Em tentativa de aproximação, Dilma pede a PSB que mantenha vetos

dilma-paulo-580x327

Da Folhapress

Em uma tentativa de reaproximação com o PSB, a presidente Dilma Rousseff pediu nesta quarta-feira (30) aos três governadores do partido que atuem junto à legenda no Congresso Nacional pela manutenção dos vetos presidenciais em sessão do Congresso Nacional marcada para esta quarta-feira (30).

No encontro, realizado no Palácio do Planalto, a petista manifestou preocupação com a possibilidade de derrubada das propostas e indicou interesse em ter nos governadores do partido um canal de interlocução com a sigla, que desde 2013 anunciou seu rompimento com o governo federal.

Em resposta ao pedido da presidente, os governadores Paulo Câmara (Pernambuco), Rodrigo Rollemberg (Distrito Federal) e Ricardo Coutinho (Paraíba) disseram ser contra a derrubada dos vetos presidenciais e a aprovação das chamadas “pautas-bomba”, que ameaçam inviabilizar o pacote fiscal do governo federal.

O esforço do Palácio do Planalto tem sido de tentar trazer o PSB de volta à base aliada e, assim, evitar a aprovação de medidas que prejudiquem as contas do governo federal e a possibilidade de que um pedido de impeachment seja aprovado na Câmara dos Deputados.

Segundo relatos de presentes, a presidente também demonstrou preocupação com o cenário de dificuldades econômicas do ano que vem. No encontro, ela evitou oferecer ao partido uma pasta na nova configuração da Esplanada dos Ministérios.

A expectativa era que a petista sugerisse à legenda indicar um nome para o comando do Ministério da Ciência e Tecnologia, sob Aldo Rebelo.

A atual pasta do representante do PCdoB no governo está sendo oferecida ao PSB, para que a legenda volte à base do governo, e para o PMDB.

Rebelo deve substituir Jaques Wagner no Ministério da Defesa. Wagner, por sua vez, irá para a Casa Civil, no lugar de Aloizio Mercadante, que voltará para o Ministério da Educação.

Novela de Caruaru está próxima do fim

Do Blog de Inaldo Sampaio

Um encontro do governador Paulo Câmara com a deputada Raquel Lyra, previsto para ocorrer ainda hoje, vai definir a permanência dela ou não no Partido Socialista Brasileiro. A deputada pleiteia o controle do partido, em Caruaru, para articular sua candidatura à sucessão municipal. Ela disputa o controle da legenda com o vice-prefeito Jorge Gomes, que alimenta a esperança de disputar a prefeitura com apoio do prefeito José Queiroz (PDT).

Caso a conversa com o governador não seja conclusiva, Raquel Lyra deverá buscar outro caminho, que seria o PSDB ou a Rede Sustentabilidade. Ela se relaciona muito bem com o presidente estadual do partido, Antônio Moraes, ao passo que seu pai, o ex-governador João Lyra Neto, mantém excelente relação com Aécio Neves e Marina Silva, presidentes nacionais do PSDB e da Rede, respectivamente. Uma coisa no jogo está decidida: o final da novela não passará desta semana.

/**/

Governadores do PSB convocados para reunião com Dilma na próxima quarta

Por FRANCO BENITES
Do Jornal do Commercio

O governador Paulo Câmara (PSB) foi convocado, ao lado dos outros dois governadores do PSB ­Ricardo Coutinho (Paraíba) e Rodrigo Rollemberg (Distrito Federal), para uma audiência com a presidente Dilma Rousseff (PT) em Brasília. A reunião está agendada para a manhã da quarta­-feira da próxima semana. Nessa mesma data, à noite, o pernambucano irá prestigiar a posse do potiguar Marcelo Navarro Ribeiro Dantas como novo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Paulo vistoriou as obras de um shopping center em Paulista, na Região Metropolitana do Recife, ontem, mas não comentou a convocação da presidente. Interlocutores do governador afirmaram que a reunião terá pautas administrativa e política. O socialista irá reforçar os pedidos feitos a Dilma e seus auxiliares anteriormente: a liberação das operações de crédito e de recursos para obras de infraestrutura hídrica e para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em Pernambuco.

