Penitenciária Juiz Plácido de Souza: um ano depois da tragédia, a reconstrução

Hoje, ainda existem marcas, principalmente nos familiares das vítimas, mas o foco é fazer um futuro diferente para todos, em especial para os detentos

Wagner Gil

Exatos um ano após de penar bastante com a sua maior rebelião, que ocorreu justamente no dia 23 de julho de 2016, a Penitenciária Juiz Plácido de Souza, em Caruaru, ainda tem marcas da tragédia. Dos três pavilhões que foram totalmente destruídos, dois já foram reconstruídos e outro deve ter as obras iniciadas nos próximos dias. Mais que prejuízo material, as perdas humanas foram ainda maior: seis assassinatos, sendo que quatro vítimas tiveram suas cabeças decepadas. Hoje, ainda existem marcas, principalmente nos familiares das vítimas, mas o foco é fazer um futuro diferente para todos, especialmente para os reeducandos.

A atual diretoria priorizou o diálogo e a ocupação dos detentos com trabalho, educação e qualificação profissional, além de mudanças significativas na estrutura da penitenciária. Hoje, o local possui uma média de 1.240 detentos, quando teria condições de abrigar cerca de 500. Agora, todo pavilhão tem sua área de sol e isso evita que rivais se encontrem ou possam causar algum tipo de tumulto ou violência, como na última rebelião. Outro ponto importante foi à construção de camas verticais triplas, o que eliminou madeiras.

Fatores como atendimento psicossocial com o diálogo e respeito para com quem está ali pagando sua pena também tem feito a diferença. O medo e a incerteza acabaram sendo trocados pela esperança. “Estou cumprindo uma pena aqui por homicídio. Já faz quase dez anos que estou aqui e prestes a ir para o regime semi-aberto. Meu sonho é montar um restaurante”, sonha H.R.S. Ele poderia cumprir pena no regime semi-aberto de Canhotinho, mas preferiu permanecer na PJPS. “Daqui, sairei para realizar o sonho do meu trabalho, o do meu restaurante”, acrescentou.

Outro detalhe interessante é que na unidade prisional, todos, sem exceção, querem tirar exemplo de tudo que ocorreu de ruim, para construir um futuro promissor. “Aqui todos são tratados com dignidade. Isso ajudou bastante na reconstrução do espaço”, disse o agente penitenciário e atual vereador Sérgio Paulo Siqueira. “Aqui o foco é projetar um futuro diferente com muito trabalho e oportunidade para quem errou e quer se reintegrar à sociedade”, destacou o diretor da unidade, Paulo Paes.

O primeiro motim computado na história da unidade prisional ficou caracterizado, entre outros motivos, pela superlotação e rivalidade entre os presos. De acordo com informações repassadas na época, dos seis mortos, cinco tinham acusações de estupro contra eles. “Geralmente em motins, quem tem acusação desse tipo de crime acaba sendo vítima. Mas vale lembrar que muitos detentos foram internados em estado grave tanto em Caruaru como em hospitais da capital pernambucana”, acrescentou Paulo Paes.
EXEMPLO

Em alguns locais da penitenciária, atualmente existem serviços de muita qualidade e excelência. Um deles é a cozinha e o outro o setor de padaria. Diariamente, são produzidas cerca de oito mil refeições de alto padrão de qualidade e higiene. Cada preso tem direito a três refeições (café, almoço e janta), que são produzidos pelos próprios presos, mas com a supervisão de nutricionistas.

Nossa reportagem acompanhou a produção do almoço desta semana. “Aqui utilizamos carne de primeira e fazemos uma refeição balanceada. Arroz, feijão, macarrão, galinha, verdura, ovos, tudo de bom”, disse um dos cozinheiros. “O detalhe também é que temos a orientação dos nutricionistas, o que acaba nos qualificando. Eu também penso em abrir um restaurante quando sair”, disse J.L.S. Na padaria são cerca de oito homens trabalhando produzindo pão de alta qualidade.

Na PJPS, toda a reconstrução foi realizada e continua sendo feita pelos detentos. Diariamente, caminhões materiais de construção chegam à unidade. “As reformas melhoraram e humanizaram um pouco mais o ambiente. Isso também ajuda a nos deixar mais tranqüilos. Além disso, tem muita gente trabalhando por aqui”, disse o reeducando G. H. D, que está prestes a deixar a unidade após cinco anos.

