ARTIGO — 10 passos para conquistar a carreira dos sonhos

Procurar emprego dá muito trabalho. Não só pelas dificuldades econômicas que enfrentamos, hoje em dia, mas porque o processo é desgastante, exigente e complexo. O candidato precisa entender bem o que busca para que esse emprego contribua para sua carreira. Quando se é jovem, e se está começando no mercado de trabalho, o candidato tem poucas pistas de para onde ir, por onde começar. A chave está em passos simples, mas bem pensados. É preciso se planejar, criar estratégias, partir para a ação com conhecimento. Por isso, listei algumas dicas para ajudar quem está ingressando nessa jornada.

1 – Aproveite os anos de estudo: Se você ainda está na faculdade, em um curso técnico ou outro curso que de alguma forma contribua para a sua formação profissional, aproveite esse momento. As instituições de ensino e professores geralmente possuem, ou indicam, materiais interessantes para ampliar seus conhecimentos. Se está com os estudos parados, volte imediatamente para esse ambiente. Mesmo que sejam cursos gratuitos, curtos ou online, as vantagens são muitas, em aprendizado e na ampliação do seu currículo.

2 – Pesquise onde quer estar: Inserir-se no mercado de trabalho é algo que começa muito antes de entrar em uma empresa. É preciso se inteirar sobre quais as melhores companhias do seu segmento, quem são os profissionais de destaque, o que eles fizeram, para onde o mercado está indo. Isso, inclusive, te possibilitará iniciar o famoso networking. Conhecer as empresas em que se quer estar, e seu mercado, é algo que te abrirá portas. Além disso, esse domínio de informação será valioso na hora das entrevistas. Todo esse processo começa com Google e LinkedIn, e não é um passo tão complexo quanto parece.

3 – Metas e medos: O início da carreia pode parecer assustador. Quando se é jovem no mercado de trabalho, o desemprego não pode ser encarado como um problema emocional, o que muitas vezes acontece. A carga é grande, mas o olhar deve se voltar à oportunidade, e não à insegurança. Assim, lembre-se que com um passo de cada vez, se chega longe. Comece e mantenha o otimismo. Todas as pessoas bem sucedidas passaram por isso. Estabeleça uma meta e trace seu caminho até ela, sem se deixar abater. Em alguns casos, profissionais como psicólogos podem ser úteis.

4 – O essencial networking: É importante começar a formação de uma rede de contatos interessante. Participe de grupos de discussão, leia artigos, interaja, crie laços. Pode ser com profissionais encontrados em suas pesquisas, com colegas de cursos, o importante é manter um diálogo aberto e fomentado. Você precisa começar a ser visto como um potencial por quem é mais experiente no mercado. Portas se abrirão, e no fim do dia você terá conquistado mais conhecimento para usar em seu favor.

5 – Uma juventude diferente: Um dos grandes problemas da realidade mercadológica brasileira é que não está muito em nossa cultura jovem se preocupar com a carreira. A atenção ao sucesso profissional é uma mentalidade recente no jovem brasileiro, que vem mudando, mas precisa mudar mais ainda. Os jovens não costumam dedicar tempo à fomentar sua carreira, abrindo mão de prazeres da juventude, como festas, sair com os amigos, etc. Alguns fazem isso por falta de necessidade financeira, outros por falta de dedicação e interesse. Eles aceitam o emprego que aparece, quando isso já não pode mais ser adiado. Não digo para abandonar a juventude. É preciso viver, mas também é necessário ter olhos no futuro e na carreira. Construa uma juventude diferente.

6 – Ajuda externa: Já pensou em ir a feiras de negócio? Conhecer as ramificações de sua carreira, conhecer pessoas e empresas? Tudo isso tem grande valor. Grandes ideias podem surgir ali, assim como bons direcionamentos para especializações. Só a formação não adianta. Elas não são abrangentes o bastante. O mercado é. Outro aspecto é que você pode se sentir inseguro para estabelecer os primeiros contatos, sobretudo quando se está presencialmente com essas empresas e profissionais. Existem profissionais que te ajudam a planejar esse contato, e até mesmo todo um processo de busca por colocação. Porém, mesmo sem eles, há muito material na internet sobre como se comportar em situações assim.

