TCU espera a Câmara para entrar no Impeachment

Do Blog do Magno

O Tribunal de Contas da União decidiu tirar o pé do acelerador em processos que envolvem o governo ou a presidente Dilma Rousseff e deram origem ao pedido de impeachment em análise na Câmara dos Deputados. Os casos só deverão ir ao plenário do tribunal após a decisão do Congresso de afastar ou não a presidente. Ministros do TCU também passaram a tratar o tema de forma discreta e se recusaram a ir à comissão especial que prepara o relatório sobre o impeachment que será votado pelo plenário da Câmara. Mesmo que a presidente consiga escapar do processo, no entanto, a tendência é que o órgão continue a apontar falhas diretas dela e de seus auxiliares em casos como as pedaladas fiscais e a corrupção na Petrobras.

Enquanto isso governo da presidente Dilma Rousseff decidiu manter em sigilo o tamanho exato da dívida e quem são os devedores de taxas destinadas à Caixa Econômica Federal por conta da administração de fundos e programas sociais. O banco público é contratado pelo governo para executar programas como o Bolsa Família e precisa ser remunerado pelos serviços prestados. Em processos de conciliação que tentaram, sem sucesso, garantir os repasses à Caixa, a Advocacia-Geral da União relacionou a falta de pagamento dessas taxas de administração ao represamento de recursos conhecido como “pedaladas fiscais”.

Ato “enterra” indecisos e contra o impeachment

img_5884

Em Boa Viagem, cartazes com ‘Fora Dilma’ e ‘Lula nunca mais’ também foram fincados.
Ação é uma extensão do site ‘Mapa do Impeachment’.

Do G1 PE

Ato realizado na Praia de Boa Viagem, na manhã deste domingo (3), chamou a atenção de quem passava pelo local. Panos pretos e placas fincadas na areia simbolizavam os dez parlamentares pernambucanos indecisos e os seis contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). O ato partidário foi organizado pelo movimento Vem Para Rua. Cartazes com os dizeres “Fora Dilma”, “Fora Corrupção” e “Lula nunca mais” também foram colocados na praia.

.A ação é uma extensão do “Mapa do Impeachment”, um site que expõe a posição de cada político. Na areia, apenas os parlamentares estaduais. A movimentação foi pequena no local e, por volta das 10h30, o G1 estimou que vinte pessoas participavam do ato. O deputado federal Medonça Filho (DEM) compareceu à ação.

Para o porta voz do movimento, Gustavo Gesteira, a ação ainda é uma forma de fazer com que os parlamentares indecisos tomem uma atitude. “De um lado é um ato para conscientizar, para que as pessoas possam vir e terem conhecimento desses parlamentares, mas também é uma manifestação de indignação contra a falta de posicionamento de alguns deputados e senadores com o posicionamento contrário a maioria do povo brasileiro”, pondera ao dizer que o ato ainda serve para que o cidadão possa pensar e repensar seu voto.

Confira abaixo a lista dos parlamentares que foram expostos pelo ato.Indecisos
Fernando Coelho Filho (PSB)
Fernando Bezerra (PSB)
Zeca Cavalcanti (PTB)
Adalberto Cavalcanti (PTB)
Tadeu Alencar (PSB)
Fernando Monteiro (PP)
Douglas Cintra (PTB)
Carlos Eduardo Cadoca (PCdoB)
Kaio Maniçoba (PMDB)
Jorge Côrte Real (PTB)
Sebastião Oliveira (PR)

Contra 
Eduardo da Fonte (PP)
Luciana Santos (PCdoB)
Ricardo Teobaldo (PTN)
Sílvio Costa (PTdoB)
Wolney Queiroz (PDT)
Humberto Costa (PT)

Em resposta à Folha Dilma diz que jamais renunciará

16076207

A presidente Dilma Rousseff respondeu ao editorial da Folha Leia aí (“Nem Dilma nem Temer”), dizendo que “jamais renunciará”.