Atualmente, pelo menos 500 presos estão fazendo algum tipo de atividade, dentre eles, o voluntário. “Nós temos avançado bastante nesse sentido”, disse o diretor da unidade. “Estamos concluindo também a volta da fábrica de vassouras com materiais descartáveis e também detergentes”, finalizou Paulo.

 

Exclusivo: Raquel Lyra fala dos 180 dias de Governo

“Podemos mudar à Política pelas cidades. Eu estou fazendo a minha parte”, afirma Raquel Lyra

Wagner Gil

O Blog do Wagner Gil repercute uma entrevista especial que foi feita com a prefeita Raquel Lyra (PSDB). Ela fez um balanço dos seus seis primeiros meses à frente do Poder Executivo. A tucana reconheceu algumas dificuldades que vêm travando a máquina administrativa, falou dos avanços da gestão e ainda ressaltou a sua preocupação com alguns temas especiais como a Saúde, a Educação e a Infraestrutura de Caruaru, que teve mais de duas mil ruas afetadas com as chuvas, que vêm caindo desde maio. A estimativa de gastos passa dos R$ 2,4 milhões.

Raquel também não fugiu de pontos polêmicos como a Operação Lava Jato, a sua relação com o governador Paulo Câmara e com a Câmara de Vereadores de Caruaru. Ex-delegada da Polícia Federal e procuradora do Estado licenciada, ela defendeu a Força-Tarefa da Operação Lava Jato dizendo que acredita nas instituições, embora entenda que algumas mudanças devem ser feitas claramente no Código Penal Brasileiro para definir questões polêmicas.

Wagner Gil– A senhora chegou a 180 dias de governo, num momento em que o país está passando por uma profunda crise ética, moral, política e econômica. O que comemorar neste momento?

Raquel Lyra — Temos colocado a nossa força de trabalho para estarmos juntos das pessoas de Caruaru. Ao longo deste período, colocamos em prática o programa Cidade Limpa, abrimos mais de 2,5 mil vagas nas escolas bem como fizemos uma Semana Santa muito interessante com o Festival de Gastronomia e oferecimento de muitas atrações musicais na cidade. Depois, veio o São João democrático e participativo. Contamos neste ano com edital para contratar e uma forte participação de artistas locais numa festa descentralizada. Fizemos o evento em vários polos com atrações e shows perto das casas das pessoas, em várias comunidades e na zona rural. Estamos trabalhando para garantir mais saúde de qualidade e a inauguração da AME, na Vila Kennedy, é um exemplo disso. Não teve inauguração formal por causa da morte de José Aílton, nosso companheiro, mas as pessoas já estão sendo muito bem atendidas. A avaliação é muito boa, pois a equipe está empenhada. Tem muita coisa ainda para ser feita, mas temos certeza que estamos no caminho certo.

WG- Quais são os principais desafios da sua gestão?

RL- Temos desafios como toda cidade grande. Estamos atacando cirurgicamente alguns pontos. Na saúde, nossa meta é reduzir as filas de espera e já conseguimos avançar em algumas questões como nas realizações de ultrassonografias e exames. Na educação, temos o desafio de capacitar professores, recuperar dezenas de escolas que foram atingidas pelas chuvas. Na próxima segunda-feira, o ministro da Educação Mendonça Filho, estará em Caruaru anunciando recursos para essas recuperações. Temos ainda que garantir uma melhor infraestrutura para os nossos professores. Garantir nossa segurança, não é um papel de um só. Criamos o programa “Juntos pela Segurança” e avançamos na criação de conselhos comunitários de segurança no Bairro Santa Rosa e em Serrote dos Bois, na zona rural. Fizemos um grande esforço depois das enxurradas para devolver a normalidade à vida das pessoas. Foram mais de 300 ruas afetadas. Estamos avançando com um calendário de recuperação. O maior desafio é chegar até a vida das pessoas organizando orçamento e a própria Prefeitura. Ruas que constavam como calçadas e não eram, nós detectamos todas. Fomos a campo e temos esse diagnóstico que será informatizado para solucionar esses problemas.

WG – Então, a senhora acredita que o melhor caminho para tudo isso aí é a educação?

