Petrolina recebe nova Agenda 40

Tradicional encontro de socialistas, a Agenda 40 volta a ser realizada nesta sexta-feira (06), na capital do Sertão do São Francisco. Dessa vez, a reunião centrará o foco de discussões em propostas para enfrentar a estiagem e a crise de abastecimento de água em Petrolina. O evento ocorrerá na comunidade N-10 do Projeto Irrigado Senador Nilo Coelho, a partir das 18h30.

A escolha pelo local teve por objetivo aproximar os produtores da fruticultura do debate. Entre os assuntos que devem ser abordados no encontro estão a situação da Barragem de Sobradinho, medidas emergenciais para o abastecimento de água nas comunidades e o fornecimento através de carros-pipa.

De acordo com o presidente do PSB de Petrolina, Miguel Coelho, o partido irá recolher todas as propostas e críticas e encaminhar para o Governo. “A Agenda 40 foi criada justamente para ouvir o povo e aproximar a política e os políticos das comunidades. Nossa intenção é levar tudo o que for discutido para a apreciação tanto do governador Paulo Câmara, que é nossa maior liderança socialista, como também para o Governo Federal, Prefeitura, para as discussões no Congresso​, Assembleia​ e na Câmara Municipal.”

Esta é a segunda Agenda 40 promovida em Petrolina neste ano. A direção do partido pretende realizar 13 encontros na capital do São Francisco antes de realizar a convenção que definirá os candidatos à Prefeitura e à Câmara de Vereadores.

Crise hídrica será o foco das discussões de nova Agenda 40

unnamed (60)

O presidente do PSB de Petrolina, Miguel Coelho, confirmou a realização de uma nova Agenda 40 na capital do sertão do São Francisco. O encontro ocorrerá no dia 7 de novembro e terá como principal eixo de discussão com militantes e moradores da cidade a crise hídrica que afeta o estado há cerca de cinco anos.

A agenda será realizada na comunidade N-10 do perímetro irrigado Senador Nilo Coelho. A escolha pelo local, segundo Miguel Coelho, atende à demanda dos fruticultores de Petrolina, que estão receosos de um colapso de abastecimento de água. “Estamos muito preocupados com a situação do Lago de Sobradinho. O reservatório está prestes a entrar em colapso total e precisamos conversar com os fruticultores que dependem dessa água para produzir. Queremos colocar o partido à disposição e ouvir sugestões para pressionar os governos por medidas urgentes”, explica o deputado estadual.

Será a segunda reunião do partido neste ano no município sertanejo. No começo deste mês, a Agenda 40 debateu vários assuntos como saúde, políticas para mulher, acessibilidade, saúde e transporte público. A meta do partido é realizar ainda dez encontros até a metade do ano que vem, quando ocorrerá a convenção para definir os candidatos a prefeitos e vereadores do PSB.

Paulo Câmara contrário à ‘caça às bruxas’

Do Diario de Pernambuco

O governador Paulo Câmara (PSB) deu ênfase a essa frase após conversar, ontem, com o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), no Palácio da Abolição, e ser indagado sobre o programa do PSB, exibido na última quinta-feira. O material publicitário teve duras críticas contra o governo federal, sem citar o nome de Dilma Rousseff (PT). Chegou a dizer que o PT não tinha um plano para o Brasil, após 13 anos no poder, não avançou em infraestrutura, reformas estruturais e política industrial. Paulo Câmara, por sua vez, falou sobre a crise econômica e política, mas usou um tom mais ameno do que o discurso da legenda.

“Temos que buscar alternativas para o Brasil sair dessa crise, que está prejudicando muitos brasileiros. Então, eu tenho um entendimento, junto com outros governadores do PSB, que é hora de procurar soluções e pensar o futuro”, disse, em entrevista à Radio Jornal.

Câmara reuniu-se com Camilo Santana e ressaltou, também, ter recebido a palavra do ministro da Defesa, Aldo Rebelo, de que não haveria interferência política, caso o grupo Latam decidisse instalar o hub em Pernambuco, um empreendimento que pode gerar cerca de 20 mil empregos.

