Manifesto “Alcirina” pede Alckmin, Ciro e Marina contra polarização PT-Bolsonaro

Um manifesto virtual que já ultrapassou três mil assinaturas defende a união dos candidatos Geraldo Alckmin (PSDB), Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) contra a polarização em torno de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), líderes em pesquisas de intenção de voto – e, por outro lado, os mais rejeitados pelos demais eleitores. Intitulado “Alcirina”, junção de partes dos nomes dos três candidatos, o documento pede que seja formada chapa única, situada ao centro do espectro político-ideológico, a ser encabeçada por Ciro, terceiro colocado nos levantamentos.

Para o grupo, o país corre risco tanto com a possível volta do PT, alvo de um sentimento “antipetista” elevado, quanto com a eventual chegada de Bolsonaro ao poder. Em diversas ocasiões, o deputado já manifestou apreço por práticas da ditadura, como a tortura, e já disse que pretende governar com os militares.

“Bolsonaro se fortalece através do mesmo artifício usado por João Santana nas últimas campanhas do PT: a criação de um personagem para salvar o Brasil, mas que não tem condições de conduzir a mudança esperada por muitos daqueles que hoje o apoiam. Porém, o estelionato eleitoral do candidato do PSL é ainda mais perigoso: Bolsonaro defende medidas e faz declarações que ameaçam diretamente a já fragilizada democracia brasileira”, diz trecho do texto, que compõe um abaixo-assinado disponível no site de petições online change.org.

O manifesto explica que, em troca da desistência de Alckmin e Marina, Ciro incluiria em seu programa de governo propostas formalizadas pelas chapas do PSDB e da Rede no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Além disso, o candidato do PDT daria aos partidos desistentes funções estratégicas em seu eventual governo. O material já chegou ao comando de campanha dos três candidatos e, segundo o site da revista Exame, interlocutores próximos a Ciro reagiram positivamente à iniciativa.

A despeito do “antipetismo” citado no manifesto, as críticas mais incisivas são direcionadas a Bolsonaro e a ameaça à democracia que, segunda a redação do material, o ex-capitão do Exército representa. “Se eleito, ele vai apoiar e incitar discursos de ódio que colocam em risco a vida de mulheres, negros e comunidade LGBT, entre outras minorias. […] O PT, apesar de tudo, respeitou institucionalmente o resultado do impeachment da Presidente Dilma Rousseff. Bolsonaro, que indicou um vice militar, pode contestar até decisões mais banais do Congresso e já se manifestou dizendo que não aceitaria outro resultado que não o da sua eleição”, acrescenta o texto, em referência à entrevista que o deputado concedeu ao jornalista José Luiz Datena (Band) e veiculada na última sexta-feira (28).

Embora não faça referência à carta em que o ex-presidente da República (PSDB) Fernando Henrique Cardoso pede que se contenha “a marcha da insensatez”, o documento guarda semelhança com o movimento feito pelo tucano. Segundo a mensagem de FHC, que pede a união do centro contra a polarização PT-Bolsonaro, “qualquer dos polos da radicalização atual que seja vencedor terá enormes dificuldades para obter a coesão nacional suficiente e necessária para adoção das medidas que levem à superação da crise”.

Confira a íntegra do manifesto “Alcirina”:

Prezados candidatos Marina Silva, Ciro Gomes e Geraldo Alckmin

Tempos extraordinários demandam medidas extraordinárias. Hoje, o Brasil caminha para um cenário de segundo turno no qual ninguém sairá vencedor. No momento de crise em que vivemos, não podemos arriscar ter o Brasil refém de governos que irão ampliar ainda mais a divisão e polarização do país. Presenciaremos no domingo (07) um dos eventos mais decisivos da nossa jovem democracia e precisamos, mais do que nunca, viabilizar uma terceira via que irá governar para TODOS brasileiros.

A surpreendente ascensão de Jair Bolsonaro é uma resposta à insatisfação com o rumo que o país tomou nos últimos anos em que foi administrado pelo PT: escândalos de corrupção, favorecimento de empresários amigos do partido e política econômica que levou o país a uma crise da qual ainda estamos nos recuperando. Se o descontentamento é justificado, a estratégia escolhida por muitos eleitores é equivocada e perigosa. Bolsonaro se fortalece através do mesmo artifício usado por João Santana nas últimas campanhas do PT: a criação de um personagem para salvar o Brasil, mas que não tem condições de conduzir a mudança esperada por muitos daqueles que hoje o apoiam.

