Kiko Beltrão começa a articular candidatura a deputado federal

asasasasa

Ex-vereador pode ir para a Rede (Foto: Reprodução)

O engenheiro e ex-vereador Kiko Beltrão esteve, semana passada, em São Paulo, para articular sua candidatura a deputado federal em 2014. O ex-secretário municipal, que rompeu com José Queiroz (PDT), trabalha para ser uma alternativa na Frente Popular de Caruaru.

“Não disputarei com Wolney Queiroz. Ele tem sua reeleição praticamente garantida”, afirmou Beltrão ao blog, referindo-se à estrutura que o filho do prefeito dispõe.

“Ele (Wolney), além de contar com a máquina, tem vários prefeitos lhe apoiando e uma condição financeira privilegiada. Mas isso não quer dizer que todo mundo vai votar nele. Tem gente no nosso campo político que gostaria de votar em outro candidato. Estou trabalhando para ser uma dessas alternativas”, completou.

Beltrão, contudo, ainda não decidiu por qual legenda sairá candidato. Sem partido após mais de 20 anos no PDT, ele teria na mesa convites para ingressar na Rede Sustentabilidade, da ex-senadora Marina Silva, e no PRTB.

Governador acerta agenda no Sul do país

Deu no Poder Online

Empenhado em retomar a agenda de viagens para se promover para 2014, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, segue na semana que vem para o Sul do país. O roteiro está sendo fechado pelo deputado Beto Albuquerque, que é do Rio Grande do Sul e figura entre os coordenadores da pré-campanha presidencial do socialista.

Nas palavras de um auxiliar envolvido na montagem da estratégia, “chegou mesmo a hora de colocar a campanha na rua”. Amanhã, Campos estará em São Paulo. Vai participar de evento no Secovi, sindicato da construção civil.

Eduardo Campos monta comissão para definir palanques nos estados

Deu no Poder Online

Em uma reunião que durou cerca de cinco horas e terminou na madrugada desta terça-feira (20), o presidenciável Eduardo Campos (PSB) montou uma comissão especial que será responsável por montar as chapas de candidatos a deputados estaduais e federais. O encontro, realizado no Recife, contou com representantes de diretórios do PSB de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Bahia.

O plano é montar a estratégia levando em consideração o cenário político de cada estado – onde o PSB é base governista, onde é oposição -, assim como o projeto da candidatura do socialista à Presidência. O governador pernambucano avaliou que a situação mais complicada para compor os palanques está nos estados do Rio e da Bahia.

Estarão na comissão os deputados Beto Albuquerque (RS) e Márcio França (SP), o senador Rodrigo Rollemberg (DF), o vice-presidente nacional do PSB Roberto Amaral e o secretário-geral da legenda Carlos Siqueira. Eles terão a missão de analisar novas filiações até o dia 30 de setembro e entregar as chapas na próxima reunião nacional do partido, cuja data ainda não foi definida.

O grupo também já fixou meta para sua bancada na Câmara. Planeja passar dos atuais 35 para 50 deputados federais.

‘Defendo qualquer investigação sobre o uso de verbas públicas’, diz Raquel

asaasasasa

Deputada vê Eduardo como um “excelente nome” para a disputa presidencial (Foto: Divulgação)

A deputada estadual Raquel Lyra (PSB) analisou, durante debate realizado ontem na Rádio JC/CBN, as notícias publicadas recentemente pelo Jornal do Commercio sobre os problemas administrativos identificados em Caruaru pela CGU (Controladoria-Geral da União). Ela lembrou que o relatório foi concluído pelo órgão em 2011, mas ressaltou a importância de tornar públicas as investigações.

“A imprensa também tem esse papel. E eu defendo qualquer investigação sobre o uso de verbas públicas. Mas não posso avaliar se houve má-fé por parte de quem aplicou essas verbas”, disse.

Sobre as eleições de 2014, a deputada confirmou sua candidatura à reeleição e admitiu que considera o governador Eduardo Campos (PSB) um “excelente nome” para a disputa presidencial. Ela, no entanto, ressaltou que o momento atual é de atender às necessidades do Brasil. “Nos últimos anos, mais de 40 milhões de pessoas foram tiradas da miséria, mas precisamos dar um passo adiante, inclusive oferecendo educação de qualidade”, concluiu.

Eduardo Campos chama núcleo da campanha para reunião no Recife

Deu no Poder Online

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), chamou uma reunião nesta segunda-feira (19), com o grupo que deverá integrar o núcleo duro de sua campanha ao Palácio do Planalto no próximo ano.

Campos, no entanto, pediu aos convidados que evitassem falar sobre o encontro aos correligionários. Disse que anda tendo que administrar a ciumeira de deputados e senadores do PSB que não foram chamados para conversas sobre a definição de estratégias para 2014. Voaram para Recife, além do líder do PSB na Câmara, Beto Albuquerque (RS), os deputados Júlio Delgado (MG) e Márcio França (SP), além do senador Rodrigo Rollemberg (DF).

