Opinião: Vida, morte e ressurreição

Por Rafael Gomes

Estamos entrando em uma nova fase no Brasil que talvez melhore a ansiedade sobre as incertezas políticas e econômicas que vivemos nos últimos meses.

É fato que nos últimos anos acreditamos no crescimento e nas promessas de agentes políticos que utilizaram de populismo e expansionismo para promover o tão sonhado desenvolvimento do Brasil, porém sem cuidar dos lastros econômicos para a sua perpetuidade. Por instantes vivemos o deslumbre do “sonho americano” de sucesso e prosperidade e esquecemos de nos preocupar com o amanhã.

E o que aconteceu? O amanhã virou o hoje e nos demos conta de que não fizemos a lição de casa!

Se analisarmos o comportamento das empresas é fácil constatar que elas, em sua maioria, performaram seus lucros somente pela ótica de caixa sem dar a devida importância e para a ótica econômica, ou seja, nos últimos anos as empresas brasileiras viveram como se nunca fossem morrer e morreram como se nunca tivessem vividos. Muitos quebraram sem saber, antes mesmo da crise chegar, pois aumentaram suas dívidas e não se preocuparam em renovar suas estratégias (longo prazo).

A lição aprendida é que precisamos mudar, buscar melhorias constantes, mesmo com o vento a favor, pois o que vemos hoje é reflexo de uma alavancagem e estímulo de crédito sem a devida responsabilidade de planejar o futuro.

No fundo fomos penalizados por um comportamento sistêmico de aumentar o nível de endividamento pela empolgação do “agora chegou a nossa vez”.

Tudo bem que hoje existe uma expectativa de que a mudança de governo tornará as políticas econômicas mais responsáveis, e já sabemos que em mercados emergentes como o nosso “qualquer movimento financeiro tende a ser amplificado”, mas o mais importante é não esquecermos de que ainda existe muita dívida a ser paga, e que a expectativa em relação a economia brasileira já vem sofrendo uma transformação considerável.

No começo do ano, vimos que agências de risco, como a Fitch Rating, retirar o grau de investimento do Brasil atribuindo uma perspectiva negativa para 53% das empresas, onde apenas 6% têm perspectiva positiva. Segundo eles, o fluxo de caixa das companhias neste ano deve cair para níveis inferiores aos verificados na última década. A Fitch considera que apenas 19% das empresas emissoras de papéis, com ratings internacionais, têm forte capacidade de enfrentar os desafios de 2016 sem danos a seus perfis de crédito.

Sentimos uma mudança também no comportamento dos bancos que retraíram crédito em um cenário de incertezas, um exemplo é o Itaú BBA que já criou uma superintendência de reestruturaçãoque vem atuando diretamente na análise de indicadores de seus clientes com o objetivo de precaver operações desastrosas. Ou seja, até mesmo eles tiveram que sair da simples análise de Rating de Risco, prática mandatória nos últimos anos, para voltar à análises de crédito mais estreitas e próximas de seus clientes.

Porém, já é possível sentir uma onda de reação econômica após o impedimento da ex-presidente Dilma relacionado a agentes externos que voltaram a colocar os países emergente na mira do capital financeiro.

Não será fácil o renascimento do mercado, pois temos uma dura missão de administrar um cenário de retração da economiacombinado com o aumento de impostos e incerteza de investidores.

Nos próximos anos o aumento de “lucro” será um esporte para poucos, porém a lição de casa precisa ser feita, precisamos de uma boa base política, econômica e social para sairmos desse cenário.

A boa notícia é o aumento das apostas dos fundos de Private Equity no Brasil, que renderam mais do que a bolsa de 2006 a 2014. Isso significa que existe uma melhor aceitação de investimentos de fundos privados em empresas de médio porte podendo ser uma boa opção para os empresários que precisam captar investimentos para o crescimento dos seus negócios.

Temos todos os ingredientes para a ressureição da economia brasileira, porém, teremos que nos atentar na ordem em que cada um deles será colocado, na forma com que serão misturados e no tempo certo que esse pão irá crescer para ser dividido.

Como disse Adam Smith no clássico livro A Riqueza das Nações: “Não é da benevolência do açougueiro, do cervejeiro ou do padeiro que esperarmos nosso jantar, mas da consideração que eles têm pelo seu próprio interesse.” Então teremos que trabalhar arduamente sem esquecer da lição do crescimento sem responsabilidade, do comodismo de não nos preocuparmos com a economia, do medo de competir e cooperar com o mercado e da ampliação de negócios com paços maiores que as pernas.