De acordo com pessoas ligadas a Paulo, o governador viajará sem grandes expectativas, uma vez que se reuniu com a presidente em outras ocasiões em Brasília e aqui no Estado e não conseguiu resultados práticos.

O componente político da reunião é apontado pelo fato da presidente ter convocado apenas os governadores do PSB. Paulo Câmara, Ricardo Coutinho e Rodrigo Rollemberg se manifestaram de forma contrária à saída de Dilma do comando do país e reforçaram a opinião após a direção nacional do PSB sinalizar que o partido tende a apoiar o processo de impeachment da petista. No governo estadual, a avaliação é de que a presidente quer capitalizar em cima da postura dos governadores socialistas e pedir para que sensibilizem suas bancadas no Congresso. “O PSB apresenta ainda muitos pontos de divergências (sobre o impeachment). A presidente está tentando buscar, mesmo dentro dos espaços menos simpáticos a ela, quem poderá ajudá-­la”, avaliou, em reserva, um interlocutor de Paulo Câmara.

REUNIÃO

A reunião da Executiva nacional do PSB, que decidirá se o partido vai para a oposição e se, de fato, apoiará o processo de impedimento da presidente, foi adiada. O encontro ocorreria inicialmente na próxima semana em Brasília, mas ficará para outubro. Antes da reunião da Executiva, a direção nacional do partido promoverá um encontro dos seus presidentes estaduais para tratar dos temas de forma consultiva.

Lucas Ramos participa da Agenda 40 no Araripe

unnamed (89)

O fim de semana foi de muito trabalho para as lideranças políticas do PSB. Em Ouricuri, Sertão do Araripe, o governador de Pernambuco e vice-presidente nacional da legenda, Paulo Câmara, promoveu a filiação de quatro prefeitos e um vice-prefeito da região. O deputado estadual e vice-líder do Governo na Assembleia Legislativa, Lucas Ramos (PSB), participou do evento realizado na quadra da Escola José Coriolano, acompanhado de perto por um bom número de correligionários socialistas.

“O Araripe é uma região estratégica para o crescimento de Pernambuco, por ter forte participação na indústria gesseira e na caprinovinocultura. Viemos fortalecer o partido e reforçar nosso compromisso com o desenvolvimento da região”, declarou Lucas Ramos. Ingressam na legenda os prefeitos César de Preto (Ouricuri), Léo Saraiva (Exu), Éverton Costa (Trindade) e Jesus Felizardo (Moreilândia) além do vice-prefeito João Gutemberg (Granito). Juntos, os municípios respondem por 95% de toda produção de gesso consumido no Brasil.

Mais um quadro do PSB é alcançado pela Lava Jato

O deputado federal Júlio Delgado (MG) foi mais um quadro político do PSB a ser alcançado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que apura desvio de recursos da Petrobras.

Na última sexta-feira, o Supremo Tribunal Federal aceitou o pedido do Ministério Público Federal para abrir inquérito contra o parlamentar, que foi o candidato oficial do partido à presidência da Câmara Federal em 2013 e 2015. A autorização foi dada pelo ministro Teori Zavascki.

Em delação premiada, o empresário Ricardo Pessoa, dono da empreiteira UTC, disse ter doado R$ 150 mil de propina para a campanha do deputado.

Delgado afirma que a empreiteira doou oficialmente para o partido que, posteriormente, repassou os recursos para 16 candidatos da legenda – tanto a deputado estadual como também a federal.

Antes dele, o senador Fernando Bezerra Coelho (PE) também teve o nome envolvido na Operação e está sendo investigado pelo STF. Mas nega o recebimento ilegal de recursos que teriam sido desviados pela Petrobras.

