Gleisi, a única ré do Senado na Lava Jato até agora

Eleita em 2010 para o Senado, Gleisi Hoffmann (PT-PR) se licenciou do cargo, em junho de 2011, para assumir a vaga de Antonio Palocci. Na Casa Civil, ganhou a confiança de Dilma e só entregou o cargo em 2014, para se dedicar à sua campanha ao governo do Paraná. Mas fracassou nas urnas. De volta ao Congresso, destacou-se como uma das mais aguerridas defensoras da ex-chefe e comprou briga com senadores da oposição até a votação final do impeachment. Sua situação, àquela altura, já não era confortável.

No início de 2015, o nome de Gleisi apareceu na relação de políticos com foro privilegiado suspeitos de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. Em setembro do ano passado, o Supremo Tribunal Federal aceitou a denúncia contra a senadora e o seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo. Até agora ela é a única integrante do Senado que responde a ação penal na Lava Jato. Outros senadores como Renan Calheiros (PMDB-AL), Fernando Collor e Benedito de Lira (PP-AL) também são alvos de denúncia, mas os ministros ainda não analisaram o pedido da PGR.

O casal é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, acusados de receber R$ 1 milhão desviados da Petrobras, para a campanha dela ao Senado, em 2010. O repasse, segundo o Ministério Público Federal, foi feito por empresas de fachada do doleiro Alberto Youssef, para que o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa fosse mantido no cargo. O casal refuta a história.

Em novembro o Supremo abriu outro inquérito contra a senadora, conduzida em 2017 à liderança do PT. Em junho do ano passado, Paulo Bernardo chegou a ser preso pela Polícia Federal, acusado de envolvimento em irregularidades no Ministério do Planejamento, durante sua gestão. Ele foi solto por determinação do ministro Dias Toffoli, do STF, que julgou ter havido “constrangimento ilegal” na decisão decretada por Sérgio Moro.

“Maldição” persegue nove ministros da Casa Civil

Cobiçada pelos políticos por causa de seus superpoderes, a Casa Civil virou sinônimo de problema político e criminal neste início de século. Todos os nove titulares que a comandaram desde 2003 enfrentam complicações na Justiça. Um roteiro que se repete desde a queda de José Dirceu (PT), em 2005, no auge das revelações do mensalão.

Quem não caiu por denúncias no período em que chefiou a casa, a exemplo da ex-presidente Dilma Rousseff, enrolou-se depois. Os ex-ministros sofrem com processos, condenações e até prisões. É a “maldição” da Casa Civil, que persegue Dirceu, Dilma, Erenice Guerra, Antonio Palocci, Gleisi Hoffmann, Aloizio Mercadante, Jaques Wagner, Lula e, agora, Eliseu Padilha. Em comum entre eles, os fantasmas da Lava Jato.

 

Com denúncias que reforçam delação premiada de executivo da Odebrecht contra ele e o presidente Michel Temer, o atual titular já balança no cargo. Denúncias também forçaram a saída pela porta dos fundos de Dirceu, Palocci e Erenice. Na relação dos homens mais poderosos da República até recentemente, os dois primeiros amargam dias duros e incertos na prisão. Dirceu está condenado a 20 anos de reclusão. Mesmo tendo conquistado a Presidência após passar pela Casa Civil, Dilma sentiu os efeitos cinco anos depois, com o impeachment e denúncias relativas à sua passagem pelo cargo, combinada com o comando do conselho administrativo da Petrobras.

Só a posse

Lula nem sequer chegou a assumir de fato. Assinou termo de posse e foi barrado no dia seguinte pelo Supremo Tribunal Federal, que o acusou de manobrar para escapar do juiz Sérgio Moro na Lava Jato. Hoje é réu em cinco processos. Gleisi, atual líder do PT no Senado, também virou ré no Supremo. Mercadante e Wagner são alvos de inquérito da operação. Padilha se encaminha para ser mais um chefe da Casa Civil na relação dos investigados por suspeitas de envolvimento com o esquema da Petrobras.

Ex-ministro dos Transportes, de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), e da Aviação Civil, de Dilma, Padilha foi um dos líderes do movimento que retirou a petista do Palácio do Planalto. O gaúcho foi um dos primeiros peemedebistas a entregar o cargo e a cerrar fila na oposição para levar Temer do Palácio do Jaburu ao Planalto. Licenciado informalmente da Casa Civil para retirar a próstata neste fim de semana, Padilha pode nem voltar mais ao gabinete. Desde que lá chegou, deu baixa no hospital algumas vezes, com dores e problemas de pressão arterial. Dessa vez, porém, a pressão vem da Lava Jato, com tanta força que ameaça até derrubar seu chefe.