7 – Estágios e programas de trainee: Buscar estágios ou programas de trainee é sempre importante. É um meio de entrar no mercado com segurança e bem apoiado. Esse é o espaço para cometer os primeiros erros, e começar a se preparar para desafios mais complexos. Trabalhos voluntários também são bons para esse aspecto do trajeto.

8 – Serviços de busca de emprego: Existem “serviços” e serviços nesse caso. Ter acesso às vagas é importante, porém se aprende muito pouco sobre as empresas usando alguns sites mais comuns. As vagas muitas vezes são confidenciais, seu currículo pode não estar bem elaborado para aquele perfil, entre outros problemas. Sem contar que muitas vagas já não estão disponíveis, mas ainda constam no site. Alguns serviços mais especializados garantem a veracidade da vaga, permitem a pesquisa do candidato, e geralmente já contatam o candidato que se adequa à vaga. Se o candidato é bem qualificado, dificilmente ele espera muito por oportunidades de entrevista.

9 – Entrevistas: Após tudo que foi dito, com certeza você terá conteúdo para um bom diálogo em uma entrevista. É preciso mostrar iniciativa, conhecimento, chamar a atenção de maneira positiva. Claro que também não é preciso falar demais. A ansiedade é o maior opressor e faz com que muitas vezes a pessoa trave e não consiga se mostrar, deixando o recrutador com dúvidas. Erros comuns são comunicação indevida, muitas vezes falando errado, uso excessivo do gerúndio, gírias e vocabulários inadequados. Mesmo tendo conteúdo, o ideal é falar menos, mas com propriedade, devagar, pensar em possíveis exemplos, enfatizar os resultados. Assim, o diálogo ocorre claro.

10 – Currículo: Esse é o ponto mais estratégico. É necessário cuidado com as informações, erros de português, dados incorretos e, o pior: mentiras para “encher o espaço”. Além disso, nem sempre apostar nos padrões é uma saída segura. Muitas vezes, ser criativo, dentro de certo limites, faz bem. A criatividade é muito valorizada dentro das empresas, mas o documento não pode deixar de informar o que o entrevistador precisa saber. Ser ousado é diferente de fazer algo que prejudique sua imagem. Tome cuidado.

Seguindo esses passos, com certeza sua jornada será muito mais fácil, e com frutos muito gratificantes. Construir a carreira dos sonhos dá trabalho, mas é recompensador. Boa sorte na sua jornada.

ARTIGO — Agenda de candidato

Maurício Assuero

Temer assumiu que será candidato a presidente em 2018. Nada de novo visto que suas ações já indicavam isso claramente. A maior delas, a meia intervenção no estado do Rio de Janeiro, que 80% das pessoas passaram a apoiar, pela necessidade, não pela ação, e isso levou o governo a acreditar que a popularidade do presidente voltaria a crescer. Ledo engano. A chance de Temer ser eleito é mínima.

As notícias positivas na economia são devidas muito mais ao sistema produtivo do que ao próprio governo. A redução da Selic para 6,5% ao ano, na semana passada, tem uma conotação mais política do que econômica. Ou seja, a inflação num nível inferior à meta, já não abre tanto espaço para reduzir juros, mesmo porque se houver aumento do investimento os resultados não serão aproveitados no curto prazo. Então, isso soa como algo do tipo “no meu governo a taxa de juros ao seu patamar mais baixo”, embora isso não se retrate em benefícios diretos para o consumidor.

O número de contratações com carteira assinada tem crescido, mas a esperança embora nenhuma política nessa direção tenha sido encaminhada e cabe lembrar que o Ministério do Trabalho está, desde janeiro, sem um titular e as coisas estão funcionando, numa prova adicional que são outras ações que movem o governo.

Espera-se, até julho, outros anúncios por parte do governo, reforçando a agenda de Temer e aumentando o tamanho do déficit. A vaidade falará mais alto e, para ser eleito, o governo abrirá portas e janelas, transferindo recursos irresponsavelmente. Não custa lembrar que a denúncia contra o presidente foi arquivada pela Câmara, mas não sem a liberação de R$ 15 bilhões. Não resta dúvida de que a candidatura de Temer implica em aumentar o tamanho do rombo nas contas públicas.

É muito pouco provável que o mercado se convença dessa candidatura. O governo foi incapaz de aprovar a reforma da previdência e muito improvável que se consiga aprovar qualquer coisa nessa direção durante o período eleitoral. Acrescente-se as constantes quedas de avaliação por agências de análise de risco, fato que dificulta ainda mais a captação de investimento ou de capital estrangeiro.