Porém, o estelionato eleitoral do candidato do PSL é ainda mais perigoso: Bolsonaro defende medidas e faz declarações que ameaçam diretamente a já fragilizada democracia brasileira. Se eleito, ele vai apoiar e incitar discursos de ódio que colocam em risco a vida de mulheres, negros e comunidade LGBT, entre outras minorias. Temos que refletir sobre nossos privilégios e considerar questões que vão além da economia ou política, como direitos civis, liberdades individuais e segurança. O PT, apesar de tudo, respeitou institucionalmente o resultado do impeachment da Presidente Dilma Rousseff.

Bolsonaro, que indicou um vice militar, pode contestar até decisões mais banais do Congresso e já se manifestou dizendo que não aceitaria outro resultado que não o da sua eleição. Esse é um risco que NÃO podemos correr!

O mais irônico desse cenário, contudo, é que aqueles que mais se opõem ao PT são justamente os que, inadvertidamente, estão colaborando diretamente para a vitória do partido no segundo turno. Bolsonaro tem uma taxa de rejeição bem maior do que a de Haddad e, devido aos seus posicionamentos odiosos e incompetência técnica, enfrenta a oposição mais forte dentre todos candidatos. Colocar o Bolsonaro no segundo turno é eleger o PT, motivo pelo qual o partido de Lula e Haddad está poupando críticas diretas ao candidato do PSL.

No entanto, um novo cenário é possível se nos organizarmos e colocarmos nossas diferenças de lado pelo bem do país. Sabemos das diferenças ideológicas e políticas e da convicção de cada um na possibilidade de vitória de suas respectivas candidaturas. Porém dispersar a maioria dos votos da oposição ao Bolsonaro e ao PT em três candidatos é colocar em risco o futuro do país. Juntos, os senhores e a senhora somam votos para oferecerem uma terceira via no segundo turno das eleições.

Juntos, vencem Haddad e Bolsonaro, impedindo que o país tenha que escolher entre projetos de poder que irão aprofundar ainda mais a crise que vivemos. Juntos, os senhores e a senhora são a única esperança do povo brasileiro nesse momento de obscurantismo. É esta oportunidade histórica que está à frente de suas candidaturas: a união em prol de um projeto maior de Nação.

Por isso, fazemos um apelo para que os senhores e a senhora unifiquem os seus votos em uma única candidatura, sinalizando aos seus eleitores que votem no candidato escolhido. Pela conjuntura atual, sugerimos que esse candidato seja Ciro Gomes (PDT), o candidato dentre vocês que está mais bem colocado na pesquisa, conta com menor rejeição e ganha tanto de Bolsonaro quanto Haddad com folga. Em troca, pedimos que Ciro incorpore pontos das propostas de Marina Silva (REDE) e Geraldo Alckmin (PSDB), garantindo também que ambos partidos tenham uma posição de destaque em seu governo. No entanto, entendemos que, mais importante do que quem será o candidato, é a união dos senhores e da senhora na reta final das eleições.

Prezados candidatos, apelamos para o vosso patriotismo e esperamos que o histórico de serviço ao povo brasileiro que a senhora e os senhores possuem fale mais alto nesse momento decisivo para a história do país.

Eleitores brasileiros, não deixemos que o país sucumba ao ódio e fanatismo. Juntos podemos garantir uma terceira via para o Brasil!

#ElesNao #DemocraciaSim #Alcirina

Congresso em Foco

Manuela D’Ávila é alvo de ataques nas redes sociais

A candidata a vice-presidente pela chapa de Fernando Haddad (PT), Manuela D’Ávila (PCdoB), virou alvo de fotomontagens e distorções nas redes sociais. Em imagem manipulada digitalmente, Manuel aparece com uma camiseta preta que traz a frase “Jesus é travesti”. Ontem (2), a candidata postou na sua conta do Twitter a imagem original, em que está escrito “Rebele-se” na camiseta, e pediu ajuda para desmentir a notícia falsa. “Prestem atenção! Mentiras não passarão! Nos ajudem a compartilhar a verdade!”, escreveu Manuela.