RL- Sim. Logo após o anúncio do ministro Mendonça Filho das verbas para recuperar a educação, iremos lançar o programa “Juntos pela Educação”. Nosso foco é que a criança saia do ensino fundamental sabendo ler, escrever e em condições de enfrentar uma faculdade ou o exigente mercado de trabalho. Hoje, infelizmente, não temos isso. Pelo contrário, um índice preocupante. No terceiro ano do Ensino Fundamental, temos alunos analfabetos. Vamos superar todas essas deficiências que foram diagnosticadas.

WG – Durante a campanha para a Prefeitura, a senhora fez uma promessa de enxugar a máquina e fazer concursos. O vereador Alberes Lopes (PRP), líder da Oposição, disse na tribuna da Câmara, que a folha de pagamento encontra-se maior em pelo menos 1,5%. Como a senhora explica isso?

RL- Assim que iniciamos o nosso governo, reduzimos a quantidade de cargos comissionados e o número de secretarias em cinco. A única criada foi a de Ordem Pública. Criamos uma escala de salário, melhoramos os salários comissionados para trazer profissionais competentes e que atendam as demandas que a cidade precisa. Fizemos isso em vários setores como os da Educação, da Infraestrutura e da Controladoria. Como você tem uma máquina pública e não tem profissionais de qualidade? Tivemos aumento, mas uma atualização.

WG – Em relação aos concursos, quando a Prefeitura anunciará a entrada de efetivos?

RL - Estamos no limite da Lei de Responsabilidade Fiscal. Temos dificuldade de fazer concurso público. Vamos fazer pontualmente algumas ações em relação à seleção simplificada e concursos. Mas este ano, de maneira muito limitada. Faremos esforço na redução de gastos para incorporar novos profissionais. Este ano será muito pontual.

WG- O que a PMC tem feito para gerar mais emprego e renda para a Capital do Agreste?

RL- Criamos a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e de Economia Criativa justamente para explorar todo o nosso potencial. Estamos buscando ampliar as oportunidades de emprego a partir do fortalecimento do Polo de Confecções e do Polo Tecnológico. Estamos organizando o Distrito Industrial bem como incentivando conexões com o Armazém da Criatividade. Teremos em breve por aqui, a chegada de uma empresa baiana que irá gerar 200 empregos. Também estamos nos mobilizando para trazer o Aeroporto Oscar Laranjeiras de volta às atividades comerciais, já no segundo semestre deste ano. Isso mesmo. Queremos dar apoio ao Polo Logístico, com o emprego do aeroporto para voos comerciais. Estamos investindo também para potencializar ainda mais o nosso turismo.

WG – Como a senhora avalia a situação do governo Temer, que está mergulhado em denúncias de delações do Grupo JBS? Como sobrinha do ex-ministro Fernando Lyra, que tinha voz em momentos difíceis do país, a senhora acredita que essas denúncias são perseguição política ou que as instituições envolvidas, como a PF, o MPF e a Procuradoria Geral da República, estão corretas?

RL- Uma pessoa como Fernando Lyra faz muito falta, principalmente pelo o que estamos vivenciando em todos os aspectos que envolvem o cenário nacional. Temos que ter clareza que podemos transformar a política através das cidades. É isso que estou fazendo no meu município. Um diálogo diferente de participação política com os vereadores e a população. Trazendo a população para discutir tudo. Acredito nas instituições, ou seja, na Polícia Federal, no Ministério Público e na Procuradoria. É muito fácil para quem não tem responsabilidade com as pessoas. Meu foco é o que precisa ser feito em nosso município. As instituições precisam ser fortalecidas e respeitadas.

WG – Como a senhora avalia a condenação de Lula (PT)?

RL- Lamentável! Infelizmente, lamento. Com ele, irá embora sonhos e muitas expectativas. Esse momento todo que está acontecendo é uma nova página na política do nosso país.

WG – Como se encontra a relação da senhora com o governador? Ele não veio no São João e desde antes da eleição, quando o partido dele, o PSB, foi retirado de forma brusca de sua direção, houve um esfriamento na relação.

RL- Estou cumprindo tudo que é institucional. O Estado é responsável pela segurança e o município tem dado apoio, feito ações para ajudar. Quanto a decisão dele de vir ou não para o São João, aí é com ele.

WG – Como anda a sua relação com a Câmara de Vereadores?

RL- Olha, tudo que temos enviado à Câmara tem sido aprovado por ampla maioria ou unanimidade. Se existem críticas pontuais, iremos analisar e procurar resolver. Agora, quando alguém faz uma crítica à gestão ou a um assessor direto está me criticando também.