Agora, o que nos resta é somente o trabalho árduo e a fé na ressurreição da economia brasileira. Como dizem, orar e vigiar, eu digo, trabalhar e acreditar.

* Rafael Gomes é diretor da Ucon Advisors. Atua há mais de 15 anos na gestão e reestruturação de empresas de médio e grande porte com foco na aplicação das principais ferramentas e metodologias de gestão empresarial. Formado Administração de Empresas com MBA em Gestão Financeira, Auditoria e Controladoria é especialista em M&A.

Gleisi: Prisão de Bernardo manchou minha vida pública

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) afirmou, que o pedido de prisão contra seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, “manchou de modo injusto e irrevogável” a vida pública do casal.

Bernardo foi preso preventivamente na última quinta-feira (23), por decisão da Justiça Federal de São Paulo, alvo de uma operação da Polícia Federal que investiga um suposto esquema de corrupção utilizado para abastecer o PT. A ação policial foi um desdobramento da Operação Lava Jato.

O ex-ministro das Comunicações e do Planejamento foi detido em Brasília, no apartamento funcional onde estava com a mulher, a senadora Gleisi. A casa dos dois, em Curitiba, também foi alvo de buscas.

Gleisi discursou nesta segunda-feira da tribuna do Senado. A senadora afirmou que não havia elementos jurídicos para o pedido de prisão, disse que Paulo Bernardo sempre esteve à disposição da Justiça para esclarecimentos e defendeu a inocência dele.

“Uma prisão ilegal, abusiva e desnecessária. O processo é em si uma condenação definitiva que vale para sempre”, disse a senadora.

“A foto de uma pessoa presa nos jornais e TVs refletida inúmeras vezes durante dias e dias não se apaga. A absolvição, quando vier, não terá jamais a mesma força. (…) é com essa clara e terrível percepção que enfrento esse julgamento. Com a triste certeza de que o processo manchou de modo injusto, definitivo e irrevogável a minha vida pública e a do Paulo Bernardo”, afirmou Gleisi.

As investigações da Operação Custo Brasil apontaram que um escritório de advocacia que seria ligado ao ex-ministro teria recebido R$ 7 milhões em propina de uma empresa que manteve contratos com o governo federal.

Um dos principais elementos da investigação foi a deleção premiada de um ex-vereador de Americana (SP), Alexandre Romano. Gleisi afirmou não existirem provas do envolvimento de Paulo Bernardo.

“Nada incrimina meu marido além de delações que os advogados de defesa desconhecem em sua totalidade, e que desconhecemos em quais condições foram ditas”, disse. “Não há contrato do Ministério do Planejamento com a tal Consist [empresa investigada], nem vínculo do então ministro do Planejamento com o convênio celebrado entre a empresa e a associação dos bancos”, afirmou Gleisi.

A investigação aponta que os repasses da Consist ao escritório de advocacia supostamente ligado a Bernardo teriam origem em contratos da empresa com o governo para a administração do sistema de crédito consignado de funcionários públicos.

A senadora do PT afirmou ainda que a operação buscou “abalar” o trabalho dos senadores que defendem a presidente afastada, Dilma Rousseff, na comissão do impeachment e “humilhar” um ex-ministro dos governos do PT.

“Foi uma clara tentativa de humilhar um ex-ministro do governo Lula e Dilma, que colheu muitos elogios nos seus cargos”, disse.

“É também uma tentativa de abalar emocionalmente o trabalho de um grupo crescente de senadores e senadoras que discordam dos argumentos que vem sendo usados para afastar uma presidente legitimamente eleita”, afirmou a senadora.

Ao chegar ao plenário do Senado para seu pronunciamento, Gleisi foi acompanhada por um grupo de apoiadoras que lhe entregaram flores e pronunciaram gritos de guerra, como “Me representa, me representa”.

O pronunciamento foi feito a um plenário vazio, já que não estava marcada sessão para votações nessa segunda-feira, e foi acompanhada em sua maioria por senadores aliados, como Humberto Costa (PT-PE), José Pimentel (PT-CE), Fátima Bezerra (PT-RN), Lindbergh Farias (PT-RJ), Paulo Rocha (PT-PA), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Jorge Viana (PT-AC), vice-presidente do Senado, que presidiu a sessão.