/**/

Hemope faz campanha para ampliar número de doadores

Wagner Gil

Mais uma vez o Hemope Caruaru realiza sua tradicional campanha para garantir estoque de sangue durante o período carnavalesco, onde a procura aumenta de forma considerável por vários motivos. A unidade local, que funciona na Avenida Oswaldo Cruz, atende todas as 32 cidades ligadas à IV Regional de Saúde, além de municípios como Palmares e Limoeiro, que estão com seus bancos de sangue fechados. O de Palmares está desde 2010, quando ocorreu uma grande cheia, devastando parte da cidade.

De acordo com uma das coordenadoras na área de captação de novos doadores, Maria Menezes, existe uma necessidade maior pelos grupos sanguíneos negativos, onde os estoques estão mais em baixa. A-, B- e O- estão entre as prioridades, mas isso não que dizer que os outros grupos estão com o produto sobrando. “Pelo contrário, temos uma necessidade permanente de crescer a quantidade de doadores. Por isso estamos sempre procurando ampliar esse banco de doadores aqui em Caruaru. Atendemos a necessidade de toda região, além de cidades que estão fora de nossa área de cobertura”, argumentou.

Atualmente o Hemope tem uma campanha para ampliar o seu banco de doadores com o tema ‘As doações de sangue também precisam crescer’. No folder que é distribuído pela instituição, alguns números são apresentados, entre eles o aumento nos transplantes (84%), atendimentos de urgência (627%) e cirurgias (619%).

“Isso aqui (doação de sangue) representa mais que um gesto de solidariedade”, disse o representante comercial Ednaldo Ferreira, que há 20 anos é doador. A contadora Juliana Silva também deu uma pausa no trabalho para doar sangue. “Esta é a quarta vez e, sempre que tiver condições, estarei aqui para ajudar. Na primeira vez eu doei para ajudar uma pessoa que estava se operando. Depois vi a campanha e passei a vir espontaneamente”, comentou.

Funcionando de segunda a sexta, das 7h30 às 12h, e das 13h30 às 17h, o Hemope Caruaru recebe a maioria dos doares de forma espontânea. “Já faz dez anos que sou doador. Primeiro vim aqui porque um amigo iria se operar e fizeram uma campanha. Depois fiquei de voltar com assiduidade e sem esperar um chamado. É um gesto de amor”, disse o autônomo Fábio Gouveia. Ele faz uma média de três doações por ano.
CONDIÇÕES BÁSICAS PARA DOAR SANGUE

Para doar sangue é preciso estar com a saúde em dia, apresentar documento com foto e ter entre 16 e 69 anos, sendo que os menores de 18 anos precisam estar acompanhados de responsáveis. Algumas recomendações são importantes para o dia da doação, entre elas não doar sangue em jejum, fazer um mínimo de seis horas de repouso antes da doação, não ingerir bebidas alcoólicas 12 horas antes e evitar fumar pelo menos duas horas antes.

Alguns grupos de pessoas são proibidos de doar, entre eles quem tiver diagnóstico de hepatite após os 11 anos de idade, mulheres que estejam amamentando e pessoas que tenham doenças transmissíveis como Aids, sífilis e doença de Chagas. O sangue doado é separado em diferentes componentes, como plaquetas, plasma e hemácias, e, desta forma, beneficia mais de um paciente com um único doador.
ESTUDANTES ENGAJADOS

Também com o intuito de ajudar o Hemope, principalmente nesta época de Carnaval, o projeto de extensão Doação e Ação, que é coordenado pelo professor Fabrício Andrade, realizou mobilização na última quinta-feira (23), no Marco Zero de Caruaru. A equipe, composta por estudantes dos cursos de Biomedicina, Enfermagem e Farmácia, atuaram na captação de doadores para a unidade local.
Saiba mais sobre as principais dúvidas dos doadores:

Qual é a quantidade de sangue coletada em cada doação?
Em cada doação, são coletados aproximadamente 450 ml de sangue.

A quantidade de sangue coletada a cada doação vai afetar minha saúde?
Não, porque na doação de sangue se retira menos do que 10% do volume sanguíneo total de um adulto, por esse motivo só é permitida a doação por pessoas acima de 50kg.