O texto foi colocado no perfil oficial da presidente no Facebook. “Setores favoráveis à saída de Dilma, antes apoiadores do impeachment, agora pedem a sua renúncia. Evitam, assim, o constrangimento de respaldar uma ação ‘indevida, ilegal e criminosa’. Ao editorial da Folha de S. Paulo publicado neste domingo (3), fica a resposta da presidente: ‘Jamais renunciarei'”, diz a publicação, acompanhada de um vídeo com trechos de discursos anteriormente proferidos pela presidente.

O editorial “Nem Dilma nem Temer” afirma que a presidente perdeu as condições de governar o país e, por isso, deve renunciar. O texto defende ainda que o vice-presidente Michel Temer (PMDB) renuncie para que possam ser convocadas novas eleições. A Folha nunca defendeu o impeachment de Dilma.

ARTIGO — Bye Bye Brasil

Maurício Assuero

O estrago é enorme. O país sucumbiu aos interesses privados dos seus governantes, ou melhor, dos seus representantes. Ninguém está interessado em resolver problemas econômicos, em reverter a alta do desemprego, tanto é assim que Lula chegou a declarar que o problema econômico pode ser resolvido depois e o importante, agora, é evitar o “golpe”. É uma pena que seja assim. É uma pena que o trabalhador brasileiro fique à mercê de uma questão política cujo desfecho a gente tem quase certeza de como vai acabar: impeachment! O problema é que, mesmo ocorrendo o impedimento de Dilma, não temos muitas razões para comemorar. É inconcebível que Dilma perca o mandato pela votação de pessoas que respondem, também, a processos por improbidade administrativa. Por esta razão, este impeachment não me causa qualquer sintoma de alegria.

Em adição, reconhecendo que precisamos dar um rumo ao país, externo a preocupação do “dia seguinte”. Notadamente temos tudo para viver um palco de guerra, com a ação dos movimentos sociais que ameaçam – esta é a palavra – o funcionamento das instituições. O Brasil está dividido e armado. Então, é possível que em meados de abril estejamos vivenciando um cenário de horror cuja responsabilidade deve recair sobre nossos governantes, sobre nossos representantes. A questão crucial, já dissemos, é que o PMDB tem agido nos últimos anos como um partido de apoio, que se pendura no governo, ocupa cargos, mas não apresenta soluções. Agora se fala de um pacto para salvar o país, caso Temer assuma, que incluiria um mandato tampão sem direito a reeleição. Esta ideia traria credibilidade ao mercado.

Por outro lado, o resgate político através da recuperação econômica está sendo, tardiamente, tratado pelo governo e, ainda, de forma errada. No início da semana passada o ministro Nelson Barbosa propôs algumas medidas de contingenciamento que afetam, diretamente, os funcionários públicos, por exemplo, porque congelam aumento real de salário. O governo não consegue enxergar que o problema não requer, apenas, a contenção dos gastos e que é preciso tratar do controle do endividamento.

Em 2008, quando os sintomas de crise transformaram-se em patologias econômicas, o Brasil adotou uma política econômica expansionista que foi insuficiente para salvar a economia do colapso. Em 2010, com as eleições à porta, o governo abriu o caixa, fato que se repetiu na eleição seguinte. O interessante é lembrar que o governo preferiu manter programas sociais, mesmo sem dinheiro repassado do Tesouro Nacional, gerando as chamadas pedaladas fiscais que se formaram como argumento principal do pedido de impeachment de Dilma. No fundo, Dilma tem suas responsabilidades, agora não adianta jogar nos seus ombros essa cruz porque há outros culpados. O seu partido político, por exemplo, tem uma responsabilidade bem maior do que ela. Erros foram cometidos no partido e ela engoliu por razões diversas, entre as quais, salvar Lula da guilhotina.

