta de tantas encomendas, as empresas do segmento têm sido obrigadas a absorver mais mão de obra. Hoje a Brindgraf, por exemplo, está operando com mais cinco profissionais, todos voltados para a área de produção.

De acordo com o proprietário Thiago Santos, neste ano a procura por materiais está 30% maior em relação ao pleito de 2010, quando na oportunidade os eleitores também foram convocados para votar em presidente, senador, governador, deputado federal e estadual. “Tão logo a Copa do Mundo se despediu começamos a contabilizar os primeiros pedidos. Até o registro das urnas, no dia 5 de outubro, a tendência é de alta demanda. Estamos atendendo a várias encomendas não só de candidatos de Caruaru, mas de toda a região Agreste”.

Na Núcleo Digital, o movimento também se encontra redobrado. Tanto que a gráfica precisou alargar o seu quadro de funcionários em 20%. “É claro que a demanda pelos produtos chega a ser menor se comparada ao pleito municipal, até porque o número de candidatos locais costuma ser superior neste período específico. Porém, se confrontarmos a procura de 2010 com a deste ano poderíamos afirmar que estamos caminhando para o mesmo patamar. Ou seja, de faturamento redobrado. Grande parte da mão de obra extra que foi contratada deverá ser aproveitada no fim de ano”, destacou o proprietário Luciano Vasconcelos.

Nas duas gráficas, os materiais de campanha estão ganhando ‘vida’ principalmente em forma de banners, bandeiras, placas, adesivos, perfurados e lonas. Já craque nas suas confecções o jovem Michel William, de 19 anos, encontrou nesta época de campanha a oportunidade ideal de ingressar no mercado de trabalho. “Estou me esforçando bastante para ser efetivado após o período de experiência. Pelo menos para mim até agora a eleição está me rendendo bons frutos”. Ele está atuando como operador de produção.