Escola Municipal promove espetáculo para conscientização da vida

A Escola Municipal Professor Kermógenes Dias promoverá, nos dias 09 e 10 de abril, o Espetáculo de Dança: OVO – O Mundo dos Insetos, que é a culminância do Projeto Mais Cultura, vivenciado dentro do ambiente estudantil.

A dança contemporânea tem como objetivo mostrar a importância dos insetos para o equilíbrio do meio ambiente bem como implantar a conscientização do ser humano na preservação da vida, através da arte.

Confira dicas para manter uma boa qualidade de vida na terceira idade

Sabemos que são diversos os cuidados necessários para se viver bem na terceira idade. Com isso para garantir o recebimento adequado de todos os nutrientes, é importante ter uma alimentação balanceada e diferenciada.

Para evitar doenças e ter uma boa qualidade de vida é preciso ter uma alimentação voltada para essa etapa da vida. “É preciso uma alimentação com a presença de frutas, verduras, leite e vitaminas, já que nessa fase é natural a falta de vitamina B” explica Nadja de Souza, nutricionista clínica da ASBP – Associação Brasileira de Apoio aos Aposentados, Pensionistas e Servidores Públicos, unidade Recife.

Além disso, a especialista orienta que com a inclusão de atividades físicas no cotidiano, o resultado será ainda melhor. Isto porque com a chegada da melhor idade, o corpo sofre algumas transformações como a perda da força muscular, diminuição da flexibilidade, da agilidade e da coordenação. Estas alterações fazem parte do processo natural da faixa de idade, mas podem ser amenizadas através da prática regular da atividade física.

“As atividades mais prazerosas, como por exemplo, caminhada e dança de salão, tem ajudado a diminuir o risco de quedas e fraturas, além de proporcionar a convivência sócia. O importante é que as atividades sejam de baixo a moderado impacto.” pontuou.

Confira mais algumas dicas da especialista

1. Faça, pelo menos, 3 refeições ao longo do dia (café da manhã, almoço e jantar). Inclua pequenos lanches nos intervalos.

2. Inclua diariamente nas refeições alimentos como arroz, pães, batata, inhame, cará, bolacha, biscoito (são importantes fontes de energia). Dê preferência aos alimentos integrais. Coma arroz com feijão pelo menos uma vez ao dia e no mínimo 5x na semana.

3. Consuma diariamente leites, queijos, iogurtes; evitando os gordurosos. Evite também o consumo da manteiga. Prefira os queijos brancos e o leite desnatado.

4. Coma diariamente legumes e verduras como parte das refeições e frutas nas sobremesas e lanches. Varie a cor das frutas e legumes ao longo da semana e coma uma hortaliça verde (folhas) diariamente.

5. Diminua a quantidade de sal na comida e retire o saleiro da mesa.

6. Evite: refrigerantes e sucos artificiais, biscoitos doces e recheados.

7. Na escolha das carnes, dê preferência aos peixes, aves (frango) sem pele e carnes magras. Evite os alimentos fritos. Prefira preparações assadas, grelhadas e cozidas. Os miúdos e as carnes devem ser consumidos com moderação, pois são ricos em colesterol. O ovo pode substituir as carnes de 1 a 2 X na semana.

8. Ao usar o óleo prefira o de soja, milho, girassol e canola. Evite o uso de banha, bacon, manteiga. Use o azeite de oliva para temperar saladas e pratos prontos, sem exagerar na quantidade. Não reutilize o óleo da fritura na alimentação: a fritura faz com que ocorram alterações químicas no óleo, prejudicando a saúde.

9. Beba pelo menos 2 litros de água por dia, em pequenas quantidades, várias vezes ao dia.

10. Torne sua vida mais saudável. Pratique pelo menos 30 minutos de atividade física todos os dias e evite as bebidas alcoólicas e o fumo.

A ASBP oferece as pessoas da terceira idade serviços com nutricionista, educador físico, professor de dança, aulas de teatro entre outros serviços. Para saber mais informações acesse:www.aposentados.org.br

Artigo: O nascer de um ciclo de vida transformador

Por Claiton Fernandez

O ano de 2014 e os que o antecederam já ficaram para trás. E o que restou dessa trajetória de vida? Muitas lutas com erros e acertos, derrotas e vitórias, mas o importante é que você fez de tudo para chegar ao ano de 2015 e conseguiu.

O iniciar de um ano traz ares novos, a perspectiva de doze meses pela frente com muita esperança, a possibilidade de viver de uma forma diferente, dentro de um modelo de vida simples, saudável, no entanto, eficaz. Tudo em busca da felicidade, de alegrias, da sabedoria e de muita luz.