Demanda por seguros aumenta com onda de roubos

Pedro Augusto

Os constantes casos de roubos de veículos registrados nos dois primeiros meses deste ano em Caruaru – a Secretaria de Defesa Social contabilizou um aumento na prática de 153% no comparativo com o mesmo período de 2015 – estão levando os proprietários de automóveis, motocicletas e outros transportes a se atentarem ainda mais para a importância de se contar com as garantias de um seguro. Mesmo com a crise financeira, que vem inibindo bastante o poder de consumo dos caruaruenses, milhares deles têm refeito as suas contas para encaixar em seus orçamentos a quitação da parcela do serviço. Que o diga a gerente de loja, Joana Paula.

Após verificar, através da imprensa local, o acréscimo considerável no número de roubos, ela decidiu recorrer a uma corretora de seguros. “Já tínhamos passado por um susto grande em 2015, quando meu marido por pouco não teve a motocicleta roubada, e agora com essa onda constante de assaltos, achamos melhor recorrer ao serviço. Apesar de a vida não estar fácil para ninguém por conta dessa crise, fizemos um esforço ao cortarmos algumas despesas extras e conseguimos fechar a melhor opção em termos de seguro. Sim porque é melhor apertar um pouco mais o orçamento incluindo a parcela por mês do que ter um dos poucos bens levados. Afinal, o prejuízo acaba sendo maior”, justificou.

Segundo as corretoras visitadas esta semana pelo VANGUARDA, atualmente a demanda por seguros de veículos na cidade encontra-se em média 20% maior em comparação com o mesmo período do ano passado. Foi o que confirmou a técnica de seguros da Cactus, Rosangela Balbino. “Realmente as pessoas estão assustadas com esse aumento significativo no número de roubos, tanto é que hoje elas têm comparecido à nossa empresa numa frequência cada vez maior à procura da efetivação de seguros. Um ponto interessante é que a alta demanda não tem se limitado apenas a proprietários de veículos, como o Gol e o Uno Mille, que tradicionalmente são bastante procurados pelos assaltantes, mas sim no âmbito geral.”

Se atualmente a procura pela efetivação de seguros está em elevada, o mesmo também pode ser dito em relação ao comunicado de sinistros. Este último corresponde a qualquer evento em que o segurado sofreu algum tipo de acidente ou prejuízo material como, por exemplo, colisões, incêndios ou os próprios roubos.

A técnica de seguros da Serra Leoa, Luciana Barros, ressaltou o acréscimo pelo segundo procedimento. “Assim como na concorrente, até o presente momento a demanda pela efetivação de seguros encontra-se cerca de 20% superior em relação ao primeiro trimestre de 2015. Entretanto, o volume de sinistros contabilizados ante o mesmo intervalo do ano passado ainda está maior. A maioria deles está relacionada aos casos de roubo.”

Na Bertier, a procura por seguros encontra-se hoje mais concentrada para um determinado tipo de veículo. “Para se ter ideia, enquanto a efetivação de seguros aumentou em torno de 20% em relação aos automóveis no que diz respeito às motocicletas, o mesmo procedimento cresceu em média de 50% com essa onda de roubos que vem ocorrendo em Caruaru. Apesar da crise, os proprietários têm encontrado um forma de pagar o seguro, garantindo, assim, os seus patrimônios”, reforçou o gerente de seguros da Bertier, Gustavo Spindola.

Obra inacabada causa transtornos a moradores

Pedro Augusto

Em outubro de 2013, quem se atentou para a placa da construção do CEU (Centro de Artes e Esportes Unificados), do bairro Maria Auxiliadora, em Caruaru, certamente deve ter ficado animado com a infraestrutura que o local iria disponibilizar. Afinal, a população passaria a contar com mais uma praça, uma quadra poliesportiva, uma pista de cooper, uma pista de skate, além de salas para a promoção de oficinas e cursos gratuitos. Porém hoje, quase um ano e seis meses depois de ela ter sido erguida, o que se vê no empreendimento não lembra em nada ao esboço divulgado. Os espaços até que chegaram a sair do papel, ao menos que parcialmente, mas já se encontram, assim como a placa, desgastados e com aspectos de abandono.