Joaquim Francisco deixa PSB

Do Blog do Magno Martins

sasasasa

Ex-deputado federal vai ingressar no PSDB

O ex-governador Joaquim Francisco entregou, ontem à noite, ao governador Paulo Câmara, vice-presidente nacional do PSB, uma carta de desfiliação do partido, em caráter irrevogável. Joaquim acertou seu ingresso no PSDB e trata agora da data de formalizar sua filiação com o comando estadual tucano, e com o presidente nacional senador Aécio Neves, com quem vai se encontrar na próxima semana.

Joaquim Francisco pegou o governador Paulo Câmara de surpresa, juntamente com a direção estadual do PSB. Câmara não entendeu as razões do gesto, mas o que se comenta é que o ex-governador – filiado ao PSB há seis anos, convidado pelo ex-governador Eduardo Campos – reclamava do tratamento a pão e água que recebia no partido.

Joaquim vinha desabafando a aliados que, mesmo com a experiência de ex-ministro, deputado federal, governador e prefeito do Recife, nunca foi lembrado para desempenhar nenhuma missão no PSB ou na estrutura de poder.

Procurado pelo blog, Joaquim Francisco confirmou a entrega da carta de desfiliação a Paulo Câmara, informou que entra no PSDB até o dia 30 deste mês, mas descartou planejar disputar a prefeitura do Recife ou a Câmara de Vereadores.

Mas alguns tucanos, em reserva disseram que se a candidatura do deputado Daniel Coelho a prefeito do Recife não se viabilizar, o partido pode concorrer em faixa própria, com Joaquim, à Prefeitura do Recife.

Governadores do PSB vão ouvir bancada e direção do partido

paulo-camara-radio-jornal-580x387
Os três governadores do PSB – Paulo Câmara (Pernambuco), Ricardo Coutinho (Paraíba) e Rodrigo Rollemberg (Distrito Federal) – não vão participar da reunião com todos os governadores do País, nesta quarta-feira (16.09), em Brasília, para discutir as novas medidas de ajuste fiscal anunciadas pelo Governo Federal.
 
Antes de qualquer decisão, os governadores vão analisar as medidas, com a participação da bancada federal e da direção nacional do PSB, para deliberação sobre o ajuste pretendido e a decisão só deve ocorrer até o final da próxima semana. 
 
Na avaliação do governador Paulo Câmara, “o momento atual exige muita análise sobre as opções disponíveis, diante da grave crise econômica e política do Brasil”.

 

 

 

Impasse no PSB de Caruaru continua

Por WAGNER GIL
Do Jornal VANGUARDA

A semana foi de cautela para a deputada Raquel Lyra, que pretende ser candidata à Prefeitura de Caruaru pelo seu partido, o PSB. O problema é que está surgindo um impasse entre ela e a ex-deputada Laura Gomes, que tentam o comando da legenda no município, fato fundamental para organizar uma candidatura majoritária no pleito do próximo ano. A parlamentar e o seu pai, o ex-governador João Lyra Neto (PSB), já tiveram uma série de reuniões com lideranças do partido, entre elas com o governador Paulo Câmara (PSB).

Após o encontro com Câmara, o Diario de Pernambuco e o colunista político Inaldo Sampaio (Folha de Pernambuco) noticiaram que o governador já teria decidido entregar o comando do PSB na Capital do Agreste aos Lyra. Na semana passada, cogitou-se a possibilidade dos dois deixarem a legenda, em caso de uma negativa da direção estadual de garantir o nome de Raquel na sucessão municipal.

O presidente do PSDB, Antônio Moraes, e os senadores Aécio Neves e José Serra já teriam dado o aval para a ida dos dois para a legenda, caso João Lyra e Raquel não resolvessem o seu impasse dentro do ninho socialista.

Ao noticiar que Raquel teria o comando do partido, o Diario de Pernambuco disse ainda que o anúncio poderia ocorrer neste final de semana, provavelmente no domingo (13), quando ocorre uma Agenda 40 do PSB na Região Metropolitana. Segundo o periódico recifense, a deputada teria sido convidada pelo governador para participar do evento, embora suas bases eleitorais estejam no Interior. “Lá (RMR) não vamos discutir sucessão, apenas trabalho”, garantiu a deputada caruaruense que, na eleição de 2014, foi a terceira mais votada, com mais de 80 mil votos, quase 30 mil deles só em Caruaru.