 

Instalação de Unidade Móvel para tratamento de esgoto antecipa benefícios de obra em Gravatá

Uma inovação adotada pela Compesa na implantação do Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) de Gravatá, no Agreste, está permitindo iniciar os serviços de coleta e tratamento de esgoto antes mesmo da conclusão do empreendimento. Isso está sendo possível graças à nova forma de gerenciamento das obras que reduz, quase pela metade, o tempo de execução das intervenções. Para antecipar os benefícios à população, a companhia instalou, no bairro Alto da Boa Vista, uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE ) Móvel, assim chamada pela capacidade de mobilidade da unidade de um bairro para outro, que permite dar funcionalidade às tubulações (redes, ramais e instalações prediais) já assentadas na localidade.

Trata-se de um modelo simplificado para tratamento de esgoto, composto por tanques (reatores UASB), emissário e outros equipamentos. A unidade tem capacidade de tratar 2,5 litros de esgoto, por segundo, com uma eficiência de 60% no tratamento. No bairro Alto da Boa Vista, a ETE Móvel já está realizando o tratamento do esgoto gerado pelas primeiras 260 ligações prediais instaladas, desde o mês de junho, antes do efluente ser lançado no rio. A previsão é que a unidade – licenciada pela CPRH para operar até dois anos em cada localidade – atenda o total 3,4 mil ligações que serão implantadas no Alto da Boa Vista, oferecendo cobertura para 12 mil pessoas.

Esse modelo exitoso, lançado pela Compesa, já está sendo adotado para os projetos financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), assim como a metodologia condominial, que vem despertando o interesse do Banco alemão KFW – que está viabilizando obras de saneamento rural no estado do Ceará, no valor de 60 milhões de euros. “Uma obra convencional leva de quatro a cinco anos para ser finalizada, com a implantação da rede, emissários, estações de bombeamento e de tratamento. Com o uso da ETE móvel, reduzimos esse prazo para até 18 meses, pois as etapas são realizadas de forma simultânea”, explica Sérgio Murilo, gerente de Programas Especiais da Compesa.

Essa nova de gestão das obras de esgoto também conta com outras inovações significativas, que são a metodologia condominial e a arborização de ruas onde são abertas valas. Até fevereiro de 2018, está previsto que a Compesa conclua a primeira etapa da obra do SES Gravatá, que vai contemplar 30% da área urbana da cidade e beneficiar 35 mil pessoas. A obra recebe o investimento de R$ 35 milhões só nessa fase, recursos do BID e do Governo de Pernambuco. O projeto para atender o restante da cidade ainda está em fase de elaboração. A primeira experiência da companhia em antecipar os benefícios dos investimentos em saneamento para a população foi realizada na implantação do SES Tacaimbó, que também recebeu ações de arborização com o plantio de 250 novas árvores nas ruas da cidade – que antes só contava com 146 árvores.

 

Virtuosi na Serra leva concertos e recitais ao FIG

Nos dias 24, 27 e 28 de julho, o Festival de Inverno de Garanhuns abriga mais uma edição do Virtuosi na Serra, com apresentações na Igreja de Santo Antônio, no centro da cidade. A programação é gratuita e apresenta a cada dia recitais e concertos especiais com músicos de renome internacional.

Consagrado pela imprensa e pelo público como um dos momentos mais emocionantes e significativos do FIG, o Virtuosi na Serra está em sua 13ª edição levando anualmente para a Cidade das Flores belíssimas apresentações e performances apaixonadas, com toda a beleza que a música clássica pode oferecer.

Recitais – A programação do Virtuosi na Serra se inicia na segunda (24), às 16h, com o recital da pianista russa Kristina Miller. Detentora do Prêmio de Piano Steinway, em Munique, Kristina é Mestre em Música e estuda no Conservatório de Viena com o Prof. Dr. Johannes Kropfitsch. Às 21h do mesmo dia, o pianista Victor Asuncion realiza seu recital. Natural das Filipinas, Victor tem se apresentado em grandes salas de concerto no Canadá, Japão e México e é uma presença constante na programação do Virtuosi.

No dia 27, às 16h, será a vez do Quinteto Radegundis Feitosa (PB) e, às 21h, o recital do duo Paula Bujes & Pedro Huff, com o CD “Afluências”. Há mais de dez anos trabalhando com um repertório tradicional para violino e violoncelo, o casal Paula Bujes e Pedro Huff está produzindo o disco “Afluências”, que reúne obras da dupla e de compositores novos e tradicionais como Villa-Lobos, Liduino Pitombeira, Dierson Torres e Adriano Coelho.