Não é a primeira vez que Eduardo Campos precisa administrar os ciúmes dos socialistas. Em julho, o governador convidou para um almoço no Recife toda bancada da Câmara e do Senado. Havia na época um clima de cobrança de envolvimento maior dos deputados e senadores, que avaliavam que Eduardo Campos se restringia as conversas sobre sua candidatura a apenas alguns membros da executiva do partido.

/**/

PT e PTB já discutem palanque de Dilma Rousseff em Pernambuco

Do Brasil 247

Enquanto o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), eventual candidato à Presidência da República em 2014, não explicita que rumo tomará no próximo ano, o PT e o PTB pernambucano já discutem a eleição presidencial para dar sustentação à candidatura da presidente Dilma Rousseff (PT) no Estado. O começo de uma discussão acerca do cenário político-eleitoral visando o Palácio do Planalto indica que o pleito estadual ficará em segundo plano, pois o xadrez político regional dependerá da formação das alianças em nível nacional. “Ainda é cedo para discutir o local”, disse o senador Humberto Costa (PT).

Durante um almoço com o senador Armando Monteiro (PTB) e o deputado federal João Paulo (PT), Costa disse o porquê de conversar sobre a eleição presidencial. “Esse encontro é uma oportunidade de discutirmos o cenário nacional, as forças políticas que estão com a presidente Dilma Rousseff em Pernambuco. É o início do reconhecimento de quem está fazendo parte do nosso campo”, declarou.

O encontro serviu, também, para reforçar a aproximação do PTB nacional com a presidente Dilma. Se antes a legenda petebista demonstrava o seu apoio de maneira discreta ao PT, agora, com vistas à eleição 2014, tal proximidade tende a ficar mais evidente, o que facilita a construção de um palanque estadual a fim de sustentar a postulação da chefe do Executivo federal, candidata à reeleição. Segundo a Folha de Pernambuco, o deputado João Paulo avaliou que “o PTB tem sido um parceiro que caminha no nosso (PT) campo, reconhecendo e participando do que é feito pelo governo”.

A construção das alianças não está condicionada apenas à formação de um palanque único estadual. PT-PSB, PT-PTB ou PSB-PTB são as possibilidades de constituição da aliança que apoiará a candidatura da presidente Dilma em Pernambuco, um dos seus principais redutos, bem como o governador Eduardo Campos, claro.

Apesar das intensas trocas de farpas entre petistas e pessebistas durante e após o pleito municipal do ano passado, quando o PSB lançou candidato em cidades importantes, como Belo Horizonte (MG), Recife (PE) e Fortaleza (CE), e venceu o PT, não será um estranhamento caso ambos os partidos estejam do mesmo lado em Pernambuco. Candidato a prefeito da capital pernambucana em 2012, Humberto Costa esteve, neste ano, em eventos junto com o governador Eduardo Campos, mostrando que as “rugas” estão, parcialmente, superadas.

Quanto à possibilidade de PT e PTB estarem no mesmo time em Pernambuco, o cenário eleitoral aponta para uma provável candidatura do senador Armando Monteiro ao governo estadual e, possivelmente, do deputado João Paulo ao Senado. Vale ressaltar que o parlamentar petebista já apareceu em uma inserção partidária, no primeiro semestre. Na ocasião, o congressista destacou o crescimento econômico de Pernambuco, tendo como mote o Complexo Industrial Portuário de Suape, mas, segundo ele, é preciso mais investimentos em áreas como saúde, educação e segurança pública.

Com PTB e PSB juntos num palanque estadual, aparentemente o jogo político fica mais indefinido. Embora tenha uma aparição pública mais discreta, Armando Monteiro não esconde a vontade de ser governador de Pernambuco. Mas, conforme os bastidores, Campos deverá indicar um nome de sua “cozinha” (do PSB). Curiosamente, o vice-governador do Estado, João Lyra Neto, anunciou, no semestre passado, que deixará o PDT para ingressar na legenda socialista, um indicativo que tem grandes chances de disputar a sucessão do gestor pernambucano em 2014.

PSB não planeja entregar cargos que ocupa no governo Dilma, ainda…

asasasasasasasa

O governador Eduardo Campos prefere discutir o assunto internamente (Foto: Raul Buarque/SEI)

Do Brasil 247

Apesar do amplo apoio por parte do diretório do PSB em São Paulo, que chegou a 97%, em prol da candidatura presidencial do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e para que a legenda entregue os cargos que ocupa no governo da presidente Dilma Rousseff (PT) já em setembro, interlocutores do partido observam que a saída da base de apoio governista ainda não entrou na pauta de discussões. Qualquer movimento neste sentido não deverá ser tomado sem que antes seja feita uma análise criteriosa sobre o real cenário eleitoral de 2014.