Em outra foto, a candidata aparece com tatuagens dos líderes comunistas Che Guevara e Lenin e olheiras acentuadas. “Aumentaram minhas olheiras (…) e fizeram mais tatuagens no meu corpo”, escreveu a deputada ainda em 2017, quando a primeira versão manipulada da foto começou a circular. “Tenho muitas tatuagens mesmo e as exibo porque são lindas. Não são esses desenhos feinhos que vocês fizeram de Lenin e Che”, acrescentou.

As imagens têm sido compartilhadas pelo Twitter, pelo Facebook e pelo WhatsApp. Esse também tem sido o destino de um vídeo publicado pela própria ex-deputada federal em suas redes sociais. Nele Manuela brinca e diz que está em Buenos Aires e vai convidar José Mujica, ex-presidente do Uruguai, para ser presidente da fictícia Ursal.

O termo virou piada durante a campanha eleitoral depois de o candidato Cabo Daciolo (Patriota) denunciar a existência de um plano para formar a União das Repúblicas Socialistas da América Latina. O vídeo, feito em tom de brincadeira pela gaúcha, também gerou comentários negativos.

O caso mais grave, porém, ocorreu na segunda-feira da semana passada (24), quando foram disseminadas notícias de que Manuela estaria envolvida no ataque ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro, que foi esfaqueado no mês passado em Juiz de Fora, durante ato de campanha. Por causa das acusações, a coligação entrou com pedido no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para reforçar a segurança na campanha. O pedido foi negado pelo ministro Jorge Mussi.

Nas redes sociais da candidata, circularam notícias de que teria ligado para Adélio Bispo de Oliveira, responsável pela facada contra Bolsonaro, para combinar o atentado. Relatório da Polícia Federal concluiu que Adélio agiu sozinho.

Congresso em Foco

Brasil tem mais de 1,9 mil casos de sarampo confirmados

Viral Diseases – Hand Infected – Hand foot and mouth disease HFMD

Até o dia 1º de outubro, 1.935 casos de sarampo foram confirmados no Brasil – sendo 1.525 no Amazonas e 330 em Roraima. O Amazonas contabiliza ainda 7.873 caso em investigação e Roraima, 101. Casos isolados foram registrados em São Paulo (3), no Rio de Janeiro (18), Rio Grande do Sul (33), em Rondônia (3), Pernambuco (4), no Pará (14), Distrito Federal (1) e em Sergipe (4).

Ainda de acordo com a pasta, dez mortes por sarampo foram confirmadas, sendo quatro em Roraima (3 estrangeiros e 1 brasileiro), quatro no Amazonas (todos brasileiros, sendo 2 em Manaus e 2 no município de Autazes) e dois no Pará (indígena e venezuelano).

Campanha
Balanço divulgado nesta quarta (3) pelo Ministério aponta que 97,7% das crianças com idade entre 1 ano e menores de 5 anos foram vacinadas contra o sarampo, enquanto 97,9% receberam a dose contra a poliomielite. Até o momento, 15 estados atingiram a meta de 95% de cobertura para as duas vacinas.

Alerta
O Brasil tem até fevereiro de 2019 para reverter os surtos de sarampo registrados em diversas áreas do país – sob pena de perder o certificado de eliminação da doença, concedido pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) em 2016. O alerta foi feito pela assessora regional de Imunizações da entidade, Lúcia Helena de Oliveira, durante a 20ª Jornada Nacional de Imunizações, no Rio de Janeiro.

O critério adotado pela entidade para conferir transmissão sustentada é que o surto se mantenha por um período superior a 12 meses. As autoridades sanitárias brasileiras, portanto, correm contra o tempo, já que os primeiros casos da doença no Norte do país foram identificados no início do ano.

“Sabemos que os casos no Brasil são de importação, lamentavelmente, pelas condições de saúde em que vive a Venezuela. Mas só estamos tendo casos de sarampo no Brasil porque não tínhamos cobertura de vacinação adequada. Se tivéssemos, esses casos viriam até aqui e não produziriam nenhum tipo de surto”, destacou a assessora da Opas.