Recomeçar, renovar, fazer diferente e melhor, requerem muita determinação, fé, disciplina, atitude e comprometimento.

Então, que tal colocar a mão na massa, fazer acontecer e não esperar mais por nada e por ninguém? Comece fazendo por você e acredite sempre em si!

Começar um ano novo representa para muitos de nós:

– Iniciar um novo ciclo de vida, um conjunto de ações transformadoras que nos levarão a patamares mais elevados na vida pessoal e profissional;

– Uma nova oportunidade para revisitarmos e firmarmos nossa missão, propósito de vida maior, que nos levará a níveis de valores superiores;

– Sonhos a serem realizados, amor verdadeiro a ser encontrado, luz para iluminar nosso caminho, metas e objetivos para alcançarmos.

Gostaria de lhe desejar tantas coisas… Mas, nada seria o bastante. Sabe por quê? Porque você é muito maior do que tudo que se possa aqui escrever e sugerir… Porque você é único, escolhido dentre milhões no processo seletivo da vida.

Então, vá à luta, em busca da sua felicidade, transforme-se, reinvente-se, acredite que você pode, que vai alcançar e subir novos degraus de maior valor neste ano novo. E, quando fizer seu balanço em 31/12/2015, finalmente poderá dizer que chegou ao ápice da sua vida, porque não faltou luta. Aconteceram erros, sim, porque você tentou; acertos ocorreram também, pois você arriscou mais. Enfim, você foi um leão incansável e indomável e tudo isso valeu a pena.

Olhando para trás, você verá que foi maior do que as adversidades, fraquezas, tristezas e que tudo isso foi fruto da sua TRANSFORMAÇÃO como pessoa. É o nascer de um ciclo de vida transformador.

Finalmente, desejo que você tenha grandes sonhos, inúmeras realizações, o firme propósito do que deseja alcançar e sempre presente a máxima: “o que mentalizar irá materializar”.

 Claiton Fernandez é palestrante, consultor e educador. Autor dos livros “Caminhos de um Vencedor” e “Da Costela de Adão à Administradora Eficaz”. Site:www.claitonfernandez.com.br .

/**/

Beneficiários do INSS devem comprovar vida e renovar senha até esta terça

Aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) devem procurar os bancos até esta terça-feira (30) para comprovar vida e renovar senha bancária. Para isso, o beneficiário deve ir até a agência em que recebe o benefício e apresentar documento oficial com foto, como carteira de identidade, de trabalho ou de habilitação.

Embora o prazo dado pelo INSS seja o dia 31 de dezembro, os bancos não estarão abertos ao público nesse dia, segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Por isso, é importante ficar atento e evitar empecilhos para efetivar as ações, que são obrigatórias.

Quem não puder comparecer presencialmente à agência poderá valer-se de um procurador cadastrado no INSS ou de seu representante legal. Caso a ausência decorra de doenças ou dificuldade de locomoção, o procurador deverá comparecer a uma agência da Previdência Social portando procuração assinada e atestado médico emitido nos últimos 30 dias, além dos documentos de identificação dele e do beneficiário.

A falta de renovação pode levar à interrupção do pagamento do benefício, até que a situação seja regularizada. O Ministério da Previdência Social calcula que, dos 32 milhões de beneficiários do INSS, mais de 30 milhões fizeram os procedimentos obrigatórios até o dia 15 de dezembro, data da última contagem oficial.

ONU registra aumento da expectativa de vida no Brasil

A expectativa de vida no Brasil aumentou 17,9% entre 1980 e 2013, passando de 62,7 para 73,9 anos, um aumento real de 11,2 anos. O avanço foi apontado no Relatório de Desenvolvimento Humano 2014 divulgado nesta quinta-feira (24) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Segundo o ministro da Saúde, Arthur Chioro, o crescimento foi possível em razão das medidas de combate à desnutrição, redução da mortalidade materna e infantil, ampliação do acesso a vacinas e medicamentos gratuitos, melhoria do atendimento às mães e bebês, enfrentamento das doenças crônico-degenerativas e das chamadas mortes violentas, entre outras ações na área de atenção básica e urgência e emergência.

O relatório colocou o Brasil na 79ª posição do ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) entre 187 países, com um valor de 0,744 (categoria de Alto Desenvolvimento Humano). Entre 1980 e 2013, o valor do IDH do Brasil aumentou 36,4%. O índice está acima da média de 0,735 para os países do grupo de Alto Desenvolvimento Humano e acima da média de 0,740 para os países da América Latina e Caribe.