O problema pela disputa do comando do diretório muni-cipal do PSB ocorre em várias cidades, como Petrolina e Olinda. No Sertão, a direção do partido foi passada para o deputado Miguel Coelho. Segundo fontes, o motivo de tirar o PSB das mãos do deputado Gonzaga Patriota teria sido densidade eleitoral, ou seja, o grupo Coelho, comandado pelo senador Fernando Bezerra Coelho, reelegeu ainda o deputado federal Fernando Bezerra Filho. Na Terra das Carrancas, o candidato deve ser Miguel Coelho.

Já em Olinda, o PSB tem o nome do advogado Antônio Campos, irmão do ex-governador Eduardo Campos. O problema lá é que a prefeitura está nas mãos do PCdoB, com Renildo Calheiros, que deve apoiar Luciana Santos, presidente nacional dos comunistas.

Nas reuniões que tiveram com a presidência do PSB estadual, João e Raquel cobraram o mesmo critério para Caruaru: densidade eleitoral. Nesse caso, Raquel foi eleita e Laura não conseguiu se reeleger e, hoje, atua como secretária-executiva no Governo do Estado. Além disso, a parlamentar foi a terceira mais votada, passando da casa dos 83 mil votos.

Nas entrevistas que concedeu nas principais emissoras de rádio da cidade, João Lyra garantiu que o nome de Raquel está na disputa, seja no PSB ou em outra legenda. “Esperamos que seja no PSB, mas, se não for, temos outras possibilidades”, afirmou o ex-governador de Pernambuco.

Além do PSDB, outras legendas abriram suas portas para Raquel ser candidata. “O momento não é de convite, mas Raquel e João Lyra são pessoas que têm muito o que dar a Caruaru, a Pernambuco e ao Brasil”, disse André de Paula, presidente do PSD. “Qualquer legenda teria orgulho de ter os dois em seus quadros”, completou o presidente do PSDB, Antônio Moraes.

Os órgãos de comunicação do Recife afirmam ainda que um dos problemas enfrentados pelo PSB na cidade é o fato do prefeito José Queiroz (PDT) ter sinalizado apoio ao atual vice-prefeito Jorge Gomes (PSB). Queiroz também teria dito que não vota de forma alguma em Raquel Lyra. Já João Lyra disse que espera construir a unidade da Frente Popular dentro do partido.

Apesar de nova, Raquel já tem uma larga experiência no poder público. Foi funcionária do Banco do Nordeste (advogada trainee), delegada da Polícia Federal e procuradora do Estado. Todos esses cargos foram conquistados através de concurso.

Raquel também foi convocada por Eduardo Campos para atuar no setor jurídico, logo quando ele foi eleito governador pela primeira vez, sendo chefe da Procuradoria, onde todos os projetos passavam por ela antes de chegar na Alepe.

Ela também foi secretária da Infância e Juventude, tendo, inclusive, de criar a estrutura da pasta, que não existia na gestão anterior. Atualmente, é presidente, pela segunda vez consecutiva, da Comissão de Legislação da Alepe, uma das mais importantes e que analisa todos os projetos que serão votados.

Raquel tem política em seu sangue. É neta do ex-prefeito de Caruaru (duas vezes), João Lyra Filho, que em 1959 criou, junto com Miguel Arraes, a primeira Frente Popular de Pernambuco. João Lyra Filho foi ainda deputado federal (uma vez) e deputado estadual (três vezes).

Outro nome de destaque na família Lyra é o do ex-ministro Fernando Lyra, eleito deputado estadual (uma vez) e sete vezes consecutivas deputado federal. Fernando foi um dos nomes mais influentes no Congresso Nacional nas décadas de 80 e 90, sendo uma das molas para a volta da democracia ao país e para a eleição de Tancredo Neves no Congresso Nacional.

