Eleição para Conselho de Saúde é neste sábado

A eleição da diretoria do Conselho Municipal de Saúde acontece neste sábado (29), no auditório da Secretaria Municipal de Saúde, das 8 às 13h. Só poderão participar da votação as 17 entidades inscritas no processo. Dentre essas, quatro representam os trabalhadores, e as demais representam os usuários do SUS. Houve uma renovação de 50% nas candidaturas na ala dos trabalhadores.

Na ocasião o médico e professor da UFPE, Marcos Pedrosa, que já foi Conselheiro Nacional de Saúde, ministrará uma palestra sobre a importância do conselho para sociedade, além de abordar importantes aspectos do SUS (Sistema Único de Saúde).

O Conselho Municipal de Saúde é responsável pela efetivação do controle social, para a participação da sociedade na política social de saúde. E um meio formal, criado legalmente instituído pela Lei Orgânica do Município, nos termos de seu artigo 133 e pela Lei Municipal de nº 5.220, de 11 de junho de 2012, observadas as disposições da Lei Federal nº 8.142/1990 e da resolução do CNS nº 333/2003, para dar voz à população na interação com a gestão da saúde.

Ministério da Saúde alerta para queda na taxa de doação por habitantes

Todos os dias milhares de brasileiros necessitam de sangue para a realização de transplantes, cirurgias e atendimentos de urgência. Na Semana Nacional do Doador de Sangue, dados do Ministério da Saúde mostram que o número de coletas no SUS, em 2014, deve chegar a 3,4 milhões de coletas, maior que o registrado em 2013, de 3,3 milhões.

No entanto, o Ministério alerta que a taxa de doação por habitante registrou queda em 2013 se comparado à  2012 – passando de 18,75/mil hab para 17,84/mil hab. Uma vez que a população vem crescendo torna-se fundamental o aumento de coletas para manutenção dos estoques atuais. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que a autossuficiência seja alcançada com variação entre 1% e 3% da população doando sangue.

Durante o evento comemorativo realizado no Hemocentro de Brasília nesta quarta-feira (26), o ministro da Saúde, Arthur Chioro, reforçou a importância de doação de sangue. “Estamos tendo uma diminuição pequena nas doações, mas ainda é uma diminuição. Estamos nos preparando para as férias e precisamos levar este gesto de solidariedade às pessoas e ampliar o número de doadores. Normalmente, a doação é despertada quando um paciente está doente, mas precisamos de doadores cativos. A doação faz bem ao corpo, à mente e deve ser incentivada”, alertou Chioro.

Na ocasião, Chioro anunciou o lançamento do Sistema Hemovida Web que reunirá informações cadastrais, clínicas e medicamentosas de pacientes com hemoglobinopatias, doenças provocadas por defeitos na hemoglobina, como a doença falciforme. “O sistema Hemovida traz um ganho para a gestão, não só para as equipes profissionais e centros que acompanham esses pacientes, mas melhora o nosso planejamento, nossa qualidade na assistência a esses pacientes”, comemorou o ministro.

Para não deixar os estoques desabastecidos, o Ministério da Saúde mobiliza a população para manutenção das doações por meio de ações como a realização de campanhas publicitárias e ações estratégicas para o aumento e a qualificação do estoque.

No último ano foi revista a faixa etária para doação, passando a idade mínima de 18 para 16 anos (com autorização do responsável) e máxima de 67 para 69 anos. Essa medida permitiu a abertura de mais 8,7 milhões novos voluntários.

Com a obrigatoriedade da realização do teste NAT, também em 2013, o Ministério garantiu a redução da chamada janela imunológica para a detecção de HIV e Hepatite tipo C, e consequentemente uma maior segurança nas transfusões. Desenvolvido pelo laboratório público Bio-Manguinhos, o teste encontra-se 100% implantado, o que garante que todo o sangue coletado na rede pública de saúde seja submetido ao Teste NAT.