Por meio da assessoria, o governador ainda relatou ter havido um diálogo proveitoso entre ele e Camilo Santana. “Tive a oportunidade de, no Ceará, ter uma conversa política sobre o futuro do país e do Nordeste, com Camilo Santana. Discutimos questões relacionadas à seca, ao pacto federativo e às contas públicas”, declarou.

Apesar de dureza do PSB sobre o Governo, Paulo diz que momento é de união

unnamed-4

Do JConline

Em Fortaleza para discutir sobre política nacional e desenvolvimento regional com o governador cearense Camilo Santana (PT), Paulo Câmara (PSB) disse, em entrevista à Rádio Jornal, nesta sexta-feira (23), que Pernambuco está bem acima dos concorrentes Ceará e Rio Grande do Norte na disputa pelo hub da Latam.

Apesar da disputa, os dois governadores vêm mantendo uma relação próxima e o encontro deve abordar, principalmente, as obras de interesse dos dois estados, como a Ferrovia Transnordestina e a transposição das águas do Rio São Francisco. Paulo deve voltar ao Estado no final do dia.

“Tenho certeza do potencial de Pernambuco, que está bem acima de seus concorrentes. Caso seja o escolhido pelo hub, não terá dificuldades para a instalação desse grande empreendimento”, disse Câmara.

O Governo do Estado propôs, recentemente, ao Ministério da Defesa e ao comando da Aeronáutica a doação de parte da Base Aérea do Recife ao Aeroporto Internacional dos Guararapes. A cessão foi classificada pela consultoria contratada pelo Grupo Latam como fundamental para a escolha.

Perguntado sobre a dureza com que o PSB tem tratado o Governo Federal, Paulo afirmou que as questões partidária são encabeçadas pelo presidente da legenda, Carlos Siqueira. “Faço parte da Executiva Nacional, mas o partido tem uma presidência que está mais ligada a esse tipo de posicionamento.

Eu e os outros governadores socialistas estamos focados em uma questão mais propositiva, discutindo saídas para a crise, por exemplo. Na minha opinião, é um momento de união nacional para buscar alternativas e para melhorar o Brasil”, explicou.

Para Câmara comentou, ainda, sobre a afirmação do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto, que lamentou a ausência do governador por não pedir contribuição ou ajuda do pernambucano.

“Eu tenho toda a confiança que o ministro faça um bom trabalho para o País crescer, mas estou focado nas questões de saída e segurança dentro de Pernambuco. Só tenho a desejar sorte para que ele trabalhe e continue buscando alternativas para o Brasil sair da crise”, falou.

“Ele tem buscado formas de desenvolver a exportação, tem feito ações importantes para o momento do País. O Brasil tem que buscar oportunidades para importar menos e exportar mais. É uma aposta que eu torço para que dê certo”, completou.

PSB quer ter Alckmin candidato à presidência em 2018, diz coluna

geraldo-alckmin-580x400

Do Blog de Jamildo

O PSB tem apostado em uma disputa interna no PSDB entre Geraldo Alckmin e Aécio Neves pela candidatura presidencial em 2018.

Segundo a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, a articulação, comandada pelo vice-governador Márcio França, presidente do PSB de São Paulo, leva em conta o surgimento de “um novo Alckmin” – que tem reprovado a atuação de seu partido em uma série de questões nacionais, como o acordo da bancada com Eduardo Cunha sobre o impeachment.

Os integrantes do PSB identificaram um desprendimento de Alckmin do tradicional perfil conservador para uma postura um pouco mais liberal.

A possível filiação de Alckmin foi tema da reunião da Executiva do PSB na semana passada. Os que defendem o ingresso do governador dizem que ele poderia resgatar a imagem de Eduardo Campos, morto em 2014.

Mas, alguns alkimistas consideram que as especulações, neste momento, só beneficiam o senador Aécio Neves, que pode usar a notícia de uma possível saída de Alckmin do PSDB como trunfo para fortalecer seu nome internamente para 2018.

Pensando nesse possível problema, a direção paulista do PSDB defende que Aécio organize um ato em Minas para receber Alckmin, como um gesto de reconhecimento pela atuação do governador na campanha de 2014, quando o mineiro teve 64% dos votos em São Paulo.