Vai dar ‘bode’ em Caruaru: Paulo apoia filha de João Lyra

Por THIAGO NEUENSCHWANDER
Do Diario de Pernambuco

A pressão do ex-governador João Lyra e de sua filha, a deputada Raquel Lyra, para que o PSB a ratifique como candidata do partido para as eleições municipais do ano que vem, em Caruaru, parece ter surtido efeito. Apesar de o anúncio oficial ainda não ter sido feito, os dois foram recebidos ontem pelo governador Paulo Câmara, para uma reunião no Palácio do Campo das Princesas. Saíram de lá com a garantia de que terão o comando do partido na Capital do Agreste, o que praticamente define Raquel como o nome socialista para a disputa. Em uma tacada só, Paulo também evita que os dois deixem o partido, como vinham ameaçando.

O anúncio deverá ser feito no próximo domingo, quando o governador terá uma agenda pública em Olinda e Paulista. Paulo Câmara pediu a Raquel para acompanhá-lo, dando a entender que o PSB deve tornar pública a decisão no fim de semana. Após darem demonstrações de insatisfação, fontes do Palácio asseguram que pai e filha ficaram bastante felizes com o resultado do encontro. Em 2014, Raquel foi a terceira colocada entre os deputados com pouco mais de 80 mil votos e seu pai, João Lyra, mesmo sendo governador, naquela época, foi preterido para disputar a sucessão de Eduardo Campos.

VAI DAR BODE

O acordo com os Lyra também mostra que o governador tentará evitar contrariar lideranças históricas em cidades importantes, como Petrolina, durante o processo de definição das candidaturas. Há alguns dias, Raquel e João Lyra chegaram a se reunir com o presidente do PSDB em Pernambuco, o deputado Antônio Moraes, e deixaram em aberto a possibilidade de rumar para o ninho tucano, caso não tivessem o apoio do PSB. A pressão foi uma maneira de deixar claro que não abririam mão da disputa.

A decisão de dar o controle do partido aos Lyra em Caruaru, contudo, deve gerar algumas dores de cabeça ao governador e ao PSB. Em 2014, os outros dois grupos políticos da cidade, o de Tony Gel (PMDB) e o do prefeito José Queiroz (PDT), apoiaram a candidatura de Paulo. O peemedebista desmarcou uma viagem que faria a Nova York para tratar das articulações. Avisou que conversará com Jarbas e Raul Henry para tomar uma decisão.

Outro problema é que o PSB local é comandado hoje por Laura e Jorge Gomes (vice do prefeito José Queiroz, do PDT). Os dois têm pretensões eleitorais e não devem aceitar de bom grado a decisão do PSB. Queiroz, por sua vez, tem a intenção de fazer um sucessor e também deverá cobrar a fatura.

Presidente nacional do PSB defende cautela no caso de Caruaru

Por ANDERSON BANDEIRA
Da Folha de Pernambuco

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, avaliou que a decisão sobre a reunião do governador Paulo Câmara (PSB) com o ex-governador João Lyra Neto (PSB) e a sua filha, a deputada estadual Raquel Lyra (PSB), precisa ser tratada com muita cautela e compreensão entre as partes interessadas pela sucessão municipal. Os socialistas se reúnem, na noite desta terça-feira (8), para decidir sobre o imbróglio que envolve a família Lyra com a cúpula socialista no Estado – que tem ainda a família Gomes, o atual vice-prefeito Jorge Gomes; e o deputado estadual Tony Gel (PMDB), pretenso candidato à sucessão municipal e aliado do gestor.

Segundo Siqueira, pelo partido ser grande no Estado e com muitas candidaturas postas, possivelmente a decisão do governador Paulo Câmara, que é vice-presidente nacional do partido, deixará alguns socialistas inconformados. “Não é fácil. Vai desagradar alguém”, avaliou, em entrevista à Rádio Folha FM 96,7.

Além de Caruaru, outro impasse a ser resolvido pela executiva da legenda será em Petrolina. No município, o comando da sigla foi passado ao deputado estadual Miguel Coelho (PSB), que deve se viabilizar candidato na disputa à Prefeitura em 2016.