Caruaru tem cesta básica mais barata do que Recife‏

Segundo levantamento feito pelos cursos de Ciências Contábeis e de Gestão Financeira do Centro Universitário do Vale do Ipojuca (UNIFAVIP) em abril, o custo da alimentação básica do caruaruense foi de R$ 273,34 – valor que continua menor que no Recife, com uma diferença de R$ 93,70. A cesta caruaruense ainda mais barata em R$ 84,62 em relação à média nordestina, e R$ 112,36 se comparada à média da cesta nacional.

Considerando o gasto médio mensal dos 12 componentes da cesta apresentados na tabela 2 (ver anexo), os que apresentaram os maiores pesos na determinação do valor total da cesta foram a carne (22,19%), o pão (15,96%), o tomate (15,22%) e a banana (12,25%). Em março, a carne, o pão, o tomate e a banana, respectivamente, foram os itens que mais pesaram nos gastos alimentares do caruaruense.

Para comprar a quantidade necessária de carne para todo o mês o caruaruense precisou desembolsar em média R$ 60,66, o pão R$ 43,62, o tomate R$ 41,61 e a banana R$ 33,49.

A pesquisa segue a metodologia do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Foram elaborados e aplicados 329 questionários com trabalhadores sindicalizados e de associações de diversas categorias, selecionados por amostragem estratificada, representativa da classe de trabalhadores de Caruaru.

COMPARAÇÃO NACIONAL, REGIONAL, LOCAL E COM A CAPITAL RECIFE

Em abril, o preço dos gêneros alimentícios essenciais aumentou em 12 capitais onde o DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica. As maiores altas foram verificadas em João Pessoa (3,96% – R$ 418,18), Recife (3,27% – R$ 376,93), Natal (2,61% – R$ 376,93) e Boa Vista (2,52% – R$ 348,71).

A cesta mais cara do país foi a de São Paulo (R$ 442,42) e a cesta mais barata, foi registrada em Natal (R$ 334,49). Recife ocupa a oitava posição entre as cestas mais baratas do Brasil (R$ 358,55).

COMPARAÇÃO DE PREÇOS ENTRE ESTABELECIMENTOS

Com as informações apresentadas na tabela 4, o cidadão caruaruense pode acompanhar os preços médios dos produtos que compõem a cesta básica por tipo de estabelecimento. São apresentados os preços médios dos produtos pesquisados simultaneamente nos supermercados e nos mercadinhos da cidade.

Acompanhando os preços de itens da cesta básica (estão de fora – a carne, o tomate, o pão e a banana), a pesquisa mostra que ficou mais caro, em média, comprar nos mercadinhos. Em média, se o cidadão comprasse os itens listados na tabela 4 (ver anexo) nos supermercados, sairia ganhando, já que a diferença entre os produtos mais baratos nestes estabelecimentos supera a dos mercadinhos. Comprando os gêneros listados acima nos supermercados, o consumidor gastaria em média R$ 28,96 enquanto que nos mercadinhos ele adquiriria os mesmos itens por R$ 29,35.

Em abril, comprar a maioria dos itens da cesta básica nos supermercados revelou-se a opção mais barata para o consumidor caruaruense, que gastaria a menos, em média, R$ 0,39, comparando com os preços dos mercadinhos. Agora, ao comparar os preços do tomate, da carne, da farinha e da banana entre os supermercados e as feiras, se o consumidor caruaruense comprasse os quatro itens nas feiras economizaria, em média, R$ 1,57.

Ao divulgar estas comparações de preços em relação aos estabelecimentos pesquisados, a equipe que elabora o índice da cesta básica mostra a importância da pesquisa de preços por parte do consumidor caruaruense no momento da compra de sua feira mensal. Pesquisando, comparando e pechinchando, o consumidor poderá economizar em suas compras mensais.

Em Abril, observando-se os quatro itens comuns aos supermercados e feiras, revelou-se a opção mais barata para o consumidor caruaruense, a compra da carne, do tomate e da farinha, nos supermercados, enquanto que a banana estava mais barata na feira. Desta forma, o consumidor caruaruense economizaria, em média, R$ 1,57.