HEMOVIDA WEB – Estima-se que mais de 40 mil brasileiros que recebem tratamento para doença falciforme no Sistema Único de Saúde (SUS) passarão a contar, a partir de hoje, com um sistema informatizado, com capacidade de reunir informações cadastrais, clínicas e medicamentosas sobre cada paciente atendido na rede pública de saúde. O software tem o objetivo de sistematizar os indicadores sobre a doença sanguínea hereditária, caracterizada pela alteração dos glóbulos vermelhos, contribuindo para o direcionamento das políticas públicas de doença falciforme.

O software já está em teste em duas capitais brasileiras: São Paulo e Bahia. Para aderirem ao sistema, os hospitais e hemocentros necessitam de acesso à internet. A adesão de gestores e serviços de hemoterapia é feita por termo de confidencialidade de uso e adesão. Serão cadastrados os perfis de Gestor e de Serviço para início de uso do sistema. O Ministério da Saúde fará treinamentos por videoconferência, agendados após a liberação de acesso do serviço, para apresentar as funcionalidades da ferramenta.

DOENÇA FALCIFORME – A doença falciforme acontece devido à uma modificação no gene que ao invés de produzir a hemoglobina (Hb) A, dentro dos glóbulos vermelhos ou hemácias, produz outra hemoglobina, denominada Hemoglobina S (HbS). Os principais sintomas são: anemia crônica, icterícia (cor amarelada na parte branca dos olhos), mãos e pés inchados e muita dor nos punhos e tornozelos (frequente até os dois anos de idade), além de crises marcadas por dores nos músculos, ossos e articulações.

O exame para doença falciforme é oferecido gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS) por meio do Programa Nacional de Triagem Neonatal, conhecido como teste do pezinho, que inclui exames para a detecção precoce de outras seis doenças. Além das transfusões de sangue, necessárias em alguns casos, o tratamento da doença falciforme inclui uso o ácido fólico, penicilina oral ou injetável (obrigatoriamente até os 5 anos de idade), antibióticos, analgésicos e anti-inflamatórios (nas intercorrências).

População Agrestinense será contemplada com mais quatro unidade de Saúde

A Secretaria de saúde de Agrestina informou que as obras das Unidades de Saúde estão em fase de conclusão. A população será contemplada com mais três Unidades de Saúde da Família, além da UPA 24H.

As obras de conclusão estão em andamento, a exemplo dos postos de saúde nas seguintes localidades: 21 de abril, Cohab, UPA 24H, além do PSF de Cruz de Água Branca, zona rural do município. Juntas as unidades vão beneficiar Cinco mil famílias no acesso a consultas, exames clínicos, acompanhamento do pré-natal, aferição de pressão, encaminhamentos.

A expectativa é que até o primeiro semestre de 2015 os PSF’s estejam prontos, a exceção da UPA 24H, onde a previsão de conclusão é julho de 2015. A obra tem apoio do Governo Federal e recebeu recursos no valor de R$ 1.994.603,66. A unidade de saúde vai beneficiar além de Agrestina, as cidades de Altinho, Cupira e São Joaquim do Monte.

Os serviços recebem o suporte das equipes de saúde da família, onde os pacientes são avaliados na própria residência por uma equipe de profissionais formada por médicos, enfermeiros, psicólogos, técnicos de enfermagem e assistentes sociais.

Profissionais de saúde são nomeados pela Prefeitura de Caruaru

A Prefeitura de Caruaru nomeou 58 profissionais de saúde que foram aprovados no último concurso público realizado em 2012. A nomeação foi publicada no Diário Oficial nº 155. Os candidatos devem comparecer à coordenadoria de Recursos Humanos e Folha de Pagamento da Secretaria de Administração, no período de 01 a 30 de dezembro de 2014, das 8h às 13h, para tomarem posse.

Os aprovados devem apresentar no ato da posse documentos que comprovem ter nacionalidade brasileira, estarem quites com as obrigações militares e eleitorais, além de gozarem de boa saúde, por meio de inspeção médica.

As vagas serão preenchidas para 26 profissionais do ensino médio, sendo 15 vagas para técnico de enfermagem, quatro para auxiliar de farmácia, cinco para auxiliar de saúde bucal e uma vaga para técnico em patologia clínica e auxiliar de laboratório.