Quanto tempo demora para que meu organismo reponha a quantidade de sangue coletada na doação?
O plasma é reposto em algumas horas, as plaquetas se restabelecem em alguns dias, e as hemácias demoram alguns meses. Por esse motivo, a doação de sangue só deve ser realizada a cada 90 dias para os homens e 120 dias para as mulheres.

Por que os homens podem doar sangue a cada três meses e as mulheres a cada quatro meses?
Devido à reposição dos estoques de ferro, que nas mulheres é mais demorada em virtude das perdas durante os ciclos menstruais.

O que é doação de plaquetas por aférese?
É uma doação seletiva, onde um pequeno volume de plasma e, prioritariamente, as plaquetas são retiradas do doador através de uma máquina (separador celular). Esse procedimento pode ser realizado com intervalos de 48h. Não há prejuízo na doação de plaquetas sistemática, sendo possível ser realizado duas vezes por semana, quatro vezes ao mês e até 24 vezes ao ano, isso devido à perda plasmática durante a doação.

O material usado na doação de plaquetas é mesmo seguro?
Sim, todo o material usado, inclusive os kits são estéreis, descartáveis e apirogênicos (não causam febre).

Se eu doar sangue uma vez, sou obrigado a doar de novo?
Não. A doação de sangue é um ato solidário e voluntário que depende da iniciativa de cada cidadão, e o retorno é o entendimento de que só nós somos a única fonte desse produto.

Corro algum risco de contaminação doando sangue?
Não. Todo o material utilizado é estéril, de uso único e descartável.

Posso apresentar alguma reação doando sangue?
Raramente acontece e, na maioria das vezes, está relacionada com a ansiedade. As reações mais frequentes são queda de pressão, sensação de desmaio, náuseas e hematomas no local da punção. Mais raramente os doadores podem apresentar vômitos e convulsões. Caso haja alguma reação, no local da coleta de sangue há sempre uma equipe preparada para atender a qualquer intercorrência.

Feriado de Carnaval suspende prazos processuais no STF

A Portaria nº 28, editada pelo diretor-geral do Supremo Tribunal Federal (STF) no último dia 21, comunica que não haverá expediente na Secretaria do Tribunal nos dias 27 e 28 de fevereiro de 2017.

Na quarta-feira (1º de março), o Tribunal funcionará das 14h às 19h. Os prazos que se iniciam ou se encerram nessas datas ficam automaticamente prorrogados para o dia 2 de março (quinta-feira), nos termos do artigo 224, parágrafo 1º, da Lei 13.105/2015

Acidente em carro da Unidos da Tijuca deixa feridos na Sapucaí

G1

Mais um acidente envolvendo um carro alegórico deixou pelo menos 12 feridos na Sapucaí. Parte da estrutura da alegoria da Unidos da Tijuca cedeu e atingiu integrantes da escola, na madrugada desta terça-feira (28).O caso ocorre no dia seguinte a outro acidente na Sapucaí deixar 20 feridos, durante apresentação da Paraíso do Tuiuti.

A Secretaria Municipal de Saúde informou que 20 pessoas foram atendidas. Delas, 12 sofreram traumas e oito tiveram crise de ansiedade. Seis pessoas foram transferidas para hospitais, sendo dois casos considerados mais graves. 

Ministro Eliseu Padilha passa bem após cirurgia em Porto Alegre

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, passou por uma cirurgia de próstata na tarde desta segunda-feira (27), no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre. O boletim médico divulgado pelo hospital informa que a cirurgia foi bem-sucedida e que Padilhapassa bem.

Padilha permanecerá sob monitoramento médico por 48 horas na sala de recuperação pós-operatória.

“O paciente Eliseu Padilha submeteu-se a procedimento urológico cirúrgico, sob anestesia geral, que transcorreu sem intercorrências. As condições gerais estão estáveis. Ele permanecerá em sala de recuperação pós-operatória monitorado pelas próximas 48 horas”, registra a nota assinada pelos médicos Claudio Telöken e Nilton Brandão.

O ministro está de atestado médico desde o dia 20 deste mês, quando foi internado no Hospital do Exército. Ele teve alta do hospital no dia 22 e, desde então, está em Porto Alegre. Em setembro, Padilha, que tem 71 anos, foi internado por problemas de pressão.