CUSTO DA CESTA, HORAS TRABALHADAS E SALÁRIO MÍNIMO NECESSÁRIO

Levando em consideração o Decreto-lei 399 de 30 de abril de 1938, o salário mínimo deveria suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer, previdência social e, de acordo com a Constituição Federal de 1988 (Art. 7º – IV), o salário mínimo além de suprir as necessidades básicas anteriormente definidas, deve sofrer reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo.

Utilizando a metodologia do Dieese, que tem como base o Decreto-lei supracitado no que se refere à composição da Cesta Básica Nacional e à regulamentação do salário mínimo, pode-se estimar mensalmente o valor do salário mínimo necessário para suprir as necessidades básicas do trabalhador e sua família.

Uma família caruaruense deveria então receber um salário mínimo, em abril, de R$ 2.296,29 para a aquisição dos gêneros alimentícios básicos e dos outros itens já citados acima, garantindo, assim, a sobrevivência digna de um grupo familiar. Este valor representa aproximadamente 2,61 vezes mais que o salário mínimo de R$ 880,00 atualmente em vigor.

De acordo com o Ministério do Trabalho, ao considerarmos que a jornada oficial de trabalho é de 220 horas mensais, o trabalhador de Caruaru em abril utilizou 31,06% de todo o seu tempo de trabalho só com as despesas de alimentação.

Para pagar o valor apresentado pela cesta básica em abril, o assalariado caruaruense precisou trabalhar 68 horas e 20 minutos. Em abril, considerando o salário mínimo líquido, o trabalhador caruaruense desembolsou 33,76% da sua renda apenas com as despesas de alimentação.

Humberto participa da Marcha Popular Pela Democracia no Recife

O líder do governo no Senado, Humberto Costa (PT), participa neste domingo (1º) da Marcha Popular Pela Democracia. O evento vai reunir militantes políticos, movimentos sociais, lideranças sindicais e políticas.  A concentração do ato está marcada para às 9h, na Praça do Derby. De lá, os manifestantes devem seguir em marcha até o Marco Zero.  A ação está sendo organizada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo.

Segundo o senador Humberto Costa, a ação é mais um marco na luta em todo o Brasil pela Democracia. “Seguimos mobilizados e denunciando o golpe que está acontecendo no País. Há uma crescente conscientização da população sobre o risco que está sofrendo a nossa jovem Democracia. Sem um voto, à direita quer tomar o poder e impor a sua pauta conservadora, que penaliza os trabalhadores e acaba com programas sociais. Não podemos deixar isso acontecer”, disse o senador.

Ações como a Marcha Popular deverão ser realizadas em todo o País.  Em Pernambuco várias cidades também terão atos semelhantes. É o caso dos municípios de Paulista, na Região Metropolitana, Surubim, no Agreste do Estado e Petrolina, no Sertão.  “É fundamental mostrar a nossa força e seguir na luta. Os golpistas não passarão”, afirmou Humberto.

Governo de Pernambuco, Prefeitura do Recife e Porto Digital firmam parceria com a Microsoft

O governador Paulo Câmara, o prefeito do Recife, Geraldo Julio, o presidente do conselho administrativo do Porto Digital, Silvio Meira, e a presidente da Microsoft, Paula Bellizia, assinam, às 14h30 desta quarta-feira (23), protocolo de intenções para o desenvolvimento de ações de apoio à educação e ao empreendedorismo no Estado.
A parceria inclui desde a promoção de cursos de capacitação ao acesso a tecnologias da Microsoft para professores e estudantes das redes Estadual e Municipal de Ensino, ONGs e startups.  A solenidade será realizada no Palácio do Campo das Princesas. 

Livro sobre assassinos em série é lançado no Recife

A Faculdade Boa Viagem (FBV|DeVry) promove, no dia 21 de março, às 19h, o lançamento do livro “Assassinos Seriais – o poder da sideração e do superego arcaico”, escrito pela doutora e professora de Psicologia da instituição, Marcela Monteiro, e primeiro a tratar o tema dos serial killers cientificamente. O evento acontece no auditório da FBV e é aberto ao público. Na ocasião, haverá palestras do promotor de justiça Edgar Braz e do delegado Carlos Berenguer, à frente do caso dos “Canibais de Garanhuns”.