Detentor de dois ministérios, Integração Nacional, comandado por Fernando Bezerra Coelho, e a Secretaria Especial de Portos, que tem à frente o cearense Leônidas Cristino, o PSB também ocupa espaços em estatais como a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), cujo presidente, João Bosco Almeida, foi indicado diretamente por Eduardo Campos. A posição adotada pelo diretório paulista do PSB, que acompanha a adotada pela legenda no Rio Grande do Sul, em defender uma candidatura própria tendo como cabeça de chapa o governador Eduardo Campos, e a entrega dos cargos que ocupa na administração federal ainda não teriam sido discutidas internamente, segundo o próprio Eduardo Campos.

De acordo com matéria veiculada pelo jornal Folha de Pernambuco, a movimentação do diretório do PSB visa não apenas fortalecer a pré-candidatura de Eduardo Campos rumo ao Planalto, mas, também, fortalecer a legenda na disputa pelo Governo do Estado, que tem o deputado federal e presidente estadual da sigla, Márcio França, como um dos principais interessados em se lançar na corrida pelo comando do Palácio dos Bandeirantes.

A decisão do diretório paulista para que o PSB lance uma candidatura própria para disputar a Presidência da República em 2014 foi tomada após uma pesquisa interna, feita junto aos 500 diretórios municipais da legenda no Estado, apontar que 97% dos filiados à legenda desejam que o partido se lance na corrida presidencial.

“Os mesmos 97% defendem a saída do governo Dilma em setembro”, assegurou França, nesta sexta-feira (9), no evento que afirmou o apoio do PSB paulista à candidatura do governador Eduardo Campos. Outros estados devem fazer consultas semelhantes ao seus filiados e, caso este apoio maciço seja mantido, a pressão para que Campos se candidate será fundamental para que o PSB entregue os cargos que ocupa no governo da presidente Dilma e abandone a base governista. Em seguida restaria apenas confirmar oficialmente a candidatura de Campos e partir para o embate, como já deseja boa parte da legenda pessebista.

‘Não muda nada nos nossos planos’, diz líder do PSB sobre diálogo com Dilma

Do Poder Online

O esforço, considerado por muitos tardio, da presidente Dilma Rousseff (PT) em estabelecer um diálogo com a base na Câmara dos Deputados não mudará os planos eleitorais do PSB.

O líder do partido na Casa, Beto Albuquerque (RS) saúda a nova fase de Dilma, mas avisa que o plano de seu partido já está bem definido.

“O PSB não está dialogando eleitoralmente com ela (Dilma). Vamos tentar ajudar. Para nós não interessa um país esfacelado. Não somos da filosofia do quanto pior, melhor, mas isso não muda nada nos nossos planos”, disse o socialista sobre a candidatura de Eduardo Campos à presidência da República.

Na próxima segunda-feira, Dilma fará nova reunião com líderes para falar da destinação dos royalties do petróleo, tema que será votado na Câmara, e do modelo de financiamento da saúde.

Paulo Bornhausen será reforço de Eduardo Campos em Santa Catarina

Do Poder Online

De malas prontas para o PSB, o secretário de Desenvolvimento de Santa Catarina, Paulo Bornhausen, vai oficializar sua troca de partido no final do mês, em uma solenidade com a presença do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, em Florianópolis.

Bornhausen deixará o PSD, do governador Raimundo Colombo para cuidar do palanque de Eduardo Campos no Estado. No entanto, sua saída não significará um rompimento.

A estratégia de Campos é também atrair Colombo para a campanha presidencial de 2014. Além dele, o PSB conta que conseguirá reunir como apoiadores o governador, o deputado Esperidião Amim e sua mulher, Ângela Amin.

‘Dilma Rousseff perdeu o favoritismo da eleição’, diz Sérgio Guerra

Ex-presidente nacional do PSDB, o deputado pernambucano Sérgio Guerra avaliou, em entrevista publicada hoje pelo Poder Online, que candidaturas presidenciais como a de Marina Silva (sem partido) e Eduardo Campos (PSB) são importantes para a democracia. Na visão do tucano, que articula o nome do senador Aécio Neves (PSDB-MG) para 2014, Dilma Rousseff (PT) perdeu o favoritismo da eleição.

“É importante para a democracia que todos sejam candidatos. Hoje, o governo perdeu o favoritismo da eleição. Já não tem mais aquele favoritismo que antes tinha com a candidatura de Dilma Rousseff. A oposição deve ter mais de um candidato. E as eleições vão se decidir num segundo turno”, afirmou.

Em relação à possibilidade de prévias no PSDB para saber quem será o candidato a presidente em 2014, Sérgio Guerra disse apostar num acordo. “Havendo mais de um candidato, é natural que haja prévia no PSDB. Mas claro que, em tese, eu acho que o partido deve caminhar para um consenso”.