Agência Brasil

Julio Lossio realiza debate alternativo com recorde de pessoas alcançadas

Impedido de participar de debate promovido pela TV Globo nesta terça-feira (2), o candidato a governador de Pernambuco, Julio Lossio, realizou um debate alternativo com recorde de visualizações. Em transmissão em sua página no Facebook, Lossio respondeu aos questionamentos dos internautas e comentou as respostas dos demais postulantes ao Governo do estado, ao vivo. A live chegou a cerca de 200 mil pessoas alcançadas.

“Os debates que fui, Paulo e Armando não foram; eles afirmam se preocupar com a educação, mas não foram aos debates da Universidade Federal de Pernambuco nem do Sindicato dos professores; dizem se importar com a acessibilidade, mas não participaram do debate no Instituto do Cegos. No debate em que eu pude participar, todos foram unânimes em afirmar que apresentei ótimas propostas. Me surpreendi ao ser excluído desse debate, porque é muito estranho que o quarto e o quinto colocados na pesquisa participem, e eu, que estou em terceiro, não possa participar”, afirmou Julio Lossio.

Ao lado de Lossio, o coordenador de Comunicação da REDE/PE, Gilberto Sabino, participou da live e saiu em defesa do candidato sobre retirada do partido. “Infelizmente, ocorreu um fato muito estranho na REDE, na reunião que foi proposta a retirada da candidatura de Lossio, pois não foi aprovada, nem chamaram Julio para um diálogo, já que ele apenas recebeu o apoio de candidatos aliados de Bolsonaro, sendo que esse é o objetivo da REDE, que nasceu para apoiar o Brasil e unir as pessoas”, defendeu.

Durante a transmissão, diversos internautas questionaram a ausência de Lossio no debate e demonstraram apoio. “Bem melhor assistir aqui junto ao meu candidato e o futuro grande governador”, comentou Lucimar Castro. Para o internauta Jal Silva, Julio é a mudança: “Você é um político firme nas suas palavras e passa segurança no que fala! Cada dia mais tenho certeza do meu voto! Dia 7 é 18 neles! Rumo ao segundo turno!”, destacou.

Haddad, para a Rádio Jornal (PE), fala sobre economia e o perigo das fake news no whatsapp

O candidato de Lula, Fernando Haddad, deu uma entrevista na manhã desta quarta-feira (3/10) à rádio Jornal de Pernambuco. Ele falou sobre a diferença entre sua candidatura e a de Jair Bolsonaro (PSL), principalmente, no que se refere às questões de segurança pública e economia.

Haddad falou que enquanto o governo Temer termina melancolicamente, Bolsonaro quer continuar e aprofundar os atrasos promovidos por Temer, quando propõe cortar o 13º, o Bolsa Família, cobrar imposto dos mais pobres, ou seja, o oposto da sua proposta de isentar quem ganha até cinco salários mínimos. “Eu vejo com tristeza essa política econômica do Bolsonaro. Os banqueiros acham que se os pobres ganharem menos e os empresários ganharem mais, a economia vai ser reativada. Bolsonaro quer aumentar o lucro dos banqueiros. Outra coisa, é que ele quer vender as estatais lucrativa como Petrobras. Isso inviabiliza o Brasil porque vai aumentar os combustíveis, o gás, a gasolina, o álcool”.

O candidato da coligação “O povo feliz de novo” falou também sobre a reforma bancária que pretende implementar. “Os bancos terão que ser enquadrados, porque os juros cobrados no Brasil não existem em lugar nenhum do mundo. É quatro vezes maior que a média internacional. Os bancos querem ganhar dinheiro na especulação. E nós queremos renegociar os juros com eles, para as pessoas poderem abrir seu negocio, abrir um crediário, pagar divida, mas com juro normal, não com os juros absurdos que são cobrados hoje”. Haddad disse que pretende fazer essa reforma por meio do Banco Central, que tem que regular os juros que os bancos cobram do consumidor. “Vamos introduzir regras pra isso. Todos os cincos bancos vão ter que aceitar essa nova regulação. Essa medida é contra o cartel”.