O Virtuosi na Serra se despede da Cidade das Flores no dia 28, às 16h, com a apresentação da Orquestra Jovem de Pernambuco junto do contratenor Edson Cordeiro, considerado como um dos cantores mais versáteis da atualidade, com a sua impressionante amplitude vocal e a sua enorme variedade tímbrica.

Prefeitura de Riacho das Almas realiza Audiência Pública para discutir orçamento

A Prefeitura de Riacho das Almas por meio da Secretaria de Finanças realiza nesta segunda-feira (24) às 9h da manhã no auditório da Escola Mário da Mota Limeira a 1ª Audiência Pública para discutir o planejamento da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2018, a revisão do Plano Plurianual para os anos de 2018 a 2021 e a Lei Orçamentária Anual. A audiência será conduzida pelo contador do município Carlos Bezerra de Oliveira, e toda a sociedade civil é convidada a participar do encontro.

O objetivo da audiência é trazer a população para discutir a aplicação do orçamento municipal em ações que venham trazer benefícios à comunidade. Depois do encontro, será confeccionada uma ata que vai ser acrescida ao orçamento anual do município, e a partir dela serão elencadas as prioridades colocadas pela população para o local onde vivem.

A audiência deve ser feita por todos os municípios brasileiros, com base na lei complementar 101/2000, que se trata da Lei de Responsabilidade Fiscal, com o objetivo de impor controle de gastos aos municípios, condicionado à capacidade de arrecadação deles.

 

SESI recebe plenária do Plano Plurianual

Neste sábado (22), a Secretaria de Planejamento dará continuidade ao ciclo de atividades do MOBILIZA CARUARU – Plano Plurianual. A oitava plenária será com moradores da zona oeste da cidade, das 13h às 17h, no SESI, localizado no bairro Boa Vista II.

O principal propósito é compartilhar e construir em conjunto com a população a nova agenda de desenvolvimento para os próximos anos, considerando nesta pauta todos os interesses da sociedade caruaruense.

Brasil é reconhecido pela OMS nas ações de combate e prevenção ao tabagismo

O Brasil é um dos oito países que atingiram quatro metas ou mais, recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), para reduzir doenças e mortes relacionadas ao tabaco (MPOWER). A informação vem do relatório “Who report on the global tobacco epidemic, 2017” divulgado pela entidade, nesta quarta-feira (19). O texto destaca, também, as ações que o Ministerio da Saúde vem realizando no monitoramento do tabagismo no país, através de levantamentos como a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) e a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS).

Além do Brasil, o Irã, Irlanda, Madagascar, Malta, Panamá, Turquia e Reino Unido conseguiram cumprir algumas das medidas, como: o monitoramento de políticas de uso e de prevenção do tabaco, a proteção dos fumantes passivos, o oferecimento de tratamento para quem deseja parar de fumar, a divulgação dos perigos de se fumar; a proibição de publicidade, promoção e patrocínio do tabaco e o aumento de impostos sobre o produto.

No Brasil, a política de controle do tabaco, conseguiu reduzir em 35% a prevalência de fumantes nas capitais brasileiras nos últimos 10 anos, segundo a Vigitel. A pesquisa, que é realizada, pelo Ministério da Saúde, nas 26 capitais e no Distrito Federal apontou a queda no percentual de 15,7%, em 2006, para 10,2%, no ano passado. Entre aqueles que fumam 20 cigarros ou mais por dia a prevalência, também, foi decrescente. Caiu de 4,6% em 2006 para 2,8% em 2016. O Vigitel também verifica a questão do fumo passivo. No total de capitais, a prevalência de fumantes passivos no trabalho também caiu de 2009 (12,1%) a 2016 (7,0%).

A proibição da publicidade de cigarros nos meios de comunicação e pontos de venda e do consumo de tabaco em ambientes fechados, a obrigatoriedade das imagens de advertência sanitária nos maços e os projetos para a cessação de fumar no SUS, também, foram passos importantes para redução do consumo de tabaco no país. Por isso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) abriu este ano uma consulta pública para atualização das imagens e advertências nas embalagens de tabaco.