Os cargos de ensino superior serão destinados para 32 profissionais, sendo nove vagas para médicos especialistas em cardiologia, infectologia, ultrassonografia e regulador do SAMU. As demais áreas contempladas são 8 vagas para enfermeiros, 5 para dentistas, duas para psicólogos, nutricionistas e sanitaristas, além de uma vaga para assistente social, farmacêutico, fonoaudiólogo e terapeuta ocupacional.

Ministério da Saúde dá orientações sobre vacinação contra sarampo para crianças com alergia a lactose

O Ministério da Saúde está orientando às secretarias estaduais e municipais de saúde que evitem vacinar com a tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba) crianças com histórico de alergia a lactose, com o produto fornecido pelo laboratório Serum Institutte of India Ltd. A informação é preventiva, pois foram notificados alguns casos de reações adversas em crianças que têm alergia a leite de vaca. Vale ressaltar que todas as crianças passam bem.

O produtor Serum Institutte of India Ltd. é pré-qualificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e fornece, há muitos anos, vacinas para vários países do mundo, inclusive o Brasil. Como rotina para aumentar a segurança das vacinas utilizadas em nosso país, o Ministério da Saúde também testa cada lote antes do mesmo ser utilizado. Todos os lotes da vacina tríplice viral que estão em uso no país, incluindo os do Serum Institute, passaram por análise no Instituto de Qualidade em Saúde (INCQS), sendo aprovadas para uso. Desde junho deste ano, mais de 4,4 milhões de crianças já foram vacinadas com essa tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba) no país e há garantia da segurança da vacina.

 

Ao analisar a composição da vacina do produtor Serum, verificou-se a presença de lactoalbumina hidrolisada, produto que pode fazer parte de algumas vacinas. Embora não exista na bula nenhuma contraindicação do seu uso em pessoas que apresentam alergia ao leite de vaca, como medida de precaução, o Ministério da Saúde enviou a todas as secretarias estaduais de saúde informe técnico recomendando que crianças com histórico de alergia ao leite de vaca não sejam vacinadas com a tríplice viral, do produtor Serum Institute of India Ltd. Nestas crianças, a vacinação, deverá ocorrer em uma data posterior.

 

O Ministério da Saúde está analisando, em conjunto com a Organização Pan-America de Saúde (OPAS/OMS), responsável pela aquisição deste produto, os eventos adversos registrados e sua possível associação com a vacina.

 

Cabe ressaltar que a vacinação contra o sarampo é muito importante para manter o país livre dessa doença. Apesar de não ter circulação nas Américas, ainda ocorrem surtos de sarampo em todos os outros continentes, o que representa uma permanente ameaça de reintrodução da doença no Brasil.

Paulo quer parcerias com o BID para Saúde e Educação

O governador eleito de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB) se reuniu ontem (18) com a representante do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) no Brasil, Daniela Carrera-Marquis, para discutir o andamento dos projetos e programas em parceria com a instituição, além de identificar novas oportunidades de financiamentos para o Estado.

“É um reencontro com o BID, agora como governador. Entendo que devemos fortalecer essa parceria e criar novas oportunidades, especialmente nas áreas sociais, como Saúde e Educação”, explicou, relembrando que como secretário do Governo Eduardo Campos teve oportunidade de trabalhar em conjunto com o banco de desenvolvimento.

Paulo Câmara afirmou que, a partir de janeiro, pretende acelerar os projetos existentes e buscar novos financiamentos. A representante do BID acertou uma visita a Pernambuco ainda no primeiro trimestre de 2015. A reunião na sede do BID também contou com as presenças do coordenador da transição de Paulo, Renato Thièbaut, e da especialista em operações do BID Claudia Veiga.

Atualmente, Pernambuco tem os seguintes programas em parceria com o BID: Programa de Consolidação do Equilíbrio Fiscal para o Desenvolvimento Econômico e Social do Estado de Pernambuco (Proconfis-PE), Projeto de Apoio à Modernização e à Transparência da Gestão Fiscal do Estado de Pernambuco (Profisco), Programa de Saneamento Ambiental da Bacia do Ipojuca (PSA Ipojuca), Programa Nacional de Turismo (Prodetur) e o Programa de Produção, Difusão e Inovações para Competitividade de Arranjos Produtivos Locais do Estado de Pernambuco (Proapl-PE).