Haddad falou ainda sobre o fortalecimento das instituições que controlam a corrupção. “Antes dos nossos governos, toda a sujeira era varrida pra debaixo do tapete. Isso não sou só eu que digo, a Polícia Federal e o Ministério Público também falam: quem fortaleceu essas instituições foram os nossos governos. O indivíduo do nosso partido que cometeu erro, foi julgado, alguns absolvidos, outros condenados, mas ninguém foi protegido”, disse Haddad, que assumiu compromisso público perante os ouvintes da rádio de fortalecer ainda mais as instituições em seu governo. “A Polícia Federal e o Ministério Público vão receber reforço. O Temer enfraqueceu as instituições e voltou a jogar a sujeira pra baixo do tapete. Eu faço aqui um compromisso solene com todos ouvintes.”

O candidato, porém, deixou bem evidente que isso não significa que a Justiça não possa cometer erros. Para isso, existem os recursos. “No caso de Lula, é flagrante o erro, e queremos que se corrija. Ele foi condenado sem provas para não participar das eleições. Isso todo mundo sabe. Se perguntar no exterior, todo mundo sabe que um erro aconteceu contra Lula. A ONU sabe, até o papa sabe. Todos têm o direito de ver reparado um erro que foi cometido”.

Para ele, o grande estadista Lula, aquele que mais projetou o Brasil no mundo por boas razões, que expandiu as oportunidades na educação, que matou a fome do brasileiro, que fez a transposição e efetivamente emancipou o Nordeste, dando horizonte para região mais esquecida da história, sempre será ouvido em seu governo. “Jamais vou me negar a conversar com ele. E eu espero que até a minha posse ele já tenha sido absolvido. Eu tenho certeza que vão reparar o erro gravíssimo que cometeram contra ele”.

Haddad falou sobre a relação que devemos ter com os países vizinhos. Para ele, o papel de líder que o Brasil tem na América Latina exige prudência para que se possa mediar os conflitos existentes. “O discurso belicoso leva o Brasil para o buraco. Isso é agenda do Bolsonaro, não é agenda do Lula ou do meu governo”.

“Nós queremos federalizar a investigação de alguns crimes. Colocar a Polícia Federal, com inteligência e tecnologia, para enfrentar o crime organizado em todos os estados. Nós entendemos que a PF tem que se envolver mais em questões que hoje são atribuições da Polícia Militar dos estados. Com a federalização, o combate ao crime organizado será mais efetivo. Colocar uma arma na mão do cidadão para enfrentar alguém que tem mais habilidade que você, como quer o Bolsonaro, só vai aumentar o número de violência nas ruas”.

FAKE NEWS NO WHATSAPP

O candidato não deixou de mencionar a campanha sórdida que tem feito seu adversário no whatsapp, com milhões de mensagens mentirosas sendo espalhadas entre a população. “Nós já conseguimos que o Supremo Tribunal Eleitoral retirasse algumas mentiras. Mas é muito difícil conter essa onda mentirosa pelo whatsapp. O Twitter, o Facebook, o Youtube são públicos, mas o Whatsapp é mais difícil. Estamos fazendo corrida de gato e rato em função do que o Bolsonaro tem espalhado pelas redes, sobretudo no whatsapp”.

Ele fez um apelo para os ouvintes. “Se vc receber uma mensagem anônima, denuncie. Eles estão falando contra família , contra escola pública, contra professores. Eles estão acusando de nas escolas tratar de temas com crianças sobre sexualidade. Você, ouvinte, que receber denuncie, não deixe prosperar as mentiras. Confundindo as pessoas de boa fé, com essa onda de boataria. Se ele fosse valente, como diz que é, enfrentaria isso olho no olho”. Viu alguma fake news? Denuncie para o (11) 993223775

Sobre ter chamado de fascismo as idéias de seu adversário, Haddad disse que, na Alemanha nazista e na Itália fascista, a população votou em pessoas parecidas com Bolsonaro, com seu discurso armamentista, que prega violência e a intolerância contra o negro e a mulher. “Essa intolerância gera mais violência. É uma ameaça à democracia, aos direitos das pessoas e a paz social do Brasil”.