A medida mais eficaz para reduzir o consumo, no entanto, foi o aumento de preços por meio da elevação dos impostos, recomendação da Convenção-Quadro para Controle do Tabaco, tratado mundial ratificado pelo Brasil em 2005. Segundo dados da Vigitel, em 12 capitais houve tendência de estabilidade na prevalência de fumantes até 2010 e redução a partir 2011.

Como parte da política de combate ao tabagismo, o SUS oferece tratamento gratuito para fumantes nas Unidades Básicas de Saúde. São ofertados adesivos, pastilhas e gomas de mascar. Com esses tratamentos, o Ministério da Saúde gastou R$ 23,77 milhões.

CUSTOS DO TABAGISMO – Uma pesquisa do Ministério da Saúde e do Instituto Nacional do Câncer (INCA) mostrou que o consumo de cigarros e outros derivados causa um prejuízo de R$ 56,9 bilhões ao país a cada ano. Deste total, R$ 39,4 bilhões são com custos médicos diretos e R$ 17,5 bilhões com custos indiretos, decorrentes da perda de produtividade, provocadas por morte prematura ou por incapacitação de trabalhadores.

O estudo verificou que a arrecadação total de impostos pela União e estados, com a venda de cigarros no país em 2015, foi de R$ 12,9 bilhões. Ou seja, o saldo negativo do tabagismo para o país foi de R$ 44 bilhões, quando se subtrai os gastos da saúde em relação aos impostos arrecadados.

Segundo o estudo, as doenças relacionadas ao tabaco que mais oneraram em 2015 o sistema público e privado de saúde no Brasil foram: doença pulmonar obstrutiva crônica-DPOC – principalmente enfisema e asma – (R$ 16 bilhões); doenças cardíacas (R$10,3 bilhões); tabagismo passivo e outras causas (R$4,5 bilhões); cânceres diversos de esôfago, estômago, pâncreas, rim, bexiga, laringe, colo do útero e leucemia (R$4 bilhões); câncer de pulmão (R$2,3 bilhões); acidente vascular cerebral (AVC)(R$2,2 bilhões); e pneumonia (R$146 milhões).

A pesquisa teve coordenação científica da Fundação Oswaldo Cruz e do Instituto de Efectividad Clínica y Sanitaria (IECS), da Universidade de Buenos Aires. O INCA financiou o estudo por meio de um acordo técnico com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e com subsídios do International Development Research Centre (IDRC), do Canadá.

Gastos de brasileiros com viagens ao exterior crescem 34,8% no primeiro semestre

A queda do dólar fez os gastos de brasileiros com viagens internacionais voltarem a subir em 2017, depois de terem caído no ano passado. Segundo números divulgados hoje (21) pelo Banco Central (BC), as despesas de turistas brasileiros no exterior encerraram o primeiro semestre em US$ 8,805 bilhões, alta de 34,8% em relação aos seis primeiros meses do ano passado (US$ 6,532 bilhões).

Apenas em junho, mês em que se inicia o verão no Hemisfério Norte, os brasileiros gastaram US$ 1,51 bilhão no exterior. O valor é 10,1% maior que o gasto de US$ 1,372 bilhão registrado em junho de 2016.

A retomada dos gastos com viagens internacionais ocorre depois de uma queda de 16,5% no ano passado. Em 2016, as despesas de turistas brasileiros em outros países tinha totalizado US$ 14,497 bilhões, no menor valor desde 2009.

Os gastos de turistas brasileiros no exterior e de turistas estrangeiros no Brasil entram na conta de serviços, que também mede ingressos e saídas do país com serviços de transportes, aluguéis, seguros, telecomunicações e propriedade intelectual. A conta de serviços é um dos itens que compõem as contas externas ou transações correntes, que fecharam o primeiro semestre com superávit de US$ 715 milhões, o melhor resultado para o período em 10 anos, beneficiada pelo superávit recorde de US$ 34,9 bilhões na balança comercial.

MEC libera em Petrolina R$ 13 milhões para creches, alojamentos e quadras

Em visita a Petrolina, na região do São Francisco pernambucano, o ministro Mendonça Filho anunciou, nesta sexta-feira, 21, investimentos de R$ 13,7 milhões para obras em creches, alojamentos estudantis e quadras poliesportivas em Pernambuco. Ao todo, serão mais de 4 mil beneficiados diretos, entre crianças da cidade e estudantes do Instituto Federal Sertão Pernambucano (IF Sertão-PE).