O governador eleito disse que as novas parcerias com o BID, na área da Saúde, por exemplo, devem beneficiar a descentralização do atendimento médico, de alta e média complexidade e da Saúde da mulher. Todas propostas que fazem parte do seu programa de governo.

Daniela Carrera-Maquis também sugeriu uma maior presença de pequenas empresas de Pernambuco no ConectAmericas, a principal comunidade online de empresas da América Latina e do Caribe dedicada a promover o comércio e investimentos internacionais. Paulo e Daniela Carrera-Maquis_01

Em Gravatá, prefeitura promove ações de saúde do homem para mototaxistas

Nesta quarta-feira (19) a Secretaria de Saúde de Gravatá dá continuidade as ações de Saúde do Homem, referentes ao Novembro Azul.A partir das 14h a equipe estará ao lado da Caixa Econômica Federal atendendo mototaxistas, comerciantes e transeuntes que passam pelo local.

Durante a ação serão oferecidas vacinação, aferição de pressão, teste de glicose, entre outros serviços. Todos os PSFs da cidade e zona rural estão atuando na campanha, e independente do Novembro Azul, o público masculino pode e deve procurar os serviços disponíveis nas unidades de saúde em cada bairro.

A secretaria informou ainda o calendário de atendimento de Saúde do Homem para esta e outra semana.

Saúde lança edital para financiar pesquisas sobre desenvolvimento infantil

Com objetivo de conhecer as principais razões que levam ao desenvolvimento infantil deficitário e propor soluções para enfrentar os problemas decorrentes dessa deficiência, o Ministério da Saúde lançou nesta segunda-feira (17/11) o edital nº 47/2014, em que prevê R$ 10 milhões para financiamento de pesquisas na área de saúde da criança. A ação, realizada em parceria com a Fundação Bill & Melinda Gates e o CNPq, faz parte do programa Grandes Desafios Brasil:Desenvolvimento saúdavel para todas as crianças.

Universidades e institutos de pesquisa de todo país poderão realizar suas inscrições até o  dia 13 de janeiro de 2015. Os projetos deverão ter abordagem inovadora e buscar determinar quais combinações de intervenções são mais eficazes para prevenir e tratar as consequências do nascimento, crescimento e desenvolvimento não saudáveis e quando essas intervenções são aplicadas com mais eficácia, além de como devem ser integradas de maneira prática.

Para o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Carlos Gadelha, as pesquisas são importantes mecanismos para identificar possíveis soluções para auxiliar no tratamento e prevenção de déficits psicomotores. “O Ministério da Saúde percebeu a necessidade de expandir as pesquisas para além do período perinatal [contemplado no edital anterior] e ampliou o escopo do edital, buscando fomentar  pesquisas que investiguem todo o desenvolvimento da criança até os primeiros mil dias de vida. Essa alteração visa, sobretudo, a impulsionar pesquisas que estejam diretamente relacionadas às necessidades de inovação no SUS, bem como da saúde e do desenvolvimento da mulher e das crianças”, ressalta.

O período da vida compreendido entre 0 a 6 anos, conhecido como primeira infância, é decisivo para o desenvolvimento saudável do ser humano. Estudos científicos demostram que quanto mais cedo ocorrem experiências familiares e sociais, maiores são as influências nas etapas durante a vida, tanto positivas quanto negativas, pois afetam as bases da aprendizagem, do comportamento e da saúde. Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), pelo menos 10% das crianças nascem ou adquirem algum tipo de alteração– física, mental ou sensorial – com repercussão negativa no desenvolvimento neuropsicomotor.

A desnutrição crônica, por exemplo, é comprovadamente um esses fatores que influenciam no desenvolvimento infantil. Uma pesquisa realizada pelos ministérios da Saúde e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome demonstrou que, em cinco anos, a desnutrição crônica caiu 51,4% entre as crianças que integram o programa Bolsa Família. De acordo com o estudo Evolução temporal do estado nutricional das crianças beneficiárias do Programa Bolsa Família, em 2008, 17,5% das crianças entre zero e cinco anos analisadas estavam abaixo da estatura indicada para a idade. Após quatro anos sob os cuidados os profissionais do Sistema Único de Saúde, o índice desse mesmo grupo de crianças caiu para 8,5%, queda de nove pontos percentuais.