Haddad declarou que não se pode governar ameaçando fechar o congresso, aprovar uma nova constituição e não submeter ao Congresso Nacional, mas a referendo popular, como prega Bolsonaro. “O Congresso, com todos os defeitos, é um poder constitucional e não pode ser fechado em hipótese alguma”.

/**/

Termina em outubro a exposição “Afluências” no Sesc Garanhuns

Segue até 26 de outubro a exposição “Afluências”, na Galeria Ronaldo White do Sesc Garanhuns. Desde a abertura, no mês de julho durante o 28º Festival de Inverno, quase cinco mil pessoas já conferiram a mostra que traz um recorte das artes visuais do município, com destaque à arte contemporânea, fazendo um diálogo de artistas da atualidade com os já consagrados que escreveram capítulos importantes da arte garanhuense. A entrada é gratuita e a visitação pode ser feita nas segundas, quartas e sextas, das 9h às 19h, e nas terças e quintas, das 13h às 21h.

“Afluências” tem curadoria de Clarissa Diniz e Valkiria Dias, que também é coordenadora geral do projeto. No local, estão obras dos artistas Sérgio Lemos, Daniel Santiago, Jairo Arcoverde, Ismael Caldas, Clóvis Teodorico, Marcela Camelo, Renata Romão, José Godoy, Fernando Rezel, Sapo Lendário, Felipe Correia, José Veríssimo, Marcos Siqueira, Romualdo, Mestre Fida.

O público confere a rica produção em artes visuais que a cidade de Garanhuns possui desde a década de 60. São obras de importantes representantes da história da arte de Pernambuco em uma interessante integração com a produção atual de arte contemporânea de jovens artistas. A apresentação é feita por meio de suportes e tecnologias diversas e traçam uma relação direta com os desejos e influências da cidade.

No local, mediadores que conhecem muito bem cada uma das peças e instalações da exposição e a história dos artistas participantes guiam o público em um trabalho educativo. As escolas podem agendar previamente a visita no Ponto de Atendimento do Sesc, que fica na Rua Manoel Clemente, número 136, no Centro de Garanhuns, ou pelo telefone (87) 3761.2658. A Galeria Ronaldo White, onde está a exposição “Afluências” é um prédio anexo à sede do Sesc.

Gratuidade – durante o mês de outubro, todas as unidades do Sesc Pernambuco estão oferecendo gratuidade na confecção ou atualização do cartão para trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo de comerciários e seus dependentes. Ele oferece descontos nas ações de educação, saúde, cultura, recreação, esporte, turismo e assistência social, como hospedagens nos hoteis do Sesc, espetáculos, parque aquático e restaurantes das unidades. O titular pode incluir como dependentes cônjuge ou companheiro de união estável, pessoas sob guarda de menores de 21 anos, estudantes com idade até 24 anos, pai, mãe, madrasta, avó e avô. Para fazer a emissão, é necessário ir ao Ponto de Atendimento. Para outras informações e relação dos documentos necessários: www.sescpe.org.br.

Sesc – O Serviço Social do Comércio (Sesc) foi criado em 1946. Em Pernambuco, iniciou suas atividades em 1947. Oferece para os funcionários do comércio de bens, serviços e turismo, bem como para o público geral, a preços módicos ou gratuitamente, atividades nas áreas de educação, saúde, cultura, recreação, esporte, turismo e assistência social. Atualmente, existem 20 unidades do Sesc do Litoral ao Sertão do estado, incluindo dois hotéis, em Garanhuns e Triunfo. Essas unidades dispõem de escolas, equipamentos culturais (como teatros e galerias de arte), restaurantes, academias, quadras poliesportivas, campos de futebol, entre outros espaços e projetos. Para conhecer cada unidade, os projetos ou acessar a programação do mês do Sesc em Pernambuco, basta acessar www.sescpe.org.br.