Raquel solicita apoio para o São João de Caruaru

A prefeita Raquel Lyra teve audiência, em Brasília, com o ministro da Cultura, Roberto Freire. Em pauta, solicitação de apoio para a realização do São João de Caruaru. A maior festa junina do país poderá vir a contar com apoio do MinC, através da Lei de Incentivo à Cultura – a Lei Rouanet.

“Não temos como bancar a festa apenas com recursos da prefeitura, por isso estamos buscando obter apoio do MinC para garantir a continuidade desta que é uma das maiores festas do Brasil e uma típica manifestação da identidade nordestina”, justificou Raquel.

Para o ministro pernambucano, o potencial cultural do município o credencia a solicitar o benefício da lei. “Apoiar um evento do porte do São João de Caruaru é muito positivo para a Rouanet”, disse Roberto Freire. Segundo ele, a iniciativa vai ao encontro da intenção de descentralizar a distribuição dos recursos captados por meio desse mecanismo, bem como promover a cultura popular brasileira.

Novas contratações do Minha Casa, Minha Vida começam em março

As novas contratações de 2017 para a Faixa 1 do Programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) terão início neste mês de março. A medida foi anunciada pelo Ministério das Cidades. Para esta faixa, estão previstas 170 mil novas unidades habitacionais, que atendem famílias com renda de até R$ 1.800.

Em 2016, houve 3.974 novas contratações de unidades habitacionais no Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), vinculadas ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) nas áreas de saneamento e mobilidade urbana. Outras 11.779 unidades na modalidade “Entidades” e mais 19.258 unidades na modalidade “Rural” foram efetivadas. Ao mesmo tempo, foram retomadas 28 mil unidades, paralisadas desde 2015.

Para a modalidade “Entidades”, do Faixa 1 do MCMV, o Governo Federal reservou 35 mil unidades habitacionais neste ano – quase o dobro da maior contratação já feita na história do programa, ou seja, 18.737 unidades, em 2014. Todas as entidades recebem tratamento isonômico da atual gestão do Ministério das Cidades e devem seguir os critérios de seleção estabelecidos pela pasta.

Ao ampliar a faixa de atendimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), dentro do MCMV, o Ministério das Cidades vai atender a um número maior de famílias nas operações de financiamento com recursos do fundo.

Nas operações para famílias de baixa renda, com recursos do Orçamento Geral da União, exclusivamente, não houve nenhuma modificação. Estão mantidos todos os parâmetros definidos em dezembro de 2015, conforme estabelecido pelo Plano Plurianual 2016-19.

Em Nazaré da Mata, governador participa do 18º Encontro dos Maracatus de Pernambuco

Nesta segunda-feira (27), o governador Paulo Câmara foi conferir de perto a beleza e os encantos do tradicional Encontro dos Maracatus de Baque Solto, em Nazaré da Mata, na Zona da Mata Norte, em continuidade à agenda que vem cumprindo no Carnaval pernambucano. Em sua 18º edição, a manifestação, que recebeu o título de Patrimônio Cultural e Imaterial do Brasil, em 2014, contou com a apresentação de cerca de 30 grupos. Um corredor montado na Praça Papa João XXIII, mais conhecida como a Praça da Catedral, serviu de passarela para as agremiações.

“Eu tive a oportunidade de vir algumas vezes à Nazaré, inclusive como governador, mas esse ano a gente está sentindo uma energia diferente. A cidade está fazendo uma festa bonita, com muita simplicidade, mas muito organizada. Está fazendo, mais uma vez, um grande Carnaval, valorizando a sua cultura, valorizando a sua tradição, valorizando o maracatu. E os foliões estão sentindo que podem vir brincar, andar pelas ruas, que vão encontrar muita alegria e paz”, ressaltou o chefe do Executivo estadual, destacando a importância desta expressão popular tipicamente pernambucana.

Paulo confessou, ainda, sua satisfação em poder assistir a alegria das pessoas e a forte participação popular nas ruas. O governador salientou que este mesmo cenário pode ser visto em todos os polos festivos do Estado. “Eu estou muito satisfeito porque o Carnaval foi muito bem planejado. O momento é difícil, mas a gente está conseguindo fazer uma celebração alegre e muito tranquila. Toda a nossa equipe está de parabéns. Estamos todos determinados, trabalhando com muito afinco para fazer de Pernambuco um Estado melhor e mais seguro para todos”.