Temer deveria ter sensibilidade e cumprir o resto do seu mandato. Antes ele falava que apoiaria quem defendesse o legado do governo (se é que tem). Hoje ele percebeu que ninguém é louco a este ponto.

64% dos brasileiros estão muito preocupados com surto de febre amarela, mostra Pesquisa Ipsos

Entre as doenças que costumam tirar o sono dos brasileiros no começo do ano, a febre amarela é que mais deixa a população apreensiva em todo o país. A maioria dos brasileiros está mais preocupada com essa doença do que com outras como dengue (16%) e zika (14%), segundo pesquisa realizada pela Ipsos. O sudeste (73%), que concentra o maior número de casos, está mais apreensivo do que as demais regiões – centro-oeste (70%), nordeste (63%), norte (53%) e sul (47%).

Três em cada dez entrevistados (28%) declararam que tomaram a vacina nos últimos seis meses. O número sobe para 45%, quando considerado apenas as respostas do sudeste, onde as campanhas contra a doença estão mais fortes. Os mais escolarizados são também os que mais se vacinaram – 37% dos entrevistados com ensino superior completo se protegeram contra a doença recentemente.

A ameaça da febre amarela é considerada algo muito preocupante para 64% dos entrevistados. Esse índice cresce no nordeste (77%), norte (75%) e sudeste (70%) e entre os sem instrução (75%) ou com até cinco anos de estudo (75%).

A pesquisa integra o estudo Pulso Brasil realizado mensalmente pela Ipsos. Foram entrevistadas presencialmente 1.200 pessoas em 72 cidades do Brasil entre 1º e 16 de fevereiro. A margem de erro é de três pontos percentuais.

Sobre a Ipsos

A Ipsos é uma empresa independente global na área de pesquisa de mercado presente em 88 países. A companhia tem mais de 5 mil clientes e ocupa a terceira posição na indústria de pesquisa. Maior empresa de pesquisa eleitoral do mundo, a Ipsos atua ainda nas áreas de publicidade, fidelização de clientes, marketing, mídia, opinião pública e coleta de dados. Os pesquisadores da Ipsos avaliam o potencial do mercado e interpretam as tendências. Desenvolvem e constroem marcas, ajudam os clientes a construírem relacionamento de longo prazo com seus parceiros, testam publicidade e analisam audiência, medem a opinião pública ao redor do mundo. Para mais informações, acesse: https://www.ipsos.com/pt-br, www.ipsos.com, https://youtu.be/QpajPPwN4oE, https://youtu.be/EWda5jAElZ0 e https://youtu.be/2KgINZxhTAU.

Não é chamado para entrevistas de emprego? Confira 5 dicas para chegar nessa etapa

Ao buscarem uma oportunidade em vagas de estágio e trainee, muitos candidatos ficam ansiosos para saber quem vai ligar ou se irão conseguir aquela tão sonhada entrevista. “Muitas vezes não temos as atitudes corretas na busca de uma vaga no mercado de trabalho e isso pode atrapalhar bastante. Há alguns caminhos a serem percorridos antes de se chegar a essa fase. É preciso ponderar algumas questões e o candidato precisa estar atento a elas para não queimar etapas”, explica Ricardo Haag, diretor da Page Talent, unidade de negócios da Page Personnel dedicada ao recrutamento de estagiários e trainees. Confira abaixo cinco dicas do consultor para ajudar candidatos a uma vaga de estágio e trainee a conseguir a tão sonhada entrevista.

1 – Personalize seu currículo

Nós sabemos o quão difícil é escolher o que escrever em nosso currículo. Enchemos nossas horas na faculdade com atividades extracurriculares, monitorias e o que mais queremos é exibir TUDO para as empresas, certo? Porém, uma das melhores estratégias para conseguir uma entrevista é personalizar seu currículo.

Após escolher a vaga que mais se encaixa no seu perfil, é hora de customizar suas habilidades para ela. Ou seja, leia atentamente quais as características que serão mais importantes para os processos de seleção e faça uma análise do seu perfil: quais habilidades você tem que são compatíveis? quais traços de sua personalidade são essenciais para esse trabalho? encontre uma maneira de fazer com que seu currículo mostre quem você é mas com um foco especial na vaga. Por mais que você tenha orgulho do seu curso livre de cinema, nem sempre ele é ideal para uma vaga na área comercial, por exemplo.