PSB desiste de fazer oposição ao governo Dilma 

Reunião da Executiva Nacional do PSB desta quarta-feira (14) definiu que o partido manterá postura independente em relação ao governo da presidente Dilma Rousseff. A decisão mostra recuo da legenda, que vinha sinalizando pela mudança definitiva para a oposição. No entanto, a resolução mantém o posicionamento crítico ao mencionar os “arranjos políticos” do Planalto com o Legislativo, o que foi chamado de “enorme toma-lá-da-cá”. O documento acusa ainda a gestão petista de estar entregue “a forças conservadoras e antipopulares”.

O texto assinado pelo presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, informa que lançará candidaturas próprias para as eleições municipais e estaduais de 2016. Embora sem apontar qualquer nome, o presidente da legenda também não deixa dúvidas de que terá candidato próprio para as eleições presidenciais de 2018. “O PSB decide lançar candidaturas próprias nas capitais e cidades pólos de todos os Estados nas eleições municipais de 2016, e também anunciar a determinação de ter candidatura própria à Presidência da República na eleição de 2018”, diz trecho da nota.

A cúpula da legenda ainda fez ponderações sobre as alterações do cenário político dos últimos meses, desde a última reunião da Executiva Nacional, em agosto deste ano. O documento avalia que o novo contexto político – em que pesem a rejeição das contas da presidente pelo Tribunal de Contas da União e as liminares do Supremo Tribunal Federal contra o rito de impeachment estabelecido pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – “potencializa as incertezas, as quais na prática paralisam o país”

Reunião: presidente do PSB convoca, mas Câmara não vai

Por ROSÁLIA RANGEL
Do Dario de Pernambuco

O governador Paulo Câmara (PSB) não vai participar da reunião convocada pelo presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, para discutir o posicionamento do PSB em relação ao governo Dilma Rousseff (PT). Câmara optou por priorizar sua agenda administrativa no Estado. Hoje, às 11h, no Palácio do Campo das Princesas, ele assina um protocolo de intenções para a instalação da fábrica da Unilever, no município de Escada, na Mata Sul, em um investimento de R$ 600 milhões.

O encontro da Executiva nacional da legenda acontece também hoje, às 8h, em Brasília. Ontem, Paulo Câmara esteve na Capital Federal acompanhado dos secretários de Administração, Milton Coelho, e de Planejamento e Gestão, Danilo Cabral. Ele participou de uma reunião com o governador Rodrigo Rollemberg (PSB), mas também esteve na sede do partido. O governo manteve a posição de defender a manutenção da posição de independência em relação ao governo Dilma. Câmara retornou ontem à noite ao estado.

OPOSIÇÃO

Já na avaliação do vice-presidente nacional de Relações Governamentais do PSB, Beto Albuquerque, candidato a vice-presidente na chapa encabeçada por Marina Silva, o partido precisa “entender” que desde a eleição de 2014, quando os socialistas perderam a eleição presidencial, passou a ser oposição. “Não precisamos aderir à oposição tradicional que é contra tudo. Temos que ser propositivos. Mas nosso lugar é ficar longe deste desgoverno”, destacou. Para justificar o distanciamento, ele lembrou, ainda, que a sigla “proibiu” qualquer filiado a ocupar cargos no governo. O PSB também deve se pronunciar sobre o impeachment da presidente.

Gravatá: Vereador deve sair do PSB para disputar prefeitura

Da Folhape

Filiado ao PSB, o vereador do município de Gravatá, Fernando Resende, deve migrar para o PR e se candidatar a prefeitura da cidade nas eleições do próximo ano. A sua saída do Partido Socialista Brasileiro deve ocorrer por conta de dois motivos: o primeiro é sua ligação com o secretário de Transportes de Pernambuco e um dos líderes estaduais do Partido Republicano, Sebastião Oliveira; o segundo motivo é a provável candidatura do deputado Waldemar Borges, do PSB, ao mesmo cargo. A decisão de se transferir para outra sigla só ocorreu agora por conta da prorrogação do prazo de filiações a outras legendas seis meses antes do pleito.