Roupas da Mormaii serão produzidas em Pernambuco

A Indústria e Comércio de Confecções Xavier, liderada pelo empresário pernambucano Arnaldo Xavier há quase 22 anos, deu um passo firme em direção ao mercado nacional e internacional. A empresa assinou contrato para desenvolvimento, produção e comercialização de roupas da Mormaii, gigante brasileira de roupas esportivas que está há 40 anos no mercado. A parceria foi firmada na semana passada após um ano de negociações entre as empresas, que começaram produzindo surfwear, mas expandiram o mix e hoje abrangem outros perfis de clientes e mercados.

Para absorver a produção inicial de mais de 20 mil peças mensais, voltadas para o público masculino e feminino, entre camisas, blusas, bermudas, calças, vestidos, entre outros produtos do segmento de confecções, a empresa pernambucana fez um investimento de R$ 300 mil em equipamentos e vai remanejar e contratar 30 colaboradores para atuar nas áreas de gestão comercial, criação e produção (estilistas, modelagem, corte, costura). Um showroom específico para a Mormaii está sendo montado na sede da confecção pernambucana, em Santa Cruz do Capibaribe.

As peças produzidas para a Mormaii devem ser comercializadas a partir de dezembro. Elas serão vendidas por meio da rede de 42 franquias, da atual rede de representantes, franqueados, licenciados e do e-commerce da marca catarinense. O número de pontos de vendas é de aproximadamente 50 mil cobrindo todo o território nacional. A expectativa é que, com a produção e distribuição dos produtos Mormaii, a empresa pernambucana obtenha retorno do investimento em 12 meses.

Para Arnaldo Xavier, diretor presidente da Indústria e Comércio de Confecções Xavier, essa é uma oportunidade do seu negócio crescer com mais consistência para um mercado e regiões em que sua marca ainda não tem tanta capilaridade. “Escolhemos a Mormaii como parceira porque queremos estar envolvidos com a maior marca do segmento na América Latina. Apesar de aparentemente concorrentes, as marcas que comercializamos são consumidas por públicos diferentes, de regiões diferentes do país. Nossa expectativa é aprender e crescer ainda mais nesse mercado”, comentou o empresário. A empresa de Santa Cruz do Capibaribe também deve passar a atuar no mercado internacional, já que a Mormaii exporta para aproximadamente 15 países, como Israel, França, Itália, Espanha, Uruguai, Paraguai, México, Argentina, Chile, Rússia, Inglaterra, Holanda, entre outros.

Segundo Eduardo Nedeff, diretor geral da Mormaii, a empresa atualmente conta com 44 licenças semelhantes à firmada com a Indústria e Comércio de Confecções Xavier atuando no país. O mix de mais de 5 mil produtos é produzido por grandes fábricas como Technos, Grendene e Trifill entre outras. Para ele, a expectativa é continuar produzindo bons produtos e ter a empresa pernambucana como parceira por muito tempo, já que a parceria com a última produtora das roupas da marca durou 20 anos. “Além de rentabilidade, buscaremos nos divertir com o que gostamos de fazer: gestão de branding, desenvolvimento, produção e comercialização de produtos no mercado nacional e internacional”, explicou.

A Indústria e Comércio de Confecções Xavier produz atualmente os produtos da Rota do Mar (atacado e varejo) e da Mitch´s Clothing (atacado). São cerca 150 mil peças por mês. Em 2017, a empresa faturou cerca de R$ 45 milhões. O contrato com a Mormaii tem duração de cinco anos, podendo ser renovado por outros cinco.

Shopping Difusora recebe exposição em menção ao Dia Mundial do Idoso

A partir da próxima sexta-feira, 05 de outubro, o Shopping Difusora, em parceria com a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, recebe uma exposição em comemoração ao Dia Mundial do Idoso, comemorado na última segunda-feira, 1º de outubro. A “Exposição Mãos que Fazem” foi desenvolvida pelos próprios moradores da entidade. Ela fica em cartaz até o domingo (07), no terceiro piso do mall.

Os trabalhos, que são de autoria dos próprios idosos, são fruto das terapias desenvolvidas rotineiramente no espaço. A exposição dispõe de quadros e peças artesanais, além de fotografias dos moradores. A supervisão para concepção dos trabalhos é de responsabilidade das profissionais Cibele Bortolai (psicóloga) e Mayara Martins (terapeuta ocupacional). A visitação é gratuita.