Também houve crescimento na expectativa da vida nos últimos anos: em 2010, a estimativa era de 73,1 anos, já no ano passado passou para 73,9 anos. Os resultados seriam ainda melhores se o PNUD utilizasse dados atualizados para a elaboração do relatório. A instituição internacional usou uma projeção de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para chegar ao índice de 73,9 anos. Caso considerasse as estatísticas de 2013, já disponibilizados pelo IBGE, a esperança de vida ao nascer seria de 74,8 anos. Se fossem considerados esses números a outros dados defasados, como o de escolaridade, o país sairia da 79ª posição para a 67ª.

O relatório mostra que as desigualdades no Brasil estão diminuindo. O IDH do Brasil ajustado à desigualdade (IDHAD) ficou em 0,542 em 2013, com uma perda de 27% em relação ao IDH. Essa perda vem caindo ao longo dos últimos anos: era de 29,6% em 2006. Das três dimensões analisadas no IDHAD, a desigualdade na expectativa de vida ao nascer é a menor, com um índice de 14,5%, seguido da desigualdade na educação (24,7%) e da desigualdade na renda (39,7%).

Artigo: Condições de trabalho e vida do docente

Por Alexei Esteves

Estamos vivenciando uma economia globalizada, onde algumas profissões estão no auge do sucesso, outras, estão principiando esse sucesso. No Brasil é notória a desvalorização da profissão docente, uma das profissões mais importante, que serve de alicerce para as demais.

Apesar da qualidade do ensino não depender apenas do professor, as instituições exigem dos docentes um maior esforço em sala de aula para melhorar a qualidade de ensino, porém, esse esforço não é reconhecido pelos seus clientes e muito menos pelo salário que recebem. Outro aspecto é que a remuneração do professor é diferenciada de acordo com cada estado e região, agravando ainda mais essa situação que já é bastante crítica.

O salário do professor é iníquo, pois mesmo realizando o mesmo trabalho, as remunerações são diferentes. Questionam também que a remuneração é arbitrária, não há uma relação entre o esforço do trabalhador e o pagamento pelo esforço. Diante disso, afirmam ser impossível identificar entre os docentes um padrão de renda e consumo homogêneo, há professores em status sociais muito distintos entre si.

Devido há esta distinção no salário e também das condições que hoje o professor enfrenta no âmbito educacional, essa profissão está quase escassa, pois muitos cursos de licenciatura estão perdendo sua clientela, ou seja, o sonho de seguir a carreira de professor está desaparecendo.Pois, por causa dessa instabilidade na remuneração e as condições de trabalho do professor que se deteriora abruptamente, torna cada vez mais a carreira de professor desinteressante.

Podemos dizer que os professores dedicam a maior parte do tempo ao trabalho, deixando de lado a família, e até se descuidando dos relacionamentos conjugais.No entanto, a isso, quando há o conflito entre trabalho e família, o trabalhador se sente roubado de um tempo que poderia ter dedicado a família, e acaba tendo uma exaustão emocional e de despersonalização. Além desse tempo roubado, outro fator que corrobora para a exaustão e despersonalização do professor, é a questão da estabilidade (ou instabilidade?) financeira que trataremos posteriormente.

Um dos pontos principais que causa o conflito familiar é a instabilidade financeira, pois o docente muitas vezes trabalha em dois ou três turnos, para dar conta de sustentar a família e viver pelo menos em melhores condições.

Viajar sempre que posso e isso é algo que todos deveriam fazer. Tirar um momento de lazer. Porque o tempo quem faz somos nós mesmos”. Portanto,o trabalho docente muitas vezes pode ocasionar um problema de stress no professor, por se tratar de uma função que exige dedicação, atenção, concentração para realizar o trabalho de forma significativa. Nesse sentido é de suma importância que o professor organize seu tempo de forma a obter um momento de lazer, prazer e tranquilidade

Este trabalho teve como objetivo conhecer a dimensão da pessoa do professor, no que tange a qualidade de vida do mesmo. Ficou evidente que a qualidade de vida é comprometida pela desvalorização profissional e o baixo salário. Os impactos da baixa qualidade de vida são decorrentes da necessidade de fazer dupla ou tripla jornada de trabalho para garantir o sustento, ocasionando assim, pouco tempo para a família, para o lazer e para cuidarem da própria saúde.

Alexei Esteves é professor doutor educação