Um próprio funcionário da Prefeitura de Caruaru, que presta serviço no local, ficou encarregado de descrever a situação do empreendimento. “Na verdade, a obra deste CEU encontra-se inacabada. Tanto é que ele nunca foi inaugurado. Em vez de famílias, estudantes, jovens e adultos, já um bom tempo que o local tem contado com a presença cada vez maior de marginais e prostitutas que vêm pintando e bordando. Já colocaram fogo em uma das paredes, pixaram várias delas, quebraram janelas, portas, o banheiro foi destruído, ou seja, uma esculhambação total”, pontuou. Com receio de ser demitido, já que a PMC é quem está à frente da construção do espaço, ele preferiu não ter o nome revelado.

Conforme a própria segunda placa do complexo informa em letras e números ainda visíveis, o prazo da obra do CEU corresponderia de 14 de outubro de 2013 a 1º de dezembro de 2014. Para construí-lo, a Prefeitura firmou parceria com o Ministério da Cultura, que aprovou o repasse na ordem de R$ 1.945.266,98. Com o objetivo de obter respostas sobre a finalização da obra e o suposto abandono do local, o vereador Jajá (PSDC) chegou a apresentar requerimento, no mês passado, na Câmara Municipal.

Segundo o legislador, o prefeito José Queiroz tem o prazo de 30 dias para se defender. “Após coletarmos várias denúncias por parte dos moradores da comunidade, nos dirigimos até aqui e constatamos este cenário de abandono. Apesar de a obra ter sido estimada para acabar em 2014, hoje, em pleno março de 2016, ela ainda não foi concluída. Queremos saber do senhor prefeito José Queiroz, quais os motivos para que este equipamento ainda não esteja sendo utilizado pela comunidade e pelo próprio poder Executivo na medida em que estavam previstas a realização de várias atividades de cunho educacional e artístico no local. O requerimento citado foi encaminhado no último dia 8 e se até o próximo dia 8 abril, nada for respondido, o prefeito poderá responder por improbidade administrativa”, argumentou Jajá.

Com residência ao lado do CEU, o autônomo Paulo Silva também se mostrou conhecedor da dura realidade do espaço. “Como essa construção encontra-se inacabada, muitos meliantes têm utilizado o local para consumir drogas. Vários objetos já se encontram quebrados e o pior que ainda custarão mais dinheiro para serem substituídos por novos dando mais um belo exemplo de como se gastar dinheiro público à toa”, criticou. Quem reforçou os questionamentos do autônomo foi o presidente da Associação dos Moradores do Bairro Maria Auxiliadora, Israel Silva. “A Prefeitura está sendo omissa com o CEU. A empresa que havia sido contratada por ela para executar a obra, parou de prestar serviço, porque deixou de receber dinheiro”.

Respostas

Em entrevista por telefone, o secretário municipal de Infraestrutura, Bruno Lagos, não estipulou prazo, mas afirmou que a obra do CEU será retomada o mais breve possível. “O que ocorreu foi que tivemos problemas com a empresa que estava sendo responsável pela construção do mesmo, porém já estamos acionando-a judicialmente e uma nova será contratada. A população do Maria Auxiliadora pode ficar tranquila, porque daremos continuidade à obra. Quanto ao repasse do Ministério da Cultura, como se tratou de uma emenda parlamentar, o dinheiro estava sendo repassado na medida em que os equipamentos estavam sendo instalados. Ou seja, não recebemos a quantia por completo”.

O secretário também falou a respeito do requerimento protocolado pelo vereador Jajá bem como comentou sobre a falta de segurança no local. “Ele (Jajá) terá as respostas no momento certo e não haverá essa de improbidade administrativa. O prefeito José Queiroz é uma pessoa séria, que já está no seu quarto mandato. Já no que diz respeito à segurança, instalaremos iluminação como também reforçaremos a vigilância”, finalizou.