No sábado (10), o vereador Fernando Resende reuniu diversas lideranças políticas para anunciar o apoio de cinco partidos a sua pré-candidatura à Prefeitura de Gravatá. Na ocasião, confirmaram adesão ao seu projeto as seguintes legendas: DEM, PR, PV, PROS e Solidariedade. Nos próximos dias, Resende informa que em breve o grupo será reforçado com a chegada de outros partidos aliados. Fernando Resende, faz oposição ao prefeito Bruno Martiniano (Sem partido).

“Gravatá tem um enorme potencial, mas é preciso ser gerenciada por pessoas competentes e comprometidas. Chega de retrocesso. É necessário resgatar a confiança e o orgulho do nosso povo, que é trabalhador e talentoso”, ressaltou Resende.

“Esse apoio é fruto de muita articulação e conversas, cujo objetivo é unir forças em prol do município. A nossa missão será fazer com que a nossa cidade volte a trilhar o caminho do desenvolvimento”, concluiu Fernando Resende.

Marcaram presença Elson Campos (vereador e presidente do DEM), Gustavo da Serraria ( vereador e presidente do PV), Gilmário de Uruçu (ex-vereador e presidente do PROS), Ademir de Gonçalo (ex-vereador e presidente do PR), Carlinhos de Amaro João (suplente de vereador e vice-presidente do Solidariedade – representando o presidente Marcelo Motos), Angélica de Ademir (vereadora) e Ivan da Farmácia (suplente de vereador).

Gravatá: Vereador deve sair do PSB para disputar prefeitura

Do Blog da Folha

Filiado ao PSB, o vereador do município de Gravatá, Fernando Resende, deve migrar para o PR e se candidatar a prefeitura da cidade nas eleições do próximo ano. A sua saída do Partido Socialista Brasileiro deve ocorrer por conta de dois motivos: o primeiro é sua ligação com o secretário de Transportes de Pernambuco e um dos líderes estaduais do Partido Republicano, Sebastião Oliveira; o segundo motivo é a provável candidatura do deputado Waldemar Borges, do PSB, ao mesmo cargo. A decisão de se transferir para outra sigla só ocorreu agora por conta da prorrogação do prazo de filiações a outras legendas seis meses antes do pleito.

No sábado (10), o vereador Fernando Resende reuniu diversas lideranças políticas para anunciar o apoio de cinco partidos a sua pré-candidatura à Prefeitura de Gravatá. Na ocasião, confirmaram adesão ao seu projeto as seguintes legendas: DEM, PR, PV, PROS e Solidariedade. Nos próximos dias, Resende informa que em breve o grupo será reforçado com a chegada de outros partidos aliados. Fernando Resende, faz oposição ao prefeito Bruno Martiniano (Sem partido).

“Gravatá tem um enorme potencial, mas é preciso ser gerenciada por pessoas competentes e comprometidas. Chega de retrocesso. É necessário resgatar a confiança e o orgulho do nosso povo, que é trabalhador e talentoso”, ressaltou Resende.

“Esse apoio é fruto de muita articulação e conversas, cujo objetivo é unir forças em prol do município. A nossa missão será fazer com que a nossa cidade volte a trilhar o caminho do desenvolvimento”, concluiu Fernando Resende.

Marcaram presença Elson Campos (vereador e presidente do DEM), Gustavo da Serraria ( vereador e presidente do PV), Gilmário de Uruçu (ex-vereador e presidente do PROS), Ademir de Gonçalo (ex-vereador e presidente do PR), Carlinhos de Amaro João (suplente de vereador e vice-presidente do Solidariedade – representando o presidente Marcelo Motos), Angélica de Ademir (vereadora) e Ivan da Farmácia (suplente de vereador).

Executiva Nacional do PSB é convocada para a próxima quarta-feira

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, convocou para o dia 14 de outubro, às 8h, reunião da Comissão Executiva Nacional na sede do partido, em Brasília. O encontro discutirá o posicionamento do PSB frente ao agravamento da crise política e econômica.

No dia 22 de setembro, deputados e senadores do PSB manifestaram opinião majoritária de que o partido deveria abandonar a posição de independência e passar para uma postura de oposição ao governo Dilma Rousseff. A decisão, no entanto, precisa ser tomada pela Executiva Nacional.

/**/