2 – Não faça uma busca aleatória. Tenha foco e filtre suas opções

Quando começamos a procurar um novo emprego (seja o primeiro ou em uma transição de carreira), tendemos a “atirar para todos os lados” e procurar de tudo um pouco. É verdade que no começo temos vontade de experimentar o máximo que conseguirmos, porém é importante notar que isso nem sempre é saudável para sua busca.

É sempre preciso ter um objetivo final: não adianta mandar seu currículo para todas as áreas de uma empresa pois em algum momento você vai se confundir e acabar se atrapalhando na busca, além de perder energia se candidatando em vagas que não têm afinidade com seu perfil.

Por isso, procure ter foco em algumas áreas e talvez pense em áreas que sejam congruentes, por exemplo: Comercial, Relacionamento com o Cliente, Planejamento Comercial e Marketing de Vendas são áreas afins, e em muitos casos com sinergia de projetos.

3 – Encare a busca de emprego como um trabalho

Não adianta mandar um currículo aqui, outro ali, semana sim, semana não. A busca precisa ser diária. Separe algumas horas por dia para se dedicar a isso. Assim como um mestrado, um TCC ou MBA, a busca por emprego é algo que pode ser de médio e longo prazo, portanto é um projeto que exige disciplina.

Procure sempre atualizar seu currículo e tenha foco diário. Em processos longos, como os de trainee, tente criar calendários de provas, dinâmicas, entrevistas. Com outras vagas você pode criar um cronograma de quando abriram e quando vão fechar para que você se organize e mande um currículo e carta de apresentação personalizados. Leia muito sobre as empresas que você tem interesse em trabalhar e siga colunas e blogs sobre a sua futura área de atuação, além de buscar informações sobre o mercado em geral. Desta forma, quando uma entrevista for marcada, você estará preparado!

4 – Tome a iniciativa

Nem sempre as empresas que queremos estão com vagas abertas, ou mesmo se estiverem é muito bem-vindo que você tome a iniciativa de ligar, mandar e-mail e perguntar sobre vagas. Às vezes a demanda interna impediu que uma certa vaga fosse publicada em tempo e sua iniciativa de ligar pode ser um diferencial na hora em que o processo começar.

Por exemplo, você pode ligar falando que tem muito interesse em trabalhar com a empresa, contando brevemente seu histórico (formação por exemplo). Certamente vão te passar o e-mail do RH e você poderá então preparar seu currículo e um e-mail de apresentação, abrindo uma nova porta para você.

5 – Prepare seu discurso para a dinâmica de grupo ou entrevista.

É fundamental ter em mente um discurso organizado, breve e agradável sobre a própria trajetória de vida, campos de interesse, experiências pessoais que tiveram grande valor de aprendizado – mesmo que tenham sido em momentos de lazer ou em viagens – enfim, você precisa ser objetivo e claro, mas também deve ser generoso nas informações, demonstrar entusiasmo e foco no que realmente lhe fez crescer como pessoa, acima de tudo. Mais do que apenas um discurso, você deve saber (e até apreciar a oportunidade) de falar de suas virtudes dentro de uma dinâmica profissional.

6 em cada 10 pedidos de empréstimos online são feitos por smartphones

Hoje em dia quase tudo é feito através do smartphone. Compras de produtos de mercado, corridas de táxi, ingressos de cinema, assinaturas de TV, delivery de restaurante e com o crédito pessoal não seria diferente. Dados da Lendico, fintech especializada em crédito pessoal online, mostram que mais de 60% das solicitações de empréstimo são realizadas por smartphones. Deste total, 89% são feitas por dispositivos que utilizam o sistema operacional Android e 9% por iOS. A empresa projeta um aumento de 10% nos pedidos feitos através de dispositivos móveis até o fim de 2018.

A Lendico conseguiu analisar o comportamento do tomador de crédito, observando horários e dias da semana em que mais acontece a procura por empréstimos, bem como os motivos que levam os clientes a solicitarem propostas.

Quarta e quinta-feira correspondem a 36% dos pedidos de empréstimo na semana. Os horários mais solicitados variam entre 11h00 e 15h00.