Como usar os cartões de crédito sem ficar no vermelho

Que o Brasil vem enfrentando uma grave crise econômica todos já sabem. Porém, se no ano passado as perspectivas para o orçamento das famílias brasileiras não eram boas, em 2016 elas não serão muito diferentes. Para driblar essas dificuldades, muitos brasileiros acabam optando por usar linhas de créditos pré-aprovadas ou os famosos cartões de crédito.

Para o professor de finanças, Carlos Alberto Ercolin, apesar de serem atrativos, os cartões de crédito precisam ser utilizados com muito cuidado e responsabilidade. Segundo o especialista, tentar conhecer todos os tipos de cartões existentes no mercado, por exemplo, faz com que o cliente adquira o que combine com os seus hábitos de consumo e evite gastos desnecessários.

Ainda assim, as coisas não são tão simples quanto parecem. Para ele, o uso dos cartões de exige cautela e organização. “Se o usuário não for disciplinado acabará por gastar mais que o que tem na conta corrente. Muita gente se esquece que terá de pagar o que gastou no cartão, agindo como se ele fosse um saldo adicional”, afirmou.

Segundo Ercolin, os cartões de créditos só devem ser usados em casos de emergência, já que sua modalidade de financiamento é uma das mais caras do mercado. Hoje, os juros dos cartões ultrapassam 439% ao ano, segundo o Banco Central. Mas, se ainda assim, o consumidor precisar usar o crédito, a principal dica do professor é sobre a pontualidade e o pagamento total das faturas. “Seja sempre pontual no pagamento total da fatura, nunca pague apenas parte da mesma, devendo quitar a totalidade dela”, comentou.

Por outro lado, se o consumidor não tomou os devidos cuidados e perdeu o controle dos gastos o especialista dá algumas opções. “A primeira é a renegociação com a administradora do cartão. O usuário precisa negociar tantas vezes quantas necessárias, pois não adianta aceitar a primeira proposta da administradora, com taxas abusivas que ele não conseguirá pagar e terá de voltar a negociar, posteriormente. A segunda são as feiras de renegociação, com os altos índices de inadimplência, muitas empresas credoras têm optado por participar delas”, acrescentou Carlos Alberto Ercolin.

Para finalizar, Ercolin recomendou ao devedor a aposentar os seus cartões, até estabilizar sua vida financeira. “O consumidor precisa pensar seriamente em aposentar o cartão de crédito, pelo menos até quitar a sua dívida atual. Já que não adianta renegociar uma dívida se os seus hábitos não forem revistos. O usuário voltaria a renegociar, dentro de pouco tempo, as novas dívidas feitas com o uso continuado do cartão”. Para o professor de finanças, os cartões devem ser vistos apenas como uma reserva que será usada somente caso necessário e não para cobrir o rombo no final do mês.

/**/

Campanha de vacinação antirrábica de Caruaru será realizada no dia 7 de Maio

A Campanha de Vacinação Antirrábica Animal será realizada o município de Caruaru no dia 07 de maio de 2016, diferentemente dos demais municípios do Estado. Isto se dá em virtude da necessidade de intensificação do trabalho em combate as arboviroses e por causa de sua extensão rural.

As áreas rurais já estão sendo cobertas desde o dia 21 de março, com o trabalho de vacinação de porta em porta nos animais. No dia D, (07), a zona urbana contará com 50 postos de vacinação distribuídos por toda região. A ação contará com 250 vacinadores, além de apoio dos bombeiros civis. A abertura dos postos será das 8h às 17h.

Salientamos que na Gerência de Proteção Animal funciona diariamente um posto de vacinação contra a raiva, qualquer cidadão que desejar vacinar seu cão antes da campanha, deverá levar o animal na gerência, das 8h as 13h de segunda a sexta-feira.