Em parceria com a Prefeitura de Petrolina, foi lançado um edital para a construção de cinco novos centros municipais de educação infantil (CMEI) no município. O valor total do investimento será de R$ 6,5 milhões. Desde que assumiu o Ministério, em maio de 2016, o ministro sempre destacou a educação básica como prioridade do governo federal.

“A formação do indivíduo começa exatamente na educação infantil. Desde que assumimos, essa etapa tão importante da educação tem sido prioridade. O Brasil não pode deixar de lado a formação do indivíduo”, destacou o ministro Mendonça Filho. Ele lembrou que o MEC tem atuado para fortalecer as parcerias com os municípios, especialmente, na educação infantil, que traz reflexos em toda a trajetória escolar dos estudantes.

Das cinco novas creches, uma será do Tipo 1, com capacidade de atendimento de até 376 crianças em dois turnos ou 188 crianças em período integral, e quatro do Tipo 2, que tem capacidade de atendimento de até 188 crianças em dois turnos ou 94 crianças em período integral. Os bairros contemplados são: Nova Petrolina, Henrique Leite, Jardim Petrópolis, Terras do Sul e Vila Eulália.

Durante o evento, o ministro também anunciou a transferência de recursos financeiros para manutenção de novas matrículas em novas turmas de educação infantil, pleiteados pelos municípios brasileiros e pelo Distrito Federal, de acordo com a Resolução nº 16 de 16 de maio de 2013 do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Petrolina é uma das cidades contempladas, com R$ 1,6 milhão, suficiente para 685 novas matrículas em novas turmas de creches.

Presente ao evento, o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho, também ressaltou a importância da parceria entre os governos federal, estadual e municipal. “A creche é importante porque possibilita os pais poderem trabalhar. Mas as creches que queremos são essas: com todos os equipamentos necessários para que a criança possa entrar no ensino infantil e médio muito mais preparada”, enfatizou.

Implantação do Centro de Diagnóstico por Imagem Digital da Asces-Unita tem recursos liberados pelo Governo Federal

Na próxima segunda-feira (24), será assinado o termo de colaboração para a estruturação do Centro de Diagnóstico por Imagem Digital da Asces-Unita. O ato contará com a presença do Ministro da Educação, Mendonça Filho, e será realizado na Escola Municipal Kermógenes Dias de Araújo, no Bairro do Vassoural, ao meio-dia. A instalação do Centro será uma expansão do Projeto Asa Branca de Combate e Prevenção ao Câncer de Boca, criado em 2001 pela Asces-Unita e adotado pelo Ministério da Saúde.

O programa, pioneiro no país, oferece, gratuitamente, exames de prevenção ao câncer de boca a milhares de cidadãos que não possuem acesso a tratamentos dentários e de prevenção a doenças. Durante o período de atuação, mais de 100 mil pessoas já foram atendidas, em uma área de cobertura que abrange todo o Agreste pernambucano. Os procedimentos são realizados na clínica odontológica da Asces-Unita.

A ampliação do Projeto Asa Branca possibilitará, além do suporte ao diagnóstico e tratamento do câncer bucal, a realização de ações educativas, buscas ativas e de popularização do auto-exame oral. Irá possibilitar, ainda, a oferta de cursos de qualificação para profissionais atuantes no Sistema Único de Saúde (SUS), servindo de fonte para conhecimentos científicos aos alunos de graduação e pós-graduação.

Para a coordenadora do projeto, Danielle Lago, a nova aquisição trará ainda mais benefícios para a comunidade local e científica, promovendo uma integralização. “Será o primeiro centro de referência em diagnóstico por imagem bucal da região, agregando tanto a rede de assistência, como ao ensino e à pesquisa. Além disso, terá um diferencial de ser totalmente sustentável, já que os diagnósticos serão emitidos de forma digital, sem o uso de produtos químicos, facilitando também o intercâmbio de informações clínicas sobre casos específicos”, explicou.

Recursos

A liberação dos recursos faz parte do PROEXT – Programa de Apoio à Extensão Universitária, instrumento promovido pelo Governo Federal que abrange programas e projetos de extensão universitária, com ênfase na formação dos alunos e na inclusão social nas suas mais diversas dimensões, visando aprofundar ações políticas que venham fortalecer a institucionalização da extensão no âmbito das Instituições Federais, Estaduais e Municipais e Comunitárias de Educação Superior.