Ao contrário da desnutrição aguda, determinada pelo baixo peso, a desnutrição crônica reflete longos períodos expostos a situações de fome e miséria, inclusive, no ventre da mãe, comprometendo o crescimento da criança. A altura média dos perfis analisados aumentou devido a melhoria nutricional e do acesso à saúde, garantido pelo Bolsa Família. Em 2008, os meninos de cinco anos de idade mediam 107,8 cm, e, em 2012, chegaram a 108,6 cm. Já as meninas passaram de 107,2 cm para 107,9 cm. Neste estudo, foram analisadas 362 mil crianças beneficiadas pelo programa por cinco anos consecutivos, entre 2008 e 2012.

“Com este edital, estamos trazendo a comunidade científica para enfrentar os graves problemas de saúde do país. Queremos usar o que há de mais moderno no campo da ciência para as estratégias de promoção da saúde nessa fase decisiva na vida das crianças”, reforça o secretário.

AÇÕES – Entre essas estratégias adotadas pelo Sistema Único de Saúde, o governo federal lançou, em 2011, a Rede Cegonha, que tem como uma das principais metas reduzir morte materna e neonatal, incentivar o parto normal humanizado e intensificar a assistência integral à saúde de mulheres e crianças, desde o planejamento reprodutivo, passando pela confirmação da gravidez até o segundo ano de vida das crianças. Atualmente, a Rede Cegonha está presente em mais de 5 mil municípios de todo o país e atende a 2,6 milhões de gestantes. Desde o lançamento da Rede, já foram investidos mais de R$ 3,1 bilhões para o desenvolvimento de ações.

Dentro da estratégia da Rede, cabe destacar o papel importante da Politica Nacional de Aleitamento Materno, que também tem conseguido ampliar as taxas de aleitamento de forma significativa e contribuído efetivamente para que o país atingisse a meta para redução de mortalidade na infância definida pelos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODB). O acordo internacional previa a redução em 2/3 da mortalidade em crianças com menos de 5 anos, entre 1990 e 2015. O Brasil conseguiu atingir a meta já em 2013. Nas capitais brasileiras e no Distrito Federal, o tempo médio de aleitamento materno aumentou em um mês e meio entre 1999 e 2008. Até o ano passado, 5.700 profissionais de saúde das equipes de atenção básica foram qualificados a orientar as mães como proceder na alimentação do primeiro ano de vida.

/**/

Ministério da Saúde disponibiliza no SUS vacina contra coqueluche para gestantes

Grávidas e recém-nascidos ganharam um novo reforço para proteção contra coqueluche. A partir deste mês de novembro, as gestantes têm à disposição a vacina acelular contra difteria, tétano e coqueluche (dTpa) no Calendário Nacional de Vacinação pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Dessa forma, o Ministério da Saúde busca reduzir a incidência e mortalidade causada pela doença entre os recém-nascidos. A vacina dTpa está disponível nos 35 mil postos da rede pública.

A recomendação do Ministério da Saúde é para aplicação da dose entre as 27ª e a 36ª semanas de gestação – período que gera maior proteção para a criança, com efetividade estimada em 91%. Entretanto, a dose também pode ser administrada até, no máximo, 20 dias antes da data provável do parto. Esta é a quarta vacina para gestantes no calendário nacional. O SUS também oferece a influenza, a dupla adulto (difteria e tétano – dT) e a vacina contra hepatite B.

O público-alvo é composto por 2,9 milhões de gestantes e 324 mil trabalhadores de saúde. Para a implantação desta vacina no calendário, em 2014, o Ministério da Saúde adquiriu quatro milhões de doses, com investimento de R$ 87,2 milhões. Cada dose tem o custo de R$ 21,81. Já foram distribuídas para todas as unidades da federação 1,2 milhões de doses, para a incorporação da vacina no SUS. Além disso, o Programa Nacional de Imunizações vai fazer o envio mensal de 300 mil doses.