A plataforma analisou no mês de fevereiro, os motivos de solicitações via mobile (65,68%), desktop (33,60%) e tablet (0,72%). O percentual de pessoas que buscaram o empréstimo pessoal para a compra de eletrodomésticos e eletrônicos subiu 91% e para a aquisição de veículos subiu 43%, em comparação ao mês de fevereiro de 2017. O investimento para abrir novos negócios também continua em forte ascendência. A pesquisa mostrou que houve aumento do percentual de pedidos em 48%.

O setor imobiliário é outro que voltou a crescer. A fintech observou percentual 7% maior do que o registrado em 2017. Além disso, reformas, mudanças e mobília dispararam este ano com percentual 35% maior na solicitação de empréstimos.

“Vemos uma mudança no comportamento do consumidor que busca empréstimo online. Antes o percentual de buscas por crédito para dívidas era maior, mas agora há também mais clientes buscando empréstimos para investir no negócio, no imóvel, ou fazer a aquisição de bens”, explica Marcelo Ciampolini, CEO da Lendico no Brasil.

A Lendico iniciou suas operações em 2015, e desde o início estruturou seu site para ser responsivo, observando a alta demanda de serviços no universo mobile. Hoje já são mais de R$ 200 milhões de reais concedidos, e mais de 30 mil clientes atendidos.

Sobre a Lendico
Atuando no Brasil desde julho de 2015, a Lendico já ofertou mais de R$ 200 milhões em empréstimo pessoal online no país. São mais de 30 mil clientes atendidos com taxas personalizadas e encontrando todas as facilidades de um serviço totalmente digital. Correspondente do Banco BMG, em 2018 a fintech fez parceria com o Banco CBSS e passou então a atender um público ainda maior.

/**/

Conab fiscaliza beneficiários do Programa de Vendas em Balcão

Técnicos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estão em campo fiscalizando os beneficiários do Programa de Vendas em Balcão (ProVB). As atividades, que seguem até 13 de abril, já estão ocorrendo em Minas Gerais. Em seguida, também serão fiscalizados os pequenos criadores atendidos pelo programa em Goiás. O programa proporciona o acesso de criadores de pequeno porte aos estoques do governo, por meio de vendas diretas a preços compatíveis aos do mercado atacadista local.

Durante as fiscalizações, a Conab verifica informações cadastrais do beneficiário, o tamanho do plantel e também a utilização do milho comprado por meio do programa, que deve ser destinado à alimentação dos animais. Neste mês, dez criadores do estado de Pernambuco já receberam os fiscais da Companhia.

Caso sejam constatadas irregularidades, o produtor é notificado para apresentar sua defesa, atualizar seu cadastro ou devolver o valor correspondente ao produto adquirido de forma irregular. No caso de faltas graves, fica impedido de participar de qualquer programa executado pela Conab por até dois anos.

Nos dois primeiros meses do ano já foram vistoriados 84 criadores no Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Bahia e no Distrito Federal. A fiscalização no ProVB é periódica e ocorre ao menos duas vezes ao ano, uma em cada semestre, nos 21 estados que operam o Vendas em Balcão.

Sesi/PE dá dicas de alimentação saudável na Páscoa

A Páscoa é uma das épocas mais esperadas do ano, seja pela riqueza da culinária cheia de comidas feitas à base de coco, como pelos deliciosos ovos de chocolates, cada dia mais elaborados com recheios diversos. No entanto, o que representa felicidade para muitos, pode ser um tormento e mesmo um risco para a saúde de outros, como os diabéticos e as pessoas que têm intolerância à lactose. Mas, para provar que todo mundo pode aproveitar a festa sem culpa e sem prejudicar a saúde, a equipe de nutrição do Serviço Social da Indústria de Pernambuco (Sesi/PE) dá dicas de alimentação.

De acordo com a nutricionista Lídia Bandeira, “páscoa e diabetes é uma combinação possível. Quem sofre com a doença não precisa se restringir ao chocolate diet. Para consumir o chocolate normal, é preciso apenas ter o controle da quantidade de carboidratos diária permitida”. Outra dica para amenizar os efeitos do chocolate sobre a taxa de açúcar no sangue é “consumir o ovo de Páscoa ou as barras de chocolate após uma refeição principal, como sobremesa. A presença de outros nutrientes, inclusive das fibras, faz com que a absorção não seja tão imediata e não eleve tão bruscamente a glicemia”, completa.