A abertura da exposição acontece às 19h da sexta (05). “Essa é uma oportunidade que o público tem para acompanhar um pouco do trabalho que é desenvolvido na Casa dos Podres, além de conhecer um pouco dos seus moradores, através da exposição fotográfica. Não custa lembrar que a entidade é mantida de doações e qualquer pessoa pode ajudar”, diz o gerente de Marketing do Shopping Difusora, Welter Duarte.

A Casa dos Pobres São Francisco de Assis é uma entidade que funciona em Caruaru há 70 anos. Ela é responsável por acolher idosos, proporcionando atendimento em todos os âmbitos, desde saúde a ocupação. A entidade fica localizada na Avenida Lourival José da Silva, 483, Bairro Petrópolis. Para quem quiser ajudar ou saber mais informações, basta entrar em contato pelo número (81) 3721-4325.

Delegado Lessa assina carta de compromissos com enfermeiros

Na tarde desta quarta-feira, 03, o candidato a deputado estadual Delegado Lessa (Progressistas) assinou uma carta de compromissos para com profissionais de Enfermagem do estado de Pernambuco.

O postulante recebeu um grupo de enfermeiros, estudantes e professores universitários de Enfermagem, que apresentou demandas profissionais para a categoria, a exemplo do estabelecimento de 30 horas de jornada de trabalho semanal, uma das propostas do candidato. “Há muito tempo, temos pleiteado essas questões da classe. Agora, acreditamos que a assinatura dessa carta representativa possa significar avanços para a Enfermagem”, opinou a professora Nayara Sousa.

Para o Delegado Lessa, esse comprometimento gera frutos positivos para toda a sociedade. “O reconhecimento do funcionário público é importante para garantir a eficiência na prestação dos serviços. A representatividade política, para os mais diversos segmentos, é fundamental para alcançar este objetivo”, declarou.

Em 10 meses, a Escola do Trabalhador ultrapassa 16 mil matrículas

Em dez meses de funcionamento, a Escola do Trabalhador recebeu 16.409 matrículas e qualificou 2.788 pessoas em Pernambuco. No total, são 10.668 alunos ATUALMENTE inscritos no estado, matriculados em um ou mais cursos disponíveis na plataforma. São 24 cursos divididos em 12 eixos temáticos, focados nas necessidades do mercado de trabalho brasileiro. Os cursos são gratuitos e podem ser acessado de qualquer computador do Brasil no endereço http://escoladotrabalhador.gov.br. Não há pré-requisito para cursá-los e nem escolaridade mínima exigida.

Cada curso dura aproximadamente 40 horas, tempo estimado como necessário para o trabalhador cumprir todas as tarefas. Ainda assim, o conteúdo fica disponível por dois meses para que a pessoa inscrita consiga concluir as tarefas com calma. Ao final de cada curso, os trabalhadores precisam passar por uma avaliação para receber o certificado de conclusão. O documento é emitido pela Universidade de Brasília (UnB), instituição responsável pela elaboração dos cursos.

Nacional – Lançada em 21 de novembro de 2017, a Escola do Trabalhador recebeu 548.253 matrículas e qualificou 81.507 pessoas em todo o país. São 357,8 mil alunos inscritos. A plataforma tem como objetivo oferecer qualificação profissional aos trabalhadores, mas tem foco principal em quem está desempregado e acessa o seguro-desemprego do Ministério do Trabalho. Do total de 357.837 alunos cadastrados, 64,33% estão fora do mercado formal e 6,59% estão recebendo seguro-desemprego.

Para garantir que os cursos ofertados acompanhem a dinâmica do mercado de trabalho e, assim, possibilitar a inserção e a permanência dos trabalhadores no mercado, o Ministério do Trabalho, em parceria com a UnB, criou um painel indicador que apresenta o cruzamento de dados relacionados ao perfil dos alunos da escola com os dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e seguro-desemprego.

Para ter acesso ao painel basta entrar na página do Ministério do Trabalho na internet pelo endereço http://indicadores.trabalho.gov.br. A ferramenta permite mapear o perfil dos alunos, considerando dados geográficos, ocupacionais, de gênero, faixa etária e escolaridade.