O esquema de vacinação completo da dupla adulto é de três doses (devendo ser reforçada a cada intervalo de dez anos) podendo ser tomada a partir dos 10 anos de idade. Se a mulher não tomou nenhuma dose dessa vacina antes de engravidar, é necessário tomar duas doses da dupla adulto, com intervalo de no mínimo 30 dias e complementar com a dTpa. Caso a mulher tenha tomado uma dose da dT antes da gestação, ela deverá reforçar o esquema com mais uma dose da dT e outra da dTpa. Já para as mulheres que se preveniram com duas ou mais doses da dT, recomenda-se a a dTpa administrada com apenas uma dose. Mulheres grávidas devem tomar uma dose da dTpa em cada gestação, independente de terem tomado anteriormente.

Com a incorporação da dTpa,  a rede pública passa a ofertar 17 vacinas de rotina no calendário nacional. O Ministério da Saúde ofertou neste ano três vacinas. Em março deste ano, a vacina contra HPV; em julho a Hepatite A e a, partir deste mês, a imunização contra coqueluche para grávidas.

A vacina dTpa gera proteção da mãe para o filho. Além de se proteger, a mãe passa anticorpos para seu filho ainda no período de gestação, garantindo ao bebê imunidade nos primeiros meses de vida até que ele complete o esquema vacinal contra coqueluche, definido pelo calendário básico. A dTpa é a única vacina contra coqueluche que pode ser administrada de maneira segura em adultos. Profissionais de saúde que atuam nas maternidades e UTIs neonatais também receberão a vacina e terão que fazer o reforço a cada 10 anos.

COQUELUCHE – A coqueluche é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada pela bactéria Bordetella pertussis. Suas principais complicações secundárias são a pneumonia, otite média, ativação de tuberculose latente, enfisema pneumotórax, entre outras. O número de casos da doença reduziu de 40 mil notificações nos anos 80, em média, para cerca de 1.500 casos na década de 2000. No entanto, a partir de 2011, houve aumento nos casos da doença em todo o mundo, sobretudo em crianças menores de seis meses, por não terem ainda recebido o esquema completo da vacinação contra a doença.

A proteção das crianças para coqueluche é feita com três doses da vacina Pentavalente (DTP, hepatite B e HiB), aplicada aos dois, quatro e seis meses de vida. Aos 15 meses e aos quatro anos a criança recebe o reforço com a vacina DTP. Entre 2011 e 2013, o Ministério da Saúde registrou 4.921 casos em menores de três meses, 35% de todos os casos do país neste período, que foram 14.128. Essa faixa-etária é ainda mais afetada em relação aos óbitos. No período, foram 204 óbitos, o que representa 81% do total nacional, que foi de 252 mortes.

A vacinação de gestantes é aprovada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), recomendada  pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia e já está sendo adotada como uma das estratégias para o controle da coqueluche em vários países, como Estados Unidos, Alemanha, França, Holanda, Reino Unido, Austrália, entre outros. Os efeitos adversos são raros e podem incluir reações locais como dor, febre, enrijecimento e vermelhidão no local da administração da vacina. Qualquer evento adverso deve ser notificado imediatamente às autoridades de saúde.

A vacinação com a dTpa soma-se a outras medidas já adotadas pelo Ministério da Saúde para reduzir a incidência e mortalidade por coqueluche, entre elas, a revisão do protocolo de tratamento e quimioprofilaxia, com recomendação de uso de antibióticos com mais eficácia, a adoção do tratamento com antibióticos para todas as gestantes no último mês de gestação ou puérperas, que tiveram contato com caso suspeito ou confirmado e apresentarem tosse por cinco dias ou mais, e dos recém-nascidos.

Ministério da Saúde anuncia inclusão de vacina para grávidas no SUS

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, e o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, anunciam nesta segunda-feira (17), às 14h30, a estratégia para a introdução da vacina contra coqueluche, difteria e tétano (DTPa) no Calendário Nacional de Vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS).

Na ocasião, serão apresentadas informações sobre o esquema vacinal e os dados das doenças.

O anúncio será feito na Sobreloja, sala 123 – Esplanada dos Ministérios, Bloco G, Ministério da Saúde, Ed. Sede, Brasília/DF.