Para o prefeito Nino, o encontro de maracatus é o grande destaque do Carnaval nazareno. “A motivação, vibração e entusiasmo desse pessoal que forma o nosso maracatu são contagiantes. Essa grandeza e tudo que eles têm nos provado, ao longo dos anos, nos dá muita força para continuar lutando em defesa da nossa cultura. Ano que vem, celebraremos o centenário desta manifestação, e isso é motivo de muito orgulho para todos nós”, frisou.

CASA DA RABECA – Após conferir a apresentação dos maracatus rurais, o governador seguiu para Olinda, na Região Metropolitana do Recife, para prestigiar a programação da Capital da Cultura. No bairro de Tabajara, Paulo assistiu, ao lado dos prefeitos Geraldo Julio (Recife) e Professor Lupércio (Olinda), a apresentação do grupo de Maracatu Piaba de Ouro. A comitiva seguiu para a Casa da Rabeca, onde cumprimentou e conversou com populares locais.

“Eu venho aqui, hoje, em Olinda para, mais uma vez, admirar a irreverência dessa festa bonita, que tanto nos orgulha e que mostra ao Brasil a força do povo e da cultura pernambucana. Assim como Recife e outras cidades do Interior, Olinda está de parabéns pela estrutura e programação oferecidas”, frisou o chefe do Executivo.

 

Mercado imobiliário reage à crise econômica em Caruaru

Jaciara Fernandes

Diante da crise econômica que insiste em se estender afetando vários setores da economia, existe um segmento que já tem motivos para comemorar por estar conseguindo uma reação já aguardada. Trata-se do setor imobiliário. Há muitos fatores que corroboram para uma melhora do mercado imobiliário em 2017. Em Caruaru, as mais de 120 imobiliárias espalhadas pela cidade registram um aquecimento nas vendas de imóveis novos e usados desde setembro do ano passado. De lá para cá, a procura da população pela casa própria só tem aumentado.

Para entender o que aconteceu no mercado, em 2015 o resultado desfavorável do setor foi puxado pelo enfraquecimento na economia nacional e incertezas políticas. Em virtude disso, a taxa de juros era alta e o crédito mais escasso. Por esse motivo, muitas incorporadoras não lançaram novos empreendimentos, concentrando-se somente na venda das unidades em estoque.

Passado o pior momento, 2017 chegou com sinais de uma melhora para o mercado imobiliário, principalmente com a queda na taxa básica de juros no país, fator que está favorecendo a oferta de crédito imobiliário para o consumidor. Isso significa que o setor depende de como está o cenário no país, e já é possível prever uma melhora econômica e boas expectativas para este ano, embora que lenta.

De acordo com o coordenador da Câmara Setorial dos Corretores de Imóveis da Acic, Mateus Graciano, 30 imobiliárias compõem a entidade e que a cada dia essa união e entrosamento fortalecem o mercado. “Temos oportunidade de trocar ideias, experiências de como cada um trabalha e, assim, estamos nos adaptando a nossa realidade”, comentou Graciano. Ainda segundo ele, o mercado não retornará seus melhores dias do dia para a noite, mas acredita-se que se o mercado entender que o perfil do consumidor mudou, a tendência é que os negócios cresçam. “Precisamos atender a necessidade desse novo consumidor para atendermos as nossas expectativas”, completou.

Pensamento semelhante tem Fabiano Carvalho, diretor-presidente da Fabiano Carvalho Imóveis, que atua no mercado imobiliário há 25 anos, e que fechou 2016 com excelentes resultados e iniciou este ano com 20% no aumento das vendas em imóveis novos. Ele começou a trabalhar com apenas seis colaboradores, agora conta com 50 e diz que não tem do que reclamar. “O momento é propício para o crescimento do mercado, basta que cada um faça a sua parte qualificando o quadro de pessoal, buscando amadurecimento pessoal e profissional e investindo no crescimento da empresa”, deu a dica.

A prova que a capacitação faz toda a diferença é que recentemente ele contratou a GTI – Consultoria, uma referência no mercado, para auxiliar na organização e planejamento da empresa. Como resultado, além do aquecimento nas vendas, é que ele já conta com recursos para colocar em prática o projeto de ampliação da sede. “Enquanto uns choram, outros vendem lenços. Eu vendo lenços”, comemora Fabiano, ratificando o adágio popular bastante repetido em tempos de crise.