Um fator importante é a escolha do tipo de chocolate do ovo ou da barra. Os chocolates feitos com 51% a 75% de cacau são os mais saudáveis, mas por terem um sabor mais amargos costumam não serem muito escolhidos pelas pessoas. Os que contém de 35% a 50% de cacau na composição são considerados os meio-amargos e já atraem mais o público. Os que possuem entre 10% a 25% de cacau são os chocolates ao leite, mas devem ser consumidos em menor quantidade devido ao maior índice de açúcar, leite e manteiga de cacau, que o faz mais calórico. Já o chocolate branco é o que deve ser consumido com muito cuidado, porque não traz muito benefícios para a saúde.

O chocolate diet não tem açúcar na composição, mas a quantidade elevada de gordura, faz com que seu consumo também deva ser moderado. Já a alfarroba, uma planta muito vendida em forma de pó, é uma excelente opção para pessoas intolerantes à lactose e celíacas pelo sabor similar aos do chocolate.

Bandeira faz um alerta “mesmo com toda essa facilidade as pessoas que possuem problema de saúde ou não devem consumir o chocolate com moderação, devido ao alto valor calórico para evitar aumento do colesterol e do peso”.

Outros alimentos – Mais dicas para ter uma alimentação saudável na Páscoa é:

· Evitar o consumo de alimentos muito calóricos na mesma refeição (arroz de coco, feijão de coco, quibebe, bredo de coco, peixe ao coco…). Consumi-los em dias alternados e não repetir a mesma refeição no jantar;

· Evitar fritar o peixe. O melhor é preferir preparações menos gordurosas, como peixe assado ou tipo escabeche;

· Reduzir o consumo de chocolate para porções menores. Evitar os ovos de páscoa que possuem recheios (tipo trufados) que são ainda mais calóricos;

· Outra versão extremamente calórica é o ovo de páscoa de colher devido ao recheio.

58% dos brasileiros não gostam de dedicar tempo para cuidar das próprias finanças

O consumidor brasileiro reconhece a importância de fazer o controle das finanças pessoais, mas parte significativa admite não seguir à risca essas boas práticas. Um levantamento realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em todas as capitais mostra que a organização financeira não é uma tarefa que atrai os consumidores. Em cada dez entrevistados, seis (58%) admitem que nunca ou somente às vezes gostam de dedicar tempo a atividades de controle da vida financeira. E há, também, aqueles que precisam recorrer ao crédito para complementar a renda. De acordo com a pesquisa, 17% dos consumidores sempre ou frequentemente precisam usar cartão de crédito, cheque especial ou até mesmo pedir dinheiro emprestado para conseguir pagar as contas do mês. Esse percentual aumenta para 24% entre os mais jovens.

Para o educador financeiro do portal ‘Meu Bolso Feliz’, José Vignoli, uma vida financeira saudável depende do esforço de cada consumidor em buscar fontes adequadas de informação e exercitar a disciplina para incorporá-las no seu cotidiano. “Muitas pessoas poderiam, facilmente, ter acesso às informações necessárias para ter um orçamento mais equilibrado, mas não parecem conseguir. Elas pensam que dá trabalho ou que é muito difícil manter o controle sobre as despesas e se esquecem de que trabalhoso mesmo é encarar o endividamento e a restrição ao crédito. Lidar com o dinheiro exige disciplina e comprometimento para viver dentro da sua realidade financeira e não tomar decisões equivocadas”, orienta Vignoli.

Exemplo de que uma vida financeira equilibrada traz mais satisfação e tranquilidade, é que 56% dos consumidores ouvidos no levantamento disseram que se sentem melhor quando fazem um planejamento das despesas para os próximos seis meses. O problema, novamente, é que nem sempre isso acontece na prática porque 48% deles nunca ou somente às vezes fazem um planejamento cuidadoso dos passos a seguir para ficar dentro do orçamento nos meses seguintes. Esse problema surge com ainda mais força entre os consumidores de mais baixa renda (classes C, D e E), com 51% de citações.

Planejar-se para realizar um sonho de consumo também não é um hábito comum para a maioria dos consumidores. Os que estabelecem metas e as seguem à risca quando querem adquirir um bem de mais alto valor, como uma casa, um automóvel ou realizar uma viagem, por exemplo, somam 48% da amostra. Nesse caso, o comportamento é mais frequente entre as pessoas das classes A e B, com 59% de menções. Os que nunca ou somente às vezes fazem esse tipo de esforço somam outros 48% dos entrevistados. Há ainda 38% que nem sempre possuem planos para o futuro.