Pizza Hut inaugura primeira unidade em Pernambuco

A Pizza Hut, maior rede de pizzaria do mundo, abre na próxima segunda-feira, 4 de abril, as portas da sua primeira operação em Pernambuco. A loja está instalada na cidade de Recife, no bairro Boa Viagem. De acordo com dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), a região Nordeste do país apresentou em 2015 um crescimento de 8,8% no faturamento do franchising nacional e vem chamando, cada vez mais, a atenção de empresários interessados em investir na região.

Segundo o franqueado Victor Cantarelli, o restaurante será uma nova opção tanto para os moradores, estudantes e trabalhadores locais quanto para quem estiver a passeio ou apenas de passagem pela cidade. “Estamos trabalhando muito para que seja um sucesso. Os consumidores da região estavam esperando muito por uma loja da rede aqui em Recife”, afirma Cantarelli. Para este ano, o franqueado prevê a abertura de mais duas unidades na cidade. “Queremos trazer para Recife uma experiência diferente para os clientes, com atendimento excelente, entrega rápida e a melhor pizza”, completa.

A nova loja da Pizza Hut opera no formato Super Delco – unidade de rua menor que os restaurantes tradicionais, com foco em Delivery e To Go, onde os consumidores fazem a encomenda por telefone ou web e retiram na loja. Além disso, a loja dispõe de espaço para consumo no local, acomodando aproximadamente 50 pessoas, porém sem serviço de garçom.

Presente em mais de 130 países, com 14 mil restaurantes, a Pizza Hut faz parte do grupo Yum! Brands. No Brasil, atualmente conta com mais de 100 unidades distribuídas por 16 estados, atingindo cerca de 1 milhão de pessoas consumindo Pizza Hut por mês.

Sesi inscreve em campanha de vacinação contra gripe H1N1 no Agreste

O Serviço Social da Indústria em Pernambuco (Sesi/PE) está com inscrições abertas para a Campanha de Vacinação contra a Gripe (H1N1). As doses fazem parte de um lote preparado para combater a mutação mais recente do vírus Influenza em suas três formas mais graves, a gripe A (H1N1, H3N2) e a Influenza B, que podem levar à morte. A meta da entidade é imunizar 15 mil trabalhadores em todo o Estado para evitar prejuízos à saúde do colaborador e à produtividade das empresas. A adesão pode ser feita até o final de abril, já a vacinação ocorrerá até junho. No Agreste, o atendimento será realizado pelas unidades de Belo Jardim e Caruaru. Mais informações pelos telefones: (81) 3722.9520 (Caruaru) e (81) 3726.1166 (Belo Jardim).

Para facilitar o acesso, a vacina está com custo de R$ 20,00 para indústria e R$ 35,00 para empresas de outros segmentos, um valor 60% abaixo do praticado pelo mercado. A aplicação é realizada na própria empresa, durante o expediente, para reduzir o tempo que o colaborador se ausenta do posto de trabalho. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a gripe é a maior causa de perturbações na vida diária e faltas ao trabalho de pessoas entre 18 e 64 anos.

Os resultados positivos que a campanha de imunização contra a gripe traz para as indústrias é comprovado. De acordo com pesquisa do médico do trabalho Eduardo Arantes, referência na área, a cada R$ 1,00 investido em vacina, a empresa possui um retorno de R$ 3,50 em redução do absenteísmo. “Outra vantagem de se imunizar o trabalhador é garantir a produtividade, pois quando o colaborador gripa seu rendimento caí e ainda pode contaminar os demais, já que se trata de uma doença muito contagiosa”, afirma Lígia Sacramento, gerente da Unidade de Qualidade de Vida do Sesi/PE. Ela lembra ainda que “anualmente, são registrados de 250 mil a 500 mil óbitos decorrentes de gripe no mundo”.

Para participar da campanha, basta enviar um e-mail para relacionamento@pe.sesi.org.br e informar o número de funcionários que deverão ser vacinados.