Para trazer uma abordagem psicológica sobre dois casos de assassinos em série do país que ganharam bastante repercussão na mídia – o caso Chico Picadinho e o Vampiro de Niterói – Marcela entrevistou pessoalmente os dois acusados, colhendo depoimentos que traz em trechos do seu livro. A pesquisa para realização da obra levou seis anos e a autora é a única pessoa no país a pesquisar o tema cientificamente.

Segundo a doutora, existem outros livros sobre os assassinos em série brasileiros, mas sempre sob uma perspectiva jornalística, relatando os casos. “Neste livro, atravesso o relato relacionando os crimes com aspectos psicossociais dos seres humanos. Sempre tive interesse pelo assunto, por isso dediquei meu mestrado e doutorado a me aprofundar nesse tema”, explica.

Publicado pela Editora Prismas, o livro poderá ser adquirido no evento, onde também haverá uma noite de autógrafos, além da pré-venda através do e-mail livroassassinosseriais@gmail.com. A obra também está disponível para compra no site da Amazon e das principais livrarias do país.

Cerca de 80 mil pessoas participaram de ato no Recife

Do Diário de Pernambuco

Cerca de 80 mil pessoas, segundo os organizadores, participaram na manhã deste domingo do protesto a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) na orla do bairro de Boa Viagem, zona Sul do Recife. A passeata, que iniciou concentração por volta das 9h em frente à Padaria Boa Viagem, na avenida de mesmo nome, iniciou o percurso pouco antes das 11h e foi encerrado por volta das 13h30.

Uma manifestação pacífica, sem o registro de tumultos, que contou com a participação de políticos locais que fazem oposição ao governo federal como a deputada estadual Priscila Krause (Dem), os deputados federais Betinho Gomes e Daniel Coelho (PSDB) e o vereador do Recife, André Regis (PSDB).

Para o representante do Movimento Vem pra Rua em Pernambuco, Gustavo Gesteira, o número de participantes superou o registrado nos outros três atos organizados pelo grupo no ano passado. Nas varandas dos prédios na orla, muitos moradores também fizeram questão de declarar apoio à manifestação.

Mais de 7 mil turistas são recebidos com Frevo no Porto do Recife

Turistas no terminal do Porto do Recife

O Recife recebeu nesta segunda-feira (7) mais de 7 mil turistas de vários países que desembarcaram de três transatlânticos que atracaram simultaneamente no porto da capital pernambucana. Os passageiros começaram a descer dos navios Costa Pacífica, Costa Fascinosa e Seven Seas Mariner às 7h da manhã e foram recebidos na estação de passageiros por uma orquestra e passistas Frevo, além de outras figuras do folclore local como os dançarinos de Maracatu, Caboclos de Lança e bonecos gigantes.

Para o desembarque dos passageiros, a Agemar, empresa responsável pelo receptivo, montou uma mega operação para garantir um fluxo constante de ônibus para levar os turistas dos navios até o terminal durante todo o dia. A equipe incluiu também recepcionistas bilíngues e ambulâncias com paramédicos. Do terminal, os turistas seguiram em táxis e vans oferecidas por agências de viagens para conhecer as atrações da cidade.

Os visitantes retornaram às17h aos ​navios que começaram a zarpar. O Costa Pacífica e o Costa Fascinosa, ambos de bandeira italiana, seguiram com destino a Tenerife, em Cabo Verde. Já o transatlântico Seven Seas Mariner, de bandeira bahamenha, foi para Macapá, no Amapá.

/**/

Texshow chega a Recife

Em sua 2ª edição, o Texshow chega a Recife buscando reunir forças de grandes players do setor têxtil, Branyl, Lavive e Tapete São Carlos e fomentar o mercado de decoração. O evento, que já passou pelo Rio de Janeiro, tem o formato de showroom itinerante e entrega de conteúdo qualificado aos visitantes. O evento tem como objetivo mostrar as tendências e novidades para arquitetos, lojistas e público interessado em decoração. O Texshow ocorrerá entre os dias 8 e 10 de março, das 13h às 21h, no Hotel Transamérica.

Segmento de forte impacto social, o setor têxtil, equivalente a 5,6% do valor total da produção da indústria brasileira de transformação, é responsável pela movimentação de 1,6 milhão de postos de trabalho. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), o setor representa a força produtiva de 33 mil empresas instaladas por todo o território nacional, empresas de todos os portes que empregam mais de 1,6 milhão de trabalhadores e geram, juntas, um faturamento anual de US$ 53,6 bilhões. A Abit prevê que o setor voltará a crescer neste ano com o aumento das exportações e com a substituição de importados na indústria nacional. Estudos apontam que existirá uma substituição de importações de produtos têxteis, de aproximadamente 200 mil toneladas; e de 200 milhões de peças, no que diz respeito ao setor de vestuário.

Pensando em se aproximar dos lojistas e pessoas ligadas ao mercado de decoração, o Textshow promove a oportunidade de ter os lançamentos que serão tendências para 2016 antecipados  e com produtos com preços e condições especiais. Em três dias serão apresentados produtos dos mais variados segmentos (casa, hotel, pousadas, cortinas, movelaria e decoração em geral).

O evento contará ainda com duas palestras. A primeira será no dia 9 (16h às 17h) voltada para vendedores, balconistas e supervisores que tem como tema “Visual Merchandising, muito além da vitrine”. Já a segunda acontecerá no dia 10 e terá como foco os donos e gerentes de lojas, o tema abordado será “A inteligência de vendas por trás do Visual Merchandising” que irá focar nos hábitos e perfil do consumidor. As duas palestras serão ministradas por Endrigo Pontes, especialista com mais de 18 anos de experiência na área e que já passou por empresas como Artex e Malwee.

“Nosso comprometimento está muito além de promover encontros comerciais de compra e venda, por isso, estamos promovendo as palestras e escolhemos o tema Visual Merchandising – uma grande ferramenta que poderá impulsionar as vendas de nossos parceiros”, ressalta Marlon Fernandes, um dos organizadores do evento. Os lojistas e interessados que desejam participar do evento e das palestras devem efetuar reserva por telefone 11-3225-2507 ou por e-mail texshow@e-synapsis.com.br. As vagas são limitadas e a entrada é gratuita.

Comércio Exterior – Em 2015, as importações de têxteis e confeccionados tiveram queda de 17,4% (US$ 5,85 bi) e as exportações diminuíram 8,2% (US$ 1,08 bi). Já o déficit na balança comercial foi de US$ 4,8 bi, número 18,6% menor que o registrado em 2014 (US$ 5,9 bi), em que as importações tiveram um aumento de 4,8% (US$ 7,08 bi) e as exportações apresentaram queda de 6,7% (US$ 1,18 bi). Para 2016, a perspectiva é de o déficit da balança comercial seja de US$ 3,4 bi, com uma queda de 22,4% (US$ 4,5 bi) nas importações. Para  um aumento de 1,5% (US$ 1,1 bi) nas exportações do setor.

Produção – Em 2015, a produção física do segmento têxtil teve queda de 14,5% (1,9 mi de toneladas) e a do vestuário, de 10% (5,5 bi de peças). Em 2014, esta queda foi de 3,2% (2,2 mi de toneladas) e de 6,6% (6,15 bi de peças).  Para 2016, a perspectiva é de haja um aumento de 9% (2,08 mi de toneladas) e uma queda de 1,8% (5,4 mi de toneladas) no segmento de vestuário.

Faturamento – O faturamento do setor têxtil e de confecção brasileiro em 2015 foi de R$ 121 bi (US$ 36,2 bi), valor 3,9% menor que o de 2014, em que o número foi de R$ 126 bi (US$ 53,6 bi). Para 2016, a perspectiva é de que o faturamento do setor têxtil e de confecção brasileiro seja de R$ 127 bi (US$ 30,9 bi), o que significa um aumento de 4,9% em relação a 2015.

Empregos – Geração de emprego no ano de 2015: 35.000 novos empregos – A média de geração de 2007 a 2014  é de 40.000 empregos por ano. Para 2016 espera-se estabilidade na manutenção dos postos de trabalho.

Ministro da Saúde e diretora-geral da OMS visitam Recife

O Ministro da Saúde, Marcelo Castro, juntamente com a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, e a diretora da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), Carissa Etienne, estarão em Recife (PE) na manhã desta quarta-feira (24), onde visitam o Instituto Materno Infantil de Pernambuco (IMIP). A unidade é referência em diversas especialidades médicas, inclusive no atendimento infantil.

No período da tarde, as três autoridades cumprem agenda no Rio de Janeiro (RJ), onde visitam a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), importante instituição de pesquisa e tecnologia em saúde que está à frente de projetos para o desenvolvimento de novas tecnologias de combate ao mosquito Aedes Aegypti, diagnóstico, prevenção e tratamento para doenças transmitidas pelo vetor.

A coletiva de imprensa com a participação da diretora-geral da OMS, Margaret Chan, e da diretora da OPAS, Carissa Etienne, será realizada na Fiocruz, no Rio de Janeiro, por volta de 16h. Desta forma, o atendimento aos jornalistas inicialmente previsto em Brasília foi transferido para a capital fluminense.

Cesta básica em Caruaru é mais barata do que a de Recife‏

De acordo com levantamento realizado pelos cursos de Ciências Contábeis e de Gestão Financeira do Centro Universitário do Vale do Ipojuca (UNIFAVIP), em janeiro, o custo de alimentação básica de quem mora em Caruaru, foi de 265,73. O levantamento segue a metodologia do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócioeconômicos).

Foram elaborados e aplicados 329 questionários com trabalhadores sindicalizados e de associações de diversas categorias, selecionados por amostragem estratificada, representativa da classe de trabalhadores de Caruaru.

Considerando o gasto médio mensal dos 12 componentes da cesta apresentados na tabela 2 (ver anexo), os que apresentaram os maiores pesos na determinação do valor total da cesta foram a carne (25,04%), o tomate (16,74%), o tomate (14,72%) e o pão (16,41%). Em Janeiro, a carne, o pão, o tomate e o pão, respectivamente, foram os itens que mais pesaram nos gastos alimentares do caruaruense.

Para comprar a quantidade necessária de carne para todo o mês o caruaruense precisou desembolsar em média R$ 66,53, o tomate 44,49 e o pão R$ 43,63. A cesta básica caruaruense continuou apresentando um valor menor que a de Recife: a diferença praticamente não se alterou, passando de R$ 78,65 para R$ 78,74.

Em Janeiro, a cesta caruaruense foi mais barata em R$ 78,74, se comparada a de Recife; R$ 84,89 em relação à média nordestina e R$ 122,21 se comparada à média da cesta nacional.

COMPARAÇÃO NACIONAL, REGIONAL, LOCAL E COM A CAPITAL RECIFE

Em Janeiro, o preço dos gêneros alimentícios essenciais aumentou nas 18 capitais onde o DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica. As maiores altas foram verificadas em Goiânia (15,75% – R$ 388,45), Aracaju (14,71% – R$ 350,73), e Palmas (14,24% – R$ 395,31). O menor aumento foi registrado em Curitiba (1,71% – R$ 398,46).

A cesta mais cara do país foi a de Brasília (R$ 451,76) e a cesta mais barata, foi registrada em Natal (R$ 329,20). Recife, pelo segundo mês consecutivo, é a quarta cesta mais barata do Brasil (R$ 344,47).

COMPARAÇÃO DE PREÇOS ENTRE ESTABELECIMENTOS

Com as informações apresentadas na tabela 4, o cidadão caruaruense pode acompanhar os preços médios dos produtos que compõem a cesta básica por tipo de estabelecimento. São apresentados os preços médios dos produtos pesquisados simultaneamente nos supermercados e nos mercadinhos da cidade. Estão fora desta lista a carne, o tomate, o pão e a banana.

Acompanhando os preços destes itens, percebemos que ficou mais caro, em média, comprar nos mercadinhos. Em média, se o cidadão comprasse os itens listados na tabela 4 nos mercadinhos, sairia ganhando, já que a diferença entre os produtos mais baratos nestes estabelecimentos supera a dos mercadinhos. Comprando os gêneros listados acima nos supermercados, o consumidor gastaria em média R$ 25,05 enquanto que nos mercadinhos ele adquiriria os mesmos itens por R$ 26,01.

Agora ao compararmos os preços do tomate, da carne, da farinha e da banana entre os supermercados e as feiras. Se o consumidor caruaruense comprasse os três itens nos supermercados economizaria, em média, R$ 0,05.

Em Janeiro, comprar a maioria dos itens da cesta básica nos supermercados revelou-se a opção mais barata para o consumidor caruaruense, que gastaria a menos, em média, R$ 0,96, comparando com os preços dos mercadinhos.

Ao divulgar estas comparações de preços em relação aos estabelecimentos pesquisados, a equipe que elabora o índice da cesta básica mostra a importância da pesquisa de preços por parte do consumidor caruaruense no momento da compra de sua feira mensal. Pesquisando, comparando e pechinchando, o consumidor poderá economizar em suas compras mensais.

CUSTO DA CESTA, HORAS TRABALHADAS E SALÁRIO MÍNIMO NECESSÁRIO

Levando em consideração o Decreto-lei 399 de 30 de abril de 1938, o salário mínimo deveria suprir as despesas de um trabalhador e sua família.

com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer, previdência social e, de acordo com a Constituição Federal de 1988 (Art. 7º – IV), o salário mínimo além de suprir as necessidades básicas anteriormente definidas, deve sofrer reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo. Utilizando a metodologia do Dieese, que tem como base o Decreto-lei supracitado no que se refere à composição da Cesta Básica Nacional e à regulamentação do salário mínimo, pode-se estimar mensalmente o valor do salário mínimo necessário para suprir as necessidades básicas do trabalhador e sua família. Na tabela 6, apresentam-se os custos e as horas trabalhadas para a obtenção da cesta básica de Caruaru no mês de novembro, além do salário mínimo necessário.

Uma família caruaruense deveria então receber um salário mínimo, em Janeiro, de R$ 2.232,36 para a aquisição dos gêneros alimentícios básicos e dos outros itens já citados acima, garantindo, assim, a sobrevivência digna de um grupo familiar. Este valor representa aproximadamente 2,53 vezes mais que o salário mínimo de R$ 880,00 atualmente em vigor.

De acordo com o Ministério do Trabalho, ao considerarmos que a jornada oficial de trabalho é de 220 horas mensais, o trabalhador de Caruaru em Janeiro utilizou 31,62% de todo o seu tempo de trabalho só com as despesas de alimentação.

Walmart seleciona jovens para a Escola Social do Varejo no Recife

Estão abertas as inscrições para novas turmas da Escola Social do Varejo (ESV) em Recife. A ESV, programa do Instituto Walmart em parceria com o Instituto Aliança, prepara jovens para o mundo do trabalho, com foco no segmento varejista. As inscrições vão até o dia 04 de março e podem participar da seleção jovens de 17 a 24 anos, que estejam cursando o terceiro ano ou que já tenham concluído o Ensino Médio na rede pública. São oferecidas 50 vagas para período matutino, das 8h às 12h, e outras 50 para o período vespertino, das 13:30h às 17:30h. O início das aulas está previsto para o dia 15 de março.

A duração da qualificação profissional é de 300 horas, composta por aulas teóricas e práticas, e durante a realização da formação são oferecidos material didático, uniforme, alimentação e auxílio-transporte. O certificado será emitido pela Universidade Estadual do Ceará, como curso de extensão. Após a etapa de formação, os jovens recebem apoio e orientação para se colocarem no mercado de trabalho.

Em cinco anos, a Escola Social do Varejo já foi responsável por formar mais de 10 mil jovens. Cerca de 80% dos jovens que concluem a ESV ingressam em oportunidades efetivas de emprego ou em vagas de aprendizagem em empresas de médio e grande porte.

Como participar – As inscrições podem ser feitas, até o dia 04 de março, online pelo Facebook: www.facebook/esvpe . Informações pelos telefones:  (81) 87388120,  (81) 95212133, (81) 998385434, (81) 995053954.

A Escola Social do Varejo

A Escola Social do Varejo foi criada pelo Instituto Walmart, em parceria com o Instituto Aliança, e tem como objetivo promover a formação profissional de jovens de várias partes do país para o mundo do trabalho, com foco no segmento varejista. Os participantes são prioritariamente aqueles que estejam cursando o ensino médio ou que já tenham concluído na rede pública e tenham renda familiar de até dois salários mínimos.

O Instituto Walmart acredita que a ponte entre a escola e o mundo do trabalho deve começar a ser construída de forma integrada ao Ensino Médio e disponibiliza para redes públicas de ensino a metodologia da Escola Social do Varejo, que pode ser adaptada às diferentes realidades nos Estados. Desde 2010, já foram desenvolvidas experiências integradas ao Ensino Médio em quatro Estados brasileiros em parceria com Secretarias